Language
home » têxtil »

Conjuntura

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

Produtividade na indústria é fator crítico para o desenvolvimento sustentável

Na última live de 2021 promovida pela Abit – Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção, o presidente da entidade, Fernando Pimentel, abordou sobre produtividade no pós-pandemia com três convidados: Samantha Cunha, gerente de Política Industrial da CNI; Marcos De Marchi, diretor-presidente do Grupo Vicunha e Jairo Amorim, diretor executivo industrial do Grupo Riachuelo/Guararapes, que foram unânimes ao concluir que não há desenvolvimento sustentável sem ações de estímulo à produção.

Pimentel abriu o painel afirmando que só conseguimos tracionar a economia através da produtividade dos fatores de produção, ao que Samantha Cunha concordou, acrescentando: “A população mundial está crescendo e a oferta de trabalho formal tende a reduzir. Buscar ganhos de produtividade e inovação é melhor meio para a manutenção e competitividade do setor industrial”. A executiva da CNI – Confederação Nacional da Indústria, disse que a inovação pode acontecer por meio da adoção de novas práticas gerenciais como a manufatura enxuta - avanço tecnológico com a mudança nas máquinas e equipamentos; a escolha criteriosa de insumos e matérias-primas e a excelência no design e na qualidade dos produtos. “Tudo isso são fatores que podem melhorar continuamente a produtividade no Brasil”, enfatizou.

Desaceleração econômica

De acordo com a análise da CNI, nos últimos quatro anos, a produtividade no País ficou praticamente estagnada. Entre 2017 e 2020 a produtividade do trabalho na indústria de transformação cresceu em média 0,3% ao ano. Em 2020, ano marcado pela crise econômica causada pela Covid-19, o resultado foi negativo, porém, antes da pandemia, o Brasil já vinha em processo de desaceleração da produtividade. No período 2014-2016, enfrentou dois anos de recessão, com queda do PIB acentuada em 2015 e 2016. Após esse período de turbulência político e econômica, as empresas reagiram para sair da crise e elevaram a produtividade com investimentos de baixo custo e sem muita mudança em seus sistemas de gestão, quando deveriam ter investido pesado em tecnologia. “As empresas mais produtivas permaneceram no mercado e isso fez a produtividade aumentar um pouco, mas depois dessa reação, quando se precisava realizar investimentos mais pesados em máquinas e inovação tecnológica, o ritmo de crescimento da economia começou a cair”, pontua Samantha Cunha.

Visão atual

Entre 2018 e 2019, mesmo com o arrefecimento da crise, o Brasil cresceu abaixo de 1%, desestimulando investimentos mais arrojados. “Desde 2020 – quando o Brasil e o mundo foram golpeados pela crise sanitária – até agora, a produtividade do trabalho despencou em mais de 7%, ou seja, temos tido queda pelo segundo ano consecutivo – 2020/2021”. Na avaliação de Samantha, essa é a maior queda no indicador da CNI desde 2000. Em sua apresentação, ela lembra que em 2008, quando o mundo também enfrentou uma crise financeira global – iniciada nos EUA – a queda da produtividade foi de 2,2%. A executiva da CNI acrescenta: “Em 2021, a queda deve se aproximar de 3%. Hoje temos uma forte pressão sobre os custos de produção. Para sair desta situação é preciso enfrentar os problemas causados pela Covid 19. A indústria lida com dificuldades como a falta de insumos, aumento do frete, etc,. e o atual cenário de incerteza não é propício aos investimentos para que a produtividade volte a crescer.”

De acordo com a especialista da CNI, passado esse gargalo pós-pandemia, a indústria terá que enfrentar problemas antigos como o Custo Brasil, que dificulta e muito a sua competividade no mercado, devido a diversos fatores apontados pelo ela, entre os quais: deficiência em infraestrutura, baixa qualidade da educação e sistema tributário complexo e oneroso.

