Language
home » têxtil »

Conjuntura

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

Fiesc pede apoio do Governo para solucionar problemas de infraestrutura

Fiesc Governo

Nos últimos 10 anos, foram entregues apenas 14,5 quilômetros das obras de ampliação de capacidade e duplicação das rodovias federais estratégicas para o Estado, as BRs 163, 280 e 470. A informação foi apresentada pelo presidente da Federação das Indústrias (Fiesc), Mario Cezar de Aguiar, ao vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, no encontro com lideranças políticas e empresariais do estado, realizado em fevereiro, na sede da entidade, em Florianópolis, do qual participou o presidente do Sintex, José Altino Comper, representando a indústria têxtil.

Santa Catarina tem a indústria mais diversificada do Brasil. É o segundo estado com maior participação industrial no PIB e tem o maior PIB industrial per capta do país. O estado tem mais de 50 mil estabelecimentos industriais que geram 761 mil empregos diretos e também tem a menor taxa de desemprego (5,3%). As obras rodoviárias em questão somam 209,2 quilômetros. Os 14,5 km entregues fazem parte da duplicação prevista de 73,2 km da BR-470, que está em obras desde 2013, mas deveria estar pronta em 2018. A BR-280 está em obras desde 2013 e, pelo prazo do edital, deveriam ter sido entregues 73,9 quilômetros de duplicação em 2017. Já a BR-163 é outro exemplo de rodovia que desde 2013 está em obras para adequação de capacidade de um trecho de 62,1 km, com prazo de edital vencido em 2015, mas sem nenhum quilômetro entregue até o momento.

Evento de comemoração

O encontro os empresários marcou o início das comemorações dos 70 anos de fundação da Fiesc. Em sua apresentação, Mario Aguiar também chamou a atenção para o atraso na elaboração dos projetos das ferrovias Leste-Oeste, com edital vencido desde 2016, e Litorânea, com prazo de edital vencido desde 2011. “Temos vocação para sermos uma plataforma logística extremamente importante para o país. Hoje já movimentamos cerca de 20% de toda a carga de contêiner do Brasil. Somos a segunda plataforma mais importante e podemos ser a primeira se houver uma melhoria na nossa infraestrutura. Temos cinco portos com excelente desempenho, inclusive com excelente eficiência de operação, o que nos dá uma vantagem competitiva significativa. Mas temos desafios e gostaríamos do seu apoio para poder vencê-los”, disse Aguiar, dirigindo-se ao vice-presidente Hamilton Mourão.

Aguiar destacou ainda que em 2019 Santa Catarina contribuiu com R$ 66,3 bilhões em tributos federais, mas recebeu do Orçamento Geral da União apenas R$ 6,7 bilhões. "Há um desequilíbrio bastante forte. Temos a quarta pior relação entre o que arrecadamos e o que recebemos da União. Só é pior no Distrito Federal, São Paulo e Rio de Janeiro. Essa equação precisa ter um equilíbrio maior. Investir em Santa Catarina é estratégico e é uma questão de justiça”, afirmou.

Resposta do Governo

Em sua apresentação, Mourão sugeriu que a saída para melhorar a infraestrutura catarinense passa pelas concessões. “Sobre os problemas de infraestrutura logística de Santa Catarina aqui apresentados, talvez tenhamos que buscar saída nas concessões. Eu sei que a BR-101 é prioridade do ministro Tarcísio Freitas (Infraestrutura). Então a concessão da BR-101 (trecho sul) pode abrir o espaço que hoje está bloqueado para a União investir recurso e coloque em outros lugares. Isso é uma coisa que posso dizer aqui para o pessoal de Santa Catarina”.

