Language
home » moda & varejo » moda vestuário » mercado

Mercado

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

MALHA e Instituto C&A apresentam alguns vetores que devem guiar a indústria da moda

A questão do gênero vem sofrendo profundas transformações dentro da sociedade global. Temos um aumento de discussões referentes às liberdades, direitos e deveres historicamente distribuídos aos gêneros ao longo dos anos. E com o surgimento de novas tecnologias de informação e comunicação, aliados ao fenômeno da globalização e da chegada das gerações “Millenial” e “Z” ao mercado de trabalho, podemos notar reflexos dessas discussões na maneira como consumimos, principalmente, a moda.

É para trazer os insights e tendências deste novo cenário que a Malha – movimento por uma moda mais sustentável, colaborativa, local e independente – desenvolveu, em parceria com o Instituto C&A, o relatório “O Poder do Gênero”. O documento aborda os impactos das demandas de consumidores por uma maior fluidez de gênero, por empoderamento feminino (considerando inclusive a pluralidade dentro do movimento feminista) e por um novo modelo de masculinidade (‘não’ repressor e patriarcal); além de analisar a influência das mídias sociais e tecnologias na construção da nova forma de enxergar os gêneros.

Por fim, o relatório também reflete sobre os impactos destas demandas dentro da indústria da moda, mapeando novas oportunidades para o setor e incentivando as empresas a repensarem suas linhas, refletindo sobre como a produção deve se guiar para conversar com as próximas gerações e gerar uma nova moda libertadora – para todas as pessoas.

1. A nova onda do Movimento de Mulheres

O movimento feminista não é um fenômeno do século XXI: diversas ações em prol dos direitos das mulheres ocorrem desde há séculos e ganharam força com o passar dos anos, chegando ao ápice no século XX.

Em termos de Moda, o movimento feminista também influencia grandes mudanças no consumo há mais de um século: como quando Coco Chanel lança linhas de ternos para mulheres, questionando o masculino e o feminino e libertando as mulheres das cinturas marcadas, saias e espartilhos; ou quando, nos anos 60, temos o advento da minissaia; ou mesmo nos anos 2000, com o advento da moda “Sex and the City” valorizando a independência feminina e a hiperfeminilidade.

Porém, é a partir dos anos 2010 que podemos notar o desdobramento destes movimentos de mulheres e feministas, abordando diferentes tipos de corpos, vivências e padrões. O feminismo passa a trazer outros marcadores sociais, como raça, sexualidade, etnicidade, território, mostrando que ser mulher é se valer de uma gama plural de possibilidades, que devem ser atendidas e contempladas pelo mercado, por políticas públicas, por relações sociais.

Por isso, a moda pensada para o público feminino deve abordar uma visão interseccional, que incentive a mulher a se ressignificar por meio da resistência e da afirmação de poder. E com mais mulheres ocupando cargos públicos, o feminismo tende a afetar inclusive a indústria da moda – que passa a se preocupar tanto com o tipo de produto destinado ao consumidor, como em melhorar a qualidade de vida das mulheres que trabalham na indústria, ascendendo-as na cadeia de valor.

2.  Fluidez de Gênero

A indústria da moda sempre abordou a questão de gênero de forma vanguardista. Por essa razão que a moda é uma das primeiras a abraçar os novos paradigmas de gênero que se constroem ao longo do século XXI.

Entendendo gênero como uma construção social, a moda descortina o leque de opções, podendo criar para muito além do modelo binário e da “normalidade” homem-mulher imposta.

Abre-se aqui o mercado para a absorção dos públicos LGBTQIAA, com criações para indivíduos cis, trans, não-binários; e a partir de uma moda agênero ou mesmo mais fluida, sem demarcação de divisórias. O relatório demonstra que, entre a geração Z, por exemplo – considerado “mercado do futuro” –, o desejo de experimentar novas possibilidades identitárias é grande.

A criação desta nova moda mais fluida colabora também para um importante e significativo movimento cultural: a abolição do masculino padrão, com regras e normas que reprimem não só homens e meninos, mas também mulheres, todos presos a um ideal nocivo e tóxico de masculinidade. A moda agênero questiona a masculinidade “padrão”, abrindo espaços para discussões e alimentando a esperança de que as marcas criem, cada vez mais, coleções que saiam do padrão normatizado, abrangendo novos consumidores e criando um clima de aceitação e empatia entre os consumidores.

3. Revolução Tecnológica, Distopia e Utopia de Gênero;

O advento e a popularização das mídias sociais trouxeram uma realidade complexa e até mesmo contraditória. Por um lado, temos a abertura para a manifestação de diferentes visões de gênero e sexualidade, com a possibilidade de encontrarmos em diversos lugares do mundo indivíduos que compartilhem de um mesmo pensamento. Por outro, temos o reforço dos preconceitos, em ataques virtuais com alto poder de virulência, protegidos pelo anonimato das redes. É a dupla realidade, utópica e distópica, tudo ao mesmo tempo.

