Language
home » têxtil »

Negócios

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

O professor da indústria Alexandre Figueira Rodrigues

Criado por decreto pelo então presidente Getúlio Vargas, em 22 de janeiro de 1942, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) tinha como objetivo formar mão de obra para trabalhar na indústria de base que se formava no País. O processo de industrialização brasileira, que avançou a partir da década de 1950, contou com a participação decisiva do setor têxtil.
O Centro de Tecnologia da Indústria, Química e Têxtil (Cetiqt) inaugurado no Rio de Janeiro, em 1949, foi a primeira unidade do Senai a preparar professores, em vários níveis, para ensinar os futuros profissionais que atuariam na indústria nacional. Única escola têxtil da América Latina a ter uma fábrica com laboratório completo de fiação, tecelagem, malharia, enobrecimento e planta piloto de confecção – inaugurada em 1970 – O Senai/Cetiqt foi também o primeiro a oferecer cursos de nível superior como Engenharia Industrial Têxtil e Design de Moda. Muitos dos alunos que por lá passaram chegaram a gestores e alguns conquistaram postos de liderança em grande indústrias, como Agnaldo Diniz Filho, que além de ser diretor-presidente da Cedro e Cachoeira, preside também a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção(Abit).
Dos 62 anos de existência do Senai/Cetiqt, mais da metade foram acompanhados de perto por Alexandre Figueira Rodrigues, o professor Alexandre, como é conhecido e respeitado no meio. Natural de Bom Jardim, região serrana do Estado do Rio de Janeiro, casado, 65 anos, 2 filhas e 4 netos, Figueira é obstinado pela educação. “Os desafios que o Brasil enfrentará são muito grandes. Demos apenas o primeiro passo com a estabilidade e o crescimento econômico, mas para sermos de fato uma nação desenvolvida será necessário investir na formação de mentes criativas, decodificar a inovação e democratizar o conhecimento”, ensina.
Graduado em Engenharia Têxtil no Brasil, pós-graduado em Tecnologia Têxtil pela Universidade da Carolina do Norte (EUA) e pedagogo com Habilitação Plena ao Magistério, Alexandre Figueira tem um currículo extenso de realizações e vem testemunhando a evolução do Senai/Cetiqt desde 1966, quando era aluno do curso técnico têxtil. Diretor geral da instituição, desde janeiro de 2002, posto que exerceu pela primeira vez no período de 1983 a 1992, Figueira também já foi diretor geral do Departamento Nacional do Senai entre 1992 a 2000, contribuindo para redefinição do foco estratégico da organização que é apoiar o aumento da competitividade da indústria brasileira. Longe do estigma de burocrata que geralmente acomete os que exercem cargos administrativos, o professor Alexandre transparece vitalidade e está sempre em busca de novos projetos e desafios. Aposentadoria? Nem pensar.
“Só paro se acabar a energia (risos). O Senai é decisivo para o fortalecimento da indústria brasileira e meu compromisso é com a educação. Criamos oito novos cursos e estamos implantando uma rede unificada de laboratórios para desenvolver ações inovadoras nas áreas de nano e biotecnologia que dará suporte não só ao têxtil, mas também aos setores de couro, automobilístico, entre outros. Lançamos uma revista eletrônica que já teve mais de 2 mil acessos pela internet e, além disso, já está em fase de implementação o Instituto de Fibras Químicas e Materiais Têxteis e Nãotecidos, que deverá ser inaugurado em 2012”, adianta ele, que nos recebeu em sua sala de trabalho, na sede do Senai/Cetiqt, no bairro do Riachuelo, no Rio, para esta entrevista exclusiva. Acompanhe.

Textilia: Antes de ser tornar professor, que atividade exercia? O senhor trabalhou na indústria têxtil?

Alexandre Figueira: Sim, fui estagiário e técnico têxtil. Na década de 1970, trabalhei da Sudantex, Rio de Janeiro (grande fábrica de tecidos com sede em Teresópolis e no Rio de Janeiro, que encerrou suas atividades em 2006). Cursei engenharia e cheguei a trabalhar como consultor de indústrias. Tendo me especializado em Habilitação Plena para o Magistério, entrei, em 1972, no Senai/Cetiqt como professor assistente e, a partir daí, decidi pela carreira na área de educação.

