Language
home » moda & varejo » moda vestuário » mercado

Mercado

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

Estudo do IEMI analisa perfil de compra de 1.575 consumidores de vestuário

Que os consumidores colocaram o pé no freio nas compras de artigos de vestuário nos últimos dois anos todos sabem. Mas qual o real impacto da crise e sua influência na decisão de compra? Para entender este cenário em profundidade, o IEMI Inteligência de Mercado lançou o Estudo de Comportamento de Compra do Consumidor de Vestuário envolvendo 1.575 entrevistados de todas as faixas etárias, poder de compra e região. As compras analisadas ocorreram nos últimos meses de 2016 ou no início de 2017.

Especializado em estudos nos setores de vestuário; têxteis; calçados; cama, mesa e banho; móveis e colchões, o IEMI atualizou os dados da pesquisa sobre Comportamento de Compra de Vestuário realizada em 2014, período pré-crise. Lançado em Abril, o estudo busca entender as mudanças no comportamento de compra durante a crise e estabelecer diretrizes para o futuro. ”A forte recessão que se abateu sobre a economia brasileira afetou de maneira significativa o consumo de moda, resultando no encolhimento das vendas de roupas no varejo interno em 11%”, informa Marcelo Prado, diretor do IEMI.

Neste período, o País saiu de um volume anual da ordem de 6,5 bilhões de peças, em 2014, para pouco menos de 5,8 bilhões no acumulado de 2016 (os dados não consideram roupas profissionais, promocionais e uniformes escolares).

Prado acredita que os resultados deste trabalho de imersão no setor de vestuário contribui para que os produtores de roupas, gestores de marcas e varejistas possam adequar suas estratégias para a retomada do crescimento, prevista para acontecer já a partir do segundo semestre deste ano. “A comparação com os resultados de estudo similar que realizamos em 2014, no período pré-crise, ajuda a criar referenciais para as estretégias a serem adotadas este ano.”

Ticket médio tem crescimento, mas volume de peças diminui

Obviamente, durante a crise, há menos consumidores dispostos a comprar. “Mas dentre os que compraram vestuário recentemente, observamos que a quantidade de peças adquiridas por compra caiu de 3,3 para 3,0 peças, uma redução de quase 10%. Em contrapartida, a frequência de compra dos consumidores aumentou levemente, em torno de 8%, quase que compensando a queda no número de itens comprados”, revela Prado.

O valor gasto por compra (ticket médio), por sua vez, foi elevado em mais de 25%, passando de uma média de R$ 237,00 para R$ 299,00 por compra. Em que pese a inflação do período, o que realmente puxou este gasto para cima foi o aumento no contingente de consumidores de renda mais elevada (poder de compra A e B), enquanto diminuíram os consumidores de menor renda, justamente os mais afetados pelos efeitos da recessão.

 Ofertas de preço, o fator mais atrativo

O bom atendimento vinha sendo, até 2014, o fator mais importante na atração de consumidores para as lojas de moda, destacado por quase 50% dos consumidores. Em 2017, porém, este fator perdeu relevância, tendo sido superado pela “oferta de preços baixos”, como o principal fator de escolha da loja, mencionado por 34% dos consumidores entrevistados na pesquisa mais recente. E ainda: com o endividamento das famílias, as compras com pagamento à vista subiram de pouco mais da metade, para quase 2/3 do total.

Há outros fatores de atratividade que cresceram muito nos últimos anos. Dentre eles destacam-se: maior exigência por “qualidade e design dos produtos”, “ter sempre novidades”, “ter localização conveniente” e “ter roupa para toda a família”, justamente os pontos de maior atenção das lojas de departamento, que vêm investindo fortemente na melhoria dos produtos, em coleções assinadas, no fast-fashion e um mix mais completo para todos os departamentos.

