Language
home » têxtil » processo e tecnologia » acabamento, tingimento, estamparia e lavanderias

Acabamento, Tingimento, Estamparia e Lavanderias

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

A evolução tecnológica do falso couro

Desde que entrou no mercado nos anos 1980,o “couro” sintético de poliuretana (PU) se desenvolveurapidamente com excelente desempenho.Na década seguinte, a indústria deste materialtornou-se integrada. Foram instaladas centenasde linhas de produção com processos a seco eúmido, gerando uma competição sem precedentesno mercado. Com o desenvolvimento econômicoe o crescimento do mercado de revestimento dePU, a qualidade e a variedade dos produtos emPU foram crescendo. Neste artigo, discutimos eaprofundamos o desenvolvimento do produto e oprogresso técnico dos laminados de PU.

Produto e mercado

As tecnologias derivam de sistemas de origemjaponesa e italiana. As tecnologias desenvolvidasem Taiwan e na Coréia do Sul, posteriormente,derivam do sistema japonês, cujas indústrias deprodutos químicos, de fibras químicas e tecnologiatêxtil estão mais avançadas nas áreas depesquisa e desenvolvimento das resinas de PU.O desempenho de seus produtos, incluindo aresistência, permeabilidade à umidade e estruturados filmes de PU é considerada de alto conteúdotécnico. Por exemplo, os produtos fabricadoscom o processo a úmido, no Japão e Coréia doSul, resultam em películas superfinas, utilizadasem sapatos esportivos e um “couro” sintéticomuito macio para artigos de vestuário com umabase de tecido de malha. A Itália se destaca naprodução de sapatos e bolsas combinados, oslaminados sintéticos são influenciados pela modado couro legítimo, com diversas padronagens edesign primoroso.

Processo de laminação a úmido

Os produtos do processo de laminação derevestimento de PU a úmido se desenvolveramrapidamente porque sua aparência, toquee desempenho são semelhantes ao couronatural. O processo a úmido determinou onível de qualidade dos produtos de PU eessa tecnologia de laminação tem avançadoconstantemente.A estrutura do filme de PU no processo delaminação a úmido interfere decisivamente nodesempenho e no toque dos produtos de “couro”sintético que podem ser controlados por meio daseleção da matéria prima e a proporção de aditivode celulose. O volume de aditivo de celulose temgrande influencia no processo de laminação aúmido, já que este material aumenta os porosno filme de PU, melhorando a permeabilidade,mas reduzindo sua densidade.Considerando que para aplicação em sapatosesportivos, que são usados em condição extremae desta forma necessitam de um material de altodesempenho, o revestimento de PU destinado aeste tipo de calçado é produzido sem celulose.Já para os demais sapatos, pode-se utilizarcelulose para garantir que sejam confortáveis etenham melhor desempenho interno.Para sapatos que necessitam de alta permeabilidade,deve-se aumentar o volume de celulosee utilizar uma resina PU especial para controlar aestrutura do laminado. Por exemplo, a estruturade um laminado de PU pode ser ajustada porcombinação de resinas de alta viscosidade e umbaixo conteúdo sólido ou uma baixa viscosidadee alto conteúdo sólido. Além disso, os aditivostambém exercem um papel importante na formaçãoda estrutura do laminado de PU no processo aúmido. Estes aditivos contribuem para o ajusteda qualidade do produto final.

Aparência de couro natural

Os produtos laminados no processo a úmidosão semelhantes ao couro natural. Mas paraque isso ocorra é necessário empregar algumastécnicas. Na Itália, para melhor imitar o couronatural, após o processo de impregnação elaminação é feito um tratamento com escovas naparte de trás da tela de PU. Porém, os produtosimpregnados, muitas vezes, acabam perdendo aelasticidade. Hoje, com o aperfeiçoamento doprocesso de laminação e de novos produtosde impregnação, um laminado a úmido podeser produzido com propriedades semelhantesao couro. Além disso, usando um não tecidocomo suporte básico ou escovando a tela naparte de trás, a aparência do falso couro de PUse assemelha ao couro natural.Uma tela de PU produzida com uma base de nãotecido de fibras superfinas é muito semelhante aocouro, sendo o título da fibra de até 0,001dtex, ouaté mesmo de 0,00011dtex, o que torna o materialsemelhante a um colágeno de couro.A tecnologia mais aplicada para a produção de“couro” sintético de PU de alta resistência parasapatos esportivos, revestimento de sofás e courodecorativo utiliza polpa de celulose e poliéstercom baixa resistência a hidrólise.

