Language
home » moda & varejo » moda vestuário » mercado

Mercado

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

WGSN mostra tendências para o mercado de consumo em 2020

Prepare-se para o consumidor ultradinâmico. Estudo da WGSN - autoridade global em análises e previsões de tendências - apresenta os seis principais macrotendências que definirão o que o consumidor espera das marcas nos próximos anos, passando pela confiança que possuem nas empresas até o envelhecimento da população.

Qual o principal fator que acelera as mudanças no varejo? A tecnologia? Segundo o levantamento inédito da WGSN, a resposta está nos consumidores. São eles que causam as mudanças no mercado de consumo, que estão impulsionando a transformação na sociedade e desafiando os antigos modelos econômicos. Exigentes, contra antigos padrões e com novos valores, esses clientes fomentam novos formatos de negócios. A pergunta que fica para as marcas é: como essas mudanças afetarão o mercado a partir de 2020?

Para respondê-la, a WGSN apresenta os destaques da pesquisa "Consumidor Ultradinâmico" trazendo seis macrotendências que identificam o que está por trás desta mudança no comportamento do consumidor, relacionada com: compras realizadas por dispositivos móveis; conexões humanas; confiança nas marcas; preocupações climáticas; envelhecimento populacional; e economia do compartilhamento. "Precisamos entender que os consumidores estão mapeando, estudando as marcas. Eles querem, inclusive, saber se as empresas mudaram seu modelo de negócio, principalmente quando este impacta a sociedade. O intuito dos consumidores é saber se as marcas estão alinhadas às  novas demandas e a um propósito", afirma Luiz Arruda, Head da WGSN Mindset.

Fatores de influencia

• Revolução das compras pelos dispositivos móveis

A nova sociedade já é norteada pelo smartphones e as pessoas querem consumir via dispositivos móveis. Os varejistas precisam estar atentos a isso e adaptar seu negócio, caso não esteja adequado a essa demanda. Segundo pesquisa executiva de varejo da WGSN, 64% dos varejistas afirmam que o pagamento pelo celular é prioridade para o funcionamento de seu negócio. Outro levantamento realizado pela agência YouGov, mostrou que 44% dos entrevistados, entre 18 e 24 anos, se sentem mais confortáveis ao conversar com novas pessoas por meio de redes sociais, do que ao vivo. Neste âmbito, é possível perceber que a tomada de decisão pelos usuários é feita antes da visita física. Por isso, é tão relevante colocar o consumidor no controle da compra, desde que haja auxílio humano, caso necessário.

Empresas podem se antecipar a essas necessidades ao aumentar o uso do celular dentro da loja e automação no método de pagamento. A realidade aumentada, por exemplo, pode auxiliar os consumidores na hora da compra – tanto ao mostrar especificidades, como ao solucionar dúvidas – e permite que aquele momento seja uma experiência diferenciada. A inteligência artificial também se torna uma aliada, quando associada as interações digitais, a exemplo da Alexa e Google Assistent. Com tantas mudanças, é fundamental que as empresas estejam preparadas para este novo cenário, que traz impactos para cadeia como um todo – inclusive, a relação entre empregados e empregadores. Com estudos* que apontam que milhares de empregos na área têm "alto risco de automação", é fundamental garantir que o antigo papel desempenhado pelos colaboradores seja redefinido. Além disso, será imprescindível apostar em estratégias que descompliquem as entregas de produtos.

• A importância dos sentimentos

As conexões humanas são valorizadas à medida que as pessoas se sentem mais sozinhas. Por isso, estão em busca de conexões que ajudem a se sentirem mais humanas. Por outro lado, uma vez que os varejistas investem em tecnologia de inteligência artificial e experiências digitais, a importância da conexão humana será um diferenciador fundamental paras as marcas. As estratégias pessoais começam a crescer como um ponto de diferenciação para além do preço, principalmente quando as empresas concorrem com a Amazon.

• A economia da confiança

Confiança é um termo cada vez mais recorrente e visado pelos consumidores globalmente. E como sua marca pode se mostrar confiável atualmente? Os consumidores estão questionando o que é real. Por isso, marcas e varejistas precisam desenvolver novas estratégias capazes de aumentar o nível de confiança das pessoas. À medida que as pessoas são expostas todos os dias a uma enxurrada de fake news, é cada vez mais difícil saber em que ou em quem confiar. A confiança é um importante fator de estímulo do consumo. O WGSN Barometer, que a cada ano analisa 200 mil consumidores do mundo todo, apontou que os gastos das pessoas têm uma relação direta com o quanto elas confiam em uma marca. Mas, hoje em dia, o que significa ser uma empresa de confiança? A tradição e a trajetória de uma marca não a tornam, necessariamente, uma empresa de credibilidade.

