Language
home » têxtil » mercado » empresas e personalidades

Empresas e Personalidades

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

“O Brasil está isolado”

Soraya Rosar é advogada, possui mestrado em Direito Internacional e especialização em Comércio Exterior. Em sua carreira, após um curso realizado pelo Itamaraty em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), teve a possibilidade de observar de perto o funcionamento das principais atividades comer- ciais globais, especialmente por ter realizado um estágio em Genebra, onde estão concen- trados órgãos como OMC, ONU, entre outros. Atualmente, ela coordena a gerência executiva de negociações internacionais na Confederação Nacional das Indústrias (CNI), onde acompanha diretamente o drama dos empresários na queda de braço com a burocracia e com o governo por mais competitividade internacional. À Textília, ela fala um pouco sobre sua carreira e analisa a situação brasileira ante o comércio mundial. 

Textília: No princípio de sua carreira, você, depois de superar o desafio de completar um curso no Itamaraty, decidiu por um período de estágio em Genebra. Como foi esse desafio?

Soraya Rosar: Escolhi Genebra, onde estão as principais participações internacionais ligadas ao comércio, como OMC e ONU, após passar dois anos me especializando nessa área. Pautei toda minha carreira nessa especialidade sobre as organizações internacionais e nas negociações que partiam dessas negociações. Quando voltei ao Brasil, participei da Associação de Comércio Exterior no Brasil (AEB), onde permaneci por onze anos e atuei como analista, técnica e assessora da presidência. Hoje, sou responsável  pelo gerenciamento executivo de negociações internacionais da CNI. Atuo principalmente na defesa de interesses da indústria junto ao governo. 

Textília: Como especialista, qual seria sua análise sobre a situação do comércio exterior brasileiro?

Soraya: Temos uma dificuldade com o Comex no País, tanto do lado governamental quanto do empresarial, embora isso esteja mudando para as indústrias. Há um paradoxo, pois o Brasil participa desde as primeiras reuniões das organizações internacionais, entre elas, a criação do Gate, da OM e de todas as organizações do pós-guerra. Somos fundadores desses institutos, mas sempre apostamos muito na vertente multilateral – o que é correto, pois sou multilateralista por formação. Só que isso funcionaria em um mundo ideal, no qual seria possível ao Brasil defender os seus interesses. Mas o mundo ideal nem sempre é possível. Ao longo dos anos, com a paralisia das negociações multilaterais, o Brasil se voltou cada vez mais para dentro de seu território, por conta também do grande tamanho de nosso mercado interno. Nossa indústria é diversificada. Então, naturalmente, caminhamos para o fechamento do País. Ao contrário, países com pequenos mercados internos naturalmente procuram novos clientes internacionais. Aqui tentamos proteger o mercado da concorrência externa por muito tempo. 

Textília: Esse histórico agravou o momento de dificuldade econômica pelo qual estamos passando hoje?

Soraya: Por um período, foi natural esse fechamento, pois precisávamos de estruturação da indústria. Mas o mercado que existe no mundo hoje é algo bem além das nossas fronteiras internas. Os empresários que descobriram isso antes se deram muito melhor do que aqueles que se fecharam em nosso mercado. Quando há um equilíbrio mínimo de 60/40% na dependência mercadológica, sendo o primeiro o mercado interno e o segundo o externo, tornamo-nos menos suscetíveis aos problemas de quaisquer dos dois. Se no momento atual, por exemplo, não há demanda, os canais externos e uma exportação contínua contrabalançam o que se deixou de vender internamente. Numa crise internacional, acontece o inverso. Esse jogo de 60 x 40 pode facilmente significar maiores vendas no mercado interno, segurando o equilíbrio. Mas quem se voltou para o interno hoje terá mais dificuldade de buscar o mercado estrangeiro. 

Textília: Historicamente, o industrial  brasileiro – e especialmente o têxtil – possui dificuldade em iniciar o caminho da exportação, muitas vezes pelo próprio desinteresse em um inves- timento a longo prazo. Isso ainda acontece com os novos empresários?

