Language
home » têxtil »

Conjuntura

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

Vestuário brasileiro fechará ano negativo

O ano de 2011 não deixará saudades para o setor de vestuário. Com queda de 3,5% na produção nacional, demissão de 2 mil trabalhadores no segundo semestre e perda de mercado para os produtos importados, a indústria de confecção espera por ações imediatas do Governo Federal para não acumular mais prejuízos em 2012. O alerta foi dado pelo presidente do Sindivestuário (entidade que reúne os sindicatos de fabricantes de roupas femininas, masculinas, infanto-juvenil e bebê), Ronald Masijah, durante coletiva na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). “Até não termos o compromisso do ministro da Fazenda, Guido Mantega, de que anunciará medidas em prol do setor, ainda em dezembro, eu estava muito pessimista com o futuro. Nunca vivemos uma situação de véspera de Natal com um quadro tão desolador”, disse Masijah que também é empresário do ramo de confecção. 

Segundo ele, os dados de 2011 não são nada animadores. “Os resultados de deste ano apontam para uma forte redução no ritmo na atividade industrial, tanto em termos nacionais como em São Paulo, o maior produtor têxtil do país. As confecções estão com dois meses de estoque acumulados, em média, a taxa de emprego registrou -4% de pessoal ocupado no Brasil e -8% em São Paulo. Na produção industrial, o resultado também foi ruim: -3,5% no Brasil e -6% em São Paulo”, detalha o dirigente. Ainda de acordo com ele, nos últimos 12 meses, as importações de roupas no Brasil cresceram 62%, resultando em déficit de US$ 1,7 bilhão na balança comercial no setor de vestuário (excluindo tecidos, fibras têxteis). O faturamento da cadeia têxtil/confecção no Brasil é de US$ 60,5 bilhões. O setor gera 1,7 milhão de empregos diretos e reúne 30 mil empresas, sendo que no segmento confecção, 80% é de pequenas e micro empresas.  

Luz amarela   

Ronald Masijah revela que mesmo a redução de ICMS, anunciada pelo governo paulista para incentivar a produção industrial no estado não foi suficiente para motivar as confecções. “São Paulo responde por 40% da produção e do emprego na indústria de vestuário nacional, logo, serve de termômetro para mostrar o quanto a situação está difícil”, diz o dirigente, afirmando que 10% das empresas do setor deverão sofrer com problemas financeiros por causa da queda nas vendas. O medo de que a crise na Europa contamine a economia brasileira, levando à retração do consumo interno, além do aumento das importações, são motivos de sobra para que empresários colocarem o pé no freio, avalia o dirigente. Masijah diz que muitas empresas têm até preferido suspender a produção e importar roupa pronta – colocando apenas a etiqueta nacional no produto - para poder enfrentar “em pé de igualdade” a concorrência externa. “Isto é terrível, pois você deixa de gerar emprego e renda no país”, lamentou. Segundo ele, enquanto a produção paulista de vestuário apresentou queda de 6%, as vendas no varejo cresceram entre 6% e 10%, sendo que boa parte dos produtos oferecidos nas araras é de importados. “Eu desafio a encontrarem roupas 100% feitas no Brasil”, disse.

Socorro do governo

Diante deste cenário, as esperanças dos confeccionistas se voltam para o Ministro da Fazenda, Guido Mantega, que na semana passada reuniu-se com pesos pesados da indústria têxtil nacional e prometeu soluções antes do final do ano. Segundo Masijah participaram no encontro os empresários Josué Christiano Gomes da Silva, presidente do Grupo Coteminas; Vicente Donini, da Marisol; Oswaldo Oliveira, da Valisère, Ivo Rosset, do Grupo Rosset, Agnaldo Diniz Filho, diretor da Cedro Cachoeira e presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit), e Alfredo Bonducki, presidente do Sinditêxtil-SP.

Na ocasião, foram apresentadas três reivindicações: a primeira é o regime tributário diferenciado para a indústria de confecção com a mesma lógica do Simples Nacional. O presidente do Sindivestuário explica que a ideia é evitar que as empresas se “pulverizem” quando começam a superar o faturamento que lhes dá direito a permanecer no sistema que unifica a cobrança de oito impostos e contribuições. “Estamos sugerindo, por exemplo, que seja revisto o teto de 12% sobre a receita bruta na indústria para fins de contribuição para o Fisco, pois isso acaba interferindo na escala de produção, ou seja, as empresas preferem permanecer pequenas, e com isso acabam perdendo competitividade”.