Além de oferecerem produtos e serviços de qualidade, espera-se que as empresas sejam agentes para mudanças positivas. Entre os entrevistados do Edelman Trust Barometer, 64% disseram acreditar que uma empresa possa tomar ações que aumentem seus lucros e melhorem as condições econômicas e sociais nas comunidades onde operam. Quase dois terços afirmaram que desejam que os CEOs assumam mudanças políticas em vez de esperar pelo governo – que tem níveis de confiança muito abaixo das empresas em 20 mercados. Isso significa que a principal tarefa dos CEOs é "criar confiança", o que ultrapassa "desenvolver produtos de qualidade" e "oferecer serviços" em 69% e 68%, respectivamente.

• Preocupações climáticas

O mundo precisa de ajuda e seus moradores estão em busca de soluções e ações para torná-lo melhor. O número de desastres naturais provocados por eventos climáticos extremos – inundações, secas e incêndios – mais do que dobrou desde 1980. No mesmo período, o número de tempestades dobrou, enquanto inundações, avalanches e deslizamentos quadruplicaram desde 1980 e dobraram desde 2004. A ansiedade em relação ao clima já é uma realidade, assim como o desejo de limitar ou reverter os danos causados ao ecossistema do planeta.

Quando o assunto é consumo, as pessoas procuram fazer a coisa certa quando há alternativas sustentáveis à disposição. De acordo com dados levantados pela consultoria Nielsen em 2018, a taxa de crescimento na venda de produtos vem aumentando em determinados setores sempre que há alternativas sustentáveis. Além disso, já começou a corrida para que a economia circular funcione na indústria da moda. Muitas lojas do setor fast-fashion, como Zara e H&M, têm estimulado os clientes a devolverem roupas danificadas ou que não usam mais, já antes mesmo que a reciclagem de fibras se torne uma realidade comercial. Esta mudança de atitude vai exigir uma nova mentalidade por parte das lojas que atendem ao consumidor que deseja unicamente produtos novos. A estrutura de negócios e de precificação terá que ser reavaliada, uma vez que o público tem procurado mais por produtos duráveis, sustentáveis e que possam ser revendidos.

• A geração longeva

As pessoas estão vivendo mais e melhor. E as marcas precisam estar atentas a essa demanda crescente. Os países desenvolvidos – dos EUA ao Japão – reconhecem que é difícil lidar com o envelhecimento da população e com as grandes mudanças que acontecem na distribuição de renda. De acordo com a ONU, essa questão causará a transformação social mais significativa do século 21, com implicações em todos os setores da sociedade. Nestes países, os consumidores mais velhos, apesar de se sentirem ignorados ou negligenciados, têm um poder de compra muito maior do que o dos consumidores jovens. De acordo com os dados de pesquisa realizada pelo International Longevity Centre, as pessoas com mais de 50 anos no Reino Unido gastam um total de 314 bilhões de libras por ano, o que equivale a aproximadamente 43% do total do gasto doméstico em consumo de produtos. Mesmo assim, a pesquisa apontou que 85% das pessoas com mais de 55 anos acham que a sua marca favorita "não as compreendem" ou não compreendem as suas necessidades. Esta é uma oportunidade importante para os varejistas, afinal, basta fazer alguns ajustes no espaço da loja para receber bem esse grupo demográfico. Remover barreiras físicas e melhorar a mobilidade – instalando rampas e alargando corredores e entradas, por exemplo – pode ter um impacto positivo nas vendas.

• Fim da posse

Não é sobre ter é sobre viver. A economia compartilhada ganha forças em um cenário que os consumidores estão mais abertos a experimentarem e as marcas precisam entender a dinâmica deste novo mercado. As pessoas estão deixando de gastar em coisas para investir em experiências. E isso tem sido notado. O processo de descoberta de produtos também parece ter mudado para sempre: os consumidores de hoje deixam de "ir às compras", mas ao mesmo tempo, nunca deixam de fazer compras, já que estão sempre conectados a aplicativos móveis e ao Instagram. Os varejistas têm abordado esse problema por meio de estratégias que visam transformar a vontade de comprar de um produto pela necessidade de possuir pela vontade de comprar um produto pelo prazer da experiência – o que permite criar um tipo de memória.

Os fatores que impulsionam o mercado consumidor revelam que as pessoas não estão em um momento tão positivo e que se sentem cada vez mais ansiosas, desconectadas e pressionadas pelo tempo. Há uma grande oportunidade para os varejistas que criarem produtos, experiências e serviços capazes de adicionar valor real à vida do consumidor (e que também possam ser compartilhados nas redes sociais).

A pergunta que fica: sua marca está preparada para se comunicar e ser relevante para esses consumidores?

Referencias: * Mc Kinsey apontou em pesquisa que a próxima geração de supermercados pode fazer com que a carga horária dos trabalhadores seja reduzida em dois terços.

