Language
home » moda & varejo » moda vestuário » mercado

Mercado

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

Estudo do IEMI analisa perfil de compra de 1.575 consumidores de vestuário

Que os consumidores colocaram o pé no freio nas compras de artigos de vestuário nos últimos dois anos todos sabem. Mas qual o real impacto da crise e sua influência na decisão de compra? Para entender este cenário em profundidade, o IEMI Inteligência de Mercado lançou o Estudo de Comportamento de Compra do Consumidor de Vestuário envolvendo 1.575 entrevistados de todas as faixas etárias, poder de compra e região. As compras analisadas ocorreram nos últimos meses de 2016 ou no início de 2017.

Especializado em estudos nos setores de vestuário; têxteis; calçados; cama, mesa e banho; móveis e colchões, o IEMI atualizou os dados da pesquisa sobre Comportamento de Compra de Vestuário realizada em 2014, período pré-crise. Lançado em Abril, o estudo busca entender as mudanças no comportamento de compra durante a crise e estabelecer diretrizes para o futuro. ”A forte recessão que se abateu sobre a economia brasileira afetou de maneira significativa o consumo de moda, resultando no encolhimento das vendas de roupas no varejo interno em 11%”, informa Marcelo Prado, diretor do IEMI.

Neste período, o País saiu de um volume anual da ordem de 6,5 bilhões de peças, em 2014, para pouco menos de 5,8 bilhões no acumulado de 2016 (os dados não consideram roupas profissionais, promocionais e uniformes escolares).

Prado acredita que os resultados deste trabalho de imersão no setor de vestuário contribui para que os produtores de roupas, gestores de marcas e varejistas possam adequar suas estratégias para a retomada do crescimento, prevista para acontecer já a partir do segundo semestre deste ano. “A comparação com os resultados de estudo similar que realizamos em 2014, no período pré-crise, ajuda a criar referenciais para as estretégias a serem adotadas este ano.”

Ticket médio tem crescimento, mas volume de peças diminui

Obviamente, durante a crise, há menos consumidores dispostos a comprar. “Mas dentre os que compraram vestuário recentemente, observamos que a quantidade de peças adquiridas por compra caiu de 3,3 para 3,0 peças, uma redução de quase 10%. Em contrapartida, a frequência de compra dos consumidores aumentou levemente, em torno de 8%, quase que compensando a queda no número de itens comprados”, revela Prado.

O valor gasto por compra (ticket médio), por sua vez, foi elevado em mais de 25%, passando de uma média de R$ 237,00 para R$ 299,00 por compra. Em que pese a inflação do período, o que realmente puxou este gasto para cima foi o aumento no contingente de consumidores de renda mais elevada (poder de compra A e B), enquanto diminuíram os consumidores de menor renda, justamente os mais afetados pelos efeitos da recessão.

 Ofertas de preço, o fator mais atrativo

O bom atendimento vinha sendo, até 2014, o fator mais importante na atração de consumidores para as lojas de moda, destacado por quase 50% dos consumidores. Em 2017, porém, este fator perdeu relevância, tendo sido superado pela “oferta de preços baixos”, como o principal fator de escolha da loja, mencionado por 34% dos consumidores entrevistados na pesquisa mais recente. E ainda: com o endividamento das famílias, as compras com pagamento à vista subiram de pouco mais da metade, para quase 2/3 do total.

Há outros fatores de atratividade que cresceram muito nos últimos anos. Dentre eles destacam-se: maior exigência por “qualidade e design dos produtos”, “ter sempre novidades”, “ter localização conveniente” e “ter roupa para toda a família”, justamente os pontos de maior atenção das lojas de departamento, que vêm investindo fortemente na melhoria dos produtos, em coleções assinadas, no fast-fashion e um mix mais completo para todos os departamentos.

 O poder da marca

Mesmo com as dificuldades atuais do mercado, a importância das marcas na decisão de compra não foi reduzida nem um milímetro sequer, com 52% dos consumidores afirmando que a marca foi decisiva na escolha do produto adquirido, na última compra, mesmo índice observado no período pré-crise.

