Language
home » têxtil »

Conjuntura

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

Empresários discutem ações e estratégias para o momento atual e futuro

Criar um protocolo com aval de entidades médicas e parceria com autoridades governamentais, para disciplinar o retorno gradativo das atividades do comércio, foi a principal sugestão do encontro com empresários do setor têxtil, confecção e lavanderia, promovido pela Denim City SP, por meio de vídeo conferência no dia 2 de abril. Maria José Orione, diretora acadêmica do espaço Denim City SP, mediou o webinar que contou com as presenças de Gilberto Stocche, CEO da Santista; Gustavo Manfredini, diretor executivo da Capricórnio Têxtil; José Eduardo Nahas Filho, diretor da Zune Brands; Paulo Totaro, sócio proprietário da confecção Lorsa Modas; Robi Spatti, estilista e consultor de marketing e Ronaldo Faria, gestor da Jungle lavanderia.

Solidariedade e sobrevivência

O grupo debateu sobre o tema “Ações e estratégias para o momento atual e futuro”, em que relataram o que as empresas estão fazendo para se manterem neste período de crise, bem como sugestões para volta à normalidade dos negócios. “Estamos vivendo um momento único e muito difícil. O objetivo do encontro on-line é promover a união da cadeia têxtil – desde a indústria ao varejo – visando desenvolver um plano de ação para que as empresas consigam sobreviver, em conjunto, durante e após a crise provocada pela pandemia do novo conoravírus-Covid-19”, explica Maria José Orione.  Segundo ela, uma das sugestões apresentadas pelos empresários foi a indicação de representantes oficiais para encaminhar as requisições do setor às autoridades, por conta dos efeitos da quarentena na atividade econômica.

A Abit- Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção, e o Denim City SP, espaço de cocriação, discussões e fomento do mercado de jeanswear brasileiro, foram as lideranças sugeridas para fazer a ponte entre o setor e os governantes. Também foi proposto organizar as inciativas das empresas que estão oferecendo e distribuindo máscaras faciais, vestuário médico, álcool em gel, entre outros itens, para auxiliar no combate ao coronavírus. “O cuidado com vidas humanas é prioritário e o nosso setor tem dado demonstrações de solidariedade e empatia com a sociedade nesse momento tão difícil”, diz Maria José Orione. De fato, a doação de máscaras de tecido e outros produtos, feita por diversas indústrias e marcas de moda brasileira é exemplo deste engajamento, que tem aumentado nos últimos dias.

Mas, a preocupação com a saúde financeira das empresas também foi discutida no webinar. Alguns sugeriram a abertura gradual do comércio em regiões com menos incidência da doença, já outros propuseram um escalonamento no funcionamento das lojas, com restrições baseadas em protocolo técnico. Medir a temperatura dos funcionários e pessoas que frequentam aos locais, bem como a utilização de máscaras e luvas foram apontadas como medidas para que se abram shoppings por algumas horas do dia. O pós-COVID 19 também foi abordado pelos participantes, com ênfase na valorização do produto brasileiro, por meio de campanhas de estímulo às compras, após à pandemia.

Opiniões

Paulo Totaro, crítico do “lockdown indefinido” (sistema de quarentena imposto pelos governantes para conter a propagação do vírus) lembrou que o PIB da indústria da confecção no Brasil é de R$ 48,3 bilhões e que o segmento emprega 1,5 milhão de colaboradores diretos além de 8 milhões de subcontratados. “Viemos de cinco anos de não crescimento da economia, e agora que estávamos começando a recuperar, somos atingidos por esse tsunami”.  Segundo ele, os meses de janeiro e fevereiro vinham embalados pelas boas vendas do Natal e em março, havia grande expectativa com a chegada das coleções, quando, na segunda semanada do mês, foi decretada a quarentena. “Nossa empresa concedeu 30 dias de férias coletivas até 22 de abril, mas não há nenhuma certeza de que, a partir desta data, a economia volte a funcionar. É muito preocupante. As empresas grandes e médias ainda conseguem ter folego e condições de recorrerem às linhas de crédito oferecidas pelos bancos, cujas taxas são muito altas. Mas os pequenos vão quebrar se ficarem parados por 60 dias”, enfatiza.