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

Edição: Marcia Mariano
Fonte: Edelman Assessoria

Data de publicação: 01/03/2019

Conteúdo relacionado


Prazo para regularização do Simples Nacional termina 31 de janeiro
Os pequenos negócios, que foram excluídos do Simples Nacional em 2019, têm até 31 de janeiro para regularizarem as pendências e fazerem uma nova adesão ao regime, desde que não haja débito com a Receita Federal ou a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional.  2020-01-23 - Tags: simples nacional receita federal procuradoria geral fazenda nacional prazo regularizaçao

Brechós utilizam redes sociais para expandir negócio
O mercado de Brechós é um dos segmentos que mais cresceu no Brasil nos últimos anos. A oferta de peças de vestuário de qualidade a preços mais acessíveis, aliada ao conceito de sustentabilidade, fez com que o público consumidor desse tipo de negócio crescesse expressivamente, atraindo a atenção de mais empreendedores.  2020-01-20 - Tags: brechos redes sociais michelle marketing vendas brasil

Mega Moda recebeu 10,7 milhões de pessoas em 2019
O Mega Moda, formado pelos shoppings atacadistas Mega Moda Shopping, Mega Moda Park e Mini Moda, recebeu mais de 10,7 milhões de pessoas no ano de 2019. Só no mês de dezembro, foram mais de 1,5 milhão de clientes, batendo a meta traçada.  2020-01-14 - Tags: mega moda metas clientes sebrae

Sebrae e Caixa assinam convênio para apoiar empreendedorismo no país
Com o objetivo de aproximar e facilitar o acesso dos donos de micro e pequenas empresas a soluções e serviços bancários, o Sebrae firmou, no dia 10 de dezembro, um acordo de cooperação técnica com a Caixa. A ideia é criar um ambiente favorável para a inclusão bancária e a educação financeira de empreendedores que ainda não se sentem seguros em buscar auxílio do sistema financeiro para desenvolver seus negócios.  2019-12-19 - Tags: pedro guimaraes caixa sebrae abcred caixa economica federal

Renner chega à Argentina e amplia atuação no Uruguai
A Renner faz sua estreia na Argentina com a abertura de quatro lojas entre os dias 12 e 18 de dezembro, em Córdoba e em Buenos Aires. As inaugurações são responsáveis por gerar 250 empregos diretos no país e marcam a continuidade da trajetória da rede varejista no exterior, iniciada em 2017, quando abriu suas primeiras lojas no Uruguai.  2019-12-17 - Tags: renner uruguai expansao piel canela peseo del jockey inauguraçao

Varejo de moda registra crescimento em vendas
O final do ano é a época mais aguardada pelo varejo de moda, pois traz consigo a perspectiva de um aumento nas vendas de vestuário. “Nesta data as roupas sempre estão na lista de itens mais procurados, seguidas de calçados e acessórios, como bolsas, bijuterias e joias”, afirma Edmundo Lima, diretor executivo da Abvtex (Associação Brasileira do Varejo Têxtil).  2019-12-16 - Tags: abvtex eduardo lima iemi black friday fim de ano

Alexandre Vale comanda uma das maiores marcas de moda masculina do Nordeste
Tendo como base uma família do ramo de vestuário, Alexandre Vale sempre acreditou nos fios e nos tecidos como sua vocação. Com R$ 100 que conseguiu do pagamento de uma dívida, resolveu comprar 13 camisas e vender.  2019-11-25 - Tags: alexandra vale dlt nordeste lojas ceo branding varejo

Vicunha apresenta novo posicionamento de mercado
Com mais de 50 anos de mercado e sensível a um mundo em constante transformação, a Vicunha, referência global em soluções jeanswear, apresenta ao mercado o modelo de negócios one stop shop, com a proposta de oferecer soluções integradas em jeanswear, do fornecedor ao consumidor final.  2019-11-22 - Tags: vicunha posicionamento mercado disep jeansidentity cultura vicunha

E-commerce registra alta de 30% em outubro e fatura R$ 6,2 bilhões
Os brasileiros estão cada vez mais confiantes nas plataformas digitais como ambiente para compras. De acordo com o Compre & Confie, empresa de inteligência de mercado focada em e-commerce, as vendas geraram R$ 6,2 bilhões, crescimento nominal de 30% em relação ao mesmo período do ano passado.  2019-11-21 - Tags: plataforma digital compre confie e commerce faturamento inteligencia de mercado

Exportações de calçados sentem impacto da guerra comercial
Influenciadas pela guerra comercial instalada entre as duas maiores potências mundiais, Estados Unidos e China, as exportações brasileiras de calçados caíram no mês de outubro.  2019-11-13 - Tags: guerra comercial calçados mercado compras vendas estados unidos china exportaçao abicalçados