Dentre as razões alegadas para a escolha da marca destacam-se a identificação do consumidor com a “imagem e o estilo das roupas” que a marca oferece, o poder que essa marca tem de me despertar “desejo e satisfação” ao comprar seus produtos e o “conforto ao vestir”, que ela me dá.

“É chegado o momento de repensarmos as nossas estratégias para colocarmos as nossas marcas à frente na retomada do consumo, mesmo porque ela será lenta e não será para todos”, alerta Marcelo Prado.

Comprar para si mesmo X comprar para outros

Se o consumidor costumava comprar roupas para se sentir bonito ou se presentear, a necessidade de vestir algum parente parece motivar a maior parte das pessoas. A parcela das compras destinadas ao uso próprio diminuiu e aumentou a participação das compras voltadas a vestir algum ente da família, cuja motivação predominante está associada à substituição de uma peça de roupa antiga, velha ou desgastada, por exemplo.

Da mesma forma, a compra de roupas motivada por alguma ocasião especial, como ir a uma festa ou uma viagem, reduziu-se de 20% para 16% das razões alegadas para a compra.

 “Básicos” cedem espaço para itens diferenciados

O consumidor precisa se sentir atraido para a compra. Por essa razão, os produtos básicos deram lugar aos produtos inovadores e diferenciados. “Dentre os artigos escolhidos pelos consumidores em sua última compra observou-se um aumento na procura por produtos com apelo mais jovem, despojado, diferente, sexy ou romântico; enquanto que os produtos básicos, clássicos, sérios e tradicionais perderam atratividade e ficaram mofando nas prateleiras”, analisa o diretor do IEMI. Segundo ele, este dado reforça a tese de que “na crise, o que vende é o novo”, ou inovador, que encante o consumidor e o estimule a consumir,  mesmo ele estando preocupado com o “bolso.”

O produto, ainda de acordo com os dados da pesquisa, deve “ter um preço acessível” – não necessariamente barato - que caiba no orçamento do consumidor. Além disso, aumentou o interesse nos produtos que possam “durar mais estações” ou que “estejam na mídia e sendo usados pelos amigos”.

E-commerce ainda é tímido

Outro ponto importante retratado nesta pesquisa se refere ao crescimento no número de consumidores que incorporaram a internet como um de seus canais de compra de roupas. Se em 2014 os consumidores de vestuário que faziam compras pela internet eram menos de 10%, em 2017 são 14%. Mas em relação às roupas, o e-commerce é incipiente frente a outros produtos. Em 2017, o valor das vendas de roupas pelo e-commerce, no Brasil, ainda está na casa de 1,4% do consumo total, ou o equivalente a R$ 2,5 bilhões por ano (estimativas 2016). “Esta participação é baixa em relação à média dos países mais desenvolvidos, nos quais gira em torno de 3,5% das vendas a varejo. Este canal ainda tem muito a crescer no Brasil”, avalia o economista.

Lojas de departamento, as preferidas

Outro canal de venda que ganhou relevância no consumo de moda, no Brasil, foram as lojas de departamento, preferidas por 34% dos consumidores, em sua última compra, contra 24% observado em 2014. “O crescimento deste canal ocorreu em detrimento das lojas multimarcas tradicionais e das redes monomarcas, que junto com as butiques praticam os preços médios mais elevados do mercado”, afirma Prado.

Conveniência e segurança

Embora fosse esperado que, com a recessão, os consumidores abrissem mão dos shopping centers, onde os preços dos produtos de moda tendem a ser mais elevados do que nas lojas de rua, eles continuam a priorizar a conveniência e a segurança destes centros de compra. De meados de 2014 a meados de 2016, o número de shopping centers no País cresceu de 495 para 549, onde foram abertas nada menos que 7 mil novas lojas, que comercializam artigos de moda.