Embora exista uma corrente de empresários que defenda a liberação gradual das atividades nas fábricas, desde que tomados todos os cuidados com relação a proteção dos funcionários, Totaro questiona: “Nós vamos vender para quem, se o comércio continuar fechado e as pessoas em casa?” O empresário defende a criação de um protocolo que permita a volta gradativa do comércio, com flexibilidade nos horários e rodízio de funcionamento das lojas para que não haja aglomeração de pessoas. Ele também propõe que seja elevada a tarifa de importação para produtos têxteis e vestuário, após a crise, como forma de proteger a indústria nacional que estará fragilizada devido à paralisação, e defende o crédito outorgado de ICMS no Estado de São Paulo, um tipo de benefício fiscal concedido a determinados setores em substituição aos sistema convencional de débito e crédito do imposto.

Gilberto Stoche disse que esse é: “um momento muito difícil para indústria mundial”. Como uma das maiores produtoras de denim do mundo, com fábricas no Brasil, Argentina e México, a Santista instituiu um comitê de crise e reviu todo seu planejamento estratégico, considerando dois cenários: um realista e outro pessimista. Segundo o executivo, a prioridade é negociar com parceiros, fornecedores e bancos para garantir o fluxo de caixa da empresa e pagar os salários dos funcionários. “Estávamos com o melhor trimestre dos últimos 10 anos, com excelentes resultados de vendas que nos garantiu uma proteção do caixa.  Mas com a crise, fizemos uma redução da jornada, em comum acordo com o sindicato dos empregados, para manter alguma atividade funcionando. Com a paralisação do comércio, as vendas de denim caíram muito, mas o segmento workwear, direcionado à linha hospitalar, garantiu a produção”. Stocche acrescentou que decidiu suspender por 14 dias as operações da Santista e que a empresa fez doações de produtos para hospitais de São Paulo.

Gustavo Manfredini informou que desde o dia 6 de março, quando já se apontava a pandemia do coronavírus no mundo, tomou a decisão de implantar o home-office para as equipes das plantas da Capricórnio de Bragança Paulista e São Carlos, ambas no interior de São Paulo. “O que mais preocupa são as informações desencontradas e a incerteza em relação ao prazo da quarentena. Como será o protocolo que determinará o retorno das atividades?”, indagou, acrescentando que muitos clientes têm solicitado prorrogação de pagamentos e que a Capricórnio, assim como a Santista, negociou com fornecedores e bancos, para manter o caixa da empresa, pagar funcionários e apoiar os revendedores. Manfredini sugeriu a criação de um grupo representativo, envolvendo indústria, varejo, sindicatos, Abit e Denim City, como interlocutor do setor junto ao governo e a prefeitura de São Paulo, para viabilizar a reabertura do centro comercial do Brás de forma gradativa. “Não adianta só reclamar. O setor precisa se unir e apresentar propostas aos governantes. Esse é o nosso papel”.    

O estilista Robi Spatti, diretor do Novo Brás, evento de moda reunindo 40 marcas do polo de confecções paulista, que aconteceria de 18 a 19 de março, e que foi adiado devido à pandemia de Covid-19, disse que a pior sensação é ver “as pessoas anestesiadas e em pânico”. Ele lamentou os prejuízos que a organização e seus parceiros tiveram como o cancelamento dos desfiles de outono/inverno, mas estimulou os profissionais da moda a não desanimarem. “Claro que o maior cuidados do brasileiro hoje é com a saúde, mas também há muita preocupação com o futuro, se vai haver emprego, se vai haver salário. É preciso que os profissionais tenham expectativa de esperança. Vamos aproveitar esse momento de isolamento para aguçar a criatividade, pensar no próximo verão, criar peças bonitas e sermos solidários uns com os outros”, disse Spatti, que ofereceu disponibilizar em sua rede social, informações de moda colhidas suas viagens à Europa para auxiliar no desenvolvimento de coleções.

