Language
home » têxtil »

Processo e tecnologia

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

Data Fabric está moldando as fábricas flexíveis e adaptáveis da Indústria 4.0

O acesso uniforme a fontes de dados distribuídas e heterogêneas é a chave para a nova geração de fábricas inteligentes e altamente adaptáveis da Indústria 4.0. Ele pode ser alcançado com uma camada de arquitetura separada, que cria um espaço de dados uniforme entre cadeias de valor, locais e nuvens. Com um data fabric, as empresas de manufatura podem criar os efeitos de rede necessários para desbloquear o potencial de valor de seus dados.

Coletar e analisar dados para derivar conclusões e ações a partir deles - essa é essencialmente a tríade dos sistemas de autoaprendizagem. Eles são a base da transição de processos automatizados para autônomos e, portanto, adaptáveis na fabricação. Os objetivos típicos são melhorar a eficácia geral do equipamento e estabelecer novos negócios digitais.

Na usinagem, por exemplo, os processos de aprendizado de máquina podem medir digitalmente a qualidade da superfície de uma peça, enquanto algoritmos e regras dinâmicas geram recomendações ou acionam ações automáticas: como classificar a peça, ajustar as etapas de produção subsequentes ou otimizar o processo.

Para fazer isso, a empresa de manufatura deve modelar digitalmente a lógica de produção e os recursos de fabricação, fornecendo-lhes acesso aos parâmetros de qualidade e processo relevantes. Ao correlacionar parâmetros de processo e de qualidade, são gerados modelos de dados que permitem o controle contínuo e a otimização da produção.

A teoria é um lado da moeda. Na prática, as empresas de manufatura enfrentam um dilema que surge dos requisitos do ciclo de dados. Esses requisitos, o dilema e uma estratégia de solução são descritos a seguir.

Ciclo de dados entre locais de produção e plataformas centralizadas

A qualidade dos modelos de dados depende muito da quantidade e da qualidade do "material de aprendizagem". Um técnico de manutenção pode levar anos até saber o comportamento exato de uma única máquina, para que possa identificar ou evitar um mau funcionamento em um estágio inicial. Se alguém pudesse agregar a experiência com centenas ou milhares de máquinas semelhantes, o processo de aprendizado poderia ser reduzido para semanas ou dias.

Isso acontece quando você coleta dados de máquinas semelhantes ou etapas de produção de locais diferentes e alimenta-os em um modelo de dados de autoaprendizagem. Quanto mais dados relevantes estiverem disponíveis, mais rápido e melhor será o efeito de aprendizagem. Isso é chamado efeito de rede de dados. Os dados industriais, em particular, têm um potencial considerável para criar vantagens competitivas sustentáveis ​​por meio de tais efeitos.

Não apenas os dados diretamente envolvidos no processo de fabricação são relevantes para o treinamento do modelo. Continuando com o exemplo de usinagem: não somente os dados sobre rugosidade da superfície, processo de fresagem, avanço ou profundidade de corte, mas também, por exemplo, valores medidos da fresagem na própria máquina (como vibração), informações ambientais (como umidade), bem como parâmetros logísticos e de negócios, como sistemas ERP.

Os modelos, algoritmos e regras treinadas controlam a análise de dados e ação durante o processo de produção. Dependendo do processo, isso pode exigir tempos de resposta baixos (latência) até o processamento em tempo real. É por isso que a análise de dados normalmente é feita nas fábricas próximas às máquinas, usando sistemas industriais de ponta que atuam como a interface entre os sistemas industriais e de TI. Eles garantem que a análise e a ação possam ocorrer sem transferência de dados para centros de dados remotos ou nuvens, a fim de garantir a maior estabilidade possível do processo.

Isso resulta em um ciclo de dados permanente entre locais de manufatura distribuídos e plataformas centralizadas. Os modelos de dados são continuamente aprimorados em um ponto central com a ajuda dos dados gerados nos locais de produção. Esses, por sua vez, utilizam os modelos, algoritmos e regras pré-treinadas para controle do processo operacional.

Evite ilhas de dados e dependências

Para construir esse ciclo de dados ao longo de toda a cadeia de valor, os dados devem ser integrados tanto vertical quanto horizontalmente. Com a integração vertical, os dados de máquinas ou sistemas são transmitidos para IoT centralizado ou plataformas em nuvem. Pode ser, por exemplo, a temperatura e o nível da vibração com o respectivo registro do horário, que são regularmente amostrados e visualizados ou processados ​​em um sistema central.