Ele também destacou a importância do Programa de Parcerias para Investimentos (PPI), do governo federal, que, segundo ele, adota máximo rigor técnico, previsibilidade e transparência. “A realidade é uma só. Nosso orçamento não tem espaço para investir o que precisamos. Então precisamos do setor privado. Qual o ponto chave de uma concessão? É o contrato bem feito que leva à segurança jurídica e ao bom ambiente de negócios. Esse é o pacote que a equipe do PPI vem se debruçando para avançar”, declarou. O vice-presidente disse ainda que os pontos focais do governo para retomar o crescimento econômico são o equilíbrio fiscal, o aumento da produtividade, segurança pública e cidadania. Para alcançar o equilíbrio fiscal, ele salientou a importância de ajustar as contas públicas, que começou com a aprovação da reforma da previdência. Mas há outros fatores que são cruciais para isso, como a desvinculação do orçamento, a modernização do estado e as privatizações.

A Fiesc também solicitou ao vice-presidente da República apoio para considerar no plano de concessões do governo federal o que denomina o “eixo natural” ligando o Oeste catarinense ao litoral. Ele é composto pelas rodovias 163, 282 e 470. A visão da entidade contrapõe proposta de concessão de trecho da BR-282 (SC), adicionado de segmento da BR-153 (SC/PR) e da BR-476 (PR). “Esta formatação trará efeitos negativos para a logística da indústria catarinense e para a nossa infraestrutura portuária. Vai beneficiar o porto de Paranaguá. Temos os portos mais eficientes do País e este é o corredor utilizado por nossa indústria”, disse Aguiar.

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

Fonte: Notícias Sintex (com informações da Fiesc)
Foto: Divulgação

Data de publicação: 09/03/2020

Conteúdo relacionado


Indústria têxtil encerra primeiro semestre com queda no consumo de energia
A indústria têxtil brasileira reduziu a produção no primeiro semestre deste ano e, consequentemente, reduziu em 3% sua demanda por energia elétrica, na comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com levantamento periódico da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica -- CCEE. Entre janeiro e junho, foram consumidos 658 megawatts médios, com redução principalmente na classe de fabricação de artefatos têxteis para uso doméstico (-26,6%), seguido por preparação e fiação de fibras de algodão (-7,4%) e tecelagem de fios de fibras artificiais sintéticas (-6,8%).  2022-07-27

Aumento de preços dos insumos afeta indústria têxtil e de confecção
A conjuntura internacional, marcada pelo lockdown na China e invasão da Rússia à Ucrânia, bem como suas consequências, já afetou diretamente os custos de 77% das empresas consultadas em levantamento feito pela Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit). Sessenta e cinco por cento dos depoentes reportaram alguma dificuldade no abastecimento de insumos e matérias-primas, seja pela falta de itens, aumento do nível internacional dos preços, logística ou transporte.  2022-07-11

Embarques mundiais de máquinas têxteis em 2021 foram tão altos ou mais do que na pré-pandemia
Em 2021, os embarques globais de máquinas de fiação, texturização, tecelagem, malharia e beneficiamento aumentaram acentuadamente em relação a 2020. As entregas de novos fusos para fibra curta, rotores de open-end e fusos para fibras longas aumentaram +110%, +65% e +44%, respectivamente. O número de fusos de texturizadoras embarcadas aumentou +177% e as entregas de teares cresceram +32%.  2022-07-06

Os desafios que o setor de nãotecidos busca superar em 2022
Há quem acredite que o setor de nãotecidos vem "nadando de braçada" por conta da alta demanda dos últimos anos por produtos higiênicos e médico-hospitalares. Mas os dados não refletem essa realidade. Segundo apuração da Abint (Associação Brasileira das Indústrias de Nãotecidos e Tecidos Técnicos), a produção brasileira apresentou queda de -1,46% em 2021, em relação ao ano anterior, alcançando 360,6 mil toneladas. Em 2020, o setor produziu 366 mil toneladas. Já o consumo aparente, que em 2020 era de 391.1 mil toneladas, subiu 4,26%, chegando a 407.8 mil toneladas.  2022-06-24

Exportações do setor têxtil e de confecção crescem 29,61% no primeiro quadrimestre
Conforme informações compiladas pela Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), com base em dados do Comex, as exportações do setor foram de US$396,3 milhões no acumulado dos primeiros quatro meses de 2022, significando aumento de 29,61% em relação a igual período de 2021.  2022-06-03