Além desta medida, o setor também reivindica a redução de 1,5% para 0,8% da alíquota sobre o faturamento bruto das empresas do setor têxtil para Previdência Social. Esta tributação, incluída no pacote de incentivos lançado pela presidente Dilma Roussef em agosto, é para compensar a perda de receita que o governo terá ao zerar a alíquota de 20% do INSS sobre a folha de pagamentos. “A medida, embora positiva, acaba prejudicando muito as empresas de capital intensivo, como é o caso da indústria têxtil. Se ela emprega poucos funcionários e fatura muito, por exemplo, não é vantajoso, pois a carga tributária acaba pesando, por isso estamos solicitando a redução para abranger um universo maior de empresas, de forma mais equânime”, explica Ronald Masijah.

Finalmente, os empresários do setor querem uma solução para acabar com que chamam de “guerra dos portos brasileiros”, em que alguns estados como Santa Catarina, citada diretamente pelo dirigente, concedem vantagens às importações em detrimento do produto nacional.  “Estamos pleiteando que a alíquota do ICMS interestadual seja fixada na ordem de 4% e que apenas alguns portos sejam autorizados a receber importações têxteis, já que hoje as mercadorias entram por todos os cantos do país, quase sem controle”.

O presidente do Sidivestuário criticou também as triangulações - importações da China que entram no mercado brasileiro pelos países do Mercosul.  “Se continuar desta forma, a indústria nacional não resistirá por muito tempo”, alertou.  Ronald Masijah, contudo, fez questão de ressaltar que está confiante, pois pela primeira vez, o Governo Federal demonstrou preocupação com o setor. “O ministro (Mantega) disse que não quer perder a indústria têxtil/confecção no Brasil e que o setor é fundamental na política de geração de empregos”, disse o dirigente, acrescentando que o governo está convencido de que não adianta aplicar barreiras contra os produtos importados, tipo lei antidumping ou limite de cotas, ou seja, o fundamental para impedir a desindustrialização do país é reduzir o “Custo Brasil”.

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

Fotos: Marcia Mariano
Fonte: Redação
Por: Marcia Mariano

Data de publicação: 06/12/2011

Galeria de fotos desta matéria

Conteúdo relacionado


Índice de produção física deve ficar entre -1% a +1,5%
O setor têxtil e de confecção fechou o ano de 2013 com mais um déficit recorde no saldo de sua balança comercial, o oitavo consecutivo. A produção física, que teve vários picos positivos e negativos ao longo do ano passado, alcançou o índice negativo de -1,82% para as matérias-primas e de -2,43% na produção de vestuário, de janeiro a novembro/13 (IBGE ainda não divulgou dado de dezembro).  2014-01-22 - Tags: conjuntura negocios 2014 previsao relatorio 2013 ibge textil confeccao balanca comercial producao materia-prima vetuario

Os dez anos do Brasil Exportador
Transcorreu dia 28 de novembro o aniversário de dez anos do Programa Brasil Exportador, lançado em 2003 pelo então ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Luiz Fernando Furlan. É desconfortável comemorar algo tão revolucionário para o comércio exterior de nosso país num momento em que sua balança comercial apresenta números negativos, com um déficit de quase US$ 1,5 bilhão no acumulado até novembro.  2014-01-13 - Tags: exportacao brasil programa desenvolvimento

BNDES incentiva design para competitividade do setor têxtil
Investimentos em design, qualidade e valor agregado são pontos-chaves para a projeção e fortalecimento da moda brasileira no mercado. Este é um dos caminhos apontados pelo presidente do BNDES, Luciano Coutinho, para que a cadeia têxtil possa enfrentar a concorrência dos produtos importados no Brasil. Ele aproveitou o encontro com empresários da indústria têxtil e confecção, no Rio de Janeiro, para anunciar o financiamento de R$ 500 milhões que serão destinados ao fomento de projetos em setores industriais e economia criativa.  2013-11-12 - Tags: bndes design conjuntura mercado cadeia têxtil

IEMI divulga estudo sobre produção brasileira de jeans
No segmento de vestuário, o jeanswear foi o artigo mais produzido no Brasil nos últimos anos. Segundo os dados do Instituto de Estudos e Marketing Industrial, especializado no setor têxtil e confecção, de 2008 a 2012 a produção de jeanswear no Brasil apresentou forte crescimento em volumes de peças confeccionadas, em ritmo superior a 6% ao ano, o que gerou expansão acumulada de 27% no período.  2013-10-28 - Tags: denim jeans tecido iemi