Soraya: Eu acho que, finalmente, de certa forma, “a ficha caiu”, e grande parte das empresas está deixando a posição acomodada na qual estava. Nos últimos anos, isso deu uma virada consi- derável em nossa participação internacional. Todas as pesquisas e fóruns internos da CNI mostram evidências de que o Brasil quer uma maior inserção internacional. Isso pode ocorrer de várias maneiras: não precisa mudar a chave de unilateralidade para multilateralidade ou regiona- lidade, mas sim deixar todas as portas abertas. 

Textília: Foi recentemente anunciada uma evolução no acordo bilateral com a Colômbia, que é importantíssimo para o setor têxtil. Como isso afetará o segmento?

Soraya: Já temos um acordo com a Colômbia, mas a parte têxtil não está toda finalizada. Temos que investir na desgravação desse projeto o mais rápido possível, para que isso acelere a entrada de produtos brasileiros naquele país com taxas zero de importação. Mas é importante ressaltar que ações como essa são positivas. Hoje, qualquer iniciativa voltada para uma isonomia dos produtos brasileiros no exterior será profícua. Os acordos tarifários da Aladi [Associação Latino-Americana de Integração] são também mais que bem-vindos e prosperam por meio do esforço do empresariado. 

Textília: O que ainda está atrasando a completa liberação do acordo?

Soraya: Os procedimentos não estão totalmente formalizados, então ainda há que se pagar tarifas em vários produtos exportados para a Colômbia, mesmo que eles já nos vendam a zero. O acordo, que foi feito nos anos 1990, enxergava que a Colômbia – por ser menor e com menos recursos que o Brasil – precisava da abertura de nosso mercado mais do que precisávamos do deles. Certos setores sensíveis, como o têxtil, por exemplo, mantiveram essa divergência até a última etapa, que se inicia agora. Mas o mundo mudou, e a Aliança do Pacífico atraiu investimentos para a Colômbia, que tem um mercado tão competitivo quanto o nosso. Cabe ao Brasil buscar o que precisa, fazer esse esforço que foi iniciado há dois anos. Estamos negociando item por item para avançar na desgravação e definir regras de origem que podem ser adotadas. 

Textília: Mesmo esse acordo ainda é um passo pequeno diante de tantas possibilidades no mercado?

Soraya: Outros níveis de negociação exigem que os países do Mercosul atuem como um bloco. Então, temos que nos aliar com os países do continente para que tenhamos aberturas para o exterior. Os dois novos membros do Mercosul, Bolívia e Venezuela, são voltados para o mercado interno e com problemas que impossibilitam o mercado aberto. Isso não significa que haja espaço no Mercosul para crescermos e no resto do mundo também. O que não podemos é continuar estacionados. A inércia deixou o Brasil muito para trás. 

Textília: Quanto tempo estamos atrasados?

Soraya: É difícil dizer o quanto estamos atra- sados. O TPP [Tratado Transpacífico] levou oito anos para ser criado, por exemplo. Mas fato é que estamos isolados junto com muito poucos países - a maioria deles ainda não tem condições de se jogar no exterior. Isso, definitivamente, não é nosso caso, pois temos indústrias, condições e agribusiness fortíssimos.

Textília: Isso é mais culpa das gestões governamentais ou há uma parcela de res- ponsabilidade dos empresários?

Soraya: Houve, nos últimos anos, uma postura incorreta do governo sim, mas também houve (mesmo com uma visível mudança nos últimos cinco anos) uma atitude de acomodação dos empresários nacionais. Não podemos culpar só o Mercosul, e acredito que não é importante procurar qual foi o problema e saber quem são os culpados neste momento. A questão agora é resolver urgentemente! Os acordos não são a panaceia para tudo, mas eles permitem que tenhamos isonomia de tarifas em relação aos outros países. Programas como os da Apex-Brasil dão o impulso para partir para aquele mercado. A Rede Brasileira de Centros Internacionais de Negócios da CNI também faz esse apoio, mas, quando chegam aos destinos, os empresários precisam pagar tarifas e impostos que não são os mesmos entre seus concorrentes. Com relação a acordos como o da Colômbia, pode ser pouco, mas demonstra uma mudança de posicionamento. Da parte do empresariado, isso vem mudando. No governo, há alguns sinais claros e outros ainda não. A postura do MDIC tem sido positiva não só na faixa de acordos comerciais, mas também na facilitação de negócios. Foi desenvolvido um acordo multilateral nos últimos três anos, que o Brasil acabou de ratificar por meio de assinatura da presidenta Dilma. Outro grande avanço foi a criação de um portal único no qual o empresário dispõe de uma única janela, onde coloca todos os dados que irão para os órgãos governamentais que necessitam autorizar a exportação. Para se ter uma ideia, hoje, no Brasil, são 17 órgãos anuentes. Isso era antes realizado órgão por órgão, uma burocracia imensa. Essa página está prevista para 2017 e reduzirá as horas de trabalho muito consideravelmente. 

