Language
home » moda & varejo » moda vestuário » mercado

Mercado

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

Private label de alta qualidade

Sobre o assunto, a ITT conversou com Fábio Walter Leme Santos, da linha  sucessória da Comask, confecção brasileira pioneira no private label de jeans e sarjas.

Foi em 1975 que a Comask surgiu no cenário têxtil brasileiro. Naquele ano, o hoje diretor da empresa Fábio Walter Leme Santos ainda não ainda havia nascido. Mas, quando chegou ao mundo, um ano depois, a empresa criada por seu pai já dava os primeiros passos para se tornar um grande complexo. Atualmente, a indústria possui três plantas – duas em Sorocaba (SP) e uma em Três Lagoas (MS) – e quase 800 funcionários. Com um começo arriscado, a Comask iniciou sua produção com um único cliente, a Alpargatas, que acreditou na visão da companhia, que trabalhava com galpões e máquinas alugadas, mas que em seis anos já costurava 300 mil calças por mês! Em 1988, a empresa começou a atender uma das mais importantes marcas de denim do País à época, a ousada Zoomp, de Renato Kherlakian. Era o começo do sistema private label como o conhecemos hoje, e 90% da produção da companhia eram destinados à marca do raio. Em entrevista, Fábio fala à ITT sobre os novos desafios que permeiam a companhia e sobre o mercado têxtil e de confecção no Brasil e no mundo.

ITT: Qual era a produção da Comask naqueles primeiros anos de sua existência?

Fábio Walter Leme Santos: Quando começamos com o private label, produzíamos 200 mil peças por mês, mesma quantidade de hoje, com a diferença de que não eram premium. Atualmente, atuamos com um braço da empresa no sistema de magazine e outro no de private label. Atendemos Khelf, Calvin Klein, Guess, Grupo InBrands, C&A e Renner, entre outros. Há também uma marca própria, que nasceu em 1984 e que já conta com nove lojas varejistas.

ITT: Como é o trabalho de gerenciamento de mão de obra nas diferentes fábricas, que estão localizadas tanto no Sudeste quanto no Centro-Oeste?

Fábio: Existe uma dificuldade maior de costureiras no Centro-Oeste, há uma produtividade menor do que no Sudeste. Como eles não têm uma cultura industrial, quando você pressiona o funcionário, ele se levanta e vai embora. Grande parte volta para a agroindústria. Não estão acostumados com a velocidade de uma empresa, de uma fábrica. O incentivo fiscal é um apoio, mas a produtividade chega a ser tão baixa que, às vezes, não é suficiente para suprir o baixo resultado. Então, os modelos premium ficam no Sudeste, com a mão de obra mais especializada.

ITT: Por que criaram o braço magazine da empresa há seis anos?

Fábio: Foi uma coincidência. Um concorrente contratou um funcionário meu, à época gerente de lavanderia, mas ele não gostou do ambiente e quis voltar para Sorocaba. O recontratamos como gerente de vendas, e ele veio com a ideia já aplicada de abrir um magazine. Achávamos que não era possível chegarmos aos custos, mas fizemos um trabalho bem bacana, conseguimos, e hoje, talvez, seja esse o carro-chefe da empresa, pois o private label vem diminuindo.

ITT: Não é estranha a queda no private label neste momento, em que o cenário exige aumento de produção?

Fábio: Essa migração de importação do PL para fabricação nacional está começando agora. As importações estavam num ritmo frenético e exigiam cinco ou seis meses de antecedência. Nenhum cliente da Comask importava, pois é difícil trazer jeans ao Brasil. A Zara é a única que eu conheço que importa essas peças. Mas agora eles estão fazendo essa migração de produção nacional para o colorido, que antes era 100% importado. Acontece que o lucro dos clientes está caindo, as vendas estão estagnadas. O grupo JEP pediu recuperação, a InBrands continua com muitos problemas e os magazines vão tomando espaço. O jeans deixou de ser sinônimo de status. As calças com tecido premium da Santista ou da Vicunha estão tanto em grifes quanto na Renner e na C&A – nestas, a um preço muito mais acessível. O consumidor e a atitude de compra mudaram, não há mais preconceito com as magazines.

ITT: Qual é o melhor modelo para relacionamento do PL, da facção junto ao varejo e multimarcas?