Samantha Cunha reafirma que o problema macro deverá ser enfrentado por todo o setor produtivo e que, além de buscar melhoria no ambiente de negócios, também terá outro desafio, que é investir nas novas tecnologias digitais, inovação e pesquisa, afinal, o mundo caminha para a produção cada vez mais sustentável, com baixa emissão de carbono, reutilização de matérias-primas, economia de energia e recursos naturais, transparência e boas práticas de gestão. Tudo isso é um desafio a ser superado pelas empresas brasileiras e segundo a executiva da CNI, “ainda estamos atrasados frente a outros países”.

Ilhas de excelência  

Marcos de Marchi, diretor-presidente do Grupo Vicunha, concordou com a análise da CNI e lembrou de outro gargalo no Brasil: o crédito caro e escasso. O executivo afirmou que apesar da crise da pandemia, a Vicunha cresceu em 2021, mas não revelou números. Disse que a companhia já vinha num processo de transformação, investindo em sistemas de informação, tecnologia de ponta na produção, formação de técnicos e na sustentabilidade de seus processos. “A Vicunha possui quase 6 mil funcionários, mesmo sendo uma empresa automatizada nos estágios de preparação, fiação e tecelagem. Nas áreas de beneficiamento, a economia de água chega a 98% e também utilizamos matéria-prima reciclada para produção de fios de poliéster e viscose e algodão certificado. Somos uma empresa que investe constantemente em inovação e sustentabilidade”. Segundo ele, a Vicunha tem hoje 12 certificações nacionais e internacionais, tanto referentes à produção limpa quanto a práticas de gestão e é uma das indústrias de denim mais competitivas do mundo.

O Grupo Guararapes é a maior empresa de moda do Brasil, com uma operação que atualmente engloba: a rede varejista Riachuelo, com e-commerce e mais de 300 lojas físicas espalhadas por todo o território nacional, duas fábricas, em Natal e em Fortaleza, a Midway Financeira, três centros de distribuição (CDs), em Guarulhos, Natal e Manaus, gerando ao todo 40 mil empregos. Só nas fábricas têxteis de Natal e Fortaleza, são 12 mil empregos diretos. Para Jairo Amorim, diretor executivo industrial do Grupo Riachuelo/Guararapes, os gargalos macroeconômicos são os principais responsáveis pela baixa produtividade da indústria brasileira.

Ele cita como exemplo, além dos altos custos de energia e a carga tributária, a dificuldade de fornecedores de confecção no Brasil para atender a demanda do varejo. Para superar esse problema, a Riachuelo tem focado nos programas de treinamento intensivo de mão de obra. Entre estas ações, destaque para o programa Pró-Sertão, criado para incentivar a geração de empregos no semiárido do Rio Grande do Norte, e que hoje mantém 99 oficinas de costura trabalhando para o Grupo.

O programa é fruto de uma bem-sucedida parceria com o Senai e o governo estadual e já resultou na contratação de 3 mil costureiras que trabalham na confecção de jeans. “Consumimos 63 mil metros de tecido denim e sarja por dia para produzir vestuário e geramos oportunidades que beneficiam indiretamente cerca de 50 mil pessoas”, destaca Jairo Amorim. Segundo ele, durante o pico da pandemia, em 2020, a Riachuelo teve que fechar suas 362 lojas no Brasil. “Foi um momento difícil, pois também paralisamos as fábricas, num momento em que vínhamos dando saltos de produtividade. Sem varejo, não há indústria. Todavia, não ficamos parados durante a crise, ao contrário, aceleramos o processo de digitalização do varejo através do e-commerce, bem como fizemos um trabalho de reengenharia de processo na fábrica, investindo em treinamento e qualificação dos nossos funcionários.  A Riachuelo/Guararapes cresceu 65% em produtividade em 2020, apesar de ter sido um ano de crise. Foi um resultado próximo do de 2019, quando batemos recorde de produtividade.”, relata Jairo Amorim.

O diretor do Grupo Riachuelo/Guararapes está otimista quanto a 2022. A seu ver, ainda que a pandemia não tenha sido de todo debelada, a vacinação tem colaborado para a retomada dos negócios e apontado para uma recuperação gradual da economia.