Ao fazer isso, as empresas de manufatura enfrentam um dilema. Se elas usarem as plataformas IoT de seus vários fabricantes de máquinas com uma seleção dos top de linha, eles criarão ilhas de dados que tornam a análise geral e o controle mais difíceis. A complexidade que já existe em ambientes de fabricação é cimentada ou aumentada ainda mais - ou seja, a típica "arquitetura espaguete", em que vários bancos de dados, ferramentas de análise e aplicativos são interligados por interfaces individuais. No entanto, se as empresas confiarem apenas em uma ou algumas plataformas em nuvem para reduzir a complexidade, a dependência dessas plataformas aumentará.

A integração horizontal de dados pode resolver esses problemas. Com essa abordagem, os dados não são transferidos para um local central, mas vinculados uns aos outros por uma camada de dados separada. Daí o nome "data fabric", ou tecido de dados, que significa uma malha de conexões.

Controle o ciclo de dados com um data fabric

Uma malha de dados combina sistemas de arquivos distribuídos e heterogêneos por abstração em um usuário único ou global. Como resultado, as empresas de manufatura obtêm um acesso uniforme aos dados e arquivos que podem ser distribuídos em uma ampla variedade de sistemas e em tantos locais quantos forem necessários. Isso permite o gerenciamento holístico de dados, por exemplo, para controlar os direitos de acesso e outros requisitos de conformidade. A malha de dados também organiza o ciclo de dados descrito acima. É o núcleo por meio do qual os locais de produção, serviços em nuvem e empresas parceiras são integradas nesse ciclo como fornecedores ou destinatários de dados e modelos analíticos.

Com essa abordagem, o problema de complexidade pode ser resolvido porque há um acesso consolidado aos dados, e a interação entre aplicativos, fontes de dados e bancos de dados é organizada por intermédio de uma camada uniforme de informações. Ele também resolve o problema de dependência porque a empresa de manufatura controla o ciclo - ou seja, não as plataformas externas que integram os clientes como uma aranha em sua própria teia. Mesmo ao usar várias plataformas externas, a uniformidade da arquitetura de dados é preservada. Uma empresa de manufatura pode, portanto, reduzir adicionalmente sua dependência com uma estratégia de vários fornecedores, sem ter de temer complexidade excessiva ou ilhas de dados.

Blocos de construção de um data fabric

A malha de dados é baseada em uma arquitetura aberta e transparente. Os componentes mais importantes ao longo da aquisição, agregação, análise e ação da cadeia de processo são descritos abaixo.

- Aquisição: a aquisição de dados ocorre por meio de módulos de software que acessam os dados via interfaces de programação de aplicativos. Pode ser o banco de dados SQL do sistema ERP, os dados do sensor de uma máquina ou o banco de dados NoSQL de um aplicativo em nuvem. Os módulos de software convertem os respectivos protocolos industriais em pacotes IP e, assim, capturam a variedade de fontes de dados.

- Agregação: os dados fluem dos sistemas de origem para a malha de dados através de pipelines de dados, a fim de torná-los acessíveis aos aplicativos de destino usando sistemas de mensagens. Nesse contexto, os dados são frequentemente selecionados e compactados, uma vez que geralmente nem todos os dados de origem são relevantes para processamento posterior. Além disso, os dados podem ser armazenados em um local denominado data lake. O data lake agrega a riqueza de dados heterogêneos relacionados à produção para criar o maior banco de dados possível para aprendizado de máquina. Ao contrário de um data warehouse tradicional, um data lake pode ser distribuído em vários locais e ambientes - como locais de produção, data centers ou nuvens. Os controles de multilocação gerenciam quais usuários têm permissão para acessar quais dados e de que maneira. Isso significa que o data lake distribuído também pode ser usado por várias empresas sem afetar a soberania dos dados das partes envolvidas.

- Análise: usando toques de dados, os analistas podem acessar os dados operacionais circulantes e o data lake distribuído para experimentar, treinar, refinar e atualizá-los continuamente. Usando a análise de fluxo - a análise em tempo real de fluxos de dados de eventos - os modelos treinados são então usados ​​para monitorar os dados do sensor da produção em andamento. Por exemplo, você pode reconhecer desvios ou clusters conspícuos que indicam problemas de funcionamento emergentes. A análise de fluxo é a base para ações autônomas em operações, bem como para intervenções de médio prazo, como manutenção preditiva.

