Language
home » moda & varejo » moda vestuário » mercado

Mercado

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

Depois da crise, indústria inicia lenta recuperação

Presidente do Sintex e membro da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina,Ulrich Kuhn não “vê milagre” no setor têxtil e de vestuário para os próximos anos, mas admite: “Já dá para começarmos a olhar para frente”.

O Sindicato das Indústrias de Fiação, Tecelagem e do Vestuário (Sintex) de Blumenau, em Santa Catarina, que representa 4,5 mil empresas do setor têxtil e de confecção, completou 65 anos de fundação em fevereiro de 2017. Liderando a entidade desde 1984, o executivo Ulrich Kuhn, que fez carreira em grandes companhias – Artex S.A., como vice-presidente (1979 a 1986); Cia. Hering, como diretor-superintendente de Mercado Internacional (1986 a 2009); e Karsten Têxtil, como membro do Conselho de Administração (1990 a 2004) –, fala sobre a situação atual do polo têxtil catarinense, segundo maior do País e que concentra no Vale do Itajaí empresas de porte como Karsten, Dudalina, Haco Etiquetas, Hering e Altenburg.

Voltada para a produção e beneficiamento de malhas, vestuário e artigos de cama, mesa e banho, a indústria têxtil ainda é uma das principais vocações da região. Segundo o instituto IEMI – Inteligência de Mercado, são produzidas por ano cerca de 200 milhões de peças da linha lar, representando aproximadamente 25% da produção nacional de artigos de cama, mesa e banho, sendo que só o segmento de felpudos (toalhas) ultrapassa 50%. Em 2016, foram produzidos no Brasil 730.879 milhões de artigos têxteis para cama, mesa e banho.

Todavia, nos últimos dez anos, a indústria local, particularmente a de têxteis-lar, foi duramente atingida, não só pela crise econômica, mas por mudanças no mercado de consumo. De perfil exportador, as empresas produtoras de cama, mesa e banho hoje faturam cerca de US$ 50 milhões anuais com exportações, mas, segundo Ulrich Kuhn, esse número já foi cinco vezes maior. Resultado: algumas não resistiram, como as tradicionais marcas Teka e Buettner, que entraram em recuperação judicial e fecharam fábricas em Santa Catarina.

Para Kuhn, 2017 terá um crescimento próximo de zero. “Não vejo nenhum milagre pela frente. Dificilmente um país que perdeu graus de investimento, como o Brasil, conseguirá se recuperar plenamente em menos de oito anos.” O dirigente, entretanto, considera que a indústria têxtil e de confecção catarinense manterá sua atividade, pois “tem tradição e capacidade para seguir em frente”. Na opinião de Kuhn, “o pior já passou”. Confira a entrevista:

ITT Press: Como está a indústria em Santa Catarina? Ela mudou a estratégia de mercado em função da crise?

Ulrich Kuhn: Por seu perfil cultural, histórico e de descentralização das atividades industriais, Santa Catarina é diferente do restante do País. No caso específico do setor têxtil, a produção não está só em Blumenau, no Vale do Itajaí, mas também em Brusque, Jaraguá do Sul e Alto Vale. A indústria têxtil catarinense divide-se no segmento de artigos de cama, mesa, banho e vestuário de malha. Em função da crise, a indústria que fabrica roupas de cama, mesa e banho sofreu muito. Têxteis-lar sempre foi um setor exportador em Santa Catarina, mas, por problemas de competividade, as exportações caíram drasticamente nos últimos anos. Empresas que exportavam de 40% a 50% de sua produção reduziram para 3% a 4%. No primeiro momento, até tentaram colocar essa produção no mercado interno, mas não deu certo. Então, não lhes restou alternativa senão adequar-se a um novo tamanho de operação.

ITT Press: E para onde destinaram seus produtos? Para o Mercosul?

Kuhn: Mercosul? Esquece! Infelizmente essa alternativa não existe devido às enormes restrições impostas pela Argentina. No passado, o mercado argentino era uma válvula de escape para a produção têxtil brasileira, mas hoje não é mais. Com isso, as indústrias de médio e grande porte tiveram que ajustar seu volume produtivo para a nova demanda do mercado brasileiro e, assim, garantir sua posição. Evidentemente que esse encolhimento trouxe reflexos na rentabilidade e saúde financeira. Algumas empresas sofreram muito e estão, como outras indústrias no País, aguardando a recuperação gradativa da economia.

ITT Press: Qual foi o ajuste sofrido pelo setor de cama, mesa e banho?