Inflação é global e aumento da Selic tem efeito muito limitado para reduzir preços
Ao analisar as estimativas de que a taxa Selic anunciada pelo Copom, passou de 11,75% ao ano para 12,75%, Fernando Valente Pimentel, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), salienta que o Brasil saiu na frente de outros países na elevação dos juros e está hoje com taxas reais muito elevadas, entre as maiores do mundo.  2022-05-10

Exportações da indústria têxtil e de confecção crescem 38,49% em janeiro
Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), baseados em informações do Ministério da Economia, as exportações do setor iniciaram 2022 com o melhor desempenho para janeiro nos últimos cinco anos. Houve crescimento tanto em valor FOB como em volume. "Abrimos o ano com variação positiva das vendas externas de 38,49% em relação ao mesmo mês de 2021, evoluindo de US$ 60 milhões para US$ 84 milhões. No tocante à quantidade, a expansão foi de 12,86%, com incremento de 15 mil para 17 mil toneladas", ressalta Fernando Valente Pimentel, presidente da entidade.  2022-04-22

Indústria brasileira começa recuperação em março
O mês de março marcou um recomeço da indústria na intenção de lançar produtos em 2022, pois o Índice GS1 Brasil de Atividade Industrial apresentou crescimento de 29,2% em relação a fevereiro. O índice revela aumento no pedido de registro de novos códigos de barras de produtos, atribuídos pela Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil. Na comparação com março de 2021, há queda de 3,6% e no acumulado em 12 meses, queda de 7,1% com relação ao período anterior.  2022-04-19

Ipea projeta recuperação da atividade econômica com leve crescimento na produção industrial
O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, na quarta-feira (30/3), uma análise sobre o desempenho recente dos indicadores mensais de indústria, comércio e serviços em janeiro e fevereiro de 2022. Após encerrar 2021 com crescimento, todos os três setores produtivos apresentaram acomodação no mês de janeiro, período onde houve aumento temporário no contágio da Covid-19. Já para o mês de fevereiro, a previsão da Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas (Dimac) do Ipea é de recuperação.  2022-04-01

Mercado global de algodão continua com preços em alta
Este ano, os preços do algodão devem continuar subindo, de acordo com um relatório publicado pela IndexBox. Em 2021, o preço médio do algodão aumentou 41%, para US$ 2,23 por kg. Apesar da produção global ter se recuperado após a queda de 2020, e no ano passado ter atingindo o nível pré-Covid, de 26,3 milhões de toneladas, a demanda crescente supera a oferta.  2022-03-22

Assinado decreto para redução do IOF sobre o câmbio
Prometida no início do ano, a redução gradual do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre o câmbio foi oficializada no dia 15 de março. O presidente Jair Bolsonaro assinou decreto com a redução escalonada do tributo, que será diminuído em etapas até ser zerado em 2028. A assinatura ocorreu em cerimônia no Palácio do Planalto, com a presença do ministro da Economia, Paulo Guedes. A extinção do IOF sobre operações cambiais é uma das exigências para o país integrar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).  2022-03-16

Comércio de têxteis deverá ser regulamentado para atender agenda ESG
Dirk Vantyghem, diretor geral da Euratex – Confederação Europeia da Industria Têxtil e Confecção, e Luis Tendlarz, presidente da FITA – Federação das Indústrias Têxteis da Argentina, discutiram em videoconferência sobre o panorama do mercado têxtil, envolvendo o acordo Mercosul e União Europeia. Agenda ESG (conjunto de critérios ambiental, social e de governança a ser implantado nas empresas), regulamentação e taxação de produtos foram os pontos discutidos no encontro virtual, mediado por Fernando Pimentel, presidente as Abit – Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Vestuário.  2022-02-24 - Tags: euratex dirk vantyghem fita mercosul esg abit vestuario texteis bruxelas

Eficiência energética permitirá redução de 6% do consumo elétrico da indústria em 2030
Entre os esforços do Brasil traçados para 2022 está o de frear o alto consumo de energia elétrica. É que o País foi eleito como um dos membros do Energy Efficiency Hub – plataforma global de colaboração para possibilitar benefícios ambientais, sociais e econômicos no que diz respeito à eficiência energética.  2022-02-21 - Tags: energy efficiency hub energia eletrica eficiencia sustantabilidade