Textilia: Por ser pioneiro, o Senai/Cetiqt é referência nacional no ensino têxtil. Nestes anos de história, quais foram os principais avanços em relação à formação profissional?

Alexandre Figueira: Nos últimos oito anos a instituição investiu pesadamente na área educacional. Até então, tínhamos um curso técnico têxtil, em áreas como fiação, tecelagem, malharia, acabamento e confecção; um curso superior em Engenharia Industrial Têxtil e algumas dezenas de cursos de extensão. Hoje, temos oito cursos superiores reconhecidos, em áreas como Engenharia Têxtil, Produção e Química, Administração, Design de Moda e de Superfícies, Artes com ênfase em Figurino e Indumentária, e um Curso Superior de Tecnologia de Produção do Vestuário com ênfase em Modelagem. Oferecemos também cinco cursos de pósgraduação presencial e dois cursos à distância, além de colocar à disposição mais de uma centena de cursos de curta duração, pagos e gratuitos. Para os próximos anos, ampliaremos os cursos técnicos em outras áreas, além de oferecer também mais cursos de tecnologia e de bacharelados. Nossa
intenção é chegarmos a 13.000 matrículas/ ano até 2014.

Textilia: Quantos alunos formados pelo Sena/Cetiqt conseguem vaga no mercado de trabalho?

Alexandre Figueira: A primeira turma formada nesta instituição tinha apenas oito alunos.
Hoje, o Senai/Cetiqt tem 9.800 matriculas/ ano, sendo 7 mil presenciais nos campus Riachuelo e Barra as Tijuca (unidade inaugurada em 2005) e 2.800 matriculados nos cursos à distância , nos programas de pós –graduação e nos cursos in company. Eu diria que 70% dos nossos alunos são aproveitados  no mercado de trabalho, tanto os de nível técnico quanto de nível superior.

Textilia: Dos cursos oferecidos, quais os que têm a maior procura e por qual razão?

Alexandre Figueira: A moda tem um glamour e um apelo de mídia muito forte, por isso, atualmente, o mais procurado em todo o Brasil é o Curso de Design de Moda. Porém, estamos verificando que os cursos de Engenharia, principalmente o de Produção, e também o curso de Química começam a ter uma procura bastante interessante. Isto reflete o momento que a economia brasileira está vivendo, em função de alguns investimentos em infraestrutura nas áreas de petróleo e gás, principalmente no Estado do Rio de Janeiro.

Textilia: No Brasil formam-se muito mais estilistas do que o mercado absorve, ao mesmo tempo, a indústria carece de costureiras e operadores de máquinas. Como atrair os jovens para estas profissões e atender as reais necessidades da indústria?

Alexandre Figueira: A cadeia têxtil/confecção sempre teve bons e maus momentos, e algumas profissões, que no passado requeriam menos escolaridade, como a de costureiro, foram perdendo o seu encantamento por parte da sociedade. Eu penso que é preciso haver uma mobilização do setor industrial no sentido de valorizar ainda mais profissões como modelistas e costureiras, pois sem estas, o desenho não sairá do papel. É preciso evidenciar que a profissão de costureiro hoje mudou, requer mais conhecimento e, em alguns casos, pode ser até melhor remunerada que outras profissões.

Textilia: Que contribuição efetiva o Senai/ Cetiqt deu à expansão da cadeia têxtil brasileira?

Alexandre Figueira: Nos últimos anos o Senai/ Cetiqt tem sido fundamental na estruturação das políticas públicas setoriais desenvolvidas no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC, por intermédio dos estudos oferecidos pelo Instituto de Prospecção Tecnológica e Mercadológica da nossa instituição. Além de apoiarmos os diversos sindicatos patronais em suas reflexões estratégicas, também contribuímos com uma avaliação do posicionamento do setor têxtil, seja em nível nacional ou internacional. Desenvolvemos um trabalho em convênio com o Sebrae nacional, que leva informação e know-how às micro e pequenas indústrias de confecção de quase todos os estados da federação, atendendo semestralmente a demanda de mais de 7.000 empresas. Este trabalho visa o fortalecimento da indústria do setor por intermédio da agregação de valor aos produtos e processos da cadeia produtiva.