Para Ronado Faria, da Jungle, a fase difícil pela qual passa o mundo dos negócios deverá servir de reflexão para as lavanderias que, segundo ele, precisam se profissionalizar cada vez mais. “Até uns anos atrás, a lavanderia era uma espécie de quintal da confecção, com processos arcaicos, pouca diferenciação e qualidade. Hoje, o setor tornou-se relevante na agregação de valor do jeanswear e tem se desenvolvido com tecnologias inovadoras e sustentáveis. Somos parte importante da cadeia de valor e precisamos do apoio das grandes empresas”.

Já o empresário José Nahhas Filho, da Zune Brands, foi enfático: “Se tivermos que ficar dois meses parados, o mercado vai quebrar. Temos que proteger os vulneráveis, mas também é preciso criar mecanismos que garanta o retorno da atividade econômica”. Segundo ele, “é o varejo que puxa a indústria”, e nada adianta as fábricas continuarem produzindo se as lojas não podem abrir. “O tempo é um fator que tem que ser levado em conta. Precisamos de uma sinalização para fazer o retorno gradual da atividade, de forma constante”. Por fim, Ronado Faria, acrescentou: “Essa crise está fazendo com que a cadeia têxtil faça uma reflexão de seus valores humanos e sociais, e também se una para criar uma nova cultura de valorização do produto nacional”.

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

Por: Marcia Mariano

Data de publicação: 06/04/2020

Conteúdo relacionado


Indústria tenta reagir em setembro
A indústria tenta reagir na intenção de lançar produtos, segundo o Índice GS1 Brasil de Atividade Industrial, produzido pela Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil. No mês de setembro o índice apresentou crescimento de 16,5% na comparação com o mês anterior no dado livre de efeitos sazonais. No entanto, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, apresentou uma queda de -9,6% e no acumulado de 12 meses um crescimento de 2,3%.  2021-10-05 - Tags: industria reacao pos pandemia indice gs1 lancamentos produtos empresas negocios

Mackenzie divulga estudo sobre efeitos da simplificação tributária na cadeia têxtil e de confecção
Com objetivo de reduzir a informalidade do setor, o Centro Mackenzie de Liberdade Econômica (CMLE), think-tank liberal acadêmico da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM) divulgou o estudo: Os efeitos potenciais do regime tributário competitivo para confecção (RTCC): uma aplicação de vetores autorregressivos (VAR), produzido pelo coordenador do Centro, professor Vladimir Fernandes Maciel; pelo professor Ulisses Monteiro Ruiz de Gamboa, pesquisador do CMLE; por Bruno Dale Vendruscolo, mestre em Economia pela UPM; e por Haroldo Silva, consultor da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), do Sindivestuário-SP e do Sinditêxtil.  2021-09-06 - Tags: centro mackenzie de liberdade economica universidade presbiteriana mackenzie aliquota tributos confeccao textil

Benefícios da desoneração da folha superam renúncia fiscal estimada
Setor têxtil defende a prorrogação da medida até 2026. Fernando Valente Pimentel, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), salientou que a prorrogação da desoneração da folha de pagamentos será importante para a manutenção de empregos, estímulo à economia e incentivo à exportação. Ele fez as observações em depoimento na audiência pública (25 de agosto) da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados, sobre o Projeto de Lei 2541/21, que estabelece a medida.  2021-08-31 - Tags: fernando pimentel abit desoneracao folha pagamento emprego economia exportacao camara deputados

Ipea revisa a projeção da inflação de 5,9% para 7,1% em 2021
O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, (24/8), a revisão da previsão para a inflação brasileira em 2021: o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi revisto de 5,9% para 7,1%. Parte do aumento veio da expectativa de reajustes mais acentuados para a gasolina e a energia elétrica, que provocaram uma elevação da projeção de preços monitorados de 9,5% para 11,0%.  2021-08-25 - Tags: ipea instituto de pesquisa economica aplicada inflacao reajustes energia eletrica

ETE em Americana é alvo de ação envolvendo empresas do setor têxtil
Em julho de 2021, o Ministério Público Federal (MPF) requisitou à Polícia Federal que apure suposto crime ambiental no Rio Piracicaba, após lançamento de resíduos industriais em Americana (SP). De acordo com a denúncia, o descarte irregular de matéria orgânica está superando a capacidade da ETE Carioba – Estação de Tratamento de Esgoto - que foi construída na década de 1980 com apoio de empresas do setor têxtil.  2021-08-19 - Tags: meio ambiente ete carioba leandro zanini denuncia descarte irregular tratamento

