Language
home » moda & varejo » moda vestuário » mercado

Mercado

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

WGSN mostra tendências para o mercado de consumo em 2020

Prepare-se para o consumidor ultradinâmico. Estudo da WGSN - autoridade global em análises e previsões de tendências - apresenta os seis principais macrotendências que definirão o que o consumidor espera das marcas nos próximos anos, passando pela confiança que possuem nas empresas até o envelhecimento da população.

Qual o principal fator que acelera as mudanças no varejo? A tecnologia? Segundo o levantamento inédito da WGSN, a resposta está nos consumidores. São eles que causam as mudanças no mercado de consumo, que estão impulsionando a transformação na sociedade e desafiando os antigos modelos econômicos. Exigentes, contra antigos padrões e com novos valores, esses clientes fomentam novos formatos de negócios. A pergunta que fica para as marcas é: como essas mudanças afetarão o mercado a partir de 2020?

Para respondê-la, a WGSN apresenta os destaques da pesquisa "Consumidor Ultradinâmico" trazendo seis macrotendências que identificam o que está por trás desta mudança no comportamento do consumidor, relacionada com: compras realizadas por dispositivos móveis; conexões humanas; confiança nas marcas; preocupações climáticas; envelhecimento populacional; e economia do compartilhamento. "Precisamos entender que os consumidores estão mapeando, estudando as marcas. Eles querem, inclusive, saber se as empresas mudaram seu modelo de negócio, principalmente quando este impacta a sociedade. O intuito dos consumidores é saber se as marcas estão alinhadas às  novas demandas e a um propósito", afirma Luiz Arruda, Head da WGSN Mindset.

Fatores de influencia

• Revolução das compras pelos dispositivos móveis

A nova sociedade já é norteada pelo smartphones e as pessoas querem consumir via dispositivos móveis. Os varejistas precisam estar atentos a isso e adaptar seu negócio, caso não esteja adequado a essa demanda. Segundo pesquisa executiva de varejo da WGSN, 64% dos varejistas afirmam que o pagamento pelo celular é prioridade para o funcionamento de seu negócio. Outro levantamento realizado pela agência YouGov, mostrou que 44% dos entrevistados, entre 18 e 24 anos, se sentem mais confortáveis ao conversar com novas pessoas por meio de redes sociais, do que ao vivo. Neste âmbito, é possível perceber que a tomada de decisão pelos usuários é feita antes da visita física. Por isso, é tão relevante colocar o consumidor no controle da compra, desde que haja auxílio humano, caso necessário.

Empresas podem se antecipar a essas necessidades ao aumentar o uso do celular dentro da loja e automação no método de pagamento. A realidade aumentada, por exemplo, pode auxiliar os consumidores na hora da compra – tanto ao mostrar especificidades, como ao solucionar dúvidas – e permite que aquele momento seja uma experiência diferenciada. A inteligência artificial também se torna uma aliada, quando associada as interações digitais, a exemplo da Alexa e Google Assistent. Com tantas mudanças, é fundamental que as empresas estejam preparadas para este novo cenário, que traz impactos para cadeia como um todo – inclusive, a relação entre empregados e empregadores. Com estudos* que apontam que milhares de empregos na área têm "alto risco de automação", é fundamental garantir que o antigo papel desempenhado pelos colaboradores seja redefinido. Além disso, será imprescindível apostar em estratégias que descompliquem as entregas de produtos.

• A importância dos sentimentos

As conexões humanas são valorizadas à medida que as pessoas se sentem mais sozinhas. Por isso, estão em busca de conexões que ajudem a se sentirem mais humanas. Por outro lado, uma vez que os varejistas investem em tecnologia de inteligência artificial e experiências digitais, a importância da conexão humana será um diferenciador fundamental paras as marcas. As estratégias pessoais começam a crescer como um ponto de diferenciação para além do preço, principalmente quando as empresas concorrem com a Amazon.

