Language
home » moda & varejo »

Marketing

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

O novo made in China

A Les Lunes, marca de moda sediada em Paris e São Francisco, aprovisiona as peças de vestuário numa fábrica no distrito de Qingpu, nos arredores de Xangai. Nessa fábrica, revela o portal Fast Company, é possível encontrar os filhos das costureiras a brincar em espaços criados para os receber e, na hora de almoço, os trabalhadores reúnem-se numa divisão ensolarada para comer e conversar. Muitos são amigos próximos, trabalhando na fábrica há décadas. Este parece um mundo distante da típica imagem da vida fabril na China.

«Ao contrário de outras partes da China, onde os trabalhadores migram de outras cidades para trabalhar em fábricas, todos os 50 funcionários são da aldeia onde a fábrica está localizada», explica Anna Lecat, fundadora e CEO da Les Lunes, ao portal.

Depois de mais de duas décadas a trabalhar com fábricas do país, Lecat quer mudar a perceção de que o “made in China” se traduz em trabalhadores mal tratados e produtos de má qualidade. Não está sozinha. Uma vaga de empresas de moda ocidentais que se concentram na produção ética – incluindo a Grana, Ellie Kai, Everlane e Caraa – está agora a apostar numa nova geração de fábricas chinesas que paga salários dignos aos trabalhadores, oferece condições de trabalho agradáveis e horários razoáveis e produz vestuário, calçado e acessórios de qualidade.

Nos últimos anos, os consumidores estão cada vez mais conscientes sobre questões de aprovisionamento. Mas, segundo Marshal Cohen, analista de retalho no grupo NPD, os clientes estão dispostos a pagar mais 10% a 15% por vestuário produzido de forma ética.

Como resultado, uma série de startups de moda optou por produzir os seus produtos nos EUA para oferecer aos clientes mais transparência. O movimento está alinhado com o esforço para trazer a produção de volta à casa (reshoring) – em parte devido a uma crescente frustração pela perda de empregos industriais para os trabalhadores estrangeiros. Ainda assim, como a economia de mercado mantém a maioria das fábricas no exterior, algumas empresas estão a argumentar que as fábricas chinesas não são tão más como se faz parecer e que o “made in China” não implica necessariamente baixa qualidade.

Condições de trabalho

Ao longo dos anos, Anna Lecat sempre teve facilidade em encontrar fábricas que combinem com os seus valores em Xangai. Lecat defende que a produção de alta qualidade está muitas vezes – embora não sempre – ligada a melhores condições de trabalho. Em Xangai, uma cidade próspera, é difícil encontrar trabalhadores de fábrica, por isso os empregadores precisam de competir por talento: isso significa oferecer melhores salários e benefícios. Por conseguinte, isso leva a um menor volume de negócios e, por consequência, os trabalhadores tendem a ter mais experiência nas suas tarefas. No caso da Les Lunes, isto significa que as costureiras são hábeis a costurar tecidos delicados e a lidar com rendas complexas.

As condições de trabalho nas fábricas chinesas estão em trajetória ascendente, de acordo com o investigador Keegan Elmer, da China Labour Bulletin, organização que apoia os movimentos de trabalhadores na China. Mas isso não quer dizer que sejam universalmente éticas. «Um dos problemas com a avaliação do estado da fábrica chinesa é que as coisas são muito irregulares», ressalva Elmer.

Os padrões do local de trabalho podem variar por província e região, por exemplo. Em 1980, Pequim designou as regiões de Shenzhen, Guangzhou, Hong Kong e Macau como zonas económicas especiais, oferecendo incentivos fiscais aos empresários chineses e ao investimento estrangeiro para a criação de unidades fabris. Empresas de todo o mundo reconheceram ali uma oportunidade para tirar partido de uma força de trabalho barata e muitas marcas americanas e europeias começaram a deslocalizar a sua produção para a China. Atualmente, a área representa apenas 5% da população do país, mas produz um quarto das exportações.

Para acompanhar este volume de produção, os proprietários das fábricas de Shenzhen dependem do fluxo constante de trabalhadores de regiões próximas em busca de oportunidades. A maioria trabalha durante curtos períodos e, depois, muda-se para as cidades em busca de empregos mais bem remunerados e menos servis – ou regressa a casa com mais de dinheiro no banco. Essa cultura de trabalhadores migrantes de curto prazo significa que os proprietários de fábricas tendem a tratar os funcionários como substituíveis, pelo que não se incomodam em investir em bons salários ou em locais de trabalho agradáveis. Com falta de formação ou experiência, não surpreende que os produtos que fazem tendam a ser de má qualidade.