Kuhn: Uma grande empresa, com tradição de exportação, reduziu seu tamanho em 45%; outra, para 15%. Houve reduções gradativas. A grande maioria reduziu seu volume para se adequar à nova demanda.

ITT Press: E o mercado interno nesse setor, como está?

Kuhn: Está de acordo com a capacidade de compra do consumidor. Sem nenhum entusiasmo no curto prazo. O setor têxtil caiu de um modo geral em torno de 15% a 20% nos últimos três anos. Imagina-se uma pequena recuperação a partir do final de 2017. Mas não haverá milagre.

ITT Press: A estratégia de alguns produtores têxteis de colocarem sua marca diretamente no varejo foi acertada?

Kuhn: Tirando uma empresa de grande porte, que absorveu uma rede de varejo já existente, foi uma experiência isolada. Se olharmos o mundo afora, não existe rede de varejo na área de cama, mesa e banho. O que se tem, e é correto, são movimentos em menor escala, que visam mais um posicionamento da marca como ação de marketing do que uma relevância na distribuição. Muito diferente do vestuário, que funciona com loja própria, os artigos para lar fazem parte de uma oferta dentro de uma loja de decoração, complementando outros produtos. Essa é a lógica neste segmento.

ITT Press: Devido à crise, o setor de cama, mesa e banho desempregou muita gente?

Kuhn: Não. No total do universo têxtil brasileiro, este segmento não é tão representativo em empregabilidade. A indústria de vestuário desempregou muito mais. O porte das empresas de têxteis-lar está mudando. Já temos em Brusque a experiência de indústrias de porte médio, saudáveis, desenvolvendo produtos diferenciados. Essas empresas despontaram no vácuo das grandes que tiveram dificuldades de adaptação, diante da nova realidade de mercado.

ITT Press: Essa guinada também é tendência na malharia?

Kuhn: São coisas diferentes. Na área de vestuário de malharia, você tem grandes, médias e pequenas empresas. Não dá para dizer que é tendência. No caso do vestuário, é uma evolução normal. Essa mobilidade acontece à medida que as pessoas físicas criam seus negócios e se tornam empreendedoras. Muitas marcas hoje consagradas iniciaram, há 30, 40 anos, como micro e pequenas empresas. Não é tão fácil acontecer essa mobilidade no setor de cama, mesa e banho, porque se precisa de muito mais capital. São dois mundos diferentes.

ITT Press: E a malharia, qual é a estratégia? Está adotando o sistema private label, ou seja, empresa que produz com marca de outras?

Kuhn: No campo de malharia, a confecção e a produção têxtil estão muito ligadas. Uma depende da outra. Existem as empresas integradas, com um detalhe interessante: geralmente, a estrutura da indústria de malha não tem fiação. Elas compram o fio e, a partir daí, produzem e beneficiam o tecido de malha. No Brasil, existe um grupo de empresas grandes que tem malharia e confecção de vestuário. Não são exportadoras regulares e atuam fortemente no mercado interno. Nesse segmento, também as empresas reduziram seu tamanho em cerca de 10% a 20% para se adequarem à nova realidade. Com a forte queda das importações em 2016, o Brasil registrou redução em torno US$ 1,2 bilhão em vestuário. Como Santa Catarina é o maior produtor brasileiro neste grupo de produtos, a indústria local foi altamente beneficiada. Como consequência, essas empresas estão a pleno vapor, atendendo à demanda interna. Ou seja, não é que houve aumento de demanda de mercado, foi apenas substituição de fonte produtora – de vestuário importado por vestuário feito no Brasil. Porém, se houver queda do dólar, as importações tenderão a crescer novamente, em torno de 10% a 15% sobre o volume do ano passado.

ITT Press: Que lição estas empresas de vestuário tiveram ao se adaptarem para oferecer produtos que antes eram importados?

Kuhn: Nestes últimos dois anos, por pressão das redes de varejo, muitos produtores se tornaram mais ágeis e aprenderam a fazer fast fashion. Melhorou muito a produtividade para atender as grandes redes. Na verdade, a pressão do varejo sobre o fornecedor de vestuário é uma exigência mercadológica. Eles estavam acostumados a comprar no exterior com determinado câmbio, tinham uma relação de preço, e agora querem a mesma condição no mercado nacional, que, por sua vez, é pressionado na outra ponta pelo aumento das matérias-primas. É um conflito antigo. Aliás, um dos dramas das cadeias de varejo é que elas não têm fornecedores de larga escala de vestuário no Brasil. As grandes empresas de confecção privilegiaram suas marcas próprias, e não fazem mais private label. Porém, mesmo com os efeitos da variação cambial, as confecções que se prepararam vão continuar navegando muito bem. Outro dado interessante é que, na medida em que o mercado interno começa a se recuperar, no horizonte de 15 meses, haverá também aumento de demanda por matéria-prima diversificada. A indústria que não investiu não terá condições de abastecer essa nova demanda do mercado do vestuário.