• A economia da confiança

Confiança é um termo cada vez mais recorrente e visado pelos consumidores globalmente. E como sua marca pode se mostrar confiável atualmente? Os consumidores estão questionando o que é real. Por isso, marcas e varejistas precisam desenvolver novas estratégias capazes de aumentar o nível de confiança das pessoas. À medida que as pessoas são expostas todos os dias a uma enxurrada de fake news, é cada vez mais difícil saber em que ou em quem confiar. A confiança é um importante fator de estímulo do consumo. O WGSN Barometer, que a cada ano analisa 200 mil consumidores do mundo todo, apontou que os gastos das pessoas têm uma relação direta com o quanto elas confiam em uma marca. Mas, hoje em dia, o que significa ser uma empresa de confiança? A tradição e a trajetória de uma marca não a tornam, necessariamente, uma empresa de credibilidade.

Além de oferecerem produtos e serviços de qualidade, espera-se que as empresas sejam agentes para mudanças positivas. Entre os entrevistados do Edelman Trust Barometer, 64% disseram acreditar que uma empresa possa tomar ações que aumentem seus lucros e melhorem as condições econômicas e sociais nas comunidades onde operam. Quase dois terços afirmaram que desejam que os CEOs assumam mudanças políticas em vez de esperar pelo governo – que tem níveis de confiança muito abaixo das empresas em 20 mercados. Isso significa que a principal tarefa dos CEOs é "criar confiança", o que ultrapassa "desenvolver produtos de qualidade" e "oferecer serviços" em 69% e 68%, respectivamente.

• Preocupações climáticas

O mundo precisa de ajuda e seus moradores estão em busca de soluções e ações para torná-lo melhor. O número de desastres naturais provocados por eventos climáticos extremos – inundações, secas e incêndios – mais do que dobrou desde 1980. No mesmo período, o número de tempestades dobrou, enquanto inundações, avalanches e deslizamentos quadruplicaram desde 1980 e dobraram desde 2004. A ansiedade em relação ao clima já é uma realidade, assim como o desejo de limitar ou reverter os danos causados ao ecossistema do planeta.

Quando o assunto é consumo, as pessoas procuram fazer a coisa certa quando há alternativas sustentáveis à disposição. De acordo com dados levantados pela consultoria Nielsen em 2018, a taxa de crescimento na venda de produtos vem aumentando em determinados setores sempre que há alternativas sustentáveis. Além disso, já começou a corrida para que a economia circular funcione na indústria da moda. Muitas lojas do setor fast-fashion, como Zara e H&M, têm estimulado os clientes a devolverem roupas danificadas ou que não usam mais, já antes mesmo que a reciclagem de fibras se torne uma realidade comercial. Esta mudança de atitude vai exigir uma nova mentalidade por parte das lojas que atendem ao consumidor que deseja unicamente produtos novos. A estrutura de negócios e de precificação terá que ser reavaliada, uma vez que o público tem procurado mais por produtos duráveis, sustentáveis e que possam ser revendidos.

• A geração longeva

As pessoas estão vivendo mais e melhor. E as marcas precisam estar atentas a essa demanda crescente. Os países desenvolvidos – dos EUA ao Japão – reconhecem que é difícil lidar com o envelhecimento da população e com as grandes mudanças que acontecem na distribuição de renda. De acordo com a ONU, essa questão causará a transformação social mais significativa do século 21, com implicações em todos os setores da sociedade. Nestes países, os consumidores mais velhos, apesar de se sentirem ignorados ou negligenciados, têm um poder de compra muito maior do que o dos consumidores jovens. De acordo com os dados de pesquisa realizada pelo International Longevity Centre, as pessoas com mais de 50 anos no Reino Unido gastam um total de 314 bilhões de libras por ano, o que equivale a aproximadamente 43% do total do gasto doméstico em consumo de produtos. Mesmo assim, a pesquisa apontou que 85% das pessoas com mais de 55 anos acham que a sua marca favorita "não as compreendem" ou não compreendem as suas necessidades. Esta é uma oportunidade importante para os varejistas, afinal, basta fazer alguns ajustes no espaço da loja para receber bem esse grupo demográfico. Remover barreiras físicas e melhorar a mobilidade – instalando rampas e alargando corredores e entradas, por exemplo – pode ter um impacto positivo nas vendas.

