Language
home » têxtil » mercado » empresas e personalidades

Empresas e Personalidades

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

Um motor para acelerar o crescimento

O chefe de Departamento de Bens de Consumo da Área Industrial do BNDES , Alberto de Oliveira Constantino, diz que empresas precisam investir em inovação

?As empresas precisam criar produtos inovadores e fortalecer suas marcas tanto no mercado interno quanto no exterior?

Criado em 20 de junho de1952 pelo então presidente Getúlio Vargas, com o objetivo de fomentar o crescimento econômico do país, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, nestes 55 anos de existência, funcionou como motor propulsor da infra-estrutura brasileira, como financiador da expansão industrial entre os anos 60 e 70 e como gestor dos programas de privatização de empresas estatais, iniciado no final de 1988 e ampliado na década de 90.

Principal fonte de financiamentos para projetos de longo prazo, o banco já passou por fases inglórias como na época em que seus recursos fartos subsidiavam empresas ineficientes, algumas das quais foram à falência, acarretando em prejuízos para a instituição. Órgão vinculado ao Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior, o BNDES, que na gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva já teve quatro presidentes – Carlos Lessa (2003), Guido Mantega (2004), Demian Fiocca (2006) e Luciano Coutinho (tomou posse em abril de 2007), passou por reformulações e ampliou sua linha de produtos, graças ao aumento dos repasses do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), uma das fontes de recursos do banco, além das dotações orçamentárias da União.

Economista, formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, o carioca Alberto de Oliveira Constantino, 53 anos, é funcionário de carreira do BNDES há 30 anos. Hoje, ocupando a chefia do Departamento de Bens de Consumo da Área Industrial, ele vivenciou ao longo das duas últimas décadas as mudanças de estratégias do BNDES.

“O banco consolidou presença na área de projetos sociais e passou a apoiar as exportações. Porém, sua função principal continua sendo financiar o desenvolvimento e, nesse sentido, a linha Inovação, criada recentemente, que tem como principal objetivo sustentar pesquisas tecnológicas que visam o aprimoramento dos produtos brasileiros. Só com inovação as empresas poderão se diferenciar neste mercado tão competitivo que é o segmento de bens de consumo, onde a concorrência dos importados tem aumentado”, analisa o executivo. Confira.

Textília: Ao longo da década passada, foram feitos muitos estudos sobre a cadeia produtiva têxtil, inclusive com apoio das entidades do setor. Entretanto, os empresários reclamam que nada do que propuseram foi colocado em prática pelo governo. Como o BNDES pode contribuir para uma nova política industrial?
Constantino:
Tem questões colocadas pelos empresários que são da alçada do BNDES, como é o caso da liberação das linhas de financiamentos, e outras que extrapolam a nossa competência, como, por exemplo, a reforma tributária, alíquotas de importação, taxa de câmbio, etc, que são da esfera dos Ministérios e do Legislativo. O BNDES pode contribuir com a política industrial fornecendo sugestões sobre os financiamentos de longo prazo, e auxiliando na criação de programas que atendam as reais necessidades do setor produtivo. Quando os empresários apresentaram suas reivindicações em Brasília (o setor têxtil/confecção promoveu em abril o Movimento Emprega Brasil Mobilização Nacional), mostraram as dificuldades enfrentadas pelas indústrias afetadas pelo câmbio e pelas importações. Foram criadas, então, políticas voltadas para setores prejudicados, como confecções, calçados e móveis.

Textília: O ministro da Fazenda Guido Mantega anunciou, em junho, medidas para estimular estes setores. A principal é o Programa Revitaliza, do BNDES, que disponibilizará R$ 3 bilhões em linhas de crédito para empresas que faturem até R$ 300 milhões. Quando estes recursos serão efetivamente liberados?
Constantino:
Deste total, R$ 2 bilhões são provenientes dos recursos do BNDES e R$ 1 bilhão são recursos do “FAT- Giro Setorial”, que serão operados pelo Banco do Brasil e pela Caixa Econômica Federal. A liberação dependia da aprovação de Medida Provisória (MP 382), da publicação da Portaria da Secretaria do Tesouro Nacional, e precisava ser aprovada pelo Conselho Monetário Nacional. Com a edição da MP que regulamenta os incentivos fiscais aos setores exportadores mais afetados pela política cambial, e a aprovação no Conselho Monetário, certamente os recursos serão liberados já a partir de agosto.

