Language
home » moda & varejo » moda vestuário » mercado

Mercado

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

Estudo do IEMI analisa perfil de compra de 1.575 consumidores de vestuário

Que os consumidores colocaram o pé no freio nas compras de artigos de vestuário nos últimos dois anos todos sabem. Mas qual o real impacto da crise e sua influência na decisão de compra? Para entender este cenário em profundidade, o IEMI Inteligência de Mercado lançou o Estudo de Comportamento de Compra do Consumidor de Vestuário envolvendo 1.575 entrevistados de todas as faixas etárias, poder de compra e região. As compras analisadas ocorreram nos últimos meses de 2016 ou no início de 2017.

Especializado em estudos nos setores de vestuário; têxteis; calçados; cama, mesa e banho; móveis e colchões, o IEMI atualizou os dados da pesquisa sobre Comportamento de Compra de Vestuário realizada em 2014, período pré-crise. Lançado em Abril, o estudo busca entender as mudanças no comportamento de compra durante a crise e estabelecer diretrizes para o futuro. ”A forte recessão que se abateu sobre a economia brasileira afetou de maneira significativa o consumo de moda, resultando no encolhimento das vendas de roupas no varejo interno em 11%”, informa Marcelo Prado, diretor do IEMI.

Neste período, o País saiu de um volume anual da ordem de 6,5 bilhões de peças, em 2014, para pouco menos de 5,8 bilhões no acumulado de 2016 (os dados não consideram roupas profissionais, promocionais e uniformes escolares).

Prado acredita que os resultados deste trabalho de imersão no setor de vestuário contribui para que os produtores de roupas, gestores de marcas e varejistas possam adequar suas estratégias para a retomada do crescimento, prevista para acontecer já a partir do segundo semestre deste ano. “A comparação com os resultados de estudo similar que realizamos em 2014, no período pré-crise, ajuda a criar referenciais para as estretégias a serem adotadas este ano.”

Ticket médio tem crescimento, mas volume de peças diminui

Obviamente, durante a crise, há menos consumidores dispostos a comprar. “Mas dentre os que compraram vestuário recentemente, observamos que a quantidade de peças adquiridas por compra caiu de 3,3 para 3,0 peças, uma redução de quase 10%. Em contrapartida, a frequência de compra dos consumidores aumentou levemente, em torno de 8%, quase que compensando a queda no número de itens comprados”, revela Prado.

O valor gasto por compra (ticket médio), por sua vez, foi elevado em mais de 25%, passando de uma média de R$ 237,00 para R$ 299,00 por compra. Em que pese a inflação do período, o que realmente puxou este gasto para cima foi o aumento no contingente de consumidores de renda mais elevada (poder de compra A e B), enquanto diminuíram os consumidores de menor renda, justamente os mais afetados pelos efeitos da recessão.

 Ofertas de preço, o fator mais atrativo

O bom atendimento vinha sendo, até 2014, o fator mais importante na atração de consumidores para as lojas de moda, destacado por quase 50% dos consumidores. Em 2017, porém, este fator perdeu relevância, tendo sido superado pela “oferta de preços baixos”, como o principal fator de escolha da loja, mencionado por 34% dos consumidores entrevistados na pesquisa mais recente. E ainda: com o endividamento das famílias, as compras com pagamento à vista subiram de pouco mais da metade, para quase 2/3 do total.

Há outros fatores de atratividade que cresceram muito nos últimos anos. Dentre eles destacam-se: maior exigência por “qualidade e design dos produtos”, “ter sempre novidades”, “ter localização conveniente” e “ter roupa para toda a família”, justamente os pontos de maior atenção das lojas de departamento, que vêm investindo fortemente na melhoria dos produtos, em coleções assinadas, no fast-fashion e um mix mais completo para todos os departamentos.

 O poder da marca

Mesmo com as dificuldades atuais do mercado, a importância das marcas na decisão de compra não foi reduzida nem um milímetro sequer, com 52% dos consumidores afirmando que a marca foi decisiva na escolha do produto adquirido, na última compra, mesmo índice observado no período pré-crise.

Dentre as razões alegadas para a escolha da marca destacam-se a identificação do consumidor com a “imagem e o estilo das roupas” que a marca oferece, o poder que essa marca tem de me despertar “desejo e satisfação” ao comprar seus produtos e o “conforto ao vestir”, que ela me dá.

“É chegado o momento de repensarmos as nossas estratégias para colocarmos as nossas marcas à frente na retomada do consumo, mesmo porque ela será lenta e não será para todos”, alerta Marcelo Prado.