ITT Press: Dê exemplo de um produto que terá maior demanda.

Kuhn: O Brasil consome em torno de 6 mil toneladas mensais de fios e produz entre 500 e 600 toneladas de fios finos de algodão penteado, por exemplo. A tendência é aumentar esse tipo de importação. Ou seja, vai ter uma demanda gradativa. Não vai ter surto violento de consumo. A curva de importação será gradual. Esperamos, com isso, que haja retomada de investimentos e que a indústria têxtil passe a crescer e produzir com maior diversificação.

ITT Press: E quais são os desafios do varejo brasileiro?

Kuhn: Em função da crise de demanda nos últimos anos, houve uma depuração no número de lojas do varejo. Mas também houve redução por razões de competência e direcionamento. Hoje, se discute o formato de varejo 4.0, e os lojistas precisam se atualizar e mudar o perfil. Quanto mais concentrado na zona urbana, mais pressão sofrerá. ITT Press: Diante deste cenário, qual a expectativa de melhoria de produtividade para as empresas têxteis de Santa Catarina? Kuhn: Na realidade, a indústria têxtil e de vestuário têm uma necessidade grande de qualificação de pessoal. E, lamentavelmente, a realidade brasileira é triste. Nos últimos anos, o salário dos trabalhadores subiu muito mais que a produtividade e, com isso, o Brasil ficou mais caro. Hoje, a indústria carece de pessoal de nível técnico médio, de pessoas com capacidade de administrar e de interpretar a nova demanda.

ITT Press: E o nosso parque industrial, está atualizado?

Kuhn: Mais ou menos. Na área de acabamento têxtil, talvez esteja melhor. Mas as máquinas são apenas uma parte componente da indústria. O processo de administração da produção, o fl uxo interno, a logística, a integração, tudo isso é tão ou muito mais importante que a própria máquina. Eu posso ter a melhor máquina de tingir do mundo, mas se não tiver um operador capacitado para tocá-la e uma boa equipe de suporte não vai adiantar nada. É preciso que o industrial compreenda que o mundo mudou e vai mudar cada vez mais. Muitos ainda pensam como 20 anos atrás. Criar empresa é fácil, geri-la é que é difícil.

ITT Press: Para finalizar, qual é a sua mensagem para o industrial têxtil brasileiro?

Kuhn: Não esperar que o governo faça por ele. O empresário deve fazer sua parte e continuar pressionando, manifestando sua posição, exigindo, se preciso nas ruas, um país melhor. O brasileiro há muito tempo desaprendeu a pensar no futuro. Está sempre preocupado com o que vai acontecer amanhã. Está na hora de se preparar para o presente sem deixar de pensar como será nossa indústria daqui a dez anos.

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

Publicado por ITT Press - International Top Trends - ed.106

Data de publicação: 05/06/2017

Galeria de fotos desta matéria

Conteúdo relacionado


Varejo cresce 12% com as promoções da Semana do Brasil
Cosméticos, com crescimento de 19% entre 6 e 11 de setembro; seguido por móveis e eletrônicos (16%), supermercados (13%) e vestuário e artigos esportivos (7%), foram os setores cujas vendas foram impulsionadas durante os quatro primeiros dias da Semana do Brasil, idealizada pelo governo federal para ser a “Black Friday” brasileira e estimular o comércio em todo o país.  2019-09-18 - Tags: cielo cosmeticos black friday semana do brasil resultados artigos esportivos

Varejistas defendem moda com responsabilidade social e ambiental no Latam 2019
Durante o Latam Retail Show 2019, maior evento dedicado ao varejo da América Latina, realizado de 27 a 29 de agosto no Expor Center Norte, em São Paulo, a Abvtex (Associação Brasileira do Varejo Têxtil) debateu a responsabilidade social e ambiental na moda com dois grandes varejistas do setor, Pernambucanas e Riachuelo.  2019-09-06 - Tags: acordo mercosul uniao europeia programa abvtex edmundo lima projeto smart marcella kanner abvtex ariel claudio tolchinsky pernambucanas latam retail show 2019