Textília: Como funcionam as linhas de financiamento para capital de giro, investimentos e exportação, propostas pelo governo?
Constantino:
Para os investimentos na produção foi fixado prazo de até oito anos para amortização com até três anos de carência, taxa de juros fixa de 7% ao ano e ainda será concedido um bônus de 20% para desconto sobre os juros para os adimplentes, ou seja, os que pagarem em dia. Para a exportação, o prazo é de até três anos, com um ano e meio de carência e taxa de juros semelhantes. Para capital de giro a novidade é que o BNDES vai financiar o valor correspondente a 20% da receita operacional bruta das empresas (por exemplo, se fatura 100 milhões de reais por ano, terá acesso ao financiamento de até 20 milhões) com taxa de juros de 8,5% ao ano. É a menor do mercado se comparada à taxa Selic, que hoje está em torno de 11,50% ao ano. Também neste caso será oferecido bônus de 20% aos adimplentes, o que reduz o juro para 6,5%. Para capital de giro as empresas terão prazo de 36 meses com 18 de carência. É importante ressaltar que estas linhas de crédito são destinadas a empresas que faturam até R$ 300 milhões ao ano, ou seja, abrange o universo de pequenas e médias empresas.

Textília: Mas as empresas de menor porte reclamam que existe muita burocracia para acessar os financiamentos. Como resolver esta questão?
Constantino:
Para que seja concedido o financiamento, as empresas precisam apresentar certidão
negativa de débito, ou seja, estar em dia com suas obrigações trabalhistas e fiscais. Se exigir esta documentação é considerado burocracia, não há como solucionar a questão.

Textília: As micro e pequenas empresas apresentam um índice maior de informalidade e alegam que isso se deve à elevada carga tributária. Queixam-se também do excesso de garantias exigidas pelo banco...
Constantino:
Não cabe ao BNDES resolver este problema. As empresas devem procurar esferas competentes no âmbito do Ministério da Fazenda para solucionar questões de ordem tributária. Desde que estejam dentro dos indicadores de limite de risco do banco, não há nada que impeça o acesso às linhas de financiamento. Posso assegurar que há uma boa vontade do BNDES em contribuir com o desenvolvimento das empresas, tanto as micros, pequenas e médias quanto as grandes.

Textília: Qual é o diferencial da Linha de Inovação criada pelo BNDES?
Constantino:
Esta linha teve boa aceitação no mercado. Já tivemos várias consultas de empresas interessadas. Na política atual do BNDES, o investimento em inovação é fator fundamental para uma estratégia de desenvolvimento do país. O banco visa promover iniciativas pioneiras capazes de dotar as empresas brasileiras de maior competitividade internacional. Esta linha foi criada para dar suporte ao aprimoramento dos produtos, ou seja, no caso específico da indústria têxtil e confecção, é destinada a apoiar o design, a capacitação tecnológica, a pesquisa de tendências, novos materiais, enfim, todas as inovações que agreguem valor ao produto final. O setor de confecção foi mais afetado pelo aumento das importações devido à desvalorização do dólar, já que o volume exportado pelo Brasil neste item é pequeno se comparado a outros manufaturados. Como não há alteração na política cambial e nem as alíquotas de importação podem ser alteradas, além do permitido pelas regras do comércio internacional, a solução para a indústria de confecção é investir na inovação. Esta é a saída para enfrentar a concorrência dos importados.