Ação coletiva do Sinditec é beneficiada com decisão do STF
O Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou recentemente a inconstitucionalidade da inclusão do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na base de cálculo das contribuições do Programa de Integração Social (PIS) e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) no faturamento mensal das empresas.  2021-08-11 - Tags: supremo tribunal federal icms cofins sinditec sindicato imposto pis

A pandemia e o declínio do Brasil na indústria mundial
A UNIDO (United Nations Industrial Development Organization) estima que o valor adicionado da indústria de transformação mundial caiu -8,4% em 2020, devido à pandemia de covid-19, que desencadeou uma crise sem precedentes, impactando a fabricação de bens e causando rupturas nas cadeias globais de valor (CGV), bem como uma desaceleração geral da demanda.  2021-08-10 - Tags: unido industria covid 19 pandemia united nations industrial development organization brasil

Oerlikon apresenta resultados do segundo trimestre e do semestre de 2021
Ao apresentar o balanço das atividades e resultados da companhia, Roland Fischer, CEO do Oerlikon Group, disse: "As decisões tomadas continuaram a capturar negócios à medida que a demanda aumenta, e a margem EBITDA melhorada sublinha os efeitos positivos contínuos de nossas ações de custos. As Soluções de Processamento de Polímeros tiveram uma demanda saudável nas empresas de filamentos e não filamentos. Nossa diversificação estratégica no processamento de polímeros, incluindo controle de fluxo e tecnologias de reciclagem sustentáveis, deverá gerar oportunidades adicionais de receita nos próximos anos”.  2021-08-04 - Tags: oerlikon mercado negocios conjuntura trimestre 2021 resultados

Setor têxtil e de confecção sinaliza retomada, mas conjuntura ainda preocupa
A indústria têxtil e de vestuário vem aumentando a produção em dois dígitos neste ano, conforme balanço apresentado pelo presidente da Abit, Fernando Pimentel, em coletiva on-line no dia 8 de julho. Na comparação entre os primeiros cinco meses de 2021 e do ano passado, a produção têxtil avançou 36,3%, a do vestuário, 36,6% e o varejo de roupas teve expansão de 26,2%.  2021-07-16 - Tags: industria varejo coletiva abit pandemia retomada fernando pimentel desempenho

Retomada no pós-pandemia é oportunidade para recuperar a indústria brasileira
A pandemia do covid-19 trouxe impactos significativos na economia brasileira e mundial, especialmente para a indústria. Por outro lado, a avaliação de especialistas é que a crise pode ser a oportunidade para uma nova configuração da indústria brasileira na retomada do pós-pandemia, através da priorização de setores estratégicos e a adoção de uma política macroeconômica que dê sustentação ao setor.  2021-07-12 - Tags: premio abde bid 2020 covid bndes rafael palmas luciano schweizer webinar

KPMG aponta perspectiva de início de retomada para a indústria
A KPMG realizou um levantamento analisando os quatro padrões de retomada dos 40 principais setores da economia brasileira após um ano de início da pandemia do covid-19. Segundo estudo, a Indústria mantém o estágio "transformar para reemergir" com perspectivas positivas para um "retorno ao normal".  2021-06-18 - Tags: kpmg retomada industria setores economia covid 19 pib cni conjuntura

Embarques mundiais de novas máquinas têxteis diminuíram em 2020
Em 2020, os embarques globais de máquinas de fiação, texturização, tecelagem, tricô e acabamento diminuíram em relação a 2019. As entregas de novos fusos para fibra curta, rotores e fusos para fibras longas caíram -48%, -27% e -46%, respectivamente. O número de texturizadoras embarcados diminuiu em -30% e as entregas de teares reduziram em -16%.  2021-06-10 - Tags: itmf maquinas texteis 2020 embarque negocios mercado conjuntura