 O poder da marca

Mesmo com as dificuldades atuais do mercado, a importância das marcas na decisão de compra não foi reduzida nem um milímetro sequer, com 52% dos consumidores afirmando que a marca foi decisiva na escolha do produto adquirido, na última compra, mesmo índice observado no período pré-crise.

Dentre as razões alegadas para a escolha da marca destacam-se a identificação do consumidor com a “imagem e o estilo das roupas” que a marca oferece, o poder que essa marca tem de me despertar “desejo e satisfação” ao comprar seus produtos e o “conforto ao vestir”, que ela me dá.

“É chegado o momento de repensarmos as nossas estratégias para colocarmos as nossas marcas à frente na retomada do consumo, mesmo porque ela será lenta e não será para todos”, alerta Marcelo Prado.

Comprar para si mesmo X comprar para outros

Se o consumidor costumava comprar roupas para se sentir bonito ou se presentear, a necessidade de vestir algum parente parece motivar a maior parte das pessoas. A parcela das compras destinadas ao uso próprio diminuiu e aumentou a participação das compras voltadas a vestir algum ente da família, cuja motivação predominante está associada à substituição de uma peça de roupa antiga, velha ou desgastada, por exemplo.

Da mesma forma, a compra de roupas motivada por alguma ocasião especial, como ir a uma festa ou uma viagem, reduziu-se de 20% para 16% das razões alegadas para a compra.

 “Básicos” cedem espaço para itens diferenciados

O consumidor precisa se sentir atraido para a compra. Por essa razão, os produtos básicos deram lugar aos produtos inovadores e diferenciados. “Dentre os artigos escolhidos pelos consumidores em sua última compra observou-se um aumento na procura por produtos com apelo mais jovem, despojado, diferente, sexy ou romântico; enquanto que os produtos básicos, clássicos, sérios e tradicionais perderam atratividade e ficaram mofando nas prateleiras”, analisa o diretor do IEMI. Segundo ele, este dado reforça a tese de que “na crise, o que vende é o novo”, ou inovador, que encante o consumidor e o estimule a consumir,  mesmo ele estando preocupado com o “bolso.”

O produto, ainda de acordo com os dados da pesquisa, deve “ter um preço acessível” – não necessariamente barato - que caiba no orçamento do consumidor. Além disso, aumentou o interesse nos produtos que possam “durar mais estações” ou que “estejam na mídia e sendo usados pelos amigos”.

E-commerce ainda é tímido

Outro ponto importante retratado nesta pesquisa se refere ao crescimento no número de consumidores que incorporaram a internet como um de seus canais de compra de roupas. Se em 2014 os consumidores de vestuário que faziam compras pela internet eram menos de 10%, em 2017 são 14%. Mas em relação às roupas, o e-commerce é incipiente frente a outros produtos. Em 2017, o valor das vendas de roupas pelo e-commerce, no Brasil, ainda está na casa de 1,4% do consumo total, ou o equivalente a R$ 2,5 bilhões por ano (estimativas 2016). “Esta participação é baixa em relação à média dos países mais desenvolvidos, nos quais gira em torno de 3,5% das vendas a varejo. Este canal ainda tem muito a crescer no Brasil”, avalia o economista.

Lojas de departamento, as preferidas

Outro canal de venda que ganhou relevância no consumo de moda, no Brasil, foram as lojas de departamento, preferidas por 34% dos consumidores, em sua última compra, contra 24% observado em 2014. “O crescimento deste canal ocorreu em detrimento das lojas multimarcas tradicionais e das redes monomarcas, que junto com as butiques praticam os preços médios mais elevados do mercado”, afirma Prado.

Conveniência e segurança

Embora fosse esperado que, com a recessão, os consumidores abrissem mão dos shopping centers, onde os preços dos produtos de moda tendem a ser mais elevados do que nas lojas de rua, eles continuam a priorizar a conveniência e a segurança destes centros de compra. De meados de 2014 a meados de 2016, o número de shopping centers no País cresceu de 495 para 549, onde foram abertas nada menos que 7 mil novas lojas, que comercializam artigos de moda.