Ainda assim, nas cidades onde estes centros comerciais não existem, ou ainda são raros, as lojas do centro da cidade (de rua ou em galerias), mais baratas e com boa dose de conveniência, aumentaram em quase 40% a atração de consumidores com menor renda.

www.iemi.com.br

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

Fonte:ADS Comunicação Corporativa
Fotos: Divulgação

Data de publicação: 11/09/2017

Galeria de fotos desta matéria

Conteúdo relacionado


Indústria da moda se prepara para retomada e jeanswear pode ser o carro-chefe
Pesquisa realizada pelo IEMI Inteligência de Mercado sobre comportamento do consumidor nas próximas semanas, indicam que 67% não pretendem comparar nada, independente da crise gerada pela pandemia de covid-19. Porém, 14% responderam que sim, vão continuar comprando artigos de moda; 13% apontaram roupas e calçados e 6% apenas calçados (tênis em grande maioria).  2020-06-03 - Tags: iemi marcelo prado sueli pereira santista jeanswear newton coelho jeanswear denim moda varejo de moda ecommerce projecoes 2020 consumo

Abest elabora protocolo para a retomada do varejo de moda na cidade de São Paulo
Diante da crise mundial causada pelo covid-19, a Associação Brasileira de Estilistas preparou uma proposta de protocolo para orientação e adaptação das marcas de moda no período de retomada das atividades e circulação social. O protocolo foi enviado à Prefeitura de São Paulo que irá analisar a proposta juntamente com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho e Secretaria da Saúde.  2020-06-02 - Tags: abest covid 19 pandemia varejo de moda orientacao retomada das atividades circulacao social protocolo prefeitura de sao paulo

Mercado global de luxo deve cair entre 20% e 35% em 2020
Diante do colapso global causado pelos lockdowns e pela paralisação do turismo em todos os principais mercados, a indústria do luxo enfrenta um desafio sem paralelo na história. Depois de cair em cerca de 25% no primeiro trimestre de 2020, a desaceleração deve aumentar no segundo trimestre e pode levar a uma contração estimada entre 20% a 35% ao longo do ano.  2020-06-01 - Tags: mercado luxo asia bain & company covid 19 pandemia mercado lockdowns luxo online ecommerce

Pesquisa revela redescobrimento das artes manuais durante a quarentena
Como reagiram os artesãos e artistas brasileiros durante a pandemia? O que fizeram os pequenos armarinhos, que jamais usaram a internet para impulsionar as vendas e tiveram que fechar as portas? Para entender o comportamento de consumo desse público e tentar encontrar solução para seus 542 expositores parceiros, a WR São Paulo, realizadora da Mega Artesanal, feira de produtos e técnicas para arte, artesanato e artes manuais, levantou estas e outras perguntas e agora traz a público o resultado das entrevistas.  2020-06-01 - Tags: pandemia artesoes artes manuais mega artesanal wr sao paulo feira pesquisa armarinhos comportamento de consumo

Costureira: uma profissão sempre na moda
Uma profissão antiga, clássica e sempre requisitada. Ao longo de séculos a costura passou por mudanças e adaptações, mas segue sendo necessária para as pessoas e tem até uma data própria. No dia 25 de maio é celebrado o Dia da Costureira. De acordo com a Associação Brasileira do Vestuário (Abravest), existem 1,3 milhão de profissionais costureiros no país, sendo que 87% são mulheres.  2020-05-26 - Tags: dia da costureira abravest nelia finotti costura costureira profissao

Pesquisa mostra que pequenos negócios não conseguiram ou aguardam empréstimo
A ampliação dos impactos econômicos da crise provocada pelo novo coronavírus tem levado um número maior de donos de pequenas empresas a buscar empréstimo para manter o negócio. Pesquisa realizada pelo Sebrae, com parceria da Fundação Getúlio Vargas, mostra que cresceu em 8 pontos percentuais a proporção de empresários que buscou crédito entre 7 de abril e 5 de maio.  2020-05-22 - Tags: credito pandemia covid19 sebrae pequenos negocios pequenos empresarios meis emprestimo