Consumo de energia elétrica no setor têxtil cresce 98,2% em abril
Levantamento periódico feito pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE para avaliar o impacto do covid-19 no consumo de eletricidade mostra que a indústria têxtil, uma das mais afetadas durante a pandemia, tem se recuperado gradualmente. Em abril, a demanda por energia neste mercado cresceu 98,2%, a segunda maior alta entre os ramos de atividade acompanhados, atrás somente do segmento de automóveis.  2021-05-13 - Tags: ccee camara de comercializacao de energia eletrica energia eletrica textil

KPMG lista 5 tendências da indústria química em 2021
A indústria química passou por extremos em 2020. Enquanto novas empresas surgiam como fabricantes de desinfetantes e de reagentes de diagnóstico, outras passaram por grandes dificuldades. Seja para atender demandas repentinas ou lutando para sobreviver, em ambos os casos houve disrupção nos negócios. Essas são algumas das conclusões da publicação "Cinco tendências que moldarão a indústria química em 2021", da KPMG.  2021-05-12 - Tags: industria quimica sergio benrto kpmg digitalizacao processos tendencias

Déficit do setor têxtil e de confecção fica estável no primeiro trimestre
No primeiro trimestre deste ano, informa a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), a balança comercial do setor apresentou déficit de US$ 1,15 bilhão, que ficou praticamente igual ao do mesmo período do ano passado, de US$ 1,36 bilhão, com recuo de apenas 0,21%. Na mesma base de comparação, as importações foram de US$ 1,37 bilhão, com aumento de 0,004%, e as exportações alcançaram US$ 215,9 milhões, o que significou queda de 8,67%  2021-05-04 - Tags: abit balanca comercial deficit recuo vestuario volume

Declaração empresarial sobre acordo Mercosul - União Europeia
A BusinessEurope, a Confederação Empresarial de Portugal (CIP) e a Confederação Nacional da Indústria (CNI), com o apoio da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, realizaram no dia 30 de abril um evento virtual para demonstrar o forte compromisso das empresas europeias e brasileiras com a sustentabilidade e com o acordo Mercosul-UE.  2021-05-03 - Tags: mercosul uniao europeia covid 19 pandemia brasil confederacao nacional da industria

Indústria sente as consequências da pandemia em março
Vários setores da economia apresentam resultados negativos neste primeiro trimestre e a indústria recuou mais uma vez a intenção em lançar produtos. O Índice GS1 Brasil de Atividade Industrial para o mês de março apresentou queda de -9,8% na comparação com o mês anterior no dado livre de efeitos sazonais. No acumulado de 12 meses o índice apresenta queda de -4,1%.  2021-04-13 - Tags: conjuntura industria trimestre 2021 atividade industrial efeitos sazonais

ICMS do setor têxtil aumentará pela segunda vez em abril
Como se já não bastasse as lojas de varejo de roupas fechadas por imposição da quarentena, o governador de São Paulo, João Dória, acena com aumento do ICMS para o setor têxtil, pela segunda vez do ano, a partir de 1º abril.  2021-03-22 - Tags: icms doria setor textil quarentena pandemia simples nacional

Apesar do câmbio favorável exportações têxteis continuam em queda
Com base em dados oficiais do Ministério da Economia, a Abit aponta que as exportações do setor no primeiro bimestre deste ano foram de US$ 130 milhões, com queda de 12,43% em relação aos US$ 148 milhões registrados em igual período de 2020. Na mesma base de comparações, as importações diminuíram 9,16% (passando de US$ 930 milhões para 845 milhões) e o déficit da balança comercial recuou 8,54%, descendo de US$ 782 milhões para US$ 715 milhões.  2021-03-22 - Tags: ministerio da economia abit exportacao cambio empresarios producao textil

Governo estende o prazo de carência dos empréstimos com recursos do Pronampe
O governo federal anunciou nesta segunda-feira (8) a decisão de prorrogar por mais três meses o prazo de carência dos empréstimos concedidos a empresários por meio do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe). A ação deve beneficiar diretamente cerca de 517 mil empreendedores que, ao longo de 2020, obtiveram – nas três fases do programa – financiamentos que totalizaram R$ 37,5 bilhões.  2021-03-12 - Tags: pronampe sebrae covid 19 pandemia governo federal