Language
home » têxtil »

Conjuntura

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

Grito de alerta da indústria une capital e trabalho

Tradicionalmente em lados opostos, quando lutam por seus interesses, desta vez, todas as centrais sindicais e lideranças empresariais se uniram para gritar contra a desindustrialização do País. O palco do protesto foi em frente à área externa da Assembléia Legislativa de São Paulo que recebeu milhares de manifestantes com faixas e cartazes de todas as cores, mas com uma só bandeira: lutar pelo emprego no Brasil, ameaçado pelo excesso de importações da China.

O movimento denominado “Grito de Alerta”, que já tinha sido dado em Florianópolis e Porto Alegre, nos dias 26 e 28 de março, respectivamente, agitou a maior cidade brasileira, responsável por 56% da produção industrial da Região Sudeste. Todavia, nas duas últimas décadas, a participação da indústria na composição do PIB – Produto Interno Bruto – vem caindo vertiginosamente, não apenas em São Paulo, mas em todo o País. Segundo o IPEA – Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas, a partir de 1999, o setor de serviços superou a indústria na composição do PIB nacional.  Só na primeira década dos anos 2000, revela estudo publicado em 2011 na Revista do Parlamento Paulistano, a participação relativa do setor de serviços foi incrementada em 14%, tendo o setor industrial, no mesmo período, perdido 12% de sua participação e o setor agrícola, 1%.

China e pacote

A valorização do real frente ao dólar, a pesada carga tributária e as altas taxas de juros, que somadas à crise global que eclodiu em 2008, são apontadas como causadoras da desaceleração industrial no Brasil. De fato, a conjuntura recente agravou a situação da indústria, que vinha se recuperando, lentamente, desde a abertura do mercado na década de 1990.

O resultado deste conjunto de fatores afetou a competitividade da indústria frente aos concorrentes internacionais, gerando redução na produção, paralisação de fábricas e queda no emprego formal, principalmente nos setores intensivos de mão de obra como têxtil/confecção, calçados, autopeças, entre outros. Tal quadro preocupante uniu, pela primeira vez em muitos anos, trabalhadores e empresários de um só lado da mesa: a luta contra os importados e a favor do emprego na indústria brasileira. Nem o “pacote da Dilma”, conjunto de medidas de estímulo à produção – Plano Brasil Maior - anunciado na véspera (dia 03 de abril) em Brasília pela presidente Dilma Rousseff, conseguiu aliviar a tensão.

 “Não estamos pedindo proteção, apenas condições igualitárias para competir com os importadores. Eu represento 1 milhão e 800 mil trabalhadores que vão perder seus empregos para os chineses. Este dia é histórico, pois estamos todos – políticos, trabalhadores e empresários – , lutando por um interesse comum”, exaltou Agnaldo Diniz Filho, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e Confecção - Abit , no enorme palanque onde lideranças políticas e sindicais se revezavam nos discursos. O presidente da Nova Central Sindical dos Trabalhadores - NCST; Calixto Ramos, bradou: “Hoje a solução do Brasil é o emprego! Não adianta medidas paliativas, eu quero é que abaixem os juros já. Se não tem emprego não tem consumo”.

Luiz Aubert Neto, presidente da Abimaq, que representa os fabricantes de máquinas equipamentos, disse que o movimento era uma demonstração de “unidade e cidadania”. Emocionado, desabafou: “Será que vamos ser colônia da China? Quantos trilhões de juros e impostos já pagamos? Se não tivermos coragem de mudar a situação agora, não teremos um Brasil melhor, nem em 20 anos”.  Em março, a entidade lançou o painel “Desempregômetro”, que contabiliza, em tempo real, o número de empregos que deixam de ser gerados devido ao aumento das importações no setor. Já Alfredo Bonduki, presidente do Sindivest-SP, lembrou que o Brasil teve a melhor colheita de algodão dos últimos tempos na safra (2010-2011), “no entanto, estamos importando roupa da China. Isto é absurdo”, criticou.
O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, que também já foi dirigente do setor têxtil, arrematou: “O governo está trabalhando nos efeitos e não nas causas. Nós temos um câmbio destorcido, o real está valendo cerca de US$ 1,80 há 12 anos. A energia no Brasil é a terceira mais cara do mundo, sendo que 80% de nossa matriz energética (hidrelétrica) é a mais barata entre as demais fontes. É muito caro produzir no Brasil”, disse o dirigente. 