Fábio: O modelo europeu é o mais adequado. A Europa faz um showroom com seis meses de antecedência da entrega. E aqui fazemos com menos de 60 dias para começar a entrega. Esse prazo ajudaria a dividir a produção, equalizar melhor o calendário. Mas, em nossa economia, não podemos saber se o que é comprado será vendido. Na Europa, há uma constante. Mesmo com baixas vendas, elas existem. Enquanto a economia não estiver estabilizada, não será possível seguir esse modelo. Aqui, o estoque está em aproximadamente de 25% a 27% - o que faz com que o brasileiro busque os outlets, que se transformaram mais do que numa ponta de estoque, pois têm toda a grade. Nos Estados Unidos, a cultura de compra assim é forte, e o consumidor espera baixar o preço.

ITT: Sua família iniciou um projeto do Shopping Cidade, na zona norte de Sorocaba, há cerca de dois anos. Como está esse projeto?

Fábio: Ainda estamos no começo. Acreditamos que, em dois anos, ele esteja a pleno vapor. Estamos bem localizados e temos noção do nosso público.

ITT: Há expectativa de crescimento para o grupo?

Fábio: O ano passado foi um bom período de crescimento, mas, em 2016, devemos ter uma continuidade. O primeiro trimestre de 2016 chegou com 25% menos resultados. É mais o medo da crise do que a crise em si. As pessoas estão receosas de gastar e perder o emprego. O clima também atrapalhou. Tivemos sol durante todo o período – o que impediu as pessoas de irem ao shopping. Mas, para meu cliente, as vendas caíram, porém não pararam. Acredito em um bom segundo semestre. Primeiramente, bom para a indústria e, depois, para o consumo na ponta.

ITT: Como está o investimento em comércio exterior da companhia?

Fábio: Em nossa história, eu já consegui exportar por quatro anos seguidos para grandes marcas: Replay, na Itália; Miss Sixty e Energy, na Inglaterra; e Criminal Denim, nos Estados Unidos. Chegamos a ter 20% da nossa produção voltada para exportação, mas a mudança de câmbio me fez perder todos os clientes. Vi todo nosso trabalho de quase seis anos indo para o ralo. Hoje, será preciso reinvestir nesse processo e começarmos a rodar Estados Unidos e Europa. Mas, mesmo com a alta do câmbio, não conseguimos preços mais competitivos que o México, por exemplo. Acredito que minha viagem de prospecção para a Europa trará melhores resultados do que a dos Estados Unidos.

ITT: As matérias-primas brasileiras trazem a qualidade necessária para sua exportação?

Fábio: Os tecidos nacionais estão muito bons, tanto que eles exportam bastante. A lavanderia está atualizada. Não existe nada mais moderno do que aqui. Todos os equipamentos são importados, compramos mais uma máquina a laser e estamos trocando máquinas de ozônio para nos tornarmos mais competitivos em preço. Fizemos testes com jato de gelo, que foi bem interessante, mas o custo ainda está elevado. Estamos buscando novas tecnologias para nos mantermos atualizados.

ITT: Que recado deixa para os colaboradores e clientes da empresa?

Fábio: Para os meus colaboradores, eu desejo um excelente ano. Vamos continuar com essa garra, porque, assim, no final, teremos sucesso! Para os meus clientes: vamos comprar mais (risos).

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

Edição por: Gabriel Rajão
Fotos por: Maria José de Carvalho
Publicado por ITT Press - International Top Trends - ed.102

Data de publicação: 05/05/2016

Conteúdo relacionado


Varejo de SP cresce 1,4% na 1ª quinzena de junho, diz ACSP
O movimento de vendas do varejo da capital paulista cresceu em média 1,4% na primeira quinzena de junho de 2019, frente ao mesmo período de 2018, segundo o Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). A média resulta das altas de 2% do sistema a prazo e de 0,8% do sistema à vista.  2019-06-19 - Tags: associacao comercial de sao paulo acsp marcel solimeo varejo mercado sao paulo

Escolaridade tem influência na formalização dos negócios no Brasil
O empreendedorismo no Brasil ainda é uma atividade profundamente marcada pela informalidade. Dados do IBGE apontam que dos 28,4 milhões de donos de negócio no país, cerca de 2/3 afirmam não possuir CNPJ. Estudo inédito do Sebrae, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE), mostra que essa informalidade é determinada por aspectos estruturais, em especial o nível de escolaridade.  2019-06-19 - Tags: empreendedorismo educacao informalidade escolaridade sebrae cnpj

