Language
home » moda & varejo »

Marketing

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

O novo made in China

A Les Lunes, marca de moda sediada em Paris e São Francisco, aprovisiona as peças de vestuário numa fábrica no distrito de Qingpu, nos arredores de Xangai. Nessa fábrica, revela o portal Fast Company, é possível encontrar os filhos das costureiras a brincar em espaços criados para os receber e, na hora de almoço, os trabalhadores reúnem-se numa divisão ensolarada para comer e conversar. Muitos são amigos próximos, trabalhando na fábrica há décadas. Este parece um mundo distante da típica imagem da vida fabril na China.

«Ao contrário de outras partes da China, onde os trabalhadores migram de outras cidades para trabalhar em fábricas, todos os 50 funcionários são da aldeia onde a fábrica está localizada», explica Anna Lecat, fundadora e CEO da Les Lunes, ao portal.

Depois de mais de duas décadas a trabalhar com fábricas do país, Lecat quer mudar a perceção de que o “made in China” se traduz em trabalhadores mal tratados e produtos de má qualidade. Não está sozinha. Uma vaga de empresas de moda ocidentais que se concentram na produção ética – incluindo a Grana, Ellie Kai, Everlane e Caraa – está agora a apostar numa nova geração de fábricas chinesas que paga salários dignos aos trabalhadores, oferece condições de trabalho agradáveis e horários razoáveis e produz vestuário, calçado e acessórios de qualidade.

Nos últimos anos, os consumidores estão cada vez mais conscientes sobre questões de aprovisionamento. Mas, segundo Marshal Cohen, analista de retalho no grupo NPD, os clientes estão dispostos a pagar mais 10% a 15% por vestuário produzido de forma ética.

Como resultado, uma série de startups de moda optou por produzir os seus produtos nos EUA para oferecer aos clientes mais transparência. O movimento está alinhado com o esforço para trazer a produção de volta à casa (reshoring) – em parte devido a uma crescente frustração pela perda de empregos industriais para os trabalhadores estrangeiros. Ainda assim, como a economia de mercado mantém a maioria das fábricas no exterior, algumas empresas estão a argumentar que as fábricas chinesas não são tão más como se faz parecer e que o “made in China” não implica necessariamente baixa qualidade.

Condições de trabalho

Ao longo dos anos, Anna Lecat sempre teve facilidade em encontrar fábricas que combinem com os seus valores em Xangai. Lecat defende que a produção de alta qualidade está muitas vezes – embora não sempre – ligada a melhores condições de trabalho. Em Xangai, uma cidade próspera, é difícil encontrar trabalhadores de fábrica, por isso os empregadores precisam de competir por talento: isso significa oferecer melhores salários e benefícios. Por conseguinte, isso leva a um menor volume de negócios e, por consequência, os trabalhadores tendem a ter mais experiência nas suas tarefas. No caso da Les Lunes, isto significa que as costureiras são hábeis a costurar tecidos delicados e a lidar com rendas complexas.

As condições de trabalho nas fábricas chinesas estão em trajetória ascendente, de acordo com o investigador Keegan Elmer, da China Labour Bulletin, organização que apoia os movimentos de trabalhadores na China. Mas isso não quer dizer que sejam universalmente éticas. «Um dos problemas com a avaliação do estado da fábrica chinesa é que as coisas são muito irregulares», ressalva Elmer.

Os padrões do local de