Ainda assim, nas cidades onde estes centros comerciais não existem, ou ainda são raros, as lojas do centro da cidade (de rua ou em galerias), mais baratas e com boa dose de conveniência, aumentaram em quase 40% a atração de consumidores com menor renda.

www.iemi.com.br

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

Fonte:ADS Comunicação Corporativa
Fotos: Divulgação

Data de publicação: 11/09/2017

Galeria de fotos desta matéria

Conteúdo relacionado


Indústria têxtil e de confecção espera datas comemorativas para melhorar resultados
A Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) observa que o setor segue cauteloso à espera dos resultados das próximas datas comemorativas para retomar o ritmo de crescimento, em um cenário de crise persistente. O sentimento justifica-se após o desempenho do varejo de vestuário recuar 3,5% até junho deste ano (dados IBGE), resultado que influenciou diretamente os níveis de produção, em queda tanto em têxtil (-0,9%), quanto em vestuário (-3,8%).  2018-09-24 - Tags: abit ibge renato jardim datas comemorativas radar abit cnc vestuario

Instituto Lojas Renner leva programa de capacitação de mulheres refugiadas a RJ e BH
Após dois anos oferecendo cursos de capacitação profissional a mulheres refugiadas na capital paulista, o Instituto Lojas Renner, braço social da maior varejista de moda do Brasil, ampliou o programa Empoderando Refugiadas e chegou a outras duas cidades: Rio de Janeiro e Belo Horizonte. O objetivo é promover a qualificação destas mulheres no setor têxtil e, desta forma, contribuir para a entrada delas no mercado de trabalho.  2018-09-19 - Tags: instituto lojas renner belo horizonte venezuela colombia angola republica democratica do congo renner camicado youcom empoderando refugiadas

Arco Componentes Metálicos passa a atender a indústria têxtil
Com uma trajetória de 25 anos no mercado nacional fornecendo componentes metálicos para o mercado calçadista em todo o território nacional, a gaúcha Arco inicia atuação no setor têxtil. Para este novo momento, a marca convidou o arquiteto e designer Roque Frizzo para desenhar uma coleção exclusiva de peças para uso na produção de itens de vestuário.  2018-09-18 - Tags: grendene nike coke converse dakota alpargatas roque frizzo patricia mattana cotidiano urbano

Varejo híbrido ganha impulso com as novas tecnologias
Para atender às expectativas e necessidades dos clientes, as marcas estão encontrando novas maneiras de implantar tecnologia na experiência de compra, aumentando também a oferta de serviços nas lojas por meio do engajamento e da conectividade com seus consumidores.  2018-09-06 - Tags: nrf retail s big show 2018 oasislab nrf startup meetup fabiola paes startups ecommerces omnichannel inteligencia artificial machine learnig

Sustentabilidade é desafio de longo prazo para indústria da moda
Designers, formadores de opinião e até mesmo uma parcela significativa dos consumidores, especialmente das gerações Y (Millenials) e Z (hipercognitivos), já sabem que a moda tem um papel importante para a construção de uma indústria ética e sustentável. Porém, devido à complexidade da produção têxtil, que envolve processos interligados em uma longa cadeia que vai da fibra ao vestuário, a conscientização socioambiental no setor deverá acontecer de forma lenta e gradativa.  2018-08-31 - Tags: abvetex latam retail show laboratorio de moda sustentavel edmundo lima oit giuliana ortega andre carvalhal

ABVTEX firma parceria para evolução do programa de monitoramento da cadeia produtiva
A ABVTEX (Associação Brasileira do Varejo Têxtil), entidade que representa as principais redes de varejo de moda do País, acaba de firmar parceria com a Social Accountability Accreditation Services (SAAS), o único organismo de acreditação global cuja missão é apoiar a implementação de padrões sociais e trabalhistas, por meio da avaliação da competência dos sistemas de auditoria e auditores individuais.  2018-08-14 - Tags: abvtex social accountability accreditation services programa abvtex abnt bureau veritas dnv gl intertek sgs

