Language
home » moda & varejo » moda vestuário » mercado

Mercado

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

MALHA e Instituto C&A apresentam alguns vetores que devem guiar a indústria da moda

A questão do gênero vem sofrendo profundas transformações dentro da sociedade global. Temos um aumento de discussões referentes às liberdades, direitos e deveres historicamente distribuídos aos gêneros ao longo dos anos. E com o surgimento de novas tecnologias de informação e comunicação, aliados ao fenômeno da globalização e da chegada das gerações “Millenial” e “Z” ao mercado de trabalho, podemos notar reflexos dessas discussões na maneira como consumimos, principalmente, a moda.

É para trazer os insights e tendências deste novo cenário que a Malha – movimento por uma moda mais sustentável, colaborativa, local e independente – desenvolveu, em parceria com o Instituto C&A, o relatório “O Poder do Gênero”. O documento aborda os impactos das demandas de consumidores por uma maior fluidez de gênero, por empoderamento feminino (considerando inclusive a pluralidade dentro do movimento feminista) e por um novo modelo de masculinidade (‘não’ repressor e patriarcal); além de analisar a influência das mídias sociais e tecnologias na construção da nova forma de enxergar os gêneros.

Por fim, o relatório também reflete sobre os impactos destas demandas dentro da indústria da moda, mapeando novas oportunidades para o setor e incentivando as empresas a repensarem suas linhas, refletindo sobre como a produção deve se guiar para conversar com as próximas gerações e gerar uma nova moda libertadora – para todas as pessoas.

1. A nova onda do Movimento de Mulheres

O movimento feminista não é um fenômeno do século XXI: diversas ações em prol dos direitos das mulheres ocorrem desde há séculos e ganharam força com o passar dos anos, chegando ao ápice no século XX.

Em termos de Moda, o movimento feminista também influencia grandes mudanças no consumo há mais de um século: como quando Coco Chanel lança linhas de ternos para mulheres, questionando o masculino e o feminino e libertando as mulheres das cinturas marcadas, saias e espartilhos; ou quando, nos anos 60, temos o advento da minissaia; ou mesmo nos anos 2000, com o advento da moda “Sex and the City” valorizando a independência feminina e a hiperfeminilidade.

Porém, é a partir dos anos 2010 que podemos notar o desdobramento destes movimentos de mulheres e feministas, abordando diferentes tipos de corpos, vivências e padrões. O feminismo passa a trazer outros marcadores sociais, como raça, sexualidade, etnicidade, território, mostrando que ser mulher é se valer de uma gama plural de possibilidades, que devem ser atendidas e contempladas pelo mercado, por políticas públicas, por relações sociais.

Por isso, a moda pensada para o público feminino deve abordar uma visão interseccional, que incentive a mulher a se ressignificar por meio da resistência e da afirmação de poder. E com mais mulheres ocupando cargos públicos, o feminismo tende a afetar inclusive a indústria da moda – que passa a se preocupar tanto com o tipo de produto destinado ao consumidor, como em melhorar a qualidade de vida das mulheres que trabalham na indústria, ascendendo-as na cadeia de valor.

2.  Fluidez de Gênero

A indústria da moda sempre abordou a questão de gênero de forma vanguardista. Por essa razão que a moda é uma das primeiras a abraçar os novos paradigmas de gênero que se constroem ao longo do século XXI.

Entendendo gênero como uma construção social, a moda descortina o leque de opções, podendo criar para muito além do modelo binário e da “normalidade” homem-mulher imposta.

Abre-se aqui o mercado para a absorção dos públicos LGBTQIAA, com criações para indivíduos cis, trans, não-binários; e a partir de uma moda agênero ou mesmo mais fluida, sem demarcação de divisórias. O relatório demonstra que, entre a geração Z, por exemplo – considerado “mercado do futuro” –, o desejo de experimentar novas possibilidades identitárias é grande.

A criação desta nova moda mais fluida colabora também para um importante e significativo movimento cultural: a abolição do masculino padrão, com regras e normas que reprimem não só homens e meninos, mas também mulheres, todos presos a um ideal nocivo e tóxico de masculinidade. A moda agênero questiona a masculinidade “padrão”, abrindo espaços para discussões e alimentando a esperança de que as marcas criem, cada vez mais, coleções que saiam do padrão normatizado, abrangendo novos consumidores e criando um clima de aceitação e empatia entre os consumidores.