Dafiti passa a ter Gap em seu portfólio
Líder em e-commerce de moda na América Latina, a Dafiti acaba de introduzir em seu portfólio a icônica marca norte-americana Gap, que está completando 50 anos de lançamento. Tudo começou em São Francisco, na Califórnia, em 1969 quando Don e Doris Fisher abriram sua primeira loja da Gap na Ocean Avenue.  2019-08-29 - Tags: dafiti gap ocean avenue moda malte huffmann dafiti group

Vicunha Têxtil discute gestão hídrica em painel de sustentabilidade
A gigante têxtil participa de sala temática do Congresso Brasileiro de Algodão (CBA), que acontece durante a 12ª edição do Congresso do Algodão Brasileiro em Goiânia, de 27 a 29 de agosto, junto à Associação Brasileira dos Produtores de Algodão e o Movimento Ecoera.  2019-08-27 - Tags: vicunha textil sustentabilidade pegada hidrica marcio portocarrero chiara gadaleta

Mesmo tímido inverno aquece as vendas no varejo
O movimento de vendas do varejo da capital paulista cresceu em média 1,3% na primeira quinzena de agosto frente ao mesmo período de 2018. O dado é do Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo. “A leve alta das vendas a prazo ocorreu em razão da variação climática, que levou consumidores a comprarem itens específicos de inverno", comenta Marcel Solimeo, da ACSP.  2019-08-20 - Tags: varejo inverno vendas acsp scpc marcel solimeo iemi abvtex

Lojas Renner promove capacitação em oficinas têxteis
A Lojas Renner, maior varejista de moda do Brasil, iniciou em 2019 um novo ciclo da parceria com alguns de seus fornecedores e o Sebrae, que oferece capacitação e consultoria em oficinas têxteis contratadas por estes fornecedores.  2019-08-14 - Tags: renner oficina textil varejista sebrae clarice martins costa sustentabilidade

Internautas buscam informações on-line antes de ir às lojas
Quando se trata de eletrodomésticos, celulares e smartphones e eletrônicos, 97% dos internautas brasileiros buscam informações na internet antes de comprar em lojas físicas, enquanto 84% fazem o caminho inverso, pesquisando em lojas físicas antes de comprar na internet.  2019-07-26 - Tags: eletrodosmeticos celulares smartphones eletronicos confederaçao nacional de dirigentes lojistas

MPT-GO firma acordo para contratação de alunos dos projetos de empregabilidade
O Ministério Público do Trabalho em Goiás (MPT-GO) assinou um termo de cooperação técnica com o Grupo Mega Moda, formado pelo Mega Moda Shopping, Mega Moda Park, Mini Moda, Clube de Costura, Praça da Moda e Mega Moda Hotel, para viabilizar a contratação dos alunos de projetos de empregabilidade do órgão.  2019-07-24 - Tags: ministerio publico do trabalho goias costurando poemas mega moda hotel praça da moda tiago ranieri

A indústria do vestuário e o desafio da sustentabilidade
Para alcançar o grande desafio da sustentabilidade, a indústria do vestuário deverá, cada vez mais, trabalhar de forma colaborativa e seus profissionais precisam estar preparados para interagir com todos os parceiros ao longo da cadeia de abastecimento, e até mesmo com seus concorrentes.  2019-07-12 - Tags: textil textile intelligence cultura fashion vestuario global apparel markets moda

Vendas de máquinas de costura crescem 30% em 2019
Impulsionadas principalmente pelo setor de artesanato, a indústria de máquinas de costura tem registrado um crescimento robusto nos últimos anos no Brasil, especialmente durante o período conhecido como “pós-crise”. Segundo a Andrade Máquinas, as vendas de máquinas domésticas já acumula alta de 30% no 1º semestre deste ano em relação ao mesmo período de 2018.  2019-07-08 - Tags: costura maquinas mercado costura industrial andrade maquinas profissionais textil

Lançamento do Relatório 2018 do Programa ABVTEX
A Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX) e as varejistas associadas que representam cerca de 90 marcas do varejo de moda nacionais e internacionais atuam fortemente na formalização do trabalho com o Programa ABVTEX, considerado o maior esforço setorial em prol da responsabilidade socioambiental, do compliance e na promoção do trabalho digno.  2019-07-01 - Tags: abvtex textil varejo moda nacional moda internacional programa abvtex