Mesa redonda virtual discute retomada dos negócios na indústria do denim
Que caminho as tecelagens de denim devem seguir para retomar suas atividades, após a pandemia do covid-19? Embora não se arrisque um palpite de quanto tempo vamos viver em isolamento social e quais serão os impactos da crise na economia, o fato é que o consumo de vestuário, ainda que sofrerá queda, não deixará de existir e as empresas, que estavam com coleções prontas para a temporada do primeiro semestre, já se preparam para o “novo mercado” que surgirá depois da quarentena.  2020-05-22 - Tags: denim tecelagem industria do denim webinar guia jeanswear pandemia santista vicunha cedro textil santanense jolitex covolan santana textiles capricornio

Pesquisa mostra rotina do consumidor durante a quarentena
A pesquisa Monitoramento da Nova Rotina - consumo, marcas e opinião, encomenda pela The Lycra Company ao Ibope Inteligência, colhida entre os dias 20 de março e 20 de abril, acompanhou o comportamento dos consumidores em pleno isolamento social, devido à pandemia de covid-19.  2020-05-18 - Tags: the lycra company silvana eva lojas riachuelo ibope inteligencia pandemia consumo isolamento social loja virtual ecommerce vendas on line adriana morasco marcella kanner

Abicalçados atualiza números do impacto do novo coronavírus no setor
A Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) vem atualizando semanalmente os dados do impacto da pandemia do novo coronavírus no setor. O mais recente levantamento aponta que, do final de março até o último dia 12 de maio, o setor perdeu 30,9 mil postos de trabalho, 11,5% da força de trabalho da atividade (270 mil postos diretos, em dezembro de 2019).  2020-05-15 - Tags: abicalcados associacao brasileira das industrias de calcados mercado calcados pandemia covid19 haroldo ferreira

Amaro abre sua plataforma para marcas de moda venderem online durante pandemia
A Amaro, fashiontech brasileira, lançou no dia 04/05, a Amaro Collective, iniciativa que consiste em abrir sua plataforma de e-commerce para outras marcas de moda. O projeto tem a finalidade de utilizar o alcance e expertise de vendas online da empresa para apoiar outros empreendedores durante o covid-19, além de oferecer uma experiência de compra ainda melhor para as clientes.  2020-05-12 - Tags: amaro collective amaro fashiontec varejo de moda online pandemia pantys framed allmost vintage clemence zerezes linus

Première Vision mobiliza a indústria da moda para feira conjunta em setembro
À luz da crise de saúde e econômica que o mundo vem passado nas últimas semanas, a Première Vision Paris assumiu compromisso estratégico com a indústria da moda, que foi severamente impactada pela paralisação dos negócios, por conta da pandemia de Covid-19. A edição dedicada às coleções outono/inverno 2021-22, que contecerá no Parc des Expositions de Paris Nord Villepinte, de 15 a 17 de setembro, será um evento conjunto.  2020-05-11 - Tags: premiere vision gilles lasbordes premere vision sport made in france premiere vision blossom premiere vision feiras internacionais

Mercado de moda e o impacto do coronavírus na demanda dos brasileiros
Pesquisa realizada pelo IEMI – Inteligência de Mercado, especializado nos segmentos têxtil/vestuário/calçados e varejo de moda, aponta que 67% dos entrevistados não pretendem comprar roupas e calçados durante a pandemia do coronavírus. Por outro lado, dos consumidores que planejam gastar neste período, 76% o farão pela internet, 16% informaram que irão aguardar as lojas físicas reabrirem e 8% pretendem adiar a compra e esperar o que irá acontecer com o país por conta da pandemia.  2020-05-08 - Tags: consumo pandemia pesquisa consumo online calcados isolamento social quarentena economia varejo de moda

Compras online serão tendências de presentes para o Dia das Mães
Com grande representatividade no setor de consumo varejista, o período do Dia das Mães traz boas perspectivas para os pequenos negócios, mesmo diante da pandemia do Coronavírus. 85% dos filhos pretendem presentear suas mães no domingo, dia 10 de maio, de acordo com pesquisa recente Behup/Globo 2020.  2020-05-05 - Tags: dia das maes varejo ecommerce vendas online pequenas empresas presentes isolamento social