3. Revolução Tecnológica, Distopia e Utopia de Gênero;

O advento e a popularização das mídias sociais trouxeram uma realidade complexa e até mesmo contraditória. Por um lado, temos a abertura para a manifestação de diferentes visões de gênero e sexualidade, com a possibilidade de encontrarmos em diversos lugares do mundo indivíduos que compartilhem de um mesmo pensamento. Por outro, temos o reforço dos preconceitos, em ataques virtuais com alto poder de virulência, protegidos pelo anonimato das redes. É a dupla realidade, utópica e distópica, tudo ao mesmo tempo.

Isso faz com que os ambientes das discussões, tendências e debates em torno da moda sejam permeados de realidades conflitantes.

O relatório também aponta como a análise de dados, desprovidas de um código de ética natural, podem reproduzir e absorver os preconceitos. Bots, apps e algoritmos vêm perpetuando estruturas de poder. É urgente a necessidade de nos apoderarmos desses meios, inclusive com a discussão de como a Inteligência Artificial deva ser conduzida e utilizada.

Os movimentos de ciberativismo e ciberfeminismo estão atentos à reprodução dos comportamentos. Diversos casos de assédio sexual às assistentes pessoais (Siri, Cortana, Alexa) assim como assistentes “femininas”, sempre de voz tranquila, prestativas e subservientes, mostram como procurar alternativas de combate e ocupação dos espaços é necessário. A criação de apps e linguagens que abracem a causa da igualdade de gênero já é uma realidade e a moda deve se inteirar das novas possibilidades.

Sobre a Malha

 A Malha é uma plataforma para o ecossistema da moda que conecta criadores, empreendedores, produtores, fornecedores e consumidores pela construção de uma moda sustentável, colaborativa, local e independente. Para isso, provê os meios de produção e estimula a troca e a criação de conhecimento. É ao mesmo tempo uma consultoria de novas tecnologias e futuro da moda e uma comunidade, além de atuar como escola e laboratório de experimentação.

Sobre o Instituto C&A

O Instituto C&A atua na promoção de uma indústria da moda mais justa e sustentável no Brasil. A organização, que se integrou à C&A Foundation em 2015, foca suas ações em cinco áreas: Incentivo ao Algodão Sustentável, Melhores Condições de Trabalho, Combate ao Trabalho Forçado e ao Trabalho Infantil, Moda Circular e Fortalecimento de Comunidades. Nos seus 26 anos de história, apoiou projetos na área de educação, temática que seguirá apoiando até 2018. A instituição oferece apoio técnico e financeiro e atua em rede para permitir que organizações sociais, marcas e outros agentes de transformação construam uma indústria da moda melhor. Saiba mais em: www.institutocea.org.br .  

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

Fonte: Imprensa Instituto C&A
Foto: Divulgação

Data de publicação: 06/07/2018

Conteúdo relacionado


Senai Cetiqti abre inscrições para o Programa de Mentoria 2019
Qual estudante não gostaria de, no final da faculdade, contar com a ajuda de um profissional experiente dando orientações fundamentais para a carreira? Esta é a proposta do Programa de Mentoria 2019 do SENAI CETIQT, que está com inscrições abertas até o dia 25 de abril.  2019-04-18 - Tags: programa de mentoria 2019 coordenacao de inovacao educacional senai cetiqt bernardo queiroz design de moda engenharia quimica

Varejo de moda tem desempenho positivo em março
Em enquete realizada mensalmente pela Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX), que representa cerca de 90 grandes marcas do varejo brasileiro, 80% das associadas reportaram resultados de vendas melhores em março em relação ao mesmo mês de 2018.  2019-04-16 - Tags: abvtex associacao brasileira do varejo textil varejo brasileiro edmundo lima

Goiânia precisa ser também um centro de criação de moda
Criar um movimento de identidade própria para continuar em ascensão e se consolidar como um centro, não só de confecção, mas de criação de moda. Essa foi a avaliação dos especialistas do universo fashion de Goiás, que foram convidados como debatedores para um bate-papo sobre os desafios da moda goiana.  2019-04-12 - Tags: nelia finotti espaco integrado de moda goiania shopping estacao da moda