Varejo de interação: como proporcionar experiências para o consumidor?
Você sabia que as inovações tecnológicas podem refletir oportunidades positivas para a sua loja, fidelizar clientes e serem ótimas ações para encantar consumidores? Isso é possível graças às tecnologias como Omnichannel, RFID, Big Data, QR Code e inteligência artificial.  2019-06-28 - Tags: rfid big data qr code vitrine interativa fabio avellar varejo interacao mercado

Renner lidera ranking das varejistas de moda de maior reputação para o brasileiro
Em pesquisa realizada pela consultoria de marketing DOM Strategy Partners, a Renner foi eleita a empresa com negócios no segmento varejista de moda de melhor reputação entre todas as outras que produzem no Brasil. A marca conquistou 7,62 pontos e foi classificada como "forte" na mensuração de valores adotada pela consultoria.  2019-06-27 - Tags: dom strategy partners reputation index by dom strategy partners renner varejo ranking

Varejo de SP cresce 1,4% na 1ª quinzena de junho, diz ACSP
O movimento de vendas do varejo da capital paulista cresceu em média 1,4% na primeira quinzena de junho de 2019, frente ao mesmo período de 2018, segundo o Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). A média resulta das altas de 2% do sistema a prazo e de 0,8% do sistema à vista.  2019-06-19 - Tags: associacao comercial de sao paulo acsp marcel solimeo varejo mercado sao paulo

Escolaridade tem influência na formalização dos negócios no Brasil
O empreendedorismo no Brasil ainda é uma atividade profundamente marcada pela informalidade. Dados do IBGE apontam que dos 28,4 milhões de donos de negócio no país, cerca de 2/3 afirmam não possuir CNPJ. Estudo inédito do Sebrae, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE), mostra que essa informalidade é determinada por aspectos estruturais, em especial o nível de escolaridade.  2019-06-19 - Tags: empreendedorismo educacao informalidade escolaridade sebrae cnpj

Haco anuncia investimentos de mais de 20 milhões em fábricas de Santa Catarina
A Haco investirá mais de R$ 20 milhões nas fábricas em Santa Catarina. O investimento ampliará a capacidade da empresa em função do crescimento das vendas nos últimos anos. Uma parte do orçamento será para a aquisição de dezenas de novos teares para a produção de etiquetas tecidas de alta definição.  2019-06-07 - Tags: haco santa catarina parque fabril alberto conrad lowndes investimento jeanswear luciano mondini projeto rfid

Instituto C&A apoia primeiro fórum internacional de moda sustentável do país
Na semana do Meio Ambiente, o Instituto C&A estará presente no primeiro fórum internacional de moda sustentável do Brasil. O Rio Ethical Fashion (REF), idealizado pela estilista Yamê Reis, acontecerá entre os dias 6 e 8 de junho, no IED Rio e no Oi Casa Grande, ambos no Rio de Janeiro. O intuito do evento será debater, criar parcerias, inspirar e difundir os valores da sustentabilidade na moda brasileira.  2019-05-31 - Tags: agenda moda brasil c&a foundation rio ethical fashion meio ambiente yame reis fashion for good giuliana ortega

Famílias de baixa renda representam 49% do consumo de roupas e calçados esportivos no Brasil
Os consumidores brasileiros menos favorecidos, com rendimentos familiares mensais de até R$ 2.489, estão comprando cada vez mais calçados e roupas esportivas. Em 2016 eles representavam 42% das vendas, índice que saltou para 49% em 2018, como revela o monitoramento contínuo do The NPD Group (www.npd.com) com shoppers em todo o país.  2019-05-29 - Tags: baixa renda roupas esportivas npd group consumo mercador esportivo

Grupo Malwee seleciona startups para inserir varejo de rua no mundo digital
O Grupo Malwee lançou chamada no Edital de Inovação para a indústria a fim de selecionar projetos inovadores apresentados por startups. Serão escolhidas até cinco propostas que utilizem ferramentas destinadas a oferecer uma experiência de compra diferenciada e inovadora, como a inserção de lojistas multimarcas no mundo digital.  2019-05-28 - Tags: sebrae grupo malwee edital de inovacao institutos senai de tecnologia new retail illan sztejnman

Senai Cetiqt desenvolve ponto de vendas em realidade virtual
É fato que os consumidores estão, cada vez mais, preferindo as compras virtuais às físicas. Até 2021, segundo uma pesquisa do Google, 67,4 milhões de pessoas farão sua primeira compra pela Internet. E se ao invés de elas apenas escolherem peças estáticas em uma página de internet pudessem passear virtualmente por uma loja de verdade?  2019-05-24 - Tags: senai cetiqt ponto de experiencia de consumo angelica coelho ponto de vendas realidade virtual