União sindical

Wagner Gomes, presidente da Central dos Trabalhadores do Brasil, considerou o ato é histórico porque representava uma pacto entre todas as centrais sindicais e o setor produtivo. “Forçamos o governo a tomar medidas em favor da indústria. Mas isso não é suficiente. Temos que continuar esta mobilização para conquistar as reformas”. O presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Artur Henrique Santos, por sua vez, reconheceu o esforço do Governo Federal em oferecer soluções para o problema com o lançamento do Plano Brasil Maior, mas alertou que os trabalhadores ligados à Central continuarão mobilizados para cobrar redução dos juros e do câmbio. "Mas também queremos um plano maior nos estados, não só em nível federal. Os governos precisam reduzir o ICMS para acabar com a guerra fiscal”, disse Santos que ainda alertou os empresários com relação à redução de custos nas empresas. “Estamos numa luta comum em favor do emprego. Não me venham com tentativas de reduzir direitos e rebaixar salários dos trabalhadores para manter a indústria funcionando, porque daí não tem acordo”.
O presidente da UGT – União geral dos Trabalhadores, Ricardo Patah disse: “Nós concordamos que um país rico é um país com sua indústria rica. É fundamental a valorização da indústria. Mas, é importante também a qualificação profissional para a manutenção do emprego”.

Coube ao presidente da Força Sindical e deputado federal, Paulo Pereira da Silva, fazer o discurso de encerramento do ato de protesto, que começou por volta 9 horas e se encerrou ao meio-dia. ”Estamos defendendo os empregos no Brasil e não na China. Tem empresas fechando em São Paulo porque não estão aguentando esta concorrência desleal. As medidas do Governo são pontuais e não vão garantir o emprego no Brasil. É preciso aprovar a Resolução 72 (uniformização da alíquota ICMS) para acabar com a guerra fiscal, que favorece a entrada de mais importados no País”, e ameaçou: “se não fizerem nada para mudar isto aí, o próximo movimento será o fechamento dos portos em todo o Brasil”. O sindicalista foi saudado pela multidão que depois se dispersou, cantando palavras de ordem contra as importações, a favor do emprego e da indústria.
Os próximos movimentos deverão acontecer em Manaus, Minas Gerais e também no Nordeste.

Leia também

Governo anuncia, mais uma vez, estímulo à indústria

Setor Têxtil dará “Grito de Alerta” em São Paulo

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

Fonte: Redação
Por: Marcia Mariano
Fotos: Marcia Mariano

Data de publicação: 04/04/2012

Galeria de fotos desta matéria

Conteúdo relacionado


Os desafios que o setor de nãotecidos busca superar em 2022
Há quem acredite que o setor de nãotecidos vem "nadando de braçada" por conta da alta demanda dos últimos anos por produtos higiênicos e médico-hospitalares. Mas os dados não refletem essa realidade. Segundo apuração da Abint (Associação Brasileira das Indústrias de Nãotecidos e Tecidos Técnicos), a produção brasileira apresentou queda de -1,46% em 2021, em relação ao ano anterior, alcançando 360,6 mil toneladas. Em 2020, o setor produziu 366 mil toneladas. Já o consumo aparente, que em 2020 era de 391.1 mil toneladas, subiu 4,26%, chegando a 407.8 mil toneladas.  2022-06-24

Exportações do setor têxtil e de confecção crescem 29,61% no primeiro quadrimestre
Conforme informações compiladas pela Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), com base em dados do Comex, as exportações do setor foram de US$396,3 milhões no acumulado dos primeiros quatro meses de 2022, significando aumento de 29,61% em relação a igual período de 2021.  2022-06-03

Inflação é global e aumento da Selic tem efeito muito limitado para reduzir preços
Ao analisar as estimativas de que a taxa Selic anunciada pelo Copom, passou de 11,75% ao ano para 12,75%, Fernando Valente Pimentel, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), salienta que o Brasil saiu na frente de outros países na elevação dos juros e está hoje com taxas reais muito elevadas, entre as maiores do mundo.  2022-05-10

Exportações da indústria têxtil e de confecção crescem 38,49% em janeiro
Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), baseados em informações do Ministério da Economia, as exportações do setor iniciaram 2022 com o melhor desempenho para janeiro nos últimos cinco anos. Houve crescimento tanto em valor FOB como em volume. "Abrimos o ano com variação positiva das vendas externas de 38,49% em relação ao mesmo mês de 2021, evoluindo de US$ 60 milhões para US$ 84 milhões. No tocante à quantidade, a expansão foi de 12,86%, com incremento de 15 mil para 17 mil toneladas", ressalta Fernando Valente Pimentel, presidente da entidade.  2022-04-22