Polos regionais mostram efeitos da crise do coronavírus no setor têxtil e confecção
A produção de máscaras e aventais hospitalares, que tem sido a salvação de centenas de indústrias, durante a crise provocada pela pandemia de coronavírus, já começa a dar sinais de saturação. Isso porque em quase todos os estados brasileiros, a atividade tem sido estimulada pelos governadores, gerando grande concorrência entre os fabricantes.  2020-05-04 - Tags: mascaras hospitalares coronavirus pandemia abit hari hartmann rogerio mascarenhas sidimar remussi sindivest sinteticos

Sem comércio a indústria têxtil e vestuário não resistirá por muito tempo
Abertura do comércio para escoar a produção e irrigar o caixa das empresas, crédito para viabilizar as operações, manutenção dos empregos para gerar consumo e valorização do produto nacional, após a retomada dos negócios, foram os principais pontos abordados em mais uma rodada de debates virtual, promovida pela Abit, desta vez com sindicatos patronais de São Paulo e Rio Grande do Sul.  2020-04-23 - Tags: comercio mercado industria textil confeccao setor textil moda varejo abit webinar

Senai Cetiqt anuncia apoio para a produção de EPIs têxteis
O Senai Cetiqt informa que está apoiando a indústria nacional, em diferentes frentes, para ampliar a oferta de EPIs têxteis no país, em atendimento à emergência provocada pela pandemia do novo coronavírus. Entre os serviços oferecidos estão a pesquisa de materiais alternativos (novos nãotecidos que atendam às exigências das normas) e/ou processos de beneficiamento, como a funcionalização para produção de tecidos antivirais e de vestimentas hospitalares, com matéria-prima existente no país.  2020-04-16 - Tags: centro de tecnologia da industria quimica e textil faculdade senai cetiqt instituto senai de tecnologia epis texteis coronavirus pandemia

Impacto das vendas se estenderá por meses para marcas de luxo
Quatro em cada dez executivos de marcas globais de luxo esperam atingir metas de receita pré-crise coronavírus apenas em 2021; para 30%, a recuperação só acontecerá em 2022. A constatação é do Boston Consulting Group (BCG), que ouviu CEOs e CFOs do segmento para analisar os impactos provocados pela abrupta mudança de comportamento do consumidor desde o início da pandemia do novo coronavírus Covid-19.  2020-04-15 - Tags: marcas de luxo luxo marcas globais coronavirus pandemia ecommerce comercio eletronico covid19 boston consulting group

Senai Cetiqt oferece especialização Indústria Avançada: Confecção 4.0
A Faculdade Senai Cetiqt, pertencente ao Centro de Tecnologia da Indústria Química e Têxtil - está com matrículas abertas para o Master In Business Innovation (MBI) em Indústria Avançada: Confecção 4.0. As inscrições podem ser feitas até o dia 6 de maio através do site www.senaicetiqt.com. O curso é voltado para profissionais com graduação que atuam em empresas das áreas confecção, vestuário, têxtil ou áreas afins.  2020-04-15 - Tags: senai cetiqt curso industria avancada quimica textil industria 40 abit big data iot inteligencia artificial

Nascem pequenos negócios rentáveis em tempo de crise do Covid-19
Enquanto alguns se paralisam com medo e a tensão gerada pela crise do Covid-19 e o impacto negativo que a pandemia exerce na economia, outros se movem a favor da adaptação necessária para proteção de todos. É o caso do casal Lucilene de Souza Sanchez e Dario de Matos Sanchez. Ela é funcionária pública, atua como Oficial Administrativa. Ele é representante comercial do ramo de instrumentos musicais.  2020-04-14

O comportamento do setor de moda nas redes sociais em meio ao Covid-19
Estudo feito pela Socialbakers, plataforma global em soluções para otimização de performance corporativa na internet, mostra o desempenho de algumas marcas do setor de moda no Brasil, em meio à pandemia do Covid-19. Os dados foram coletados até o dia 1º de abril.  2020-04-14 - Tags: socialbakers desempenho varejo consumo redes sociais setor de moda vestuario facebook instagram twitter youtube marcas de varejo