Comprar para si mesmo X comprar para outros

Se o consumidor costumava comprar roupas para se sentir bonito ou se presentear, a necessidade de vestir algum parente parece motivar a maior parte das pessoas. A parcela das compras destinadas ao uso próprio diminuiu e aumentou a participação das compras voltadas a vestir algum ente da família, cuja motivação predominante está associada à substituição de uma peça de roupa antiga, velha ou desgastada, por exemplo.

Da mesma forma, a compra de roupas motivada por alguma ocasião especial, como ir a uma festa ou uma viagem, reduziu-se de 20% para 16% das razões alegadas para a compra.

 “Básicos” cedem espaço para itens diferenciados

O consumidor precisa se sentir atraido para a compra. Por essa razão, os produtos básicos deram lugar aos produtos inovadores e diferenciados. “Dentre os artigos escolhidos pelos consumidores em sua última compra observou-se um aumento na procura por produtos com apelo mais jovem, despojado, diferente, sexy ou romântico; enquanto que os produtos básicos, clássicos, sérios e tradicionais perderam atratividade e ficaram mofando nas prateleiras”, analisa o diretor do IEMI. Segundo ele, este dado reforça a tese de que “na crise, o que vende é o novo”, ou inovador, que encante o consumidor e o estimule a consumir,  mesmo ele estando preocupado com o “bolso.”

O produto, ainda de acordo com os dados da pesquisa, deve “ter um preço acessível” – não necessariamente barato - que caiba no orçamento do consumidor. Além disso, aumentou o interesse nos produtos que possam “durar mais estações” ou que “estejam na mídia e sendo usados pelos amigos”.

E-commerce ainda é tímido

Outro ponto importante retratado nesta pesquisa se refere ao crescimento no número de consumidores que incorporaram a internet como um de seus canais de compra de roupas. Se em 2014 os consumidores de vestuário que faziam compras pela internet eram menos de 10%, em 2017 são 14%. Mas em relação às roupas, o e-commerce é incipiente frente a outros produtos. Em 2017, o valor das vendas de roupas pelo e-commerce, no Brasil, ainda está na casa de 1,4% do consumo total, ou o equivalente a R$ 2,5 bilhões por ano (estimativas 2016). “Esta participação é baixa em relação à média dos países mais desenvolvidos, nos quais gira em torno de 3,5% das vendas a varejo. Este canal ainda tem muito a crescer no Brasil”, avalia o economista.

Lojas de departamento, as preferidas

Outro canal de venda que ganhou relevância no consumo de moda, no Brasil, foram as lojas de departamento, preferidas por 34% dos consumidores, em sua última compra, contra 24% observado em 2014. “O crescimento deste canal ocorreu em detrimento das lojas multimarcas tradicionais e das redes monomarcas, que junto com as butiques praticam os preços médios mais elevados do mercado”, afirma Prado.

Conveniência e segurança

Embora fosse esperado que, com a recessão, os consumidores abrissem mão dos shopping centers, onde os preços dos produtos de moda tendem a ser mais elevados do que nas lojas de rua, eles continuam a priorizar a conveniência e a segurança destes centros de compra. De meados de 2014 a meados de 2016, o número de shopping centers no País cresceu de 495 para 549, onde foram abertas nada menos que 7 mil novas lojas, que comercializam artigos de moda.

Ainda assim, nas cidades onde estes centros comerciais não existem, ou ainda são raros, as lojas do centro da cidade (de rua ou em galerias), mais baratas e com boa dose de conveniência, aumentaram em quase 40% a atração de consumidores com menor renda.

www.iemi.com.br

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

Fonte:ADS Comunicação Corporativa
Fotos: Divulgação

Data de publicação: 11/09/2017

Galeria de fotos desta matéria

Conteúdo relacionado


Clube de costura: coworking de costura aposta em criatividade e colaboração
Colaboração e criatividade são ingredientes mágicos, quando pensamos em empreendedorismo, e hoje, cada vez mais pessoas buscam a ajuda de outras para alçar voos mais tranquilos e certeiros. O coworking sai dos cenários alternativos e entra com tudo em grandes centros, levantando os pilares da sustentabilidade, como a inclusão social, a destinação de rejeitos e o desenvolvimento econômico dos participantes.  2017-11-21 - Tags: coworking clube de costura fashion coworking sou de algodao cursos

Calvin Klein anuncia experiência inovadora em parceria com a Amazon Fashion
A Calvin Klein e a Amazon Fashion anunciaram hoje uma nova experiência de compra com foco nas festas de fim de ano chamada CALVIN KLEIN X Amazon Fashion, disponível para clientes até 31 de dezembro. A experiência incluirá lojas pop-up em Nova York e Los Angeles, bem como uma loja da marca dentro do e-commerce Amazon.com/mycalvins.  2017-11-17 - Tags: calvin klein underwear calvin klein x amazon fashion amazon fashion calvin klein the underwear group