Grupo Morena Rosa faz aquisição da marca Iódice
O Grupo Morena Rosa, empresa paranaense especializada em varejo de moda, acaba de anunciar a aquisição da tradicional label paulistana Iódice. As empresas mantêm contato desde 2010 e por diversas vezes falaram sobre possíveis parcerias. Essa aproximação facilitou a negociação, finalizada no início de 2019.  2019-04-10 - Tags: iodice grupo morena rosa morena rosa maria.valentina zinco lucas franzato

Sebrae orienta empreendedores da moda no Minas Trend
Temas estratégicos para os negócios da moda serão discutidos nos meetups promovidos pelo Sebrae durante o Minas Trend Primavera Verão 2020, de 9 a 12 de abril, no Expominas em Belo Horizonte. Serão cinco encontros, realizados nos dias 9, 10 e 11 de abril, no lounge do Sebrae, no Expominas. Os meetups são abertos ao público do evento, com entrada gratuita.  2019-04-10 - Tags: meetup sebrae minas trend primavera verao 2020 sebrae evento

Grupo Kyly em busca da internacionalização
O grupo Kyly está no mercado desde 1985 e produz confecções de alto valor agregado. Pelo terceiro ano consecutivo, o Brasil avançou de forma significativa no ranking do Doing Business, relatório produzido pelo Banco Mundial que analisa o desempenho do comércio exterior. O país subiu 33 posições, ou seja, passou da 139ª para a 106ª.  2019-04-05 - Tags: kyly nilon fio fiacao vestuario infantil claudinei martins doing business

Indústria de vestuário dos EUA se reúne em Honduras
Realizado em Honduras, evento “Who is Who” se consolida como plataforma para marcas e varejistas de roupas dos Estados Unidos e Europa.  2019-04-05 - Tags: rede de produtores de vestuario da america aapn vestuario produçao who is who steve cochran david ha aaron ledet ricardo pettenati

A inovação tecnológica como aliada da competitividade
Integração de tecnologia, educação e inovação abre novas perspectivas para a indústria da moda se tornar mais criativa, ágil e eficiente.  2019-04-05 - Tags: tecnologia inovaçao criativa textil industria textil senai cetiqt design de moda instituto senai ligia xavier fabian diniz

Modernização para atender a um mercado mais exigente
Diretores da Capricórnio Têxtil, uma das maiores produtoras de denim do Brasil, mostram como a empresa se modernizou para atender às expectativas dos clientes.  2019-04-05 - Tags: capricornio textil denim elio aldo manfredini gustavo manfredini joão bordignon alexandre de oliveira correa

Startup simplifica serviço de modelagem e atrai mercado têxtil
Um serviço trabalhoso, que requer profissionais qualificados, muitas horas de dedicação, mas que também representa um dos principais diferenciais de uma marca no mercado têxtil. A modelagem é parte essencial do dia a dia de qualquer indústria do segmento de moda e, assim como outras áreas, vem passando por inovações.  2019-04-05 - Tags: spin stanford research institute tyara nascimento molde me modelagem

Lectra estimula criação compartilhada ao inaugurar Laboratório de Inovações na França
A Lectra anunciou a abertura de seu Laboratório de Inovações, um espaço totalmente dedicado à criação e ao design de soluções incríveis. Idealizado por Philippe Ribera, vice-presidente do setor de Inovações da Lectra, o laboratório, está localizado no campus tecnológico da empresa, em Bordeaux-Cestas, França.  2019-03-27 - Tags: lectra philippe ribera laboratorio de inovacoes poc ceti veronique zoccoletto

Indústria têxtil e de confecção analisa com cautela crescimento da economia
Às vésperas de completar três meses do novo governo, o entusiasmo da indústria têxtil e de confecção vem perdendo força, reflexo do crescimento econômico mais lento e do adiamento de reformas, como a da Previdência e a Tributária. Pesquisa feita pela Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) mostrou aumento menor nas vendas do varejo e crescimento das importações.  2019-03-22 - Tags: abit mercado conjuntura reforma da previdencia governo bolsonaro comercio exterior importacao jair bolsonaro