Mas mesmo em Shenzhen, a cultura de fábrica de vestuário está a começar a mudar. Muitos locais de trabalho tornaram-se mais limpos, mais seguros e mais profissionais. O trabalho em si tende a ser menos árduo e os trabalhadores tendem a trabalhar menos horas. Depois de anos de greves – e de três décadas da política do filho único ter limitado a população ativa –, os trabalhadores migrantes viram o seu poder crescer ligeiramente, à medida que uma geração com mais formação ingressou na força de trabalho.

De acordo com Benjamin Cavender, diretor do China Market Research Group, as fábricas estão também a automatizar cada vez mais as suas linhas de produção, o que significa menos tarefas de trabalho intensivo para os trabalhadores.

As grandes marcas internacionais estão a pressionar as fábricas com as quais se associam a transformar os edifícios em espaços mais ecológicos, bem como a procurar garantir que os trabalhadores sejam tratados com justiça.

O governo chinês também procurou criar proteções para os trabalhadores, incluindo contratos escritos e compensação por despedimento. No entanto, refere Elmer, muitas fábricas não pagam aos trabalhadores todos os benefícios que lhes são legalmente devidos. «Há problemas universais mesmo em algumas das melhores fábricas», admite. «Na realidade, em muitos casos, estes seguros sociais são mal pagos ou nem chegam a ser pagos. Isso motiva greves e protestos regulares dos trabalhadores».

Não obstante, este progresso foi uma das principais razões que fez com que Liz Hostetter encontrasse uma confeção em Shenzhen quando lançou a marca de vestuário feminino Ellie Kai, há cinco anos. Hostetter estava a viver em Hong Kong desde 2008 e reconheceu a próspera indústria de confeção na cidade. Assim, fundou a Ellie Kai, que permite que as clientes escolham de uma seleção de peças e tecidos e, de seguida, os personalizem. Os produtos chegam à casa da cliente três semanas depois do pedido.

A deslocalização

Contudo, o movimento em direção a fábricas mais éticas na China não sinaliza uma tendência global. Cada vez mais, as empresas chinesas procuram mão-de-obra barata noutras regiões da Ásia e no resto do mundo, perpetuando os padrões que outrora governaram Shenzhen. Muitos empresários começaram a comprar fábricas no Vietname, Índia, Malásia ou Sri Lanka.

Na esperança de conter a maré de deslocalizações de fábricas para outras regiões da Ásia, o governo chinês passou a oferecer subsídios às empresas que apenas se mudassem para outras regiões dentro da China, onde os salários podem ser até 30% mais baratos.

Face à deslocalização, uma subdivisão de fábricas chinesas está a estabelecer uma cultura de produção premium, afirma Luke Grana, fundador da Grana, empresa de vestuário com sede em Hong Kong.

A Grana compra linho da centenária Baird McNutt, na Irlanda, lã merino do grupo Albini e popelina de uma empresa familiar em Avignon, na França. As matérias-primas são enviadas para um conjunto de fábricas em Huzhou e Guangdong, não muito longe de Hong Kong, onde fabricantes de vestuário sabem cortar e costurar esses materiais caros adequadamente. «São realmente especialistas e técnicos qualificados», garante Luke Grana.

 

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

por Portugal Têxtil
https://www.portugaltextil.com/o-novo-made-in-china/

Data de publicação: 31/05/2017

Conteúdo relacionado


STALKER monta loja na ABF Expo Franchising e apresenta coleção Outono/Inverno 2018
O estande de 50 metros quadrados ganha o formato das lojas STALKER, mostrando a coleção Outono/Inverno 2018, fotografada em Nova York. A ideia é encantar interessados em ingressar no mundo das franquias do segmento Moda/Confecção que visitarem a ABF Expo Franchising, de 27 a 30 de junho, na Expo Center Norte, em São Paulo (SP).  2018-06-20 - Tags: abf franchising expo stalker grupo sand beach ana machado selo excelencia em franchising

Rhodia amplia a família de fios Amni® mesclas, unindo cor, brilho e sustentabilidade
Nos dias 18,19 e 20 de junho, a Rhodia apresenta, em seu espaço no Salão Moda Brasil, no São Paulo Expo, em São Paulo, sua linha completa de fios sustentáveis, com destaque para a nova a gama de fios Amni® Mescla Shine e para o Amni Soul Eco®.  2018-06-18 - Tags: rhodia amni soul eco gbu fibras salao moda brasil 2018 amni mescla shine amni soul eco