Textilia: Estudo feito pela Fiesp revela que a indústria paulista registrou o fechamento de 13 mil vagas no mês de agosto. Entre os setores que apresentaram maiores quedas está a indústria têxtil, com -1,7%. Qual o impacto que a crise econômica provoca na procura por cursos na área têxtil/moda?

Alexandre Figueira: O impacto negativo na indústria tem sido provocado pelo aumento crescente das importações de têxteis e vestuário. E isto não se resolverá com taxação, pois o mercado é globalizado. O Brasil precisa de reformas estruturais – redução de carga tributária e dos custos de mão de obra; energia mais barata, taxa de juros menores e logística eficiente. Mas acima de tudo, necessita de um planejamento estratégico para se desenvolver de forma sustentável. E isso passa primeiro pela educação. Não adianta remendos e nem improvisos. O problema educacional no País é sério. Metade da população economicamente
ativa tem no máximo cinco anos de escolaridade. Comparando com outras nações emergentes estamos em grande desvantagem. Para se elevar o nível médio e superior, precisa, primeiro consolidar o ensino base.

Textilia: Observando o grau tecnológico das máquinas apresentados na ITMA 2011, e o emprego da nanotecnologia em fios e acabamentos, o que falta às indústrias têxteis para serem “objeto de desejo” dos profissionais do futuro?

Alexandre Figueira: Arriscar mais em investimentos de inovação tecnológica para produtos e processos, a partir de um entendimento de que para isto, a aproximação entre indústria e universidade deve ser mais profunda e sistêmica do já foi feito em toda a história de indústria nacional. Ao compararmos o grau de maturidade do risco das empresas estrangeiras em inovação e design, o benefício obtido com os produtos e processos que conseguiram agregar valor
às suas ações mercadológicas, foi muito maior do que o que foi investido no início do processo. Estou convencido de que, num mercado onde a competição global é cada vez mais acirrada, quem quiser sobreviver terá que se reinventar. Toda inovação vem do anseio da sociedade de buscar algo diferente, que desperte desejo e emoção. Neste contexto, eu penso que a indústria têxtil não vai acabar, mas sim, se transformar.

Textilia: Quais os desafios do setor para atender às exigências do mercado globalizado?

Alexandre Figueira: O desafio é se atualizar  permanentemente para não ficar a reboque do desenvolvimento. O grande potencial do Brasil é seu mercado interno, que hoje todos os países almejam. A indústria têxtil brasileira precisa  trabalhar forte na área de desenvolvimento, competitividade, design e novos materiais, não se limitando apenas ao algodão. Com o crescimento econômico, o País certamente aumentará seu consumo têxtil, passando dos atuais 13 a 14 quilos per capita para algo em torno de 16 quilos entre 2014 e 2016. Se a indústria nacional não corresponder, este consumo será suprido por importações.

Textilia: Dentro deste contexto, quais as metas do Senai/Cetiqt para a próxima década?

Alexandre Figueira: Não podemos ficar restritos à fiação, tecelagem, malharia e tinturaria. Queremos que o Senai/Cetiqt seja uma organização capaz de responder às exigências do universo têxtil em toda sua abrangência. Veja, 60% dos produtos para casa são têxteis; 12% dos ítens que compõem um automóvel são estruturas têxteis e nãotecidos. Além de cursos voltados para o design de superfícies (cerâmica, móveis, couro, estamparia, etc.) e da implantação
do Instituto de Fibras Químicas, Materiais Têxteis e Nãotecidos – previsto para meados de 2012 -, estamos projetando uma incubadora de empresa de alto desempenho, rigorosamente voltada para o desenvolvimento de produtos inovadores, que deverá entrar em operação no final de 2013. Para avançarmos nesta direção, criamos em 2010 o Comitê Internacional de Pesquisa, Design e Inovação do qual fazem parte professores e especialistas de renomados
institutos de pesquisa e universidades estrangeiras. O Senai/Cetiqt teve no passado o desafio de aprisionar conhecimento e internalizá-lo no País, para criar massa crítica que até então não existia. Hoje, sua missão é contribuir para que a indústria têxtil/confecção/moda esteja inserida na nova ordem econômica, e preparada para competir em igualdade com os grandes players do mercado mundial.