A integração da realidade virtual com o comércio eletrônico vai transformar o varejo
A combinação da conveniência de poder escolher, analisar, avaliar e comparar produtos, marcas, lojas, serviços, preços, condições e custo de entrega, além das opiniões, experiências e resenhas de outros consumidores, tudo à distância de um “click”, criou um cenário, ao mesmo tempo, deslumbrante em oportunidades, porém profundamente desafiador.  2018-08-03 - Tags: vr commerce latam retail show realidade virtual varejo amazon alibaba walmart carrefour magazine luiza via varejo americanas

C&A lança Relatório Global de Sustentabilidade
A C&A anuncia seu bem-sucedido desempenho em relação ao cumprimento de suas metas de sustentabilidade para 2020. No novo ‘Relatório Global de Sustentabilidade 2017’, a empresa divulga suas conquistas, bem como os compromissos com foco nos três pilares da estratégia global: produtos, rede de fornecimento e vidas sustentáveis.  2018-08-01 - Tags: relatorio global de sustentabilidade 2017 sustentabilidade algodao organico moda circular certificado cradle to cradle ethical corporation impacto ambiental supply chain

Cia. Hering divulga resultados financeiros do segundo trimestre do ano
O desempenho operacional do segundo trimestre de 2018 da Cia. Hering foi apresentado ao mercado hoje, 26. A organização encerrou o segundo trimestre de 2018 com receita bruta de R$ 420,4 milhões, o que representa um declínio de 12,7% sobre o mesmo trimestre do ano anterior. O lucro líquido alcançou R$ 57,2 milhões, queda de 34,9% em relação ao 2T17.  2018-07-27 - Tags: ebitda hering rafael bossolani fabio hering omnichannel webstores hering kids puc dzarm blumenau

Geração Z quer tecnologia para testar produtos na loja física
Depois dos Millennials, a Geração Z começa a despertar a atenção de marcas e varejistas como novo alvo. De acordo com o relatório The Gen Z da Criteo S.A. (NASDAQ: CRTO), empresa líder em tecnologia para commerce marketing, os indivíduos nascidos entre 1994 e 2002 formam um poderoso grupo de consumidores.  2018-07-20 - Tags: millennials geracao z the gen z omnishoppers instagram mobile redes sociais webrooming

Pequenos negócios participam de versão itinerante do São Paulo Fashion Week
A 4ª edição do SPFW Day levará a experiência do São Paulo Fashion Week para três estados: Maceió (AL), Campo Grande (MS) e Rio de Janeiro (RJ). O evento, parceria entre o Sebrae e o Instituto Nacional de Moda e Design (IN-MOD), vai apresentar a um grupo de empresários que não puderam comparecer ao SPFW os principais destaques da maior semana de moda da América Latina.  2018-07-18 - Tags: spfw spfwn45 spfw day peclers paris. america latina

Centro Global de Pesquisa investe €20 mi em inteligência artificial
A Criteo S.A. (NASDAQ: CRTO), plataforma de anúncios para a Internet aberta, anunciou, em Paris, o lançamento do Criteo AI Lab, um centro de excelência dedicado à criação, experimentação e desenvolvimento em escala de tecnologia para Machine Learning.  2018-07-13 - Tags: criteo machine learning centro global de pesquisa suju rajan

MALHA e Instituto C&A apresentam alguns vetores que devem guiar a indústria da moda
A questão do gênero vem sofrendo profundas transformações dentro da sociedade global. Temos um aumento de discussões referentes às liberdades, direitos e deveres historicamente distribuídos aos gêneros ao longo dos anos. E com o surgimento de novas tecnologias de informação e comunicação, aliados ao fenômeno da globalização e da chegada das gerações “Millenial” e “Z” ao mercado de trabalho, podemos notar reflexos dessas discussões na maneira como consumimos, principalmente, a moda.  2018-07-06 - Tags: malha questao do genero instituto c&a movimento de mulheres vetores moda fluidez de genero