Haco anuncia investimentos de mais de 20 milhões em fábricas de Santa Catarina
A Haco investirá mais de R$ 20 milhões nas fábricas em Santa Catarina. O investimento ampliará a capacidade da empresa em função do crescimento das vendas nos últimos anos. Uma parte do orçamento será para a aquisição de dezenas de novos teares para a produção de etiquetas tecidas de alta definição.  2019-06-07 - Tags: haco santa catarina parque fabril alberto conrad lowndes investimento jeanswear luciano mondini projeto rfid

Instituto C&A apoia primeiro fórum internacional de moda sustentável do país
Na semana do Meio Ambiente, o Instituto C&A estará presente no primeiro fórum internacional de moda sustentável do Brasil. O Rio Ethical Fashion (REF), idealizado pela estilista Yamê Reis, acontecerá entre os dias 6 e 8 de junho, no IED Rio e no Oi Casa Grande, ambos no Rio de Janeiro. O intuito do evento será debater, criar parcerias, inspirar e difundir os valores da sustentabilidade na moda brasileira.  2019-05-31 - Tags: agenda moda brasil c&a foundation rio ethical fashion meio ambiente yame reis fashion for good giuliana ortega

Famílias de baixa renda representam 49% do consumo de roupas e calçados esportivos no Brasil
Os consumidores brasileiros menos favorecidos, com rendimentos familiares mensais de até R$ 2.489, estão comprando cada vez mais calçados e roupas esportivas. Em 2016 eles representavam 42% das vendas, índice que saltou para 49% em 2018, como revela o monitoramento contínuo do The NPD Group (www.npd.com) com shoppers em todo o país.  2019-05-29 - Tags: baixa renda roupas esportivas npd group consumo mercador esportivo

Grupo Malwee seleciona startups para inserir varejo de rua no mundo digital
O Grupo Malwee lançou chamada no Edital de Inovação para a indústria a fim de selecionar projetos inovadores apresentados por startups. Serão escolhidas até cinco propostas que utilizem ferramentas destinadas a oferecer uma experiência de compra diferenciada e inovadora, como a inserção de lojistas multimarcas no mundo digital.  2019-05-28 - Tags: sebrae grupo malwee edital de inovacao institutos senai de tecnologia new retail illan sztejnman

Senai Cetiqt desenvolve ponto de vendas em realidade virtual
É fato que os consumidores estão, cada vez mais, preferindo as compras virtuais às físicas. Até 2021, segundo uma pesquisa do Google, 67,4 milhões de pessoas farão sua primeira compra pela Internet. E se ao invés de elas apenas escolherem peças estáticas em uma página de internet pudessem passear virtualmente por uma loja de verdade?  2019-05-24 - Tags: senai cetiqt ponto de experiencia de consumo angelica coelho ponto de vendas realidade virtual

Estudo do SIS/Sebrae analisa setor de confecção de Santa Catarina
O Sistema de Inteligência Setorial (SIS) do Sebrae realizou um estudo sobre o setor de confecções de Santa Catarina, apontando diretrizes que possibilitam um planejamento estratégico para a região até 2021. O segmento de vestuário é bastante representativo no estado, respondendo por 18,8% dos empreendimentos industriais e por 21,8% dos empregos na indústria.  2019-05-17 - Tags: sistema de inteligência setorial sebrae santa catarina vale do itajai fiesc comercio exterior

Acostamento investe 20 milhões em nova fase e aposta na geração Z
A Acostamento, grife brasileira de moda premium, apresenta na Feira Ópera o seu reposicionamento de marca e a nova coleção Verão 2020 da Acostamento Young, sua marca destinada exclusivamente até então ao público jovem, com um estande de 50m2 no principal corredor do evento.  2019-05-17 - Tags: acostamento moda premium grupo pasquini feira opera feira b2b acostamento young teenager geracao z igk

Projeto visa tornar Goiás o principal polo de moda produtor e distribuidor do país
Nos últimos anos, o Centro-Oeste vem aumentando sua força no segmento de confecções e no de distribuição, já que a região da 44, importante polo de moda atacadista, já figura entre as três principais do país. No entanto, para alcançar o principal posto do Brasil, tanto na distribuição quanto confecção, é preciso haver uma ação integrada, em várias frentes, desde a capacitação de mão de obra para produção até distribuição.  2019-05-14 - Tags: projeto goias na moda codese grupo mega moda feira hippie ovg goias