- Ação: as ações são acionadas com base em algoritmos ou lógicas de negócios, como abrir um pedido de serviço, caso uma máquina não produza mais a qualidade desejada devido ao desgaste. Além disso, os processos posteriores podem ser adaptados com base nesse conhecimento para trazer a qualidade de volta à faixa de tolerância. Isso é chamado de sistemas de auto-otimização ou autônomos.

Contêineres como base tecnológica

A virtualização de contêiner é usada como base tecnológica para a malha de dados. Isso permite que a lógica de negócios do data fabric seja distribuída entre locais de produção e logística, data centers e nuvens, ao mesmo tempo em que é operada de maneira uniforme. A orquestração de contêineres com o Kubernetes são os meios de escolha atuais para criar aplicativos distribuídos e amplamente independentes de plataforma. O problema da persistência de dados também pode ser resolvido hoje, de forma que aplicativos monolíticos - como MES ou PPS - possam ser armazenados em contêineres. Isso dá às empresas a vantagem inestimável de um ambiente homogêneo com vantagens de eficiência e transparência correspondentes na operação.

Ao construir essa malha de dados, toda empresa precisa responder à questão de fazer ou comprar. Hoje há uma abundância de tecnologias e ferramentas de código aberto disponíveis que as empresas podem usar para construir seu próprio data fabric. A alternativa para isso são produtos comerciais padrão. Isso inclui soluções como sistemas de arquivos distribuídos altamente escalonáveis, com os quais volumes de dados na faixa de petabytes podem ser gerenciados com alto desempenho. São componentes principais desse tipo de solução, que são usados para construir malhas de dados e para a conteinerização de ambientes de aplicativos. A plataforma também suporta a análise de fontes de dados distribuídas e inclui funções para armazenamento persistente de dados em ambientes de contêiner.

Conclusão

Com um data fabric, as empresas de manufatura podem criar os efeitos de rede necessários para desbloquear o potencial de valor de seus dados - por exemplo, na forma de maior eficiência operacional ou tornando-se uma plataforma digital que oferece serviços digitais aos seus clientes. A malha de dados representa o hub de dados que permite a troca e o controle de dados e lógica de processo. Fontes de dados externas também podem ser acessadas e partes externas podem ter acesso controlado à malha de dados, permitindo efeitos de rede entre empresas.

Com essa abordagem, as empresas permanecem amplamente independentes da IoT central ou das plataformas de nuvem pois obtêm efeitos de rede por meio de uma arquitetura descentralizada que está sob seu próprio controle. Os serviços de nuvem externa continuam sendo recursos indispensáveis porque têm ferramentas e recursos de agregação excelentes. No entanto eles podem ser usados a partir de uma posição de soberania, ou seja, com controle dos dados e do valor agregado resultante.

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

Por: Por Luís Albejante
Fotos: Divulgação

Data de publicação: 04/12/2020

Galeria de fotos desta matéria

Conteúdo relacionado


Epson lança nova solução para a impressão têxtil de alta qualidade
A Epson anuncia um novo lançamento em sua linha de tecnologia para a impressão digital têxtil. A nova ML-8000 é o modelo básico da série Monna Lisa que combina desempenho e usabilidade para atender às necessidades da indústria têxtil digital em termos de flexibilidade e sustentabilidade. Com 8 cabeças com a tecnologia PrecisionCore, a ML-8000 alcança uma velocidade de impressão de 155 metros quadrados por hora (600x600 dpi - 2 passadas).  2021-02-11 - Tags: epson impressao digital impressao textil monna lisa precisioncore ml8000

Archroma e CleanKore se unem para promover tingimento de índigo sustentável
A Archroma, líder global em especialidades químicas para soluções sustentáveis, anunciou parceria estratégica com a inovadora CleanKore, com o objetivo de promover processos de tingimento sustentáveis em toda a cadeia de fornecimento do denim.  2021-02-04 - Tags: cleankore archroma umberto devita quimicas especalidades

Panozon lança geradores de ozônio para indústria têxtil
A ozonização para descoloração de tecidos é uma técnica cada vez mais utilizada pela indústria têxtil, especialmente pelo seu potencial de pouca interferência na natureza, baixa DQO e processo que pode ser retornável. Por esses fatores a Panozon Ambiental S/A desenvolveu uma nova linha de geradores de ozônio para o segmento que produzem o gás de um a 100 gramas por hora.  2021-01-29 - Tags: ozonizacao tecidos industria textil panozon fiesp gerador de ozonio