• Fim da posse

Não é sobre ter é sobre viver. A economia compartilhada ganha forças em um cenário que os consumidores estão mais abertos a experimentarem e as marcas precisam entender a dinâmica deste novo mercado. As pessoas estão deixando de gastar em coisas para investir em experiências. E isso tem sido notado. O processo de descoberta de produtos também parece ter mudado para sempre: os consumidores de hoje deixam de "ir às compras", mas ao mesmo tempo, nunca deixam de fazer compras, já que estão sempre conectados a aplicativos móveis e ao Instagram. Os varejistas têm abordado esse problema por meio de estratégias que visam transformar a vontade de comprar de um produto pela necessidade de possuir pela vontade de comprar um produto pelo prazer da experiência – o que permite criar um tipo de memória.

Os fatores que impulsionam o mercado consumidor revelam que as pessoas não estão em um momento tão positivo e que se sentem cada vez mais ansiosas, desconectadas e pressionadas pelo tempo. Há uma grande oportunidade para os varejistas que criarem produtos, experiências e serviços capazes de adicionar valor real à vida do consumidor (e que também possam ser compartilhados nas redes sociais).

A pergunta que fica: sua marca está preparada para se comunicar e ser relevante para esses consumidores?

Referencias: * Mc Kinsey apontou em pesquisa que a próxima geração de supermercados pode fazer com que a carga horária dos trabalhadores seja reduzida em dois terços.

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

Edição: Marcia Mariano
Fonte: Edelman Assessoria

Data de publicação: 01/03/2019

Conteúdo relacionado


Indústria têxtil e de confecção analisa com cautela crescimento da economia
Às vésperas de completar três meses do novo governo, o entusiasmo da indústria têxtil e de confecção vem perdendo força, reflexo do crescimento econômico mais lento e do adiamento de reformas, como a da Previdência e a Tributária. Pesquisa feita pela Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) mostrou aumento menor nas vendas do varejo e crescimento das importações.  2019-03-22 - Tags: abit mercado conjuntura reforma da previdencia governo bolsonaro comercio exterior importacao jair bolsonaro

Retomada da economia impulsiona o varejo de moda
As redes varejistas de moda associadas à ABVTEX (Associação Brasileira do Varejo Têxtil), que representam cerca de 90 marcas, reportaram um bom desempenho em fevereiro deste ano em relação ao mesmo mês do ano passado. Dos que responderam à enquete realizada pela ABVTEX, 82% reportaram resultados de vendas melhores, sendo que 18% consideraram o resultado igual ou pior no comparativo.  2019-03-15 - Tags: abvtex iemi edmundo lima economia varejo vestuario cama mesa banho

Grupo Kyly investe R$55 milhões no aumento de sua capacidade produtiva
O Grupo Kyly, indústria de vestuário infantil e detentora das marcas Kyly, Milon, Nanai, Amora e Lemon, acaba de anunciar um investimento de R$ 55 milhões para promover o aumento de sua capacidade produtiva. Dentro deste valor, R$ 40 milhões serão aplicados em maquinários para o seu novo negócio de fiação, enquanto os outros R$ 15 milhões serão destinados para infraestrutura de sua planta matriz.  2019-03-15 - Tags: grupo kyly industria de vestuario infantil salezio martins kyly milon nanai amora lemon fiacao

As vendas globais de smartphones atingiram US$ 522 bilhões em 2018
As vendas globais de smartphones continuam fortes e atingiram US$ 522 bilhões em 2018, com um aumento de 5% em relação a 2017. Apesar disso, a demanda global por smartphones diminuiu em três por cento em 2018, somando 1,44 bilhão de unidades vendidas em todo mundo.  2019-03-08 - Tags: smartphones mobile world congress 2019 gfk telecomunicacoes china

WGSN mostra tendências para o mercado de consumo em 2020
Prepare-se para o consumidor ultradinâmico. Estudo da WGSN - autoridade global em análises e previsões de tendências - apresenta as seis principais macrotendências que definirão o que o consumidor espera das marcas nos próximos anos, passando pela confiança que possuem nas empresas até o envelhecimento da população.  2019-03-01 - Tags: 2020 mercado de consumo wgsn smartphones google assistent wgsn barometer mc kinsey