Indústria brasileira começa recuperação em março
O mês de março marcou um recomeço da indústria na intenção de lançar produtos em 2022, pois o Índice GS1 Brasil de Atividade Industrial apresentou crescimento de 29,2% em relação a fevereiro. O índice revela aumento no pedido de registro de novos códigos de barras de produtos, atribuídos pela Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil. Na comparação com março de 2021, há queda de 3,6% e no acumulado em 12 meses, queda de 7,1% com relação ao período anterior.  2022-04-19

Ipea projeta recuperação da atividade econômica com leve crescimento na produção industrial
O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, na quarta-feira (30/3), uma análise sobre o desempenho recente dos indicadores mensais de indústria, comércio e serviços em janeiro e fevereiro de 2022. Após encerrar 2021 com crescimento, todos os três setores produtivos apresentaram acomodação no mês de janeiro, período onde houve aumento temporário no contágio da Covid-19. Já para o mês de fevereiro, a previsão da Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas (Dimac) do Ipea é de recuperação.  2022-04-01

Mercado global de algodão continua com preços em alta
Este ano, os preços do algodão devem continuar subindo, de acordo com um relatório publicado pela IndexBox. Em 2021, o preço médio do algodão aumentou 41%, para US$ 2,23 por kg. Apesar da produção global ter se recuperado após a queda de 2020, e no ano passado ter atingindo o nível pré-Covid, de 26,3 milhões de toneladas, a demanda crescente supera a oferta.  2022-03-22

Assinado decreto para redução do IOF sobre o câmbio
Prometida no início do ano, a redução gradual do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre o câmbio foi oficializada no dia 15 de março. O presidente Jair Bolsonaro assinou decreto com a redução escalonada do tributo, que será diminuído em etapas até ser zerado em 2028. A assinatura ocorreu em cerimônia no Palácio do Planalto, com a presença do ministro da Economia, Paulo Guedes. A extinção do IOF sobre operações cambiais é uma das exigências para o país integrar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).  2022-03-16

Comércio de têxteis deverá ser regulamentado para atender agenda ESG
Dirk Vantyghem, diretor geral da Euratex – Confederação Europeia da Industria Têxtil e Confecção, e Luis Tendlarz, presidente da FITA – Federação das Indústrias Têxteis da Argentina, discutiram em videoconferência sobre o panorama do mercado têxtil, envolvendo o acordo Mercosul e União Europeia. Agenda ESG (conjunto de critérios ambiental, social e de governança a ser implantado nas empresas), regulamentação e taxação de produtos foram os pontos discutidos no encontro virtual, mediado por Fernando Pimentel, presidente as Abit – Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Vestuário.  2022-02-24 - Tags: euratex dirk vantyghem fita mercosul esg abit vestuario texteis bruxelas

Eficiência energética permitirá redução de 6% do consumo elétrico da indústria em 2030
Entre os esforços do Brasil traçados para 2022 está o de frear o alto consumo de energia elétrica. É que o País foi eleito como um dos membros do Energy Efficiency Hub – plataforma global de colaboração para possibilitar benefícios ambientais, sociais e econômicos no que diz respeito à eficiência energética.  2022-02-21 - Tags: energy efficiency hub energia eletrica eficiencia sustantabilidade

Abimaq apresenta resultados e espera alta no faturamento em 2022
A indústria brasileira de máquinas e equipamentos encerrou 2021 com desempenho 21,6% superior ao de 2020. Foi o quarto ano consecutivo de alta das receitas de vendas do setor, cuja média mensal alcançou R$ 17,2 bilhões. De acordo com a ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, este valor é -23,2% inferior à média mensal de 2010-2013, porém superior aos R$ 13,7 bilhões de 2017.  2022-02-01 - Tags: abimaq industria maquinas equipamentos balanco setor 2021 conjuntura

Setor têxtil apresenta resultados de 2021 e projeções para 2022
“Ano de 2022 será um ano difícil, ruidoso e polêmico e isso tudo afetará os negócios”, disse Fernando Valente Pimentel, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção – Abit, ao apresentar na quarta-feira, 19, balanço do setor em coletiva online. Segundo ele, a performance de 2021 foi boa, mas não cobriu as perdas de 2020, no que diz respeito à produção e vendas internas  2022-01-24 - Tags: abit fernando pimental 2022 omicron mercado pandemia confeccao textil producao