Inovações em fibras celulósicas derivadas de têxteis e roupas usadas
Várias startup de inovação fizeram grande progresso recentemente no desenvolvimento de fibras celulósicas derivadas de têxteis e roupas usadas. Algumas destas fibras serão recolocadas para comercialização em 2021 informa a edição 207 do relatório Textile Outlook International da Textiles Intelligence.  2021-01-28 - Tags: startup inovacao textile outlook international textiles intelligence fibras celulosicas renewcell

EFI apresenta os têxteis ecológicos CMYUK para PDV
A CMYUK, líder mundial na distribuição de impressoras EFI-VUTEk, com sede no Reino Unido, renomada no setor e reconhecida como a empresa desenvolvedora de materiais sustentáveis para o mercado de impressoras digitais de grandes formatos, apresenta materiais eco-responsáveis e inovadores para a América do Norte, América Central e América do Sul, incluindo têxteis frontlit / backlit.  2020-12-17 - Tags: cmyuk tecnologia texteis ecologicos

Data Fabric está moldando as fábricas flexíveis e adaptáveis da Indústria 4.0
O acesso uniforme a fontes de dados distribuídas e heterogêneas é a chave para a nova geração de fábricas inteligentes e altamente adaptáveis da Indústria 4.0. Ele pode ser alcançado com uma camada de arquitetura separada, que cria um espaço de dados uniforme entre cadeias de valor, locais e nuvens.  2020-12-04 - Tags: data fabric industria 40 dados cadeia de valor processos automatizados

Clariant lança solução adesiva inspirada no gecko
O exemplo notável da natureza de adesão e sobrevivência das lagartixas deu inspiração à Clariant para desenvolver sua nova classe de adesivos Licocene®, que confere agilidade, economia de recursos e regeneração em seu núcleo. Os novos adesivos são altamente adaptáveis em centenas de aplicações, desde fraldas de bebês e absorventes de higiene feminina até têxteis automotivos, tintas de impressão 3D, eletrônicos de consumo, entre produtos.  2020-12-03 - Tags: clariant lagartixas hans bohnen inovacao

Internet das Coisas e Inteligência Artificial tornam produção têxtil sustentável e competitiva
A CLASSE. ecohub, plataforma global que tem a missão de tornar os negócios da moda e têxteis mais inteligentes e sustentáveis, anunciou parceria com a start-up Smartex, para sua área de Future Devices (dispositivos). Smartex é o lançamento pioneiro 4.0 que capacita máquinas de malharia circular a melhorar o rendimento e reduzir a produção defeituosa em quase 0%.  2020-11-30 - Tags: samrtex internet das coisas future devices giusy bettoni ecohub

Epson lança impressora de sublimação têxtil ultracompacta e com tinta fluorescente
A Epson, empresa líder em soluções de impressão, apresenta para o mercado brasileiro a nova SureColor® F571, uma solução de impressão para mercado de brindes com tinta sublimática fluorescentes ideal para personalizar canecas, almofadas e outros produtos. A máquina oferece confiabilidade, é fácil de usar e tem baixo custo operacional para pequenos empresários.  2020-11-23 - Tags: surecolor f571 epson edge print tinta fluorescente

Imogo discute tecnologia de spray para tingimento e acabamento têxtil
Membro da TMAS - Associação Sueca de Maquinaria Têxtil, a empresa imogo apresentou novas tecnologias de aplicação por spray para o setor de tingimento e acabamento têxtil. A novidade foi discutida em videoconferência, durante a recente exposição de máquinas têxteis promovida pela Innovate Textiles & Apparel (ITA), 15 a 30 de outubro, quando o sócio fundador da imogo, Per Stenflo, conversou com representantes de várias empresas europeias sobre o tema.  2020-11-17 - Tags: associacao sueca de maquinaria textil tmas innovate textiles & apparel imogo tingimento acabamento textil dye max

Truetzschler oferecer tecnologia para reciclagem de matéria-prima
A Truetzschler Man-Made Fibers oferece uma linha para a produção de fios de carpete de alta qualidade, os chamados fios BCF (Bulky Continous Filaments), diretamente a partir de flocos de PET. O processo tem três etapas e consiste na fusão do R-PET (tereftalato de polietileno reciclado de garrafas PET), fiação de um fio multifilamento por meio da fieira e posterior trefilagem e texturização.  2020-11-13 - Tags: truetzschler man made fibers fios bcf flocos de pet truetzschler nonwovens

EFI Reggiani BOLT recebe o prêmio de tecnologia da InterTech
A impressora têxtil digital EFI™ Reggiani BOLT de passagem única e velocidade da Eletronics For Imaging, Inc. recebeu o prêmio de tecnologia da InterTech™ da Printing United Alliance, que homenageia tecnologias com grande impacto transformacional na indústria de impressão.  2020-11-11 - Tags: efi reggiani bolt eletronics for imaging eletronics for imaging intertech