Textília: Que tipo de acordos devem ser analisados com mais atenção a partir de agora, para diminuir o distanciamento nacional do comércio global?

Soraya: Todos os setores têm de prestar atenção nas novas regras do TPP e, nos dois próximos anos, no que sair no Transatlantic, parceria entre Estados Unidos e União Europeia. Esses tratados são os mais avançados que existem hoje e definirão os acordos do futuro. Precisamos acompanhar tecnicamente e olhar de perto se não vão gerar desvios de comércio que nos prejudicarão. Para qualquer país, isso é fundamental. 

Textília: Diante dessa afirmação, podemos concluir, portanto, que houve um fracasso no Mercosul?

Soraya: O Mercosul trouxe benefícios para as empresas brasileiras, mas ele começou como um projeto de governo e não teve participação do setor privado. Foi uma decisão política a criação da figura do Mercosul. Tivemos que correr atrás para trabalhar dentro desse novo paradigma, mas não foi uma opção das empresas brasileiras. Criou-se, no entanto, um mercado nos primeiros anos de seu funcionamento, o que gerou um fluxo de comércio significativo e bom para as empresas brasileiras. O Mercosul é também, de certa forma, o primeiro passo das empresas brasileiras interessadas em internacionalizar. É mais barato, o idioma é similar e é próximo, o que facilita visitas a clientes e fornecedores. O problema é que isso foi paralisado por muito tempo e por uma série de motivos, principalmente os internos, fazendo com que normas que até já foram decididas não fossem internalizadas. Hoje, eu diria que o Mercosul possui tantos problemas que não funciona. Houve uma pretensão de se transformar o Mercosul em União Europeia, mas deveríamos ter passado por etapas, como foi o caso da UE. 

Textília: Quando ocorreu a última ação significativa do Mercosul?

Soaraya: Há pelo menos seis anos não acontece nada. A última ação foi no governo Lula e aconteceu relativamente pouca coisa. O Mercosul está muito aquém do que poderia ser. 

Textília: Que conselhos você daria para o empresário que deseja começar a exportar?

Soraya: Em primeiro lugar, tenha um conhecimento grande do seu setor para procurar enxergar exatamente qual nicho de mercado pode ser atingido no exterior. A postura para o Comex não é só ter um produto bom. É impor- tante prospectar e ver que produtos o mercado deseja. Depois, é essencial adaptar o produto. Se sair simplesmente sem ajuste e inteligência, você tem pequenas chances de sucesso. Segundo: a decisão tem que ser da empresa, do presidente ao contínuo. Se você for ao exterior somente para resolver o problema de estoque, a chance de dar errado é grande. Uma vez que o seu cliente não gosta do seu produto, você nunca mais terá chances com ele. É mais difícil retomar do que abrir um canal. O processo é de longo prazo, precisa-se criar uma forma de trabalho para a empresa.