Para além do enfrentamento do coronavírus, o Brasil precisa ter metas de crescimento ambiciosas para atrair investimentos e impulsionar a produção industrial. De acordo com Samantha Cunha, da CNI, o país ainda deixa muito a desejar em produtividade e competitividade. “Pelo parque industrial que possui, não estamos bem colocados frente a outros países. Em 2020 (resultado colhido em 2019) a indústria brasileira ocupava a 14ª posição no mundo em produção e exportação.”, atesta.

Enfim, os participantes do encontro concordaram que o Brasil não pode só viver do agronegócio. A indústria de transformação é fundamental para o crescimento e desenvolvimento da economia brasileira. Porém, para evitar perda de relevância, a indústria precisa se atentar para as novas tendências de padrão de consumo, agregar valor aos seus produtos, abraçar a digitalização e trazer inovação e tecnologia para dentro de suas fábricas, como fizeram Vicunha e Riachuelo. Só desta maneira, a indústria conseguirá atrair bons profissionais e, logicamente, aumentar sua produtividade.

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

Por: Marcia Mariano
Fotos: Divulgação

Data de publicação: 20/12/2021

Galeria de fotos desta matéria

Conteúdo relacionado


Os desafios que o setor de nãotecidos busca superar em 2022
Há quem acredite que o setor de nãotecidos vem "nadando de braçada" por conta da alta demanda dos últimos anos por produtos higiênicos e médico-hospitalares. Mas os dados não refletem essa realidade. Segundo apuração da Abint (Associação Brasileira das Indústrias de Nãotecidos e Tecidos Técnicos), a produção brasileira apresentou queda de -1,46% em 2021, em relação ao ano anterior, alcançando 360,6 mil toneladas. Em 2020, o setor produziu 366 mil toneladas. Já o consumo aparente, que em 2020 era de 391.1 mil toneladas, subiu 4,26%, chegando a 407.8 mil toneladas.  2022-06-24

Exportações do setor têxtil e de confecção crescem 29,61% no primeiro quadrimestre
Conforme informações compiladas pela Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), com base em dados do Comex, as exportações do setor foram de US$396,3 milhões no acumulado dos primeiros quatro meses de 2022, significando aumento de 29,61% em relação a igual período de 2021.  2022-06-03

Inflação é global e aumento da Selic tem efeito muito limitado para reduzir preços
Ao analisar as estimativas de que a taxa Selic anunciada pelo Copom, passou de 11,75% ao ano para 12,75%, Fernando Valente Pimentel, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), salienta que o Brasil saiu na frente de outros países na elevação dos juros e está hoje com taxas reais muito elevadas, entre as maiores do mundo.  2022-05-10

Exportações da indústria têxtil e de confecção crescem 38,49% em janeiro
Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), baseados em informações do Ministério da Economia, as exportações do setor iniciaram 2022 com o melhor desempenho para janeiro nos últimos cinco anos. Houve crescimento tanto em valor FOB como em volume. "Abrimos o ano com variação positiva das vendas externas de 38,49% em relação ao mesmo mês de 2021, evoluindo de US$ 60 milhões para US$ 84 milhões. No tocante à quantidade, a expansão foi de 12,86%, com incremento de 15 mil para 17 mil toneladas", ressalta Fernando Valente Pimentel, presidente da entidade.  2022-04-22

Indústria brasileira começa recuperação em março
O mês de março marcou um recomeço da indústria na intenção de lançar produtos em 2022, pois o Índice GS1 Brasil de Atividade Industrial apresentou crescimento de 29,2% em relação a fevereiro. O índice revela aumento no pedido de registro de novos códigos de barras de produtos, atribuídos pela Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil. Na comparação com março de 2021, há queda de 3,6% e no acumulado em 12 meses, queda de 7,1% com relação ao período anterior.  2022-04-19

Ipea projeta recuperação da atividade econômica com leve crescimento na produção industrial
O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, na quarta-feira (30/3), uma análise sobre o desempenho recente dos indicadores mensais de indústria, comércio e serviços em janeiro e fevereiro de 2022. Após encerrar 2021 com crescimento, todos os três setores produtivos apresentaram acomodação no mês de janeiro, período onde houve aumento temporário no contágio da Covid-19. Já para o mês de fevereiro, a previsão da Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas (Dimac) do Ipea é de recuperação.  2022-04-01