Textília: Que avaliação o BNDES faz da evolução da cadeia têxtil brasileira ao longo da última década? Por que não conseguimos aumentar a participação no comércio mundial que hoje movimenta cerca de US$ 400 bilhões?
Constantino:
No que se refere aos itens como tecidos de algodão, índigo, brim e artigos de cama, mesa e banho, o Brasil tem mantido e, em alguns casos, até aumentado suas exportações, pois conta com empresas de grande porte, com larga experiência no mercado internacional. Na área de sintéticos não somos tão competitivos quanto no segmento de algodão, mas o problema maior é a confecção de vestuário. É preciso ampliar a capacidade de produção, melhorar a distribuição e modernizar as empresas. Nesse sentido o banco pode contribuir disponibilizando linhas de financiamento adequadas. No caso do Cartão BNDES, além de ter sido ampliado o limite de crédito para R$ 250 mil reais para a compra de máquinas (confecção), foi aprovado também a possibilidade de as empresas adquirirem insumos como matérias-primas. Outro incentivo ao setor
é a Linha de Internacionalização, voltada para as empresas que estão investindo na expansão de suas marcas no exterior, que querem ampliar sua distribuição ou mesmo firmar parcerias com empresas no mercado internacional.

Textília: Até que ponto a falta de acordos bilaterais do Brasil com países de maior comércio têxtil como EUA e Europa dificulta as nossas exportações?
Constantino:
Sem dúvida, os acordos bilaterais ou regionais facilitam o comércio entre os países. Todavia, no caso da cadeia produtiva têxtil, o Brasil exporta matéria-prima e tecidos, mas carece de uma estrutura exportadora de produtos confeccionados. Existem empresas que se associam ou montam sua produção nos países Andinos, na América Central e no Caribe, para terem acesso ao mercado norteamericano, já que esta região possui acordos preferenciais de livre comércio com os Estados Unidos. Todavia, para se estabelecer acordos comerciais é preciso levar em consideração
vários interesses econômicos que envolvem outros setores. O agronegócio e o setor automobilístico exportam muito mais que o setor têxtil/confecção. O país tem uma complexidade industrial muito grande. Estabelecer acordo preferencial na área têxtil/vestuário implica em conceder também acesso ao mercado brasileiro à importação de outros produtos, afinal o comércio internacional é via de mão dupla. Por isso, os setores precisam estar preparados para competir em qualquer situação. Esta é a regra da competitividade.

Movimentação do Cartão BNDES - Setor Têxtil/Confecção

Número de Cartões Emitidos: 11.131

Limite Total Concedido: R$ 111.643.276,00

Número de operações: 1.219

Volume Total de operações: R$ 14.794.612,64

Ticket médio das operações: R$ 12.136,68

Números atualizados até o dia 02/08/2007
Fonte: BNDES

 

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

Redação - Márcia Mariano

Data de publicação: 30/09/2007

Conteúdo relacionado


Conheça o novo gerente comercial da Hyosung Brasil
O executivo Bruno Valesin, assumiu a gerencia de vendas da Hyosung Brasil, para os mercados da Região Sudeste (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais) e toda a Região Nordeste, substituindo o ex-gerente, Carlos Fernandes. Detentora da marca de spandex (elastano) Creora®, a gigante coreana também oferece fios de poliéster e poliamida, atendendo aos segmentos de fitness, lingerie, malharia e moda praia.  2019-10-16 - Tags: entrevista bruno valesin hyosung brasil gerente comercial carlos fernandes hyosung

Birla Cellulose declara neutralidade na emissão de gases de efeito estufa
A Birla Cellulose, um dos maiores fabricantes mundiais de fibras cortadas de viscose, pertencente ao grupo indiano Aditya Birla, avaliou suas emissões de carbono em todas as operações globais e é o primeiro fabricante de viscose a declarar neutralidade de carbono nas emissões de Gases de Efeito Estufa do Escopo 1 e 2 (GEE).  2019-10-15 - Tags: birla cellulose fibras cortadas de viscose gases de efeito estufa aditya birla group dilip gaur hot button

Indústria têxtil turca adota Uster® Quality em sua fiação
Na fiação, a eficiência da produção e a lucratividade dos negócios dependem de medições confiáveis ​​de dados e análises sofisticadas. A Matesa Textiles, uma das maiores indústrias têxteis da Turquia, tornou o sistema Uster® Quality Expert indispensável em seu laboratório, para atender as exigências de qualidade de seus clientes.  2019-10-11 - Tags: fiacao uster quality expert matesa textiles buket celebi fio