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

Por: Marcia Mariano

Data de publicação: 01/02/2012

Galeria de fotos desta matéria

Conteúdo relacionado


Hohenstein e Scivera colaboram para formulações químicas mais verdes e verificadas
O instituto Hohenstein e a plataforma Scivera simplificaram o processo para os fornecedores de produtos químicos avaliarem e validarem produtos preferenciais e melhorar as formulações para o nível de conformidade 3 do ZDHC MRSL - lista de substâncias químicas que devem ser proibidas pela indústria na produção de têxteis para o lar, vestuário e calçados  2020-06-29 - Tags: instituto hohenstein plataforma scivera zdhc mrsl john frazier scivera joe rinkevich

Europeus devem aumentar em 20 vezes a produção de máscaras faciais nãotecidas
A produção da União Europeia de máscaras faciais, essencial para enfrentar a crise do coronavírus, deve aumentar em 20 vezes até novembro deste ano em comparação com tempos anteriores à crise. Isso significa poderão fazer o equivalente a 1,5 bilhão de máscaras de três camadas por mês, segundo dados divulgados pela Edana, a principal associação global que representa os fabricantes de não-tecidos e indústrias relacionadas.  2020-06-25 - Tags: edana mascaras faciais naotecidos comissao europeia uniao europeia covid 19 pandemia

Braskem firma parcerias para produzir calçados e máscaras para profissionais de saúde
Os profissionais de saúde, fundamentais para o momento atual do país, recebem um novo reforço para a atuação na linha de frente do combate ao novo coronavírus. A Braskem se uniu a Alpargatas, indústria de bens de consumo, para confecção de equipamentos de proteção individual (EPIs), como calçados e máscaras de uso hospitalar.  2020-06-16 - Tags: braskem covid 19 equipamentos de protecao individual alpargatas epis profissionais da saude roberto funari

Oerlikon inaugura novo centro de logística para sistemas de fusão na Alemanha
Para otimizar ainda a provisão de material para as unidades de negócios Oerlikon Neumag e Oerlikon Nonwoven e fortalecer os processos internos na unidade alemã, o segmento de Fibras Sintéticas do grupo suíço Oerlikon decidiu investir, no ano passado, em um centro de logística de ponta.  2020-06-08 - Tags: oerlikon nonwoven oerlikon neumag spunbonded meltblow fibras sinteticas alemanha fusao centro de logistica

'Impressão Digitalks by GQM' abordou as mudanças no mercado de impressão digital
"Claro que temos que considerar que é uma questão de saúde pública. Mas olhando pelo lado do negócio, a pandemia é um ótimo cenário para o crescimento". Essa foi uma das primeiras afirmações de Fábio Neves, presidente da Epson do Brasil, na primeira edição do Impressão Digitalks by GQM, com Felipe Sanchez, CEO da Global Química & Moda.  2020-06-02 - Tags: impressao digitalks fabio neves gqm global quimica felipe sanchez impressao digital

Hohenstein e Scivera colaboram para formulações químicas mais verdes e verificadas
O instituto Hohenstein e a plataforma Scivera simplificaram o processo para os fornecedores de produtos químicos avaliarem e validarem produtos preferenciais e melhorar as formulações para o nível de conformidade 3 do ZDHC MRSL - lista de substâncias químicas que devem ser proibidas pela indústria na produção de têxteis para o lar, vestuário e calçados  2020-05-22 - Tags: instituto hohenstein plataforma scivera zdhc mrsl john frazier scivera joe rinkevich