Mercado global de algodão continua com preços em alta
Este ano, os preços do algodão devem continuar subindo, de acordo com um relatório publicado pela IndexBox. Em 2021, o preço médio do algodão aumentou 41%, para US$ 2,23 por kg. Apesar da produção global ter se recuperado após a queda de 2020, e no ano passado ter atingindo o nível pré-Covid, de 26,3 milhões de toneladas, a demanda crescente supera a oferta.  2022-03-22

Assinado decreto para redução do IOF sobre o câmbio
Prometida no início do ano, a redução gradual do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre o câmbio foi oficializada no dia 15 de março. O presidente Jair Bolsonaro assinou decreto com a redução escalonada do tributo, que será diminuído em etapas até ser zerado em 2028. A assinatura ocorreu em cerimônia no Palácio do Planalto, com a presença do ministro da Economia, Paulo Guedes. A extinção do IOF sobre operações cambiais é uma das exigências para o país integrar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).  2022-03-16

Comércio de têxteis deverá ser regulamentado para atender agenda ESG
Dirk Vantyghem, diretor geral da Euratex – Confederação Europeia da Industria Têxtil e Confecção, e Luis Tendlarz, presidente da FITA – Federação das Indústrias Têxteis da Argentina, discutiram em videoconferência sobre o panorama do mercado têxtil, envolvendo o acordo Mercosul e União Europeia. Agenda ESG (conjunto de critérios ambiental, social e de governança a ser implantado nas empresas), regulamentação e taxação de produtos foram os pontos discutidos no encontro virtual, mediado por Fernando Pimentel, presidente as Abit – Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Vestuário.  2022-02-24 - Tags: euratex dirk vantyghem fita mercosul esg abit vestuario texteis bruxelas

Eficiência energética permitirá redução de 6% do consumo elétrico da indústria em 2030
Entre os esforços do Brasil traçados para 2022 está o de frear o alto consumo de energia elétrica. É que o País foi eleito como um dos membros do Energy Efficiency Hub – plataforma global de colaboração para possibilitar benefícios ambientais, sociais e econômicos no que diz respeito à eficiência energética.  2022-02-21 - Tags: energy efficiency hub energia eletrica eficiencia sustantabilidade

Abimaq apresenta resultados e espera alta no faturamento em 2022
A indústria brasileira de máquinas e equipamentos encerrou 2021 com desempenho 21,6% superior ao de 2020. Foi o quarto ano consecutivo de alta das receitas de vendas do setor, cuja média mensal alcançou R$ 17,2 bilhões. De acordo com a ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, este valor é -23,2% inferior à média mensal de 2010-2013, porém superior aos R$ 13,7 bilhões de 2017.  2022-02-01 - Tags: abimaq industria maquinas equipamentos balanco setor 2021 conjuntura

Setor têxtil apresenta resultados de 2021 e projeções para 2022
“Ano de 2022 será um ano difícil, ruidoso e polêmico e isso tudo afetará os negócios”, disse Fernando Valente Pimentel, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção – Abit, ao apresentar na quarta-feira, 19, balanço do setor em coletiva online. Segundo ele, a performance de 2021 foi boa, mas não cobriu as perdas de 2020, no que diz respeito à produção e vendas internas  2022-01-24 - Tags: abit fernando pimental 2022 omicron mercado pandemia confeccao textil producao

Produtividade na indústria é fator crítico para o desenvolvimento sustentável
Na última live de 2021 promovida pela Abit – Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção, o presidente da entidade, Fernando Pimentel, abordou sobre produtividade no pós-pandemia com três convidados: Samantha Cunha, gerente de Política Industrial da CNI; Marcos De Marchi, diretor-presidente do Grupo Vicunha e Jairo Amorim, diretor executivo industrial do Grupo Riachuelo/Guararapes, que foram unânimes ao concluir que não há desenvolvimento sustentável sem ações de estímulo à produção.  2021-12-20 - Tags: abit fernando pimentel live vicunha cni guararapes riachuelo