Saurer apresenta FusionTwister na ShanghaiTex 2019
A Saurer Twisting Solutions apresentará soluções para a fiação em seu estande D40 Hall E1, na 19ª edição da ShanghaiTex, que acontece de 25 a 28 de novembro, na China. O foco será na alta eficiência do FusionTwister que atinge o ponto de referência para a produção de fios torcidos de fibras curtas.  2019-10-07 - Tags: saurer twisting solutions fusion twister shanghai tex fibras curtas

Capricórnio implanta Programa Compliance em suas unidades
Após realizar um trabalho de reestruturação nos últimos quatro anos, com foco na governança corporativa, a nova gestão da Capricórnio Têxtil implementou no início de 2019, o Programa de Compliance, que resultou no lançamento do seu Código de Conduta, bem como a publicação de diversas políticas corporativas, para colaboradores e parceiros comerciais.  2019-10-02 - Tags: capricornio compliance comportamentos consumidores parque fabril

Jeanologia redefine o processo de acabamento de tecidos
Há 15 anos aplicando o ozônio para o acabamento de peças de vestuário, a empresa espanhola Jeanologia deu um novo passo em direção à indústria têxtil 100% sustentável, ao lançar o processo de acabamento de tecido com a tecnologia G2Dynamic.  2019-10-02 - Tags: g2dynamic jeanologia ozonio jeans denim industria textil detox agua sustentavel

Archroma amplia portfolio de soluções sustentáveis para têxteis
Um dos maiores fabricantes químicos do mundo, a Archroma, com sede na Suíça e 25 plantas industriais em diversos países, inclusive no Brasil, lançou na última ITMA, em Barcelona, o inovador Diresul Smartdenim Blue, um sistema de coloração para denim, que se comporta como o autêntico índigo, porém, com um processo de aplicação mais sustentável e eficiente em comparação com o corante original.  2019-10-01 - Tags: quimicos archroma indifo sustentavel ricardo sousa earthcolors itma 2019 jose carlos fevereiro junior

Itema expande sua atuação como fabricante mundial de teares
A Itema, empresa integrante do grupo italiano Radici, especializada em tecnologia para tecelagem como máquinas de tecer, peças de reposição e serviços integrados, anunciou a aquisição da Schoch, fabricante de pentes para teares e outros acessórios, com unidades na Itália e na Índia.  2019-09-27 - Tags: itema tecelagem tear liços alfredo schoch ranica schoch reeds india trama

Indústria baiana produz primeira camisa polo biodegradável
Uma camisa polo biodegradável, que se desintegra em até três anos quando depositada em aterros sanitários, foi confeccionada pela primeira vez pela Polo Salvador, uma pequena indústria têxtil localizada no bairro do Uruguai, na capital baiana. O produto é resultado de uma parceria com a Rhodia, empresa do grupo belga Solvay, detentora do fio de poliamida 6.6 Amni®Soul Eco.  2019-09-26 - Tags: biodegradavel polo amni soul eco rhodia hari hartmann polo salvador pet

Oerlikon anuncia novo CEO que assumirá o cargo em 2020
A Oerlikon anunciou hoje que Philipp Müller foi nomeado Chief Financial Officer (CFO) e membro do Comitê Executivo da empresa, a partir de 1º de janeiro de 2020, sucedendo a Jürg Fedier, que se aposentará no final de dezembro de 2019.  2019-09-12 - Tags: oerlikon ceo philipp muller chief financial officer jurg fedier 2020

Kelheim Fibers desenvolve viscose com estrutura detectável
Uma fibra de viscose especial, com propriedades para ser localizada durante todo o processo têxtil, auxiliando no combate à fraude de matérias-primas, será apresentada pela Kelheim Fibers, durante a 19 ª edição do Dornbirn man Made Fibers Congress, que acontecerá de 20 a 22 de setembro de 2016 na Áustria.  2019-09-03 - Tags: viscose especial kelheim fibers danufil qr alexander bachmann dornbirn made fibers congress