Isso faz com que os ambientes das discussões, tendências e debates em torno da moda sejam permeados de realidades conflitantes.

O relatório também aponta como a análise de dados, desprovidas de um código de ética natural, podem reproduzir e absorver os preconceitos. Bots, apps e algoritmos vêm perpetuando estruturas de poder. É urgente a necessidade de nos apoderarmos desses meios, inclusive com a discussão de como a Inteligência Artificial deva ser conduzida e utilizada.

Os movimentos de ciberativismo e ciberfeminismo estão atentos à reprodução dos comportamentos. Diversos casos de assédio sexual às assistentes pessoais (Siri, Cortana, Alexa) assim como assistentes “femininas”, sempre de voz tranquila, prestativas e subservientes, mostram como procurar alternativas de combate e ocupação dos espaços é necessário. A criação de apps e linguagens que abracem a causa da igualdade de gênero já é uma realidade e a moda deve se inteirar das novas possibilidades.

Sobre a Malha

 A Malha é uma plataforma para o ecossistema da moda que conecta criadores, empreendedores, produtores, fornecedores e consumidores pela construção de uma moda sustentável, colaborativa, local e independente. Para isso, provê os meios de produção e estimula a troca e a criação de conhecimento. É ao mesmo tempo uma consultoria de novas tecnologias e futuro da moda e uma comunidade, além de atuar como escola e laboratório de experimentação.

Sobre o Instituto C&A

O Instituto C&A atua na promoção de uma indústria da moda mais justa e sustentável no Brasil. A organização, que se integrou à C&A Foundation em 2015, foca suas ações em cinco áreas: Incentivo ao Algodão Sustentável, Melhores Condições de Trabalho, Combate ao Trabalho Forçado e ao Trabalho Infantil, Moda Circular e Fortalecimento de Comunidades. Nos seus 26 anos de história, apoiou projetos na área de educação, temática que seguirá apoiando até 2018. A instituição oferece apoio técnico e financeiro e atua em rede para permitir que organizações sociais, marcas e outros agentes de transformação construam uma indústria da moda melhor. Saiba mais em: www.institutocea.org.br .  

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

Fonte: Imprensa Instituto C&A
Foto: Divulgação

Data de publicação: 06/07/2018

Conteúdo relacionado


Brascol inaugura nova loja com foco em agregar experiência de compras aos lojistas
Seguindo os avanços na área de tecnologia e acompanhando as mudanças no hábito de compras dos consumidores, a Brascol, maior atacadista e distribuidor de moda bebê e infantojuvenil do Brasil, inaugurou em 6 de novembro a Brascol.com, um modelo híbrido de loja (on e offline) num espaço físico de 50 m2 dentro do maior shopping atacadista do Brasil, o Mega Polo Moda.  2018-11-12 - Tags: brasco varejo mercado infantojuvenil mega polo moda shopping atacadista

Programa ABVTEX conquista Selo de Direitos Humanos e Diversidade
Em sua 1º edição, o Selo é uma iniciativa do executivo municipal, por intermédio da Secretaria Municipal de Direitos Humanos. O Programa da Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX) de boas práticas na cadeia de fornecimento do varejo de moda foi uma das iniciativas agraciadas.  2018-11-07 - Tags: abvtex programa abvtex selo de direitos humanos e diversidade odss edmundo lima estado de sao paulo

Empreendedores conhecem empresas-case da moda nacional
Em continuidade à agenda do Sebrae no 46º São Paulo Fashion Week, parte dos empresários que foram ao evento a convite da instituição participaram de visitas técnicas em empresas-case da moda na capital paulista. Por meio da ação, os empreendedores conheceram novos modelos de negócio, fortaleceram articulações da rede de parceiros, tornando o segmento de alto valor agregado mais acessível para os micro e pequenos negócios.  2018-10-29 - Tags: martha rosinha galpao comas spfw sebrae adriana degreas void cavalera

Sebrae promove desfile Top Five com amplo espaço de negócios para empresários de todo país
A 46º São Paulo Fashion Week inicia um novo ciclo, tendo como base o conceito “Transposição”. A proposta é ir além de suas convicções e certezas e reinventar a direção em relação ao futuro. Compartilhando valores, o Sebrae se firma em mais uma edição da maior semana de moda da América Latina para incluir no grande mercado da moda as pequenas empresas do setor.  2018-10-22 - Tags: sao paulo fashion week transposicao spfw spfwn46 top five projeto estufa lounge sebrae wgsn expert