Indústria têxtil protesta contra importações da Àsia
Nos primeiros nove meses do ano, as importações de vestuário apresentaram aumento de 8,2%, em valor, comparativamente com o mesmo período em 2012. Em toneladas essa variação foi de 4,7%. Em uma década, o valor de produtos têxteis importados cresceu 20 vezes, saindo de US$ 110 milhões para US$ 2,1 bilhões. Por conta deste crescimento, entidades empresariais e de trabalhadores da indústria têxtil/confecção irão promover em São Paulo o “Grito de Alerta do Setor” para chamar a atenção da sociedade e do governo a respeito do aumento indiscriminado das importações, vindas principalmente da China e da Índia.  2013-10-21 - Tags: Ásia importações manifestação

Europa defende eliminação de tarifas para negociar com Mercosul
Está previsto para o início de dezembro próximo a reunião para apresentação das propostas em conjunto pelo Mercosul e União Européia a respeito do comércio internacional entre os países desses continentes. Entretanto, segundo lideranças empresariais, a lista de bens e serviços que deverá ser negociada pelo governo brasileiro sequer foi concluída. Os europeus, por sua vez, defendem a eliminação das tarifas de importação para 90% do comércio para consolidar o tratado de livre comércio com os sul-americanos.  2013-10-21 - Tags: mercosul tarifas europa têxteis conjuntura

Abimaq pede restrição à importação de máquinas no Brasil
Nos últimos dois anos, a importação de máquinas usadas cresceu 250%. Além de concorrer com o que chamam de “sucata estrangeira”, os fabricantes nacionais se queixam que a atual alíquota do Imposto de Importação de 14% para bens de capital é insuficiente para que a indústria brasileira possa concorrer em igualdade com a tecnologia importada, principalmente da Ásia. Esta e outras reivindicações da agenda setorial foram entregues ao Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, que visitou a entidade em São Paulo, no último dia 2.  2013-10-04 - Tags: maquinas abimaq equipamentos governo

Produção de vestuário sofre queda em São Paulo
Nos primeiros sete meses do ano, a produção de vestuário apresentou uma queda de 13,44% no Estado de São Paulo. O setor têxtil também diminuiu 0,73%, se comparado com o mesmo período do ano passado. O IBGE informa, entretanto, que no mês de julho houve recuperação da produção nos dois segmentos. Já na Região de Americana, maior polo industrial do setor, de janeiro a agosto, a indústria de produtos têxteis apresentou queda de 1,93% na balança de empregos.  2013-09-26 - Tags: produção têxtil

Congresso garante manutenção da multa de 10% sobre FGTS
O resultado da seção conjunta no Congresso Nacional foi divulgado na madrugada de hoje pela Secretaria Especial de Informática do Senado e manteve o adicional de 10% sobre o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, em caso de demissão sem justa causa, garantindo ao Governo Federal uma arrecadação extra de cerca de R$ 3 bilhões por ano. As empresas questionam a decisão por entenderem que a cobrança é injusta e onera o setor produtivo.  2013-09-18 - Tags: conjuntura fgts

Cresce importações de vestuário no Brasil
Nos primeiros sete meses do ano, as importações de vestuário apresentaram aumento de 7,1%, em valor, totalizando US$ 2,3 bilhões . Já as importações de têxteis e outros artigos confeccionados cresceram 4% em relação ao mesmo período de 2012. As exportações, por sua vez, cresceram 1,6%.O déficit na balança comercial do período cresceu em 4,5% em relação ao mesmo período de 2012 (dados sem fibra de algodão).  2013-09-03 - Tags: conjuntura importações

Produção da indústria têxtil no Brasil sofre queda
Enquanto a China e Hong Kong juntos detém 50% da produção mundial de têxtil, o Brasil, considerado o 5º maior produtor, mundial responde por apenas 2% deste mercado. Para 2013, estima-se um crescimento de 2,7% em valores na produção da cadeia têxtil brasileira e uma queda de 2,1% em toneladas. Já os indicadores setoriais do vestuário apontam um crescimento da produção de 4% em valores e uma queda de 0,8% em volume de peças. Os dados foram divulgados hoje pelo Instituto de Estudos e Marketing Industrial (IEMI), especializado em dados do setor.  2013-08-21 - Tags: conjuntura negócios produção têxtil

Bangladesh precisa melhorar imagem como produtor têxtil
O desabamento do prédio comercial Rana Plaza, na cidade de Dhaka, em abril, matando mais de 1.100 pessoas, manchou a imagem do país que vinha despontando como um dos grandes produtores mundiais de vestuário de baixo custo. No local funcionavam oficinas de confecção que desabaram devido à precariedade da construção e as péssimas condições de segurança dos operários. Por conta do desastre, marcas de moda e varejistas ocidentais cancelaram contratos e Bangladesh entrou uma espécie de lista negra internacional.  2013-08-19 - Tags: india bangladesh