Convenção da Haco debate mercado e lança tendências com o estilista Alexandre Herchcovitch
Debater o mercado da moda, alinhar metas para 2019 e apresentar o novo Book de produtos. Com enfoque nestes três objetivos aconteceu o Big Connect, a Convenção Nacional de Vendas da Haco, em um Resort na cidade de Santo Amaro da Imperatriz (SC).  2019-02-27 - Tags: haco big connect alexandre herchcovitch books de produtos trend house convencao nacional de vendas

Procura por cursos profissionalizantes de costura e moda cresceu 250% em janeiro
Segundo dados da Fundação Seade e do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) divulgados em janeiro, o desemprego na região metropolitana de São Paulo recuou de 18% em 2017 para 16,6% em 2018. Ainda de acordo com a pesquisa, as principais altas do último ano foram registradas entre os trabalhadores autônomos e domésticos.  2019-02-26 - Tags: dieese fundacao seade sigbol fashion corte e costura aluizio de freitas

Correios confirmam aumento de 8% no frete, especialista dá dicas para lojista se adaptar às mudanças
Os Correios confirmaram reajuste de 8,03% no valor dos fretes em compras. A mudança chega a partir do dia 06 de março e, segundo a estatal, o aumento ainda ficou abaixo do IGP-M de 2018, que foi de 8,74%. Para os os lojistas virtuais e quem vende em marketplaces, o aumento não é uma boa notícia, já que muitos precisaram se organizar para o valor não ficar tão alto e prejudicar as vendas.  2019-02-04 - Tags: frederico flores correios abcomm marketplaces becommerce grupo mercado livre ecommerce

Polo de moda de Goiânia recebeu mais de 9 milhões de compradores
Composto pelos shoppings de moda atacadista Mega Moda Shopping, Mega Moda Park e Mini Moda (especializado em moda infanto-juvenil), o polo contabilizou 9.187.685 pessoas em seus corredores, em 2018. Somente em dezembro, o fluxo de visitantes superou 1,4 milhão e a maioria dos clientes era do interior de Goiás, Minas Gerais, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e São Paulo.  2019-02-01 - Tags: mega moda shopping mega moda park mini moda grupo martins ribeiro mega moda hotel clube de costura

Pesquisa demonstra elevado índice de satisfação dos fornecedores com Programa ABVTEX
Na mais recente pesquisa realizada em dezembro entre os fornecedores e seus subcontratados participantes do Programa ABVTEX, do total de 631 respondentes, 88,3% recomendam o Programa para outras empresas do segmento, mesmo considerando todo esforço e investimento necessários para obtenção e manutenção do Selo ABVTEX.  2019-01-28 - Tags: abvtex programa abvtex selo abvtex fornecedores de moda programa setor de confeccao

Relatório revela o comportamento do consumidor online ao longo de 2018
A Social Miner, empresa de tecnologia que ajuda sites e e-commerces a aumentarem suas conversões por meio da exclusiva metodologia de People Marketing, divulga nesta quarta-feira, 16, o relatório de performance do mercado virtual em 2018.  2019-01-22 - Tags: social miner vindi anymarket neoassist black friday sudeste people marketing

Brasil é o país mais caro do mundo para compra de roupas, aponta estudo
O BTG Pactual acaba de divulgar o Zara Index 2018 (a quarta edição do estudo), que compara preços de produtos vendidos pela rede varejista espanhola nos Estados Unidos com outros países em que também atua, uma proxy da competitividade dos mercados globais.  2019-01-11 - Tags: btg pactual zara index 2018 risco cambial mercado desvalorizacao real

Enquete da ABVTEX aponta desempenho positivo do varejo de moda em dezembro
Em enquete realizada mensalmente pela Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX), que representa cerca de 90 grandes marcas do varejo brasileiro, 62% das associadas reportaram resultados de vendas melhores em dezembro em relação ao mesmo mês de 2017, sendo que 38% consideraram o resultado igual ou pior no comparativo.  2019-01-07 - Tags: abvtex forum nacional contra a pirataria e ilegalidade black friday edmundo lima