ABVTEX atua na promoção do trabalho digno na cadeia da moda
No mundo da moda há discussões aprofundadas sobre sustentabilidade, consumo consciente e inovação, entre outros temas, porém, se faz cada vez mais importante a conscientização às condições de trabalho na cadeia produtiva de artigos de confecção e calçados.  2019-05-02 - Tags: abvtex condicoes de trabalho programa abvtex edmundo lima cadeia produtiva textil

Os desafios de gerir operações de varejo na era digital
Gerir uma operação de varejo no Brasil não é desafio para qualquer um. Além dos diversos desafios fiscais, tributários e jurídicos, o consumidor informado e digitalizado exige cada vez mais experiências incluídas nas jornadas de consumo.  2019-04-26 - Tags: marketing cloud personalization platforms product information manager customer data platform minimum viable product

Senai Cetiqti abre inscrições para o Programa de Mentoria 2019
Qual estudante não gostaria de, no final da faculdade, contar com a ajuda de um profissional experiente dando orientações fundamentais para a carreira? Esta é a proposta do Programa de Mentoria 2019 do SENAI CETIQT, que está com inscrições abertas até o dia 25 de abril.  2019-04-18 - Tags: programa de mentoria 2019 coordenacao de inovacao educacional senai cetiqt bernardo queiroz design de moda engenharia quimica

Varejo de moda tem desempenho positivo em março
Em enquete realizada mensalmente pela Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX), que representa cerca de 90 grandes marcas do varejo brasileiro, 80% das associadas reportaram resultados de vendas melhores em março em relação ao mesmo mês de 2018.  2019-04-16 - Tags: abvtex associacao brasileira do varejo textil varejo brasileiro edmundo lima

Goiânia precisa ser também um centro de criação de moda
Criar um movimento de identidade própria para continuar em ascensão e se consolidar como um centro, não só de confecção, mas de criação de moda. Essa foi a avaliação dos especialistas do universo fashion de Goiás, que foram convidados como debatedores para um bate-papo sobre os desafios da moda goiana.  2019-04-12 - Tags: nelia finotti espaco integrado de moda goiania shopping estacao da moda

Grupo Morena Rosa faz aquisição da marca Iódice
O Grupo Morena Rosa, empresa paranaense especializada em varejo de moda, acaba de anunciar a aquisição da tradicional label paulistana Iódice. As empresas mantêm contato desde 2010 e por diversas vezes falaram sobre possíveis parcerias. Essa aproximação facilitou a negociação, finalizada no início de 2019.  2019-04-10 - Tags: iodice grupo morena rosa morena rosa maria.valentina zinco lucas franzato

Sebrae orienta empreendedores da moda no Minas Trend
Temas estratégicos para os negócios da moda serão discutidos nos meetups promovidos pelo Sebrae durante o Minas Trend Primavera Verão 2020, de 9 a 12 de abril, no Expominas em Belo Horizonte. Serão cinco encontros, realizados nos dias 9, 10 e 11 de abril, no lounge do Sebrae, no Expominas. Os meetups são abertos ao público do evento, com entrada gratuita.  2019-04-10 - Tags: meetup sebrae minas trend primavera verao 2020 sebrae evento

Grupo Kyly em busca da internacionalização
O grupo Kyly está no mercado desde 1985 e produz confecções de alto valor agregado. Pelo terceiro ano consecutivo, o Brasil avançou de forma significativa no ranking do Doing Business, relatório produzido pelo Banco Mundial que analisa o desempenho do comércio exterior. O país subiu 33 posições, ou seja, passou da 139ª para a 106ª.  2019-04-05 - Tags: kyly nilon fio fiacao vestuario infantil claudinei martins doing business

Indústria de vestuário dos EUA se reúne em Honduras
Realizado em Honduras, evento “Who is Who” se consolida como plataforma para marcas e varejistas de roupas dos Estados Unidos e Europa.  2019-04-05 - Tags: rede de produtores de vestuario da america aapn vestuario produçao who is who steve cochran david ha aaron ledet ricardo pettenati

A inovação tecnológica como aliada da competitividade
Integração de tecnologia, educação e inovação abre novas perspectivas para a indústria da moda se tornar mais criativa, ágil e eficiente.  2019-04-05 - Tags: tecnologia inovaçao criativa textil industria textil senai cetiqt design de moda instituto senai ligia xavier fabian diniz