Laminação a úmido sobre não-tecido

O uso do não tecido como estrutura básica paraprodutos laminados a úmido tem uma grandeaplicação e esta tecnologia de laminação estásendo esperada pelos fabricantes para produzirum couro de PU com maior elasticidade edeformação elástica. Com isso, o falso couroatenderia melhor às aplicações.Há alguns anos, a aplicação do não tecido natecnologia de laminação a úmido não estavatão desenvolvida. Agora, com a evolução nosequipamentos, nos tipos de não tecidos eda tecnologia de laminação, foi resolvido oprincipal problema de produção e das propriedadesdos produtos de laminação a úmido, eo “couro” sintético de PU sobre não tecidoentrou definitivamente no mercado principalmentede sapatos esportivos e de calçadosde alto padrão.Este produto possui boas características comofacilidade de corte, não vinca, é flexível e temaparência semelhante ao couro natural.

Laminação a úmido em tecido de malha

Nos últimos anos, os tecidos de malha deurdume foram aplicados como base no processode laminação a úmido, mesmo apresentandoum alto teor de alongamento elástico. O Japãoprocurou solucionar o problema colocandoum tecido plano debaixo da malha de urdume.Este método foi usado para produção defalso couro para artigos de vestuário de luxo,porém necessitava de um processo complexoe equipamentos especiais. Atualmente, a Itáliadesenvolveu um projeto específico para umamalha de urdume que facilitou a laminaçãoa úmido.O “couro” sintético de PU a úmido com tecido demalha de urdume tem características especiaise sem dúvida será desenvolvida e ampliada asua utilização.

Laminação a seco

Laminação a seco é um processo importantede formação da superfície do laminado e foitambém a tecnologia inicial para a produção dolaminado de PU, com um rápido desenvolvimentodessa tecnologia. Os produtos convencionaisde laminação a seco têm aparência muito boa,mas sua pouca permeabilidade à umidade influencia seu desempenho. A Itália desenvolveu uma tecnologia de laminação a seco com boapermeabilidade à umidade e com a função deabsorção de umidade que está sendo usadaem couro para sapatos de qualidade superiore melhor conforto.

Espuma a seco de PU

A tecnologia de espuma a seco é a aplicaçãode um filme na superfície do “couro” sintéticoque melhora a qualidade do produto final, quepode ser utilizado para vestuário. Esta tecnologiaé melhor para a espuma de cloreto de polivinil(PVC), já que os produtos de PU possuem custosmais altos. Outro processo é a descoloraçãoem laminados a seco que se tornou moda naindústria de “couro” sintético. Na Itália ela foicombinada com a tecnologia de enrugamento,resultando em um aspecto visual diferenciadono produto final.

Laminação semi-secae seca com calor

A laminação semi-seca e a seca com calorsão processos de secagem sobre a camadaadesiva. A semi-secagem ou secagem total poradesão sobre o estrato base é feita por meiode cilindros aquecidos. O laminado semi-secomelhora a flexibilidade do produto final, porisso sapatos e vestuário de falso couro sãogeralmente produzidos a partir do processode laminação semi-seco. Já a laminação desecagem com calor é usada para não permitira permeabilidade da umidade para o estrato dabase laminada.

Tecnologia de resistência a solventes

A resistência a solventes inclui dois aspectos:primeiro, evitar que os solventes químicosdestruam o laminado seco de PU e a resistênciado tecido de base. Sem esta proteção, olaminado seco de PU incha e posteriormenteenruga. O segundo aspecto é evitar as rugas nolaminado. A primeira tecnologia é para aumentara resistência ao solvente e a força adesiva dolaminado no processo a seco e a segunda éusada para melhorar a resistência à absorçãode solventes.

Processo de tratamentoda superfície

O tratamento da superfície do laminado éuma tecnologia importante em crescentedesenvolvimento. É usado tanto em tela deforração como para sapatos. Seu processoinclui impressão, borrifação, laminação direta,laminação por meio de cilindros multifuncionais,etc. È muito utilizado para melhorar ovalor do produto.