ABVTEX participa do lançamento da primeira edição do Índice de Transparência da Moda Brasil
Foi lançado, na quinta-feira (11/10), em São Paulo, o relatório “Índice de Transparência da Moda Brasil”, uma realização conjunta das equipes brasileira e global do Movimento Fashion Revolution, para analisar em que medida 20 grandes marcas e varejistas de moda estão comunicando ao público sobre suas cadeias produtivas - e incentivar uma maior prestação de contas em relação aos impactos socioambientais do setor.  2018-10-15 - Tags: fgvces aron belinky abvtex indice de transparencia da moda brasil edmundo lima movimento fashion revolution

O desafio das empresas em encontrar e reter talentos
O que leva um profissional qualificado a dispensar o “emprego dos sonhos” em uma corporação e optar por trabalhar numa startup? O que as empresas devem fazer para atrair e reter talentos? “Dar respostas a estas questões, que envolvem o mundo do trabalho hoje, não é tarefa fácil”, comenta o consultor, Caio Infante, 38 anos, diretor geral para a América Latina da TMP Worldwide.  2018-10-11 - Tags: tmp worldwide nova york caio infante wtc events congresso internacional da abit emprego mercado internet

Renner convoca startups para ampliar atuação em sustentabilidade
Buscando ampliar investimentos para reforçar seu compromisso com a moda responsável, a Lojas Renner vai se conectar com startups. A ideia é unir esforços para contribuir com os objetivos da varejista na área da sustentabilidade, que incluem a inovação no desenvolvimento de matérias-primas e processos menos impactantes ao meio ambiente, bem como a entrega de linhas de produtos e serviços mais sustentáveis, com engajamento dos colaboradores, da comunidade e dos clientes.  2018-10-01 - Tags: lojas renner startups sustentabilidade wow andre ghignatti wow aceleradora renner innovation day

Indústria têxtil e de confecção espera datas comemorativas para melhorar resultados
A Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) observa que o setor segue cauteloso à espera dos resultados das próximas datas comemorativas para retomar o ritmo de crescimento, em um cenário de crise persistente. O sentimento justifica-se após o desempenho do varejo de vestuário recuar 3,5% até junho deste ano (dados IBGE), resultado que influenciou diretamente os níveis de produção, em queda tanto em têxtil (-0,9%), quanto em vestuário (-3,8%).  2018-09-24 - Tags: abit ibge renato jardim datas comemorativas radar abit cnc vestuario

Instituto Lojas Renner leva programa de capacitação de mulheres refugiadas a RJ e BH
Após dois anos oferecendo cursos de capacitação profissional a mulheres refugiadas na capital paulista, o Instituto Lojas Renner, braço social da maior varejista de moda do Brasil, ampliou o programa Empoderando Refugiadas e chegou a outras duas cidades: Rio de Janeiro e Belo Horizonte. O objetivo é promover a qualificação destas mulheres no setor têxtil e, desta forma, contribuir para a entrada delas no mercado de trabalho.  2018-09-19 - Tags: instituto lojas renner belo horizonte venezuela colombia angola republica democratica do congo renner camicado youcom empoderando refugiadas

Arco Componentes Metálicos passa a atender a indústria têxtil
Com uma trajetória de 25 anos no mercado nacional fornecendo componentes metálicos para o mercado calçadista em todo o território nacional, a gaúcha Arco inicia atuação no setor têxtil. Para este novo momento, a marca convidou o arquiteto e designer Roque Frizzo para desenhar uma coleção exclusiva de peças para uso na produção de itens de vestuário.  2018-09-18 - Tags: grendene nike coke converse dakota alpargatas roque frizzo patricia mattana cotidiano urbano

Varejo híbrido ganha impulso com as novas tecnologias
Para atender às expectativas e necessidades dos clientes, as marcas estão encontrando novas maneiras de implantar tecnologia na experiência de compra, aumentando também a oferta de serviços nas lojas por meio do engajamento e da conectividade com seus consumidores.  2018-09-06 - Tags: nrf retail s big show 2018 oasislab nrf startup meetup fabiola paes startups ecommerces omnichannel inteligencia artificial machine learnig

Sustentabilidade é desafio de longo prazo para indústria da moda
Designers, formadores de opinião e até mesmo uma parcela significativa dos consumidores, especialmente das gerações Y (Millenials) e Z (hipercognitivos), já sabem que a moda tem um papel importante para a construção de uma indústria ética e sustentável. Porém, devido à complexidade da produção têxtil, que envolve processos interligados em uma longa cadeia que vai da fibra ao vestuário, a conscientização socioambiental no setor deverá acontecer de forma lenta e gradativa.  2018-08-31 - Tags: abvetex latam retail show laboratorio de moda sustentavel edmundo lima oit giuliana ortega andre carvalhal