Preço do gás na Europa dispara enquanto os EUA avaliam sanções contra a Rússia
Na terça-feira (7 de dezembro), os mercados futuros de gás natural na Europa dispararam depois que os aliados americanos e europeus avaliaram novas sanções contra a Rússia se ela invadir a Ucrânia. O tempo frio não é o único fator determinante dos preços do gás natural, mas também a instabilidade geopolítica na região ajuda a empurrar os preços para perto de 100 euros por megawatt-hora.  2021-12-10 - Tags: bloomberg europa gas natural ucrania gas preco eua russia

PIB do Brasil entra em recessão técnica após quebra de 0,1% no 3º trimestre
O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil caiu 0,1% no terceiro trimestre na comparação com os três meses imediatamente anteriores, confirmando o estado de recessão técnica de acordo com os dados divulgados nesta segunda-feira (01) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É a segunda queda consecutiva do ano, apesar do crescimento de 4% em comparação com 2020.  2021-12-06 - Tags: pib produto interno bruto brasil ibge recessao tecnica

Indicador Ipea registra recuo de 0,8% nos investimentos no mês de setembro
O Indicador Mensal de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) nesta quinta-feira (2/12), apontou recuo de 0,8% em setembro frente a agosto deste ano, na série com ajuste sazonal. Em relação aos mesmos períodos de 2020, em setembro verificou-se expansão de 13,8% e, no terceiro trimestre, houve crescimento de 18,8%.  2021-12-03 - Tags: ipea recuo investimentos setembro 2021 consumo retracao fbcf

Indústria tenta reagir em setembro
A indústria tenta reagir na intenção de lançar produtos, segundo o Índice GS1 Brasil de Atividade Industrial, produzido pela Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil. No mês de setembro o índice apresentou crescimento de 16,5% na comparação com o mês anterior no dado livre de efeitos sazonais. No entanto, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, apresentou uma queda de -9,6% e no acumulado de 12 meses um crescimento de 2,3%.  2021-10-05 - Tags: industria reacao pos pandemia indice gs1 lancamentos produtos empresas negocios

Mackenzie divulga estudo sobre efeitos da simplificação tributária na cadeia têxtil e de confecção
Com objetivo de reduzir a informalidade do setor, o Centro Mackenzie de Liberdade Econômica (CMLE), think-tank liberal acadêmico da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM) divulgou o estudo: Os efeitos potenciais do regime tributário competitivo para confecção (RTCC): uma aplicação de vetores autorregressivos (VAR), produzido pelo coordenador do Centro, professor Vladimir Fernandes Maciel; pelo professor Ulisses Monteiro Ruiz de Gamboa, pesquisador do CMLE; por Bruno Dale Vendruscolo, mestre em Economia pela UPM; e por Haroldo Silva, consultor da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), do Sindivestuário-SP e do Sinditêxtil.  2021-09-06 - Tags: centro mackenzie de liberdade economica universidade presbiteriana mackenzie aliquota tributos confeccao textil

Benefícios da desoneração da folha superam renúncia fiscal estimada
Setor têxtil defende a prorrogação da medida até 2026. Fernando Valente Pimentel, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), salientou que a prorrogação da desoneração da folha de pagamentos será importante para a manutenção de empregos, estímulo à economia e incentivo à exportação. Ele fez as observações em depoimento na audiência pública (25 de agosto) da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados, sobre o Projeto de Lei 2541/21, que estabelece a medida.  2021-08-31 - Tags: fernando pimentel abit desoneracao folha pagamento emprego economia exportacao camara deputados

Ipea revisa a projeção da inflação de 5,9% para 7,1% em 2021
O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, (24/8), a revisão da previsão para a inflação brasileira em 2021: o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi revisto de 5,9% para 7,1%. Parte do aumento veio da expectativa de reajustes mais acentuados para a gasolina e a energia elétrica, que provocaram uma elevação da projeção de preços monitorados de 9,5% para 11,0%.  2021-08-25 - Tags: ipea instituto de pesquisa economica aplicada inflacao reajustes energia eletrica