27ª MilanoUnica - Uma visão contemporânea e envolvente para o outono/inverno 2020
A Área de Tendências da Milano Unica é o coração criativo do evento. Para o próximo Outono-Inverno 20, o tema proposto é “Nations to Nations”, um manifesto que resulta na combinação dos valores do artesanato, tradição e inovação entre o passado e o presente pesquisados em diferentes culturas de alguns países.  2018-06-15 - Tags: milanounica organic grunge essenzialismo artigianale tecno romantico outono inverno 2020

ABVTEX anuncia Angela Bozzon no cargo de gerente do Programa ABVTEX
A contratação da executiva, que acumula mais de 25 anos de experiência na gestão da cadeia de valor da moda, faz parte do projeto de evolução do Programa ABVTEX, considerado o maior esforço setorial da moda no Brasil em prol da responsabilidade social, do compliance e na promoção do trabalho digno, que desde 2010 vem combatendo o uso de trabalho análogo ao escravo, infantil e estrangeiro irregular ao longo de toda cadeia produtiva.  2018-06-12 - Tags: programa abvtex angela bozzon abvtex edmundo lima gestora

Compras feitas pela internet garantem o “direito de arrependimento”
Mesmo com o fraco desempenho da economia brasileira nos últimos anos, o mercado de varejo online apresenta números extremamente positivos. De acordo com uma pesquisa realizada pela consultoria E-Consulting, o setor deve movimentar mais de R$ 77 bilhões no ano de 2018.  2018-06-11 - Tags: e-consulting codigo de defesa do consumidor direito do consumidor ponto de vista comercio eletronico

Por que sua empresa precisa estar pronta para o mobile?
O Brasil já contabiliza mais celulares que pessoas. De acordo com a Anatel, em janeiro de 2018 o país somava 236,5 milhões de linhas móveis e, segundo o IBGE, a população é de 207,7 milhões de habitantes. Este cenário traz consigo muitas mudanças de comportamento no que diz respeito a como os consumidores navegam e fazem suas compras.  2018-06-11 - Tags: aplicativo mobile omnishopper apps ponto de vista marketing

WGSN revela a cor do ano 2020, alinhada às novidades que esse ano reserva para o mundo
Há anos imaginamos como seria a vida em 2020 e, agora, os mundos da tecnologia e da ciência estão transformando esses sonhos em realidade. Será o ano em que a visão "super-futurista" se torna realidade. No burburinho em torno desses tempos futuristas, haverá também tendências com relação as cores que captam essa sensibilidade.  2018-06-06 - Tags: neomint wgsn 2020 jane monnington boddy cores cartela de cores olimpiada da ia jeddah tower

Novos uniformes da Delta, desenhados pelo estilista Zac Posen, estreiam em todo o mundo
Criado pelo aclamado designer de moda Zac Posen e desenvolvido com a qualidade da Lands' End, o design da coleção apresenta caimento, formato e funcionalidade inovadores, trazendo o futuro em grande estilo para o visual da Delta. Essa coleção é uma forte declaração da marca, mudando a aparência de uma transportadora tradicional dos Estados Unidos com glamour e sofisticação, oferecendo praticidade aos funcionários em trânsito da Delta  2018-06-04 - Tags: zac posen delta delta sky club ed bastian passport plum cruising cardinal groundspeed graphite traveling thistle skyline slate

Projeto “Tricô também é Moda” chega à universidade catarinense
Estudos indicam que a técnica do tricô surgiu no antigo Egito a partir do tecer de madeiras e ossos, mas séculos depois esta prática ganhou outros patamares, novos pontos, texturas e mercados que reservam cada vez mais um espaço cativo no universo da moda.  2018-06-04 - Tags: circulo s/a rodrigo zen unifebe trico centro universitario de brusque design de moda trico tambem e moda

Estilista assina uniformes de grandes empresas promovendo o design no mundo corporativo
Os uniformes evoluem significativamente ao longo dos anos, enviam várias mensagens, melhoram a imagem profissional, incorporam o propósito da empresa e conseguem corresponder à estratégias de negócios. No mundo, esta parceria entre estilista e empresas, sobretudo companhias aéreas já é reconhecida e celebrada pelo público.  2018-05-30 - Tags: azul linha aereas uniformes corporativos tereza santos veste rio 2018 imagem profissional