Produzir nãotecidos eco-friendly é possivel com a tecnologia Voith Trützschler
Desde que foi lançado no mercado em 2018, a linha de produção de nãotecidos Dimona WLM1, desenvolvida em parceria entre as empresas Voith e Trützschler, tornou realidade a fabricação eficiente de nãotecidos ecológicos, à base de celulose renovável.  2020-10-30 - Tags: trutzschler hydroformer trutzschler nonwovens voith naotecidos nonwovens naotecidos ecologicos wls hidroentrelacados

Vastex apresenta novo secador de esteira compacto para impressão DTG
O secador LittleRed X1D, projetado para atender a produção dos sistemas de DTG (impressão em peças cortadas e camisetas), agora está disponível com uma esteira transportadora de 76 cm de largura, oferecendo maior flexibilidade ao pequeno operador de loja. O anúncio foi feito por Mark Vasilantone, presidente da Vastex, empresa norte-americana fabricante de máquinas e acessórios para impressão.  2020-10-29 - Tags: littlered x1d dtg mark vasilantone vastex secador infravermelho

Carda TC19i : um novo benchmark para processamento de fibra artificial
As fibras artificiais são duráveis, versáteis e econômicas. É por isso que eles se tornaram indispensáveis na produção de fios na última década e agora respondem por mais de 40 por cento do consumo de fibras básicas. A Truetzschler apoiou essa tendência desenvolvendo máquinas altamente especializadas para fibras artificiais que atendem às expectativas em constante aumento de qualidade e eficiência, oferecendo ao mercado a carda inteligente TC 19i.  2020-10-21 - Tags: fibras artificiais truetzschler carda carda inteligente tc 19i

GeoAmericas 2020 reúne modernidade e inovações em geossintéticos
Otimização e transformações a partir do geossintético serão temas do GeoAmericas 2020, que será pela primeira vez 100% online. O evento será realizado em uma plataforma virtual entre os dias 26 e 31 de outubro, com uma programação técnica robusta, destinada à comunidade técnica de geossintéticos e engenharia em geral. Todas as atividades estarão disponíveis online.  2020-10-19 - Tags: geossinteticos naotecidos sinteticos feira conferencia pan americana de geossinteticos

Clariant desenvolve retardante de chamas sustentável para plásticos
Com base em compostos de fósforo orgânico não halogenado, em oposição a halógenos como a bromina ou cloro, que são parcialmente restritos pelas normas ambientais, a série mais recente do Exolit OP, desenvolvido pela Clariant, é uma classe de retardantes especiais de chamas, que oferecem possibilidades únicas de proteção contra fogo.  2020-10-15 - Tags: clariant economia circular fosforo organico nao halogenado exolit op

Tecnologia DuPont™ Tyvek® 400 garante padrões de segurança nos EPIs da Nissan
A montadora Nissan iniciou uma parceria com a DuPont e a Balaska para o desenvolvimento de um novo EPI para o processo de lavagem de farrametas. O projeto criou um modelo de macacão com a tecnologia DuPont™ Tyvek® 400, que atende aos níveis desejados de resistência, durabilidade, impermeabilidade, custo e conforto dos funcionários envolvidos na manutenção no setor de Estamparia da fábrica de Resende (RJ).  2020-10-08 - Tags: rodrigo d eleuterio nissan dupont epi tyvek 400 daniele carletti

Loepfe lança freio de trama para otimizar a tecelagem
A Loepfe Brothers Ltd. anunciou seu novo WeftMaster SFB, o primeiro de vários lançamentos planejados que caracterizam as mais recentes tecnologias de freios desenvolvidos para maximizar a produtividade na tecelagem. Projetado para caber em teares de projétil e pinça, ele controla a tensão para todos os tipos de fios e assim, minimiza o número de quebras de fio de trama.  2020-10-02 - Tags: loepfe tecelagem guido wieland weftmaster

Fabricantes de máquinas italianas se preparam para a criação do Selo Digital Acimit
A Acimit - Associação Italiana de Fabricantes de Máquinas Têxteis - lançou um projeto que visa definir uma forma de certificação digital, que pode ser usada pelas empresas italianas para facilitar a integração de suas máquinas nos sistemas de produção de seus clientes têxteis.  2020-09-29 - Tags: alessandro zucchi acimit selo digital maquinas texteis italia