DuPont lança modelo de negócio para acelerar a oferta de EPIs
A DuPont anuncia o lançamento de #TyvekTogether ,um novo modelo de negócio desenvolvido em tempo recorde para aumentar a capacidade da entrega de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). Com a iniciativa, será possível desenvolver 6 milhões de vestimentas de proteção adicionais por mês, em todo o mundo. Este número é 27% maior em relação à produção atual de tecidos de Tyvek® globalmente.  2020-05-22 - Tags: tyvektogether dupont equipamentos de protecao individual epis pandemia tyvek uniformes de protecao covid 19 tychem

Máquinas têxteis italianas apresentam forte declínio no primeiro trimestre
No primeiro trimestre de 2020, a entrada de pedidos de máquinas têxteis italianas registrou uma queda acentuada. A pandemia de Covid-19 afetou fortemente o setor, e as consequências serão mais negativas no segundo trimestre. O índice elaborado pela Acimit - Associação dos Fabricantes Italianos de Máquinas Têxteis, para o período de janeiro a março de 2020, caiu 31% em relação ao mesmo período de 2019.  2020-05-14 - Tags: maquinas texteis italianas pandemia acimit primeiro trimestre setor textil maquinas italia desaceleracao

Plataforma online facilita contato com fabricantes para oferecer equipamentos de proteção
Desenvolvida por meio de parceria entre a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), a Microsoft e a Radix, está sendo montada uma plataforma que une quem procura e quem oferta EPIs (Equipamentos de Proteção Individual). Por meio do EPIMatch, um hospital, por exemplo, poderá encontrar mais rapidamente os fornecedores que precisa para obter máscaras, luvas e outros itens essenciais para quem está na linha de frente dos serviços de saúde.  2020-05-13 - Tags: agencia brasileira de desenvolvimento industrial abdi epimatch plataforma pandemia epis microsoft azure igor calvet

Conselho de Administração da Loepfe anuncia novo CEO
A empresa suíça Loepfe, fabricante mundial e parceiro de soluções para sistemas de garantia de qualidade on-line para o setor têxtil, anunciou a nomeação do Dr. Ralph Mennicke como CEO da Loepfe Brothers Ltd., com vigência a partir de 14 de abril de 2020. Mennicke substitui Maurizio Wermelinger, que, após ingressar na empresa em 2007, está se aposentando.  2020-05-07 - Tags: alexander zschokke loepfe loepfe ceo novo ceo empresa suica

Monforts oferece testes em escala industrial para novos acabamentos de EPI
A Monforts anunciou que seu Centro de Tecnologia Avançada (ATC), na Alemanha, está capacitado para realizar testes para novos acabamentos aplicados em equipamentos de proteção individual (EPI) como máscaras faciais, aventais médicos e cortinas hospitalares.  2020-05-05 - Tags: heinrichs epis hospitalar monforts atc montex centro de tecnologia avancada equipamentos de protecao individual

Rieter aprova relatório anual mas não faz previsões sobre resultados de 2020
Na Assembléia Geral Anual da Rieter Holding Ltd., ocorrida no dia 16 de abril, cuja votação dos temas foi feita via eletrônica, os acionistas adotaram todas as moções propostas pelo Conselho de Administração da companhia, a saber, a aprovação do relatório anual, as demonstrações financeiras e as demonstrações financeiras consolidadas de 2019.  2020-04-30 - Tags: rieter holding ltd grupo rieter covid19 pandemia bernhard jucker rieter relatorio anual

SPGPrints obtem classificação nível 3 em sustentabilidade na auditoria ZDHC
A sociedade tornou-se cada vez mais consciente de que certos produtos químicos são extremamente prejudiciais à saúde humana e ao meio ambiente. A SPGPrints, que vem trabalhando para atender a todos os padrões de sustentabilidade com seus produtos de impressão digital voltados para têxteis, optou por cumprir o Roteiro da Fundação ZDHC (Descarga zero de produtos químicos perigosos) para o Programa Zero.  2020-04-15 - Tags: spgprints plataforma zdhc fundacao zdhc sustentabilidade produtos quimicos programa zero fred schmitz