Impressão

É processo normal de tratamento da superfíciedo laminado de PU por meio de cilindrosgravados. A impressão pode mudar a cor, obrilho e também a aparência da superfície,dando-lhe um tato aveludado e tornando-amais semelhante ao couro natural. Um agentede tratamento da superfície pode aumentar aresistência ao arranhão do laminado de PU emelhorar as propriedades da superfície, taiscomo estabilidade à luz, retardamento de chamas,impermeabilização, resistência ao mofo, entreoutros benefícios.

Laminação com rolode múltipla função

Quando o couro de PU com uma gramatura baixa,geralmente com peso molhado de 10-40g/m2,estiver sendo impresso, os efeitos aparentessão difíceis de ver. A tecnologia de cilindro demúltipla função foi introduzida para tratamentoda superfície do “couro” sintético cuja gramaturapode alcançar, quando molhado, 350g/m2. Comisso, pode apresentar diversos efeitos como:baixa tonalidade de cor na superfície, gama decores que são realçadas somente em padrõesparciais; cores de encaixe que só aparecemno fundo, laminados espelhados e assim pordiante. Estes efeitos especiais são difíceis deimprimir e muitos produtores têm interessenesta tecnologia.

Laminação direta

A laminação direta passa por dois processos: prée pós-tratamento. O processo de pré-laminaçãoconsiste em aplicar um material de impregnaçãona superfície de um papel de transferência,conhecida como pré-tratamento. O pós-tratamento,por sua vez, é um modo para impregnar osingredientes diretamente sobre a superfície dosubstrato de tecido. A tecnologia de laminaçãodireta é normalmente aplicada para obtenção desuperfície anti-ruga do “couro” de PU. É usadatambém para produzir tela têxtil funcional comolona impermeável, tecido de impermeabilidadea umidade e materiais decorativos.

Borrifar

É um processo também utilizado na produçãodo couro natural. Pode dar uma cor ou efeitoespecial na superfície, porém é pouco utilizadono processo do “couro” sintético.

Gravação

Método comum em “couro” sintético, que pode serexecutado diretamente sobre o laminado a úmido como também após o processo de laminação aseco. Hoje, a gravação com papel de transferênciatem sido mais utilizada que os processosconvencionais, por cilindros ou telas planas, maisdifíceis de aplicar em padrões delicados e muitosuperficiais. O método por papel transfer não só érápido, como também pode transferir diversos tiposde texturas sobre a superfície do falso couro de PU.Este método tem menor utilização no processo delaminação a seco e é mais utilizado para produçãode “couro” sintético para sapatos.

Escovação

Aplicação desta tecnologia no processo de “couro”de PU pode dar ao produto um alto valor agregado,como o aspecto camurça. Embora seja umaalternativa para produzir artigos semi-acabadosde qualidade no processo de laminado a úmido,esta tecnologia é difícil e atualmente são poucosos fabricantes que a utilizam. Como os produtosescovados são mais valorizados no segmentofashion, muitos produtores de “couro” sintéticoaguardam a pesquisa e o desenvolvimento dessatecnologia.

Enrugamento

Aplicada no processo do couro legítimo, atualmentetambém é usada na fabricação do “couro”de PU. As características desses produtos são:tato macio, padrão natural, textura irregularsemelhante à matéria-prima natural e alto valor agregado.

Estampa a quente

Processo igual ao feito para produto têxtil, quetambém é um método bom para aumentar ovalor agregado do falso couro. Estampar a quentecom filme tem relativo baixo custo, porém amatriz utilizada para a realização do transferpossui custo elevado. Sua aplicação poderá serexpandida se combinada corretamente com as com as outras tecnologias.

Tecido de base

O tecido de base, que dá suporte ao “couro”sintético, especialmente para produtos delaminação a úmido, pode afetar diretamente aqualidade do produto final. Diferentes fibras quecompõem o tecido, a qualidade da tela e o tipo etextura influenciam no desempenho do sintéticode PU, por isso merecem atenção.

Tecido plano

Sarja e cetim são as bases mais comuns para“couro” de PU e as fibras mais utilizadas sãoalgodão, poliéster/algodão e poliéster/viscose.Os tecidos planos para a produção de laminados aúmido devem ter as seguintes características:(1) Absorção de umidade das fibras.(2) Qualidade da escovação do tecido utilizado.Por exemplo, a qualidade da flanelagem dasuperfície e a qualidade do produto laminadoa úmido bem como a qualidade do escovado;densidade da flanelagem, comprimento dopelo, entre outras.(3) Fibras superfinas que já começaram a serutilizadas nos tecidos para melhorar a qualidadedo produto.