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

Por: Gabriel Rajão
Foto: CNI

Data de publicação: 01/06/2016

Galeria de fotos desta matéria

Conteúdo relacionado


Loepfer mostra alta tecnologia em sensores na ITME Africa
A Loepfer estará presente no Pavilhão Suíço da ITME África, que acontecerá pela primeira vez na Etiópia, de 14 a 16 de fevereiro, na capital Adis-Abeba. A África tem apresentado crescimento nos últimos anos e a indústria têxtil tem sido um dos motores deste desenvolvimento, especialmente a Etiópia, não só pelo cultivo do algodão, mas também pelo investimento em toda a cadeia de valor têxtil.  2020-01-27 - Tags: loepfe brothers itme africa etiopia adis abeba yarn cleaner falcon-i

Mahlo colabora com universidades em Bangladesh da área têxtil
Trazendo especialistas em têxteis do futuro, a empresa alemã de engenharia mecânica Mahlo GmbH + Co. KG, realizou palestras na Universidade de Bangladesh de Têxteis (BUTEX) e na Universidade do Norte de Bangladesh, apresentando aos alunos os requisitos e soluções da moderna produção têxtil.  2020-01-24 - Tags: butex industria 4 0 msmart mahlo maquinas texteis

Fiação chinesa eleva produtividade com sistema de dados Uster®
Oferecer alta qualidade e produtividade aos seus clientes, por meio da análise e transparência de dados de classe mundial, é o resultado obtido pela empresa chinesa Esquel ao implantar o sistema Uster® Quality Expert na sua produção de fios.  2020-01-23 - Tags: uster quality expert li guanghai esquel produçao fios

Novos talentos para uma indústria tecnologicamente forte
Peter D. Dornier, presidente da Fundação Walter Reiners-Stiftung da VDMA (Associação dos Fabricantes de Máquinas Têxteis da Alemanha), entregou prêmios a seis jovens engenheiros em Dresden, durante cerimônia de premiação na Conferência Têxtil Internacional de Aachen-Dresden-Denkendorf.  2019-12-18 - Tags: itm peter d dornier vdma maquinas texteis ita aachen

Basf oferece formulação de produtos para lavagem de roupas
Detergente líquido ou em pó, amaciantes e outros produtos voltados à lavagem de roupas demandam equilíbrio entre o bom desempenho do produto e o cuidado em não causar riscos à saúde do consumidor.  2019-12-17 - Tags: basf lavergy fibras tecidos sokalan

Sinditec homenageia Santista Têxtil pelos seus 90 anos de fundação
O Sinditec, que representa as indústrias têxteis de Americana e Região, prestou homenagem à Santista Têxtil pelos seus 90 anos de fundação. O presidente da entidade, Dilézio Ciamarro, entregou a “Lançadeira de Prata” ao presidente da empresa, Gilberto Stocche, em reunião da diretoria, realizada no final do mês de novembro.  2019-12-17 - Tags: sinditec americana industrias texteis santista textil dilezio ciamarro gilberto stocche

Industriais catarinenses participam de evento com presidente da República
No dia 11 de dezembro, empresários catarinenses participaram da cerimônia de entrega do Grande Colar da Ordem do Mérito Industrial ao presidente Jair Bolsonaro, promovida em Brasília pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).  2019-12-16 - Tags: sintex fiesc cni fiaçao industria conservacao homenagem

Karsten é eleita a 11° melhor empresa para trabalhar em Santa Catarina
A Karsten, empresa têxtil de Blumenau que completou 137 anos de história, foi eleita a 11ª melhor empresa para trabalhar em Santa Catarina. O prêmio foi entregue na última quarta-feira (4), em Florianópolis, pelo Instituto Great Place to Work (GPTW), que desde a década de 1980 seleciona as empresas com melhores ambientes de trabalho nas categorias grande, médio e pequeno porte.  2019-12-10 - Tags: karsten gptw empresa santa catarina trabalhar

Abit entrega Medalha do Mérito 2019 em confraternização anual do setor
Como faz todos os anos, a Abit – Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção realizou a solenidade de entrega da Medalha do Mérito, que antecedeu o coquetel de confraternização de fim de ano da entidade, reunindo empresários, executivos, profissionais de moda e imprensa em sua sede na capital paulista.  2019-12-06 - Tags: abit 2019 confraternizacao premio sinditextil grupo lunelli grupo malwee camisas polo salvador steinbruch vicunha

Santista tem novo gerente comercial para jeanswear
Produção de denim e de jeans, segmento têxtil que mais cresceu no Brasil nos últimos anos, continua sendo alavancada pela indústria nacional.  2019-12-05 - Tags: denim jeans brasil oto rafael arantes junior santista minas gerais sao paulo