Pesquisa ADVB FIPE aponta otimismo em relação ao futuro dos negócios
Os resultados do 3º trimestre de 2018 da Sondagem de Confiança e Expectativa dos profissionais de Vendas e Marketing do Brasil, realizada pela ADVB (Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil) com apoio técnico da FIPE (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), indicam que, apesar da piora recente do desempenho da economia brasileira, do setor econômico e das empresas, houve um ligeiro otimismo em relação ao futuro.  2018-12-20 - Tags: advb fipe varejo mercado marketing cargos de vendas

Projeto de expansão do Grupo Kyly prevê a abertura de mais de 20 lojas em 2019
O setor de franquias cresce a cada dia. De acordo com a mais recente Pesquisa Trimestral de Desempenho do Franchising, divulgada pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), este mercado registrou um crescimento de 6,3% no terceiro trimestre de 2018, se comparado com o mesmo período do ano passado. O faturamento passou de R$ 41,8 bilhões para R$ 44,4 bilhões. Dentre as empresas que apostam no segmento, está o Grupo Kyly.  2018-12-19 - Tags: abf kyly amora lemon nanai grupo kyly franquias

Varejo de moda tem expectativa positiva
O final do ano é a época mais aguardada pelo varejo de moda, pois traz consigo a perspectiva de um aumento nas vendas de itens de moda. “Nesta data as roupas sempre estão na lista de itens mais procurados, seguidas de calçados e acessórios, como bolsas, bijuterias e joias”, afirma Edmundo Lima, diretor executivo da ABVTEX (Associação Brasileira do Varejo Têxtil), entidade que representa cerca de 90 grandes marcas do varejo de moda brasileiro.  2018-12-18 - Tags: abvtex varejo de moda edmundo lima black friday ecommerce varejo textil

O novo perfil do Designer de Moda para a Indústria 4.0
A Quarta Revolução Industrial traz mudanças estruturais nos processos de produção das empresas e mexe com o perfil dos profissionais. E o setor têxtil e de vestuário é um dos pioneiros nessa transformação. Para acompanhar essa mudança, inclusive de maquinário, o profissional que cria moda precisa se reinventar, incorporando a tecnologia digital na concepção e fabricação das peças.  2018-12-14 - Tags: quarta revolucao industrial senai brasil fashion senai cetiqt inteligencia artificial designer de moda 4 0

Calvin Klein passa a aceitar bitcoins em lojas físicas selecionadas em São Paulo
A Calvin Klein é a primeira varejista de moda a aceitar pagamentos de compras de qualquer valor em bitcoins. A nova forma de pagamento está disponível através de uma parceria com Foxbit, principal exchange de bitcoins da América Latina, e a Cloudewalk, rede e plataforma de pagamentos plug and play.  2018-12-13 - Tags: calvin klein varejista de moda foxbit qr code aplicativo wallet pvh brazil cloudwalk

Cresce a procura por profissionalização no setor da moda
Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o índice de desemprego no terceiro trimestre de 2018 foi de 11,9%, o que explica a alta na procura por formas alternativas de gerar renda. Um levantamento feito pela Sigbol Fashion, primeira e única rede de escolas de moda e corte e costura do país, revela aumento de cerca de 15% na procura de cursos no primeiro trimestre de 2018, em comparação com o mesmo período do ano passado.  2018-12-07 - Tags: aluizio de freitas sigbol fashion ibge corte e costura moda pet mercado

Trend Session Jeanswear LYCRA® revela dados da última pesquisa realizada pelo Ibope Inteligência
Na manhã da última terça-feira (27), no espaço Vila São Paulo, a marca LYCRA® promoveu o Trend Session Jeanswear, evento proprietário da empresa para esse segmento da moda. Para a ocasião, parceiros, imprensa e formadores de opinião marcaram presença e tiveram acesso à informações, inovações e oportunidades para compreender os hábitos de consumo, necessidades, preferências e desejos os usuários de jeanswear, além de experimentarem os benefícios das tecnologias da marca LYCRA®.  2018-12-03 - Tags: lycra trend session jeanswear america do sul black jeans delucci modas riachuelo lycra beauty coolmax