Tecidos de malha

A gramatura de um tecido de malha para aplicaçãoem “couro” sintético é de 150 a 500g/m2,consideradas satisfatórias para fabricação desapatos. Tanto a finura da fibra quanto a variedadee a densidade dos pontos da malha afetama qualidade e o desempenho do falso couro.Atualmente, as fibras mais utilizadas são náilone poliéster, com titulagem entre 1,3 e 3,3 dtex.O título de uma super microfibra varia entre 0,11a 0,0011dtex. Telas de “couro” de PU produzidascom tecido de malha apresentam característicasmais semelhantes ao couro natural.Os tecidos de malha são classificados comomalha de urdume e malha de trama. Os de tramasão geralmente utilizados em laminados de PVC enquanto os de urdume podem ser aproveitadostanto em laminados de PU a seco como emlaminados a úmido, para artigos de vestuáriode alto padrão e tecidos decorativos.As fibras utilizadas para a produção de tecidos demalha são poliéster, náilon, raiom, polipropileno,além de microfibras de náilon e poliéster.É de se destacar que a malha de urdume não éideal para o laminado a úmido por ser difícil detrabalhar, porém os manufaturados resultantesdeste produto têm alto valor agregado e, por estemotivo, há em curso novos desenvolvimentospara a produção de “couro” de PU com baseneste tipo de malha.

Não tecidos Spunlace

Não tecidos spunlace é um produto novo comosubstrato básico para falso couro.A gramatura ideal por unidade de área é 30 a300g/m2. Os não tecidos estão sendo utilizadosprincipalmente na produção de calçados. Nomercado internacional, sapatos feitos de “couro”sintético em base não tecido responderam poruma grande parcela da produção. No que serefere à tecnologia, não tecido spunlace é o maisutilizado para laminado a úmido. Recentemente,as microfibras foram introduzidas para formaçãodas mantas de não tecido spunlace, resultandona produção de materiais de alta qualidade comobase do “couro” de PU.Fabricantes de não tecidos estão introduzindoequipamentos e tecnologias de última geraçãopara a produção de novos materiais laminadosque certamente valorizarão ainda mais o “couro”sintético de PU.

Conclusão

Como se pode ver, desenvolvimento tecnológicoe aplicação do tecido de base têm enormeimportância para a indústria de laminados dePU. A produção de “couro” sintético necessita,assim como os têxteis, de tecnologia e apelo demoda. É necessário ter designers para desenvolverprodutos com visual que atraia os consumidorese tenham charme, buscando, assim, melhorposicionamento de mercado.

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

texto: CCtiC / CHina textile SCienCe

Data de publicação: 01/09/2011

Galeria de fotos desta matéria

Conteúdo relacionado


Jeanologia introduz sustentabilidade da produção têxtil ao vestuário
O novo conceito começa na fase de desenho porque, na visão da Jeanologia, para alcançar uma produção sustentável no produto final é imprescindível considerar o impacto ambiental ao longo do desenvolvimento do produto. Essa transformação envolve toda a cadeia de abastecimento e tem como objetivo conseguir que o acabamento 5.Zero seja padrão na indústria de denim, melhorando o look e a qualidade do produto com um custo neutro.  2019-05-24 - Tags: jeanologia acabamento lavanderia sustentabilidade demo center lavanderia 5 ponto zero sustentabilizacao

Impressão digital com pigmentos: uma iniciativa notável
A partir de pesquisas de campo, trazemos um panorama de como anda a impressão digital têxtil com tintas pigmentadas no mercado brasileiro.  2019-02-05 - Tags: impressao colorida estamparia textil evoluçao historica impressao digital.

Aplicação por spray traz novo paradigma ao tingimento
A tecnologia de tingimento por pulverização propõe uma abordagem sustentável para a indústria têxtil, especialmente para o segmento índigo denim.  2019-02-05 - Tags: tingimento textil spray tecnologia inovaçao rotaspray dystar group.