Gerber ajuda fabricantes na produção de equipamentos de proteção
Com base em sua planta na China, a norte-americana Gerber Technology anunciou a criação da Gerber PPE Task Force (força-tarefa) para apoiar seus clientes e parceiros globais a aumentarem rapidamente a produção de equipamentos de proteção individual (EPI), para proteger todas as pessoas, mas especialmente os profissionais de saúde.  2020-04-06 - Tags: gerber ppe task force equipamentos de seguranca gerber technology protecao individual equipamentos

ABNT possui norma sobre gestão da continuidade dos negócios
A pandemia do Coronavírus tem sido desafiadora para muitas pessoas, mudando suas rotinas de maneira inédita. O impacto da doença se refletiu também na atividade econômica, que vem sofrendo perdas significativas. Tocar os negócios como de costume não é uma opção para as empresas. Muitas delas, principalmente os pequenos negócios, estão enfrentando uma fase muito difícil.  2020-03-26 - Tags: abnt pandemia abnt business negocios gestao pequenos negocios

Rieter apresenta balanço de 2019 e projeta 2020
No exercício 2019, a Rieter registrou recebimento de pedidos de CHF 926,1 milhões (francos suíços), que foi 7% maior do que o mesmo período do ano passado. Todavia, no balanço do ano, as vendas do Grupo Rieter acumularam CHF 760,0 milhões (cerca de € 712 milhões), contra CHF 1 bilhão e 75,2 milhões registrados em 2018, o que corresponde a uma queda de 29% em comparação com o ano anterior.  2020-03-20 - Tags: grupo rieter ano fiscal balanco business group machines negocios

Monforts desenvolve soluções para aquicultura em seu ATC
O cultivo de peixes de água doce e de água salgada, sob condições controladas, é uma indústria global avaliada em cerca de US $ 200 bilhões anualmente, que é possível graças ao uso de enormes redes de aquicultura. Recentemente, a Monforts esteve envolvida em vários testes de pesquisa e desenvolvimento em seu Centro de Tecnologia Avançada (ATC), localizado na Alemanha, com objetivo de melhorar o desempenho das redes de pesca, empregadas nas operações de piscicultura.  2020-03-13 - Tags: monforts monforts atc aquicultura piscicultura jurgen hanel fios cyd monchengladbach

Oerlikon organiza simpósio anual de tecnologia na Índia
O segmento de Fibras Sintéticas do grupo suíço Oerlikon, detentor das marcas Oerlikon Barmag, Oerlikon Neumag e Oerlikon Nonwoven, organizou em fevereiro um simpósio de três dias na Índia, para apresentar seus mais recentes desenvolvimentos em sistemas de fiação de filamentos, máquinas de texturização e fios de carpete BCF, fiação de fibras descontínuas e soluções de nãotecidos.  2020-03-05 - Tags: oerlikon oerlikon barmag oerlikon neumag oerlikon nonwoven itma 2019 debabrata ghosh jurgen vogel indian institute of management simposio de tecnologia

Karl Mayer compra Stoll e amplia seu portfólio de máquinas para malharia
Como parte de sua estratégia de crescimento, o Grupo Karl Mayer concluiu acordo de aquisição do Grupo Stoll, líder na produção de máquinas de malharia retilínea (tricô). O contrato foi assinado em 26 de fevereiro último e o Grupo Stoll será integrado ao Grupo Karl Mayer a partir de 1 de julho de 2020.  2020-03-03 - Tags: grupo stoll grupo karl mayer karl mayer stoll arno gartner andreas schellhammer itma 2019

Exportações aumentam mas geopolítica preocupa empresas espanholas
O Ministério da Economia e Competitividade espanhol publicou relatório de comércio exterior (janeiro a dezembro de 2019), que indica que as exportações espanholas cresceram 1,8% em relação ao ano anterior, atingindo 290 milhões de euros. São números que "lançam luz e sombra ao mesmo tempo", diz Joan Tristany, CEO da Amec - Associação das empresas industriais internacionalizadas da Espanha.  2020-02-28 - Tags: geopolitica comercio internacional ministerio da economia e competitividade brexit amec