Ricardo Almeida cria nova marca com os filhos e negocia venda de 20% de sua empresa
A jornalista Sonia Racy, apresentadora do Show Business, entrevistou o estilista Ricardo Almeida para o programa que vai ao ar neste domingo (1/7). No encontro, o empresário fez duas revelações: vai vender parte do negócio para um sócio investidor e lançar com os filhos a marca RA2.  2018-07-02 - Tags: show business ra2 ricardo almeida josé carlos semenzato sonia racy

Inadimplência das empresas sobe após greve nos transportes
Após quatro meses de estabilidade, o número de empresas inadimplentes voltou a subir em maio. Segundo a Serasa Experian, o resultado negativo é reflexo da paralisação dos caminhoneiros, que acabou afetando várias cadeias produtivas. Foram registrados 5,5 milhões de CNPJs negativados, aumento de 7,8% em relação ao mesmo mês do ano anterior.  2018-06-29 - Tags: cnpjs serasa experian greve nos transportes inadimplencia marcelo leal america latina

Camex rejeita pedido de redução na alíquota de roupa importada
Em reunião realizada na última terça feira, 19 de junho, o GECEX (Comitê Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior) decidiu indeferir o pleito apresentado para redução da alíquota do imposto de importação, de 35% para 20%, para 4 grupos de produtos de vestuário.  2018-06-22 - Tags: abit gecex comite executivo de gestao da camara de comercio exterior comex importacao

Vendas do varejo têxtil e de confecção crescem 0,3% em abril
As vendas do varejo do setor têxtil e de confecção cresceram 0,3% em abril, na comparação com março deste ano, conforme apontam dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro da Indústria Têxtil e de Confecção). Em 12 meses, por outro lado, a evolução do setor foi de 4,8%, ante aumento de 3,8% do varejo como um todo.  2018-06-19 - Tags: ibge abit fernando pimentel varejo textil confeccao greve

FIT 0/16 ocorre em momento de alta no varejo e indústria de moda infantil
Maior evento com os lançamentos e tendências do setor de moda infantil da América Latina, a “FIT 0/16” será realizada entre os dias 7 e 10 de junho, no Expo Center Norte, em São Paulo. A feira ocorre em momento favorável para o setor, já que estimativas preliminares do IEMI Inteligência de Mercado - especializado em estudos de mercado de vestuário - apontam que o vestuário infantil e bebê deve movimentar mais de R$ 53 bilhões no varejo em 2018, receita 7,9% maior em relação ao ano passado.  2018-06-05 - Tags: iemi fit 016 moda infantil mercado industria vestuario

Herchcovitch é o novo head de estilo da Olympikus e do grupo Vulcabras Azaleia
A maior marca esportiva nacional se une ao maior estilista brasileiro em atividade. Alexandre Herchcovitch está trabalhando na Vulcabras Azaleia como head de estilo, cargo criado especialmente para sua função. Sua ação tem, inicialmente, foco na Olympikus.  2018-05-30 - Tags: olympikus vulcabras azaleia alexandre herchcovitch kantar worldpanel a la garçonne

FGV lança Índice que aponta que jovens são menos otimistas quanto à tecnologia
Estudo do professor André Miceli, coordenador do curso de MBA em Marketing Digital da Fundação Getulio Vargas (FGV), indica o impacto da tecnologia na vida do brasileiro. O Índice de Confiança Digital (ICD) mede a confiança de consumidores em diversos segmentos, como mudanças políticas, sociais, econômicas, ambientais ou mesmo tecnológicas.  2018-05-21 - Tags: marketing digital fundacao getulio vargas indice de confiança digital andre miceli icd