Retomada da economia impulsiona o varejo de moda
As redes varejistas de moda associadas à ABVTEX (Associação Brasileira do Varejo Têxtil), que representam cerca de 90 marcas, reportaram um bom desempenho em fevereiro deste ano em relação ao mesmo mês do ano passado. Dos que responderam à enquete realizada pela ABVTEX, 82% reportaram resultados de vendas melhores, sendo que 18% consideraram o resultado igual ou pior no comparativo.  2019-03-15 - Tags: abvtex iemi edmundo lima economia varejo vestuario cama mesa banho

Grupo Kyly investe R$55 milhões no aumento de sua capacidade produtiva
O Grupo Kyly, indústria de vestuário infantil e detentora das marcas Kyly, Milon, Nanai, Amora e Lemon, acaba de anunciar um investimento de R$ 55 milhões para promover o aumento de sua capacidade produtiva. Dentro deste valor, R$ 40 milhões serão aplicados em maquinários para o seu novo negócio de fiação, enquanto os outros R$ 15 milhões serão destinados para infraestrutura de sua planta matriz.  2019-03-15 - Tags: grupo kyly industria de vestuario infantil salezio martins kyly milon nanai amora lemon fiacao

As vendas globais de smartphones atingiram US$ 522 bilhões em 2018
As vendas globais de smartphones continuam fortes e atingiram US$ 522 bilhões em 2018, com um aumento de 5% em relação a 2017. Apesar disso, a demanda global por smartphones diminuiu em três por cento em 2018, somando 1,44 bilhão de unidades vendidas em todo mundo.  2019-03-08 - Tags: smartphones mobile world congress 2019 gfk telecomunicacoes china

WGSN mostra tendências para o mercado de consumo em 2020
Prepare-se para o consumidor ultradinâmico. Estudo da WGSN - autoridade global em análises e previsões de tendências - apresenta as seis principais macrotendências que definirão o que o consumidor espera das marcas nos próximos anos, passando pela confiança que possuem nas empresas até o envelhecimento da população.  2019-03-01 - Tags: 2020 mercado de consumo wgsn smartphones google assistent wgsn barometer mc kinsey

Convenção da Haco debate mercado e lança tendências com o estilista Alexandre Herchcovitch
Debater o mercado da moda, alinhar metas para 2019 e apresentar o novo Book de produtos. Com enfoque nestes três objetivos aconteceu o Big Connect, a Convenção Nacional de Vendas da Haco, em um Resort na cidade de Santo Amaro da Imperatriz (SC).  2019-02-27 - Tags: haco big connect alexandre herchcovitch books de produtos trend house convencao nacional de vendas

Procura por cursos profissionalizantes de costura e moda cresceu 250% em janeiro
Segundo dados da Fundação Seade e do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) divulgados em janeiro, o desemprego na região metropolitana de São Paulo recuou de 18% em 2017 para 16,6% em 2018. Ainda de acordo com a pesquisa, as principais altas do último ano foram registradas entre os trabalhadores autônomos e domésticos.  2019-02-26 - Tags: dieese fundacao seade sigbol fashion corte e costura aluizio de freitas

Florinda atinge maioridade fashion
Marca de moda feminina criada em Fortaleza, no Ceará, completou 18 anos mantendo-se orgânica, porém com muito estilo e personalidade.  2019-02-05 - Tags: fatima brilhante estilista josenias junior famel jovem dragao fashion brasil florinda nordesde textil fenit

Correios confirmam aumento de 8% no frete, especialista dá dicas para lojista se adaptar às mudanças
Os Correios confirmaram reajuste de 8,03% no valor dos fretes em compras. A mudança chega a partir do dia 06 de março e, segundo a estatal, o aumento ainda ficou abaixo do IGP-M de 2018, que foi de 8,74%. Para os os lojistas virtuais e quem vende em marketplaces, o aumento não é uma boa notícia, já que muitos precisaram se organizar para o valor não ficar tão alto e prejudicar as vendas.  2019-02-04 - Tags: frederico flores correios abcomm marketplaces becommerce grupo mercado livre ecommerce