Marketing Olfativo é opção para empresas fidelizarem consumidores
Capaz de estimular certas áreas do nosso cérebro responsáveis por criar emoções e memórias, o marketing olfativo passou a ser cada vez mais explorado pelas marcas. A estratégia é bastante promissora pelo fato de associar um determinado aroma a uma marca e, assim, fidelizar o consumidor àquele produto.  2018-05-30 - Tags: marketing olfativo olfato starbucks marketing varejo consumidor emocao psicologia

Lycra completa 60 anos antenada no novo consumidor
Lycra®, uma das marcas mais conhecidas do mundo, que há 60 anos revolucionou a indústria do vestuário ao lançar o fio elastano com “memória”, ou seja, capaz de esticar e voltar ao estado original sem deformar, mostrou que continua na vanguarda ao apresentar as tendências de mercado para a cadeia têxtil com conteúdo inovador.  2018-05-25 - Tags: trend session denise sakuma camila salek evilasio miranda nellyrodi lycra

Senai Cetiqt vai estimular biostartups voltadas ao mercado da moda
Um dos grandes problemas enfrentados pelas indústrias de moda hoje é a destinação de resíduos dos produtos fabricados. A fim de propor soluções para essa questão, o Senai Cetiqt, em parceria com o Sebrae, acaba de lançar o projeto Biostartups Moda, de abrangência nacional.  2018-05-25 - Tags: senai cetiqt sebrae biostartups moda bernardo queiroz biostartups

Netshoes desenvolve e implementa plataforma própria de e-commerce
A Netshoes anuncia o lançamento oficial de uma nova plataforma de tecnologia para comércio eletrônico. Como parte do plano de reestruturação na área de tecnologia da organização, o novo sistema foi 100% desenhado pelo time interno, de forma a atender as necessidades da companhia e focado principalmente em melhorias para os clientes.  2018-05-25 - Tags: netshoes plataforma de tecnologia para comercio eletronico ecommerce andre petenussi

O maior evento sobre moda sustentável pelo olhar de uma brasileira
Durante dois dias a capital dinamarquesa se transformou no centro do mundo da moda sustentável. Longe do glamour das temporadas de moda em Paris, Milão e Nova York, a indústria da moda debateu temas importantes para a sustentabilidade do setor, na décima edição do Copenhagen Fashion Summit, que foi realizado nos dias 15 e 16 de maio.  2018-05-22 - Tags: copenhagen fashion summit scmc santa catarina moda e cultura amelia malheiros texbrasil

'Moda Torna-se Digital' reúne lideranças da moda para discutir a Indústria 4.0
A Lectra, parceira tecnológica de empresas que utilizam tecidos e couros, colocou a teoria em prática durante evento realizado em sua sede em Bordeaux, em que apresentou a sua mais recente Sala de Corte 4.0 a mais de 100 profissionais da indústria da moda.  2018-05-16 - Tags: lectra celine choussy bedouet jean yves collet bordeaux international advanced technology center nora kuhner fashion design

As impressões sobre a exposição do Costume Institute - Heavenly Bodies
Morando há dez anos em Nova York, Marcia conferiu de perto a maior exposição do Costume Institute no Met, intitulada Heavenly Bodies. O centro da exposição é na galeria de Arte Medieval e Bizantina, que é monumental e grandiosa recriando as igrejas europeias “Bem diferente da exposição do ano passado, que homenageou Rei Kawakubo, essa ocupa várias salas e nichos.  2018-05-14 - Tags: nova york heavenly bodies costume institute no met rei kawakubo met gala new york fashion tour

Geração 501® comemora 145 anos da Levi’s 501® com grande evento na Casa de Francisca
Para comemorar os 145 anos da Levi’s 501®, um dos modelos mais icônicos da história do jeanswear mudial, a Levi’s® preparou o Geração 501®, projeto que reúne um time de peso do cenário da música independente. Nos dois primeiros fins de semana de maio (11, 12, 18 e 20/5), a marca abre grande evento na Casa de Francisca com uma programação que envolve moda e música.  2018-05-11 - Tags: levis 501 geracao 501 jeanswear classico casa de francisca rico dalassam karol conka

Ronaldo Fraga mostra arte e moda do Brasil em Miami
Nessa terça-feira (8), Miami tem dia especial com arte, moda e arquitetura brasileira. O estilista, cenógrafo e autor Ronaldo Fraga participa da conferência de artes visuais promovida pelo The55Project, que reúne artistas, educadores e fundadores de projetos sociais para a criação de uma série de eventos evidenciando a arte brasileira.  2018-05-08 - Tags: ronaldo fraga miami the55project focus brasil simply marketing