Grupo Reserva está com 600 vagas em aberto para o fim de ano
O Grupo Reserva, detentor das marcas Reserva, Reserva Mini, Oficina, Ahlma e Eva, está com 600 vagas abertas pelo Brasil para os cargos de vendedor, auxiliar de vendas, auxiliar de caixa, auxiliar de estoque e fiscal.  2019-11-12 - Tags: reserva vaga trabalho fim de ano vendedor auxiliar de vendas auxiliar de caixa estoque fiscal

Varejo de moda vê com otimismo a abertura de mercado
O varejo de moda nacional representado pela Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX), que reúne mais de 100 grandes marcas com atuação em todo País, vê com bons olhos o plano do governo de promover a abertura de mercado e a redução das alíquotas de imposto de importação para vestuário e calçados - de 35% para 12% e de 35% para 15%, respectivamente, até 2022.  2019-11-08 - Tags: abvtex edmundo lima 2022 varejo aumento vestuario calçados

Vagas temporárias podem crescer 7% até o fim do ano
Com a chegada do fim do ano, a busca por vagas temporárias pode ser uma ótima oportunidade para quem busca uma renda extra, recolocação no mercado de trabalho ou a chance de arrumar o primeiro emprego. A FCDLESP (Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo) aponta que o setor de vestuário tende a contratar mais até o final do ano.  2019-11-01 - Tags: fcdlesp black friday natal fgts

Prefeitura divulga raio X da indústria da moda na cidade de São Paulo
A Prefeitura de São Paulo divulgou, em outubro, um estudo realizado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, que mostra que a indústria da moda no município teve um aumento de 4,9% na geração de empregos de 2012 a 2017.  2019-10-31 - Tags: prefeitura raio x moda aumento empregos mei spfw paulo borges aline cardoso

Sensil® apresenta sustentabilidade em feiras de tecidos europeias
Os consumidores esperam que suas roupas sejam de alta qualidade, multifuncionais, confortáveis ​​e atraentes. Mas agora a sustentabilidade está rapidamente se tornando um requisito igualmente importante. Durante a MarediModa, que acontece de 5 a 7 de novembro em Cannes, na França, a Nilit apresentará novas iniciativas de sustentabilidade.  2019-10-28 - Tags: maredimoda sensil nylon nilit cannes ecocare breeze recycled

Portugal antenado com o século 21
Em 2018, a indústria têxtil e de vestuário portuguesa ultrapassou 5,3 bilhões de euros em exportações, antecipando em grande parte o objetivo estratégico que havia estabelecido para 2020. Do faturamento total do setor, dos 7,6 bilhões de euros, 70% foram para a exportação, confirmando sua globalidade, alcance e garantia de uma balança comercial líquida anual de mais de um bilhão de euros.  2019-10-25 - Tags: techtextil sustentabilidade joao mira gomes industria textil vestuario portugal

Coleção capsula do Tencel Sustainable Denim realiza primeiro desfile na Holanda
Os consumidores estão exigindo mais transparência por trás das roupas que compram, e a cadeia de suprimentos têxtil/moda está se unindo para atender esta demanda. Intitulada “Broadband”, a mais nova coleção cápsulas do programa Sustainable Denim Wardrobe da fabricante austríaca de fibras Lenzing, reúne uma linha internacional para mostrar ideias de design e técnicas centradas na produção sustentável do jeanswear.  2019-10-15 - Tags: lenzing sustainable denim wardrobe tencel lyocell refibra grupo lenzing kingpins amsterdam

Calçados de couro e sustentáveis ganham preferência entre os brasileiros
Os calçados de couro estão cada vez mais presentes na decisão de compra dos consumidores. Estudo lançado pelo IEMI - Inteligência de Mercado demonstra que 25% dos brasileiros adquiriram o item em sua última compra e destes, 55% (ou 14% do total) afirmam que o fato de o calçado ser de couro teve um peso relevante na escolha.  2019-10-11 - Tags: calcado de couro iemi inteligencia de mercado marcelo prado jorge bitencourt

Nova vice-presidente assume a The Lycra Company na América do Sul
Adriana Saliba Morasco é a nova vice-presidente da The Lycra Company na América do Sul e assume o papel de Denise Sakuma na liderança da empresa e da marca Lycra® na região.  2019-10-09 - Tags: adriana saliba morasco the lycra company engenharia textil sao paulo vice presidente

Segmento de moda infantil cresce na China
O CHIC International Fashion Fair Shanghai, o mais importante salão de moda da China, com 62 mil metros quadrados, encerrou com sucesso sua edição de setembro de 2019. Nos três dias da feira, 698 expositores com 718 marcas e oriundos de 10 países apresentaram suas coleções para os 54.202 visitantes.  2019-10-08 - Tags: chic international fashion fair beijing fashion expo china world exhibitions chen dapeng