Aplicação da norma NR-12 em máquinas do processo têxtil
Pesquisa de campo identifica que um dos principais desafios à implementação da norma regulamentadora é o impacto custo x produtividade.  2018-11-05

Novo modelo de cálculo do fator de cobertura para malhas (parte 2)
Com este experimento, busca-se validar o modelo IPC proposto para aplicação nas mais variadas estruturas de malhas.  2018-11-05 - Tags: calculo textil fio malharia ipc desenvolvimento malhas grosberg

O vasto universo de oportunidades da impressão digital
A ponta mais visível do iceberg da indústria da moda é a impressão digital, que está a caminho dos 10% do volume da estamparia convencional.  2018-11-05 - Tags: impressao digital oportunidades digital textil industria da moda estamparia convencional estamparia

ITMA 2015: colorimetria e estamparia digital
A ITMA 2015 foi palco da eletrônica em todo e qualquer canto. As tecnologias tradicionais não mudaram, mas tudo está se tornando automatizado, da modesta cabine de luz à mais sofisticada impressora digital. Apesar do desenvolvimento inegável, não apareceram grandes ou surpreendentes novidades. Em comparação com a ITMA 2011, onde foram anunciadas a primeira cabine de luz computadorizada e a primeira impressora “single pass”, nada tão revolucionário foi revelado. Todas as tecnologias convencionais, incluindo também a estamparia digital, deram um grande passo para tornar a indústria têxtil ainda mais moderna.  2016-08-09 - Tags: estamparia digital colorimetria itma 2015 senai cetiqt quimica têxtil

Características de durabilidade, conforto e custo de tingimentos realizados com o sistema fast finishing
Uma comparação de desempenho do processo color fast finishing com processo tradicional de pad batch do ponto de vista de custo, sustentabilidade, durabilidade e conforto.  2015-08-08 - Tags: textilia 97 analise acabamento tingimento sistema fast finishing pad batch sustentabilidade

Substâncias nocivas em artigos têxteis
A crescente preocupação com as substâncias químicas tóxicas presentes em artigos têxteis e as ações em andamento sobre o assunto.  2014-09-03 - Tags: textilia 93 substancia quimica artigos texteis toxina

As outras questões envolvidas na qualidade da estampa digital
A importância do cuidado com as operações relativas às matérias e suas características e os respectivos processo de preparação visando a uma estampa digital de qualidade.  2014-06-18 - Tags: beneficiamento textilia 92 estampa digital

Tingimento ecológico do poliéster e misturas
Autor sugere métodos para tingir fibras mistas com corantes dispersos, sem agredir o ambiente. Uma opção é o tratamento oxidativo.  2013-01-15 - Tags: poliester

Tendências para impressoras digitais
Na ITMA 2011, observou-se um aumento acentuado da velocidade das máquinas, associada à melhor relação custo-benefício.  2012-09-25 - Tags: espanha itma

Inovações para o enobrecimento têxtil
Artigo mostra os principais aspectos tecnológicos e os desenvolvimentos em corantes e auxiliares observados na ITMA 2011.  2012-09-24 - Tags: itma itma 2011

Defeitos da estamparia têxtil: causas e soluções
Os desenhos dão cor, estilo e originalidade aos tecidos, porém, sua qualidade depende de tecnologia e cuidados na hora de estampar.  2012-07-06 - Tags: estamparia

Otimização em processos de rama
Um panorama das configurações, acessórios, produtividade e economia energética neste importante equipamento têxtil  2012-07-02 - Tags: ramosa economia

Otimização em processos de rama
Um panorama das configurações, acessórios, produtividade e economia energética neste importante equipamento têxtil  2012-07-02 - Tags: .

Plasma e quitosana: tratamento de PA 6.6
Propriedades de superfícies, como hidrofilidade, podem favorecer processos de acabamento têxtil.  2011-09-14 - Tags: quitosana

Fio vaporizado para malharia
Testes mostram que a qualidade da malha de algodão aumenta.  2011-09-13 - Tags: qingdao

Estamparia digital com pigmentos
O uso correto de amaciantes e fixadores agrega valor ao tecido e evita adição de matérias-primas nocivas.  2011-09-06 - Tags: bttg

Otimização no processo de alvejamento
Estudo elaborado com base em experimento feito no setor de beneficiamento de tecido plano em indústria brasileira.  2011-09-01 - Tags: processo de alvejamento