Abimaq apresenta resultados e espera alta no faturamento em 2022
A indústria brasileira de máquinas e equipamentos encerrou 2021 com desempenho 21,6% superior ao de 2020. Foi o quarto ano consecutivo de alta das receitas de vendas do setor, cuja média mensal alcançou R$ 17,2 bilhões. De acordo com a ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, este valor é -23,2% inferior à média mensal de 2010-2013, porém superior aos R$ 13,7 bilhões de 2017.  2022-02-01 - Tags: abimaq industria maquinas equipamentos balanco setor 2021 conjuntura

Setor têxtil apresenta resultados de 2021 e projeções para 2022
“Ano de 2022 será um ano difícil, ruidoso e polêmico e isso tudo afetará os negócios”, disse Fernando Valente Pimentel, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção – Abit, ao apresentar na quarta-feira, 19, balanço do setor em coletiva online. Segundo ele, a performance de 2021 foi boa, mas não cobriu as perdas de 2020, no que diz respeito à produção e vendas internas  2022-01-24 - Tags: abit fernando pimental 2022 omicron mercado pandemia confeccao textil producao

Produtividade na indústria é fator crítico para o desenvolvimento sustentável
Na última live de 2021 promovida pela Abit – Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção, o presidente da entidade, Fernando Pimentel, abordou sobre produtividade no pós-pandemia com três convidados: Samantha Cunha, gerente de Política Industrial da CNI; Marcos De Marchi, diretor-presidente do Grupo Vicunha e Jairo Amorim, diretor executivo industrial do Grupo Riachuelo/Guararapes, que foram unânimes ao concluir que não há desenvolvimento sustentável sem ações de estímulo à produção.  2021-12-20 - Tags: abit fernando pimentel live vicunha cni guararapes riachuelo

Preço do gás na Europa dispara enquanto os EUA avaliam sanções contra a Rússia
Na terça-feira (7 de dezembro), os mercados futuros de gás natural na Europa dispararam depois que os aliados americanos e europeus avaliaram novas sanções contra a Rússia se ela invadir a Ucrânia. O tempo frio não é o único fator determinante dos preços do gás natural, mas também a instabilidade geopolítica na região ajuda a empurrar os preços para perto de 100 euros por megawatt-hora.  2021-12-10 - Tags: bloomberg europa gas natural ucrania gas preco eua russia

PIB do Brasil entra em recessão técnica após quebra de 0,1% no 3º trimestre
O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil caiu 0,1% no terceiro trimestre na comparação com os três meses imediatamente anteriores, confirmando o estado de recessão técnica de acordo com os dados divulgados nesta segunda-feira (01) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É a segunda queda consecutiva do ano, apesar do crescimento de 4% em comparação com 2020.  2021-12-06 - Tags: pib produto interno bruto brasil ibge recessao tecnica

Indicador Ipea registra recuo de 0,8% nos investimentos no mês de setembro
O Indicador Mensal de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) nesta quinta-feira (2/12), apontou recuo de 0,8% em setembro frente a agosto deste ano, na série com ajuste sazonal. Em relação aos mesmos períodos de 2020, em setembro verificou-se expansão de 13,8% e, no terceiro trimestre, houve crescimento de 18,8%.  2021-12-03 - Tags: ipea recuo investimentos setembro 2021 consumo retracao fbcf

Indústria tenta reagir em setembro
A indústria tenta reagir na intenção de lançar produtos, segundo o Índice GS1 Brasil de Atividade Industrial, produzido pela Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil. No mês de setembro o índice apresentou crescimento de 16,5% na comparação com o mês anterior no dado livre de efeitos sazonais. No entanto, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, apresentou uma queda de -9,6% e no acumulado de 12 meses um crescimento de 2,3%.  2021-10-05 - Tags: industria reacao pos pandemia indice gs1 lancamentos produtos empresas negocios