Tatiana Burgos: a piloto da Black Jeans
Com loja de atacado no bairro do Brás, em São Paulo, marca renova mix de produtos a cada temporada para atender mercado de moda.  2019-12-05 - Tags: entrevista tatiana burgos denim black jeans bras

Novo Instituto de Inovação em Biossintéticos
Desde o dia 8 de novembro, o Instituto de Inovação em Biossintéticos e Fibras (ISI) do Senai-Cetiqt está funcionando no Parque Tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na Ilha do Fundão.  2019-12-05 - Tags: biossinteticos fibras senai cetiqt parque tecnologico ufrj engenharia

Roadshow tecnológico mostra novidades da ITMA
Evento exclusivo para clientes, realizado em Minas Gerais, foi promovido pelas empresas Stäubli, Rieter, Graf e Picanol e suas representantes locais.  2019-12-05 - Tags: itma barcelona milão staubli luciana neves evento rieter graf picanol

A digitalização têxtil é um processo irreversível
Redução de resíduos, reuso e reciclagem de materiais também trazem mudanças para o setor de máquinas têxteis.  2019-12-05 - Tags: alessandro zucchi itma 2020 barcelona entrevista

Scavone encomenda Linha Dilo 4.0 para fábrica de nãotecidos
A Fabril Scavone, uma das líderes na América do Sul na produção de nãotecidos, adquiriu uma unidade de agulhagem completa do grupo alemão Dilo para sua nova planta industrial em Itatiba, São Paulo.  2019-12-04 - Tags: fabril scavone naotecidos agulhagem dilo pes pp bico fibras

Trajetória da Rhodia no Brasil é marcada pela inovação e sustentabilidade
No ano em que comemorou 100 anos de Brasil, a Rhodia, empresa do Grupo Solvay, apresentou ao mercado têxtil novos fios sustentáveis, como Amni® Soul Cycle e Amni® Dynamic, reforçando seu compromisso com o País na produção de tecnologias e produtos que valorizam os recursos disponíveis e as fontes renováveis.  2019-12-03 - Tags: rhodia grupo solvay amni soul cycle amni dynamic daniela manique mercado textil industria sustentavel 100 anos

Sinditec elege nova diretoria e conselho consultivo para 2020/22
O empresário Leonardo José de Sant´Ana, da Guainumby Têxtil, especializada em fios tintos de poliéster texturizado e fios fiados para linhas de costura, foi eleito novo presidente do Sinditec - Sindicato das Indústrias de Tecelagens de Americana, Nova Odessa, Santa Bárbara d’Oeste e Sumaré.  2019-12-03 - Tags: guainumby textil fios tinturaria poliester texturizado fios fiados linhas sinditec jose de santana

Brother oferece soluções competitivas para a indústria da moda
Com uma longa trajetória de 42 anos no Brasil, a Brother está cada vez mais presente nos negócios da indústria de transformação e moda. A empresa apresenta tecnologia de ponta e ótimo custo-benefício, em diversos segmentos de atuação como impressão P/B ou colorida em diferentes formatos e estilos; comunicação visual; identificação e rotulação de produtos; máquinas de corte, costura e bordado.  2019-11-12 - Tags: impressoras brother wireless eva tecnologia scanncut

Saurer mostra Autoairo pela primeira vez ao mercado asiático
A Saurer, com sede na Suíça desde 1863, e hoje líder global em tecnologia e componentes para processamento de fios contínuos, exibiu pela primeira vez ao mercado asiático, o Autoairo, máquina de fiação a ar, lançada este ano na ITMA de Barcelona.  2019-11-05 - Tags: saurer suica autoairo synchropiecing fiacao flexibilidade

Picanol apresenta novidades para tecidos técnicos na Techtextil India
A Picanol, um dos maiores fabricantes mundiais de máquinas de tecer, com matriz na Bélgica, estará presente com estande informativo no Setor Tecelagem - Hall B25, da 7º Techtextil India, que acontece 20 a 22 de novembro, no Bombay Exhibition Center, Mumbai.  2019-11-01 - Tags: picanol bombay exhibition center mumbai agrotech sporttech techtextil itma