Empresa descarta uniformes de forma responsável e sustentável
A Metalock Brasil, localizada em Santos, no litoral de São Paulo, vem destinando corretamente 201 kg de uniformes em desuso de seus funcionários, sendo por isso reconhecida como uma empresa ambientalmente correta na região.  2019-08-20 - Tags: metalock santos sebrae metalurgica sao paulo uniforme descarte

Stoll renova instalações e cria centro de atendimento aos clientes
A Stoll, fabricante alemão, líder na produção de máquinas de tricô retilíneas, vai transferir sua sede de Stollweg 1 para a área industrial do Distrito de Reutlingen-Betzingen. O projeto de construção, a cargo do escritório de arquitetura ISIN + Co de Stuttgart, é dividido em duas fases: expansão da área de produção e um moderno centro de desenvolvimento para atender os clientes.  2019-07-30 - Tags: stoll alemao maquinas de trico retilineas trico tecnologia inovacao isin stuttgart

Saurer comemora contribuição com a missão Apollo 11
Em 20 de julho de 1969, o astronauta Neil Armstrong tornou-se a primeira pessoa a pisar na Lua e disse a famosa frase: “Este é um pequeno passo para o homem, um salto gigantesco para a Humanidade”. Hoje, quando o mundo celebra o 50º aniversário deste feito, a Saurer também comemora sua participação no evento.  2019-07-19 - Tags: neil armstrong lua saurer bordar apollo 11 fiacao torcao de fios bordadeiras lion brothers maryland nasa

João Braga revela sua “alma fashion”
O historiador, pesquisador e professor da Faap e da Santa Marcelina acaba de lançar uma revista trimestral para contribuir com a formação dos estudantes de moda no Brasil. Conhecer a história da indumentária e da moda para refletir sobre seu passado e projetar o futuro em um mundo globalizado e híbrido é um dos objetivos da publicação “Soul Fashion.  2019-06-05 - Tags: soul fashion santa marcelina faap joao braga industria fashion

Espanha planeja fortalecer suas exportações na ITMA 2019
As máquinas de acabamento e de vestuário foram as que tiveram maior peso no total das exportações do setor têxtil no ano passado: 37,30% e 21,13%, respectivamente.  2019-05-05 - Tags: acabamento vestuario textil exportaçao 2018

Nãotecidos dá sinais de que pode crescer no Brasil
O executivo Laerte G. Maroni, conselheiro estratégico do Sinditêxtil-SP e do Ciesp/Jundiaí, fala sobre o comportamento de mercado no país.  2019-02-05 - Tags: naotecido textil laerte g maroni sinditextil ciesp crescimento brasil

Lais Pearson, a estrela viajante
“Lais Pearson...Foi minha orientadora de TCC da primeira turma de formandos do curso de Moda Anhembi-Morumbi...Minha professora sempre!!! Agradeço a Deus a oportunidade da convivência como aluna e profissional e, nos últimos anos como uma boa ouvinte de suas maravilhosas histórias do mundo fashion...O céu está em festa e, certamente muito mais “brilhante”!!!! (Romy Tutia)  2018-12-12 - Tags: lais helena da fonseca pearson centro brasileiro de moda guia oficial da moda trends lais pearson falecimento

Vicunha Têxtil investe na expansão de fábrica na Argentina
Empresa investe 220 milhões de pesos para a criação de uma linha de tingimento de denim e 50 postos de trabalho diretos  2017-08-15 - Tags: vicunha textil argentina governador fabrica expansao ricardo steinbruch

Brückner traz inovações em secadoras
Como uma das produtoras líderes em linhas de acabamento e e tratamento térmico para a indústria têxtil e nãotecidos, a Brückner estará presente da INDEX 17, de 4 a 7 de abril, em Genebra na Suíça. No estande 1580, corredor 1, os visitantes terão a oportunidade de obterem todas as informações sobre novos produtos e tecnologias da empresa para nãoteci-dos.  2017-02-08 - Tags: bruckner index 17 linhas de tratamento termico secadoras naotecidos