ABVTEX firma parceria para evolução do programa de monitoramento da cadeia produtiva
A ABVTEX (Associação Brasileira do Varejo Têxtil), entidade que representa as principais redes de varejo de moda do País, acaba de firmar parceria com a Social Accountability Accreditation Services (SAAS), o único organismo de acreditação global cuja missão é apoiar a implementação de padrões sociais e trabalhistas, por meio da avaliação da competência dos sistemas de auditoria e auditores individuais.  2018-08-14 - Tags: abvtex social accountability accreditation services programa abvtex abnt bureau veritas dnv gl intertek sgs

A integração da realidade virtual com o comércio eletrônico vai transformar o varejo
A combinação da conveniência de poder escolher, analisar, avaliar e comparar produtos, marcas, lojas, serviços, preços, condições e custo de entrega, além das opiniões, experiências e resenhas de outros consumidores, tudo à distância de um “click”, criou um cenário, ao mesmo tempo, deslumbrante em oportunidades, porém profundamente desafiador.  2018-08-03 - Tags: vr commerce latam retail show realidade virtual varejo amazon alibaba walmart carrefour magazine luiza via varejo americanas

C&A lança Relatório Global de Sustentabilidade
A C&A anuncia seu bem-sucedido desempenho em relação ao cumprimento de suas metas de sustentabilidade para 2020. No novo ‘Relatório Global de Sustentabilidade 2017’, a empresa divulga suas conquistas, bem como os compromissos com foco nos três pilares da estratégia global: produtos, rede de fornecimento e vidas sustentáveis.  2018-08-01 - Tags: relatorio global de sustentabilidade 2017 sustentabilidade algodao organico moda circular certificado cradle to cradle ethical corporation impacto ambiental supply chain

Cia. Hering divulga resultados financeiros do segundo trimestre do ano
O desempenho operacional do segundo trimestre de 2018 da Cia. Hering foi apresentado ao mercado hoje, 26. A organização encerrou o segundo trimestre de 2018 com receita bruta de R$ 420,4 milhões, o que representa um declínio de 12,7% sobre o mesmo trimestre do ano anterior. O lucro líquido alcançou R$ 57,2 milhões, queda de 34,9% em relação ao 2T17.  2018-07-27 - Tags: ebitda hering rafael bossolani fabio hering omnichannel webstores hering kids puc dzarm blumenau

Geração Z quer tecnologia para testar produtos na loja física
Depois dos Millennials, a Geração Z começa a despertar a atenção de marcas e varejistas como novo alvo. De acordo com o relatório The Gen Z da Criteo S.A. (NASDAQ: CRTO), empresa líder em tecnologia para commerce marketing, os indivíduos nascidos entre 1994 e 2002 formam um poderoso grupo de consumidores.  2018-07-20 - Tags: millennials geracao z the gen z omnishoppers instagram mobile redes sociais webrooming

Pequenos negócios participam de versão itinerante do São Paulo Fashion Week
A 4ª edição do SPFW Day levará a experiência do São Paulo Fashion Week para três estados: Maceió (AL), Campo Grande (MS) e Rio de Janeiro (RJ). O evento, parceria entre o Sebrae e o Instituto Nacional de Moda e Design (IN-MOD), vai apresentar a um grupo de empresários que não puderam comparecer ao SPFW os principais destaques da maior semana de moda da América Latina.  2018-07-18 - Tags: spfw spfwn45 spfw day peclers paris. america latina

Centro Global de Pesquisa investe €20 mi em inteligência artificial
A Criteo S.A. (NASDAQ: CRTO), plataforma de anúncios para a Internet aberta, anunciou, em Paris, o lançamento do Criteo AI Lab, um centro de excelência dedicado à criação, experimentação e desenvolvimento em escala de tecnologia para Machine Learning.  2018-07-13 - Tags: criteo machine learning centro global de pesquisa suju rajan

MALHA e Instituto C&A apresentam alguns vetores que devem guiar a indústria da moda
A questão do gênero vem sofrendo profundas transformações dentro da sociedade global. Temos um aumento de discussões referentes às liberdades, direitos e deveres historicamente distribuídos aos gêneros ao longo dos anos. E com o surgimento de novas tecnologias de informação e comunicação, aliados ao fenômeno da globalização e da chegada das gerações “Millenial” e “Z” ao mercado de trabalho, podemos notar reflexos dessas discussões na maneira como consumimos, principalmente, a moda.  2018-07-06 - Tags: malha questao do genero instituto c&a movimento de mulheres vetores moda fluidez de genero