Fábrica de Tecidos Carlos Renaux encerra as atividades
A falência, decretada em 15 de julho, a partir do pedido da juíza Ana Vera Sganzerla Truccolo, da Vara Comercial da Comarca de Brusque, encerrou a agonia de uma das mais antigas indústrias têxteis de Santa Catarina. Fundada em 1892, a empresa estava em processo de recuperação judicial desde 2011. Sem capital de giro, matéria prima, devendo mais de dois meses de salários, a fábrica encerrou as atividades praticamente no escuro, já que também enfrentava constantes cortes no fornecimento de energia.  2013-08-12 - Tags: têxtil empresa

Dilma decepciona empresários ao vetar projeto que extingue multa de 10% sobre FGTS
A presidente Dilma Rousseff vetou projeto de lei que acabava com a contribuição social de 10% sobre o saldo total do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), paga pelos empregadores ao governo em caso de demissões sem justa causa. O veto, que foi publicado no dia 25 de julho, no Diário Oficial da União, causou perplexidade ao meio empresarial. No setor têxtil, a Abit já informou que não desistirá de pressionar os parlamentares nos próximos 30 dias para que derrubem o veto.  2013-07-26

Indústria avalia paralisações no setor produtivo
Liderados pelas centrais sindicais, milhares de trabalhadores foram às ruas do Dia Nacional de Luta (11) exigindo redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, o fim do fator previdenciário e contra a terceirização nas empresas. Diversas categorias tiveram apoio patronal à causa, mas alguns setores como o de máquinas e equipamentos e têxtil de São Paulo não aderiram, alegando que paralisações afetam ainda mais a economia brasileira, que já enfrenta dificuldades.  2013-07-12 - Tags: greve

Indústria considera um avanço o fim da multa de 10%
A indústria brasileira comemorou a extinção do adicional de 10%, (além dos 40% sobre o saldo do FGTS) cobrado das empresas em caso de demissão do trabalhador sem justa causa, aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 3 de julho. O projeto de lei complementar (PLP 200/12), porém, será submetido à sanção da presidente Dilma Rousseff, que poderá aprovar ou vetar. Aliados do governo, entretanto, já adiantaram que o Executivo é contra o fim desta fonte extra de receitas, alegando que poderá prejudicar os programas sociais.  2013-07-04 - Tags: dilma rousseff firjan

Perfil do setor de moda íntima no Brasil
O valor da produção cresceu 33% nos últimos quatro anos, enquanto o número de empresas no setor também cresceu 12,7%, o que representa um adicional de 546 fábricas de confecção, a maioria dedicada à linha de roupas íntimas e dormir. Por outro lado, as importações neste setor continuam a crescer, chegando a US$ 172 milhões, em 2012, com aumento de 35% sobre o valor registrado em 2011. Estes e outros dados de mercado foram divulgados em estudo recente, realizado pelo IEMI. Confira.  2013-07-01 - Tags: lingerie

Setor têxtil apresenta crescimento em Santa Catarina
Estudo do IEMI, apresentado na reunião da Câmara Têxtil, do Vestuário e do Calçado da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), aponta que o número de indústrias do setor cresceu 18% entre 2008 e 2012. Segundo principal polo do país, atrás apenas de São Paulo, o estado poderá tornar-se líder nos próximos cinco anos, se mantiver este ritmo de crescimento.  2013-06-21 - Tags: fiesc

Inflação já impacta na inadimplência e nas vendas do varejo
Alta dos preços no varejo e aumento do custo de vida das famílias forçaram as pessoas a consumir menos no mês de maio. Se por um lado houve queda nas vendas, por outro os brasileiros adquiriram mais consciência na hora das compras, adequando melhor o orçamento frente ao novo cenário econômico. O resultado foi a desaceleração da inadimplência que fechou em um patamar recorde: +1,97%.  2013-06-11 - Tags: inflacao economia

Abit consegue alíquota zero para algodão por três meses
A Câmara de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) aprovou a alíquota zero para a importação de fibra de algodão. A desoneração valerá para 80 mil toneladas do produto, entre 1º de maio e 31 de julho, período da entressafra brasileira. O aumento atende a uma reivindicação do setor têxtil, que teme escassez e alta dos preços da matéria-prima durante estes meses.  2013-04-26 - Tags: algodao