Produtividade na indústria é fator crítico para o desenvolvimento sustentável
Na última live de 2021 promovida pela Abit – Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção, o presidente da entidade, Fernando Pimentel, abordou sobre produtividade no pós-pandemia com três convidados: Samantha Cunha, gerente de Política Industrial da CNI; Marcos De Marchi, diretor-presidente do Grupo Vicunha e Jairo Amorim, diretor executivo industrial do Grupo Riachuelo/Guararapes, que foram unânimes ao concluir que não há desenvolvimento sustentável sem ações de estímulo à produção.  2021-12-20 - Tags: abit fernando pimentel live vicunha cni guararapes riachuelo

Preço do gás na Europa dispara enquanto os EUA avaliam sanções contra a Rússia
Na terça-feira (7 de dezembro), os mercados futuros de gás natural na Europa dispararam depois que os aliados americanos e europeus avaliaram novas sanções contra a Rússia se ela invadir a Ucrânia. O tempo frio não é o único fator determinante dos preços do gás natural, mas também a instabilidade geopolítica na região ajuda a empurrar os preços para perto de 100 euros por megawatt-hora.  2021-12-10 - Tags: bloomberg europa gas natural ucrania gas preco eua russia

PIB do Brasil entra em recessão técnica após quebra de 0,1% no 3º trimestre
O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil caiu 0,1% no terceiro trimestre na comparação com os três meses imediatamente anteriores, confirmando o estado de recessão técnica de acordo com os dados divulgados nesta segunda-feira (01) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É a segunda queda consecutiva do ano, apesar do crescimento de 4% em comparação com 2020.  2021-12-06 - Tags: pib produto interno bruto brasil ibge recessao tecnica

Indicador Ipea registra recuo de 0,8% nos investimentos no mês de setembro
O Indicador Mensal de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) nesta quinta-feira (2/12), apontou recuo de 0,8% em setembro frente a agosto deste ano, na série com ajuste sazonal. Em relação aos mesmos períodos de 2020, em setembro verificou-se expansão de 13,8% e, no terceiro trimestre, houve crescimento de 18,8%.  2021-12-03 - Tags: ipea recuo investimentos setembro 2021 consumo retracao fbcf

Indústria tenta reagir em setembro
A indústria tenta reagir na intenção de lançar produtos, segundo o Índice GS1 Brasil de Atividade Industrial, produzido pela Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil. No mês de setembro o índice apresentou crescimento de 16,5% na comparação com o mês anterior no dado livre de efeitos sazonais. No entanto, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, apresentou uma queda de -9,6% e no acumulado de 12 meses um crescimento de 2,3%.  2021-10-05 - Tags: industria reacao pos pandemia indice gs1 lancamentos produtos empresas negocios

Mackenzie divulga estudo sobre efeitos da simplificação tributária na cadeia têxtil e de confecção
Com objetivo de reduzir a informalidade do setor, o Centro Mackenzie de Liberdade Econômica (CMLE), think-tank liberal acadêmico da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM) divulgou o estudo: Os efeitos potenciais do regime tributário competitivo para confecção (RTCC): uma aplicação de vetores autorregressivos (VAR), produzido pelo coordenador do Centro, professor Vladimir Fernandes Maciel; pelo professor Ulisses Monteiro Ruiz de Gamboa, pesquisador do CMLE; por Bruno Dale Vendruscolo, mestre em Economia pela UPM; e por Haroldo Silva, consultor da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), do Sindivestuário-SP e do Sinditêxtil.  2021-09-06 - Tags: centro mackenzie de liberdade economica universidade presbiteriana mackenzie aliquota tributos confeccao textil

Benefícios da desoneração da folha superam renúncia fiscal estimada
Setor têxtil defende a prorrogação da medida até 2026. Fernando Valente Pimentel, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), salientou que a prorrogação da desoneração da folha de pagamentos será importante para a manutenção de empregos, estímulo à economia e incentivo à exportação. Ele fez as observações em depoimento na audiência pública (25 de agosto) da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados, sobre o Projeto de Lei 2541/21, que estabelece a medida.  2021-08-31 - Tags: fernando pimentel abit desoneracao folha pagamento emprego economia exportacao camara deputados

Ipea revisa a projeção da inflação de 5,9% para 7,1% em 2021
O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, (24/8), a revisão da previsão para a inflação brasileira em 2021: o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi revisto de 5,9% para 7,1%. Parte do aumento veio da expectativa de reajustes mais acentuados para a gasolina e a energia elétrica, que provocaram uma elevação da projeção de preços monitorados de 9,5% para 11,0%.  2021-08-25 - Tags: ipea instituto de pesquisa economica aplicada inflacao reajustes energia eletrica