Redução de imposto para roupas de inverno beneficiará consumidor
A ABVTEX (Associação Brasileira do Varejo Têxtil) está pleiteando junto à Câmara de Comércio Exterior (Camex) a redução da alíquota de importação para quatro categorias de produtos de inverno.  2017-11-08 - Tags: fgv abvtex fundacao getulio vargas camex edmundo lima inverno mercado

Confindustria Moda, a excelência da moda italiana
No último dia 18 de outubro, em São Paulo, empresários e o governo italiano apresentaram aos jornalistas brasileiros a Confindustria Moda, importante associação da moda italiana. Na recepção oferecida pelos representantes da entidade, estavam presentes o vice-consul italiano, Simone Panfili e esposa, Gianfranco Di Natale, diretor geral da Confindustria Moda, Erica Di Giovancarlo, diretora do Italian Trade Agency para o Brasil, com sede no Consulado italiano, em São Paulo e Stefano Festa Marzotto, diretor de promoção internacional do SMI.  2017-10-30 - Tags: confindustria moda moda italiana gianfranco di natale italian trade agency sistema moda italia

Riachuelo completa 70 anos com 300 lojas em todo o país
Em outubro de 1947, há sete décadas, Nevaldo Rocha abria as portas do bazar A Capital, pequena loja de variedades localizada em Natal, capital do Rio Grande do Norte, e que anos depois se tornaria a Riachuelo, uma das maiores redes de varejo de moda do Brasil.  2017-10-26 - Tags: riachuelo nevaldo rocha varejo 70 anos historia

Paulo Borges fala sobre a importância do algodão brasileiro na identidade da moda nacional
Paulo Borges, idealizador do São Paulo Fashion Week e um dos entusiastas do Movimento Sou de Algodão, criado pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (ABRAPA), esteve ontem na 33ª edição do IAF World Fashion Convention, no Rio de Janeiro, como um dos debatedores do painel Algodão Brasileiro: Da Produção Sustentável à Prateleira - Iniciativas de Valor. Arlindo Moura, presidente da ABRAPA, e Ariel Horotvitz, diretor da Norfil, referência em fios de algodão no Brasil, também compuseram a mesa.  2017-10-18 - Tags: abrapa algodao brasileiro responsavel paulo borges algodao brasileiro iaf world fashion convention

Startup curitibana lança aplicativo com foco no varejo
Bastam dois cliques num tablet ou smartphone e pronto! O empresário consegue controlar estoque, emitir notas fiscais, além de enviar automaticamente informações para a contabilidade e, por conseguinte, focar na expansão do seu negócio.  2017-09-22 - Tags: dw pdv digital web varejo android app aplicativo

Primeira rede social commerce de moda chega ao Brasil
Uma nova e surpreendente novidade está a caminho para os apaixonados por moda e redes sociais. Trata-se do Clooset – primeiro mix de rede social com e-commerce de moda do mundo. Idealizado e criado pela CEO do Grupo Fhits, Alice Ferraz, a plataforma, que vai ser lançada durante a semana de moda de São Paulo, permite que o usuário compre o look-desejo não só das grandes personalidades, como também do seu feed de amigos em uma rede social que tem foco em moda, beleza e lifestyle.  2017-09-19 - Tags: clooset lifestyle ios android ecommerce alice ferraz camila coelho instagram redes sociais

Varejo de moda promove o desenvolvimento e a sustentabilidade da cadeia de valor
Promotora do diálogo entre os diversos elos da cadeia produtiva, a Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX), entidade que congrega as mais representativas redes varejistas de moda no Brasil, registra passos importantes rumo ao desenvolvimento sustentável da complexa rede de fornecimento local que envolve desde a produção de fibras, fiação, indústria têxtil, indústria de confecções até o varejo.  2017-09-19 - Tags: abvtex programa brasil mais produtivo senai cetiqt varejo cadeia textil edmundo lima

Estudo do IEMI analisa perfil de compra de 1.575 consumidores de vestuário
Que os consumidores colocaram o pé no freio nas compras de artigos de vestuário nos últimos dois anos todos sabem. Mas qual o real impacto da crise e sua influência na decisão de compra? Para entender este cenário em profundidade, o IEMI Inteligência de Mercado lançou o Estudo de Comportamento de Compra do Consumidor de Vestuário envolvendo 1.575 entrevistados de todas as faixas etárias, poder de compra e região.  2017-09-11 - Tags: vestuario perfil de compra iemi marcelo prado inteligencia de mercado 2017

Renner chega ao Uruguai determinada a encantar público local
A primeira loja da Renner no exterior abriu as portas nesta quinta-feira, 7 de setembro, no centro de Montevidéu, no Uruguai, em um prédio histórico situado na movimentada esquina das avenidas 18 de Julio e Yaguarón. Com 2,5 mil m2 e quatro andares, a unidade oferece o mix completo de produtos da empresa, que inclui vestuário e acessórios para mulheres, homens e crianças.  2017-09-11 - Tags: lojas renner youcom montevideu uurugai jose gallo varejo marketing

Peças atemporais ajudam varejo a vencer desafios da sazonalidade
Um dos grandes desafios que os empreendedores do setor de vestuário enfrentam é a sazonalidade. Os "veranicos" em pleno inverno, cada vez mais comuns, e as imprevisíveis meias estações, ou seja, quando não está nem frio nem quente, exigem das lojas um malabarismo para girar o estoque e garantir as vendas.  2017-08-24 - Tags: sebrae sc santa catarina ecommerce sistema de inteligencia setorial varejo moda

Normas da ABNT orientam confecção de uniforme escolar
Nas 270 normas publicadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) no âmbito do Comitê Brasileiro de Têxteis e do Vestuário (ABNT/CB-017), confeccionistas encontram informações que conduzem à produção de artigos com qualidade, conforto, resistência e durabilidade.  2017-05-16 - Tags: abnt uniformes uniformes infantis abnt nbr maria adelina pereira roupas infantis

Confecções brasileiras se preparam para nova batalha com os importados
A indústria brasileira de vestuário já está se preparando para uma nova rodada de disputas com os importados. Depois de serem beneficiadas pela alta do dólar em 2016, as fabricantes estão preocupadas com o recuo da moeda estrangeira nas últimas semanas.  2017-03-10 - Tags: fernando pimentel abit industria confeccao industria textil fakini tvz

Cipatex lança aplicativo para celular com portfólio completo de produtos
A Cipatex® amplia seu canal de comunicação com os clientes e lança um novo aplicativo de celular disponível para download gratuito para IOS na Apple Store e Android na Play Store. A ferramenta apresenta de forma simples, intuitiva e organizada toda a linha de produtos da empresa.  2017-03-06 - Tags: cipatex app apple store play store silvio martins catalogo

Projeto social capacita população de baixa renda em costura
As poucas oportunidades de formação profissional nas periferias de São Paulo impedem que muitas pessoas tenham acesso a experiências de aprendizado e, consequentemente, a trabalho. Pensando nisso o Ministério da Cultura e Burda International Brasil lançam curso para população de baixa renda; melhores alunos vão ganhar máquina.  2017-03-06 - Tags: burda style projeto social corte costura ministerio da cultura academia burda capacitacao

Cresce mercado de roupas de proteção UV
O mercado para roupas de proteção contra raios UV cresceu significativamente com o disparo nas taxas de câncer de pele e com a conscientização dos consumidores em relação aos perigos da exposição excessiva ao sol.  2017-02-22 - Tags: raios uv roupas de protecao performance apparel markets textile intelligence

Varejo poderá comprar vestuário feito no Brasil com Cartão BNDES
Uma das novidades anunciadas pela Abit para incrementar a retomada do crescimento no setor têxtil e confecção em 2017 é que, a partir deste mês, o varejo já pode utilizar o Cartão BNDES para a compra de vestuário fabricado no Brasil.  2017-01-27 - Tags: cartao bndes abit bndes

Varejo de moda avança no combate ao trabalho análogo ao escravo
O Programa de Certificação de Fornecedores-ABVTEX, uma iniciativa da ABVTEX (Associação Brasileira do Varejo Têxtil) e dos varejistas de moda associados à entidade de combate ao uso do trabalho análogo ao escravo na cadeia de fornecimento, foi um dos destaques do I Simpósio Estadual para Erradicação do Trabalho Escravo, realizado hoje (27), pela Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, por meio do Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas – NEPT, e da Comissão Estadual para Erradicação do Trabalho Escravo - COETRAE/SP.  2017-01-27 - Tags: abvtex programa de certificacao de fornecedores edmundo lima trabalho analogo ao escravo

O varejo digital
Em artigo exclusivo à ITT, nosso especialista em economia e mercado Guilherme Skaf Amorim apresenta um panorama da tecnologia e do e-commerce no varejo de moda.  2016-12-19 - Tags: itt 104 mercado varejo conjuntura ecommerce varejo de moda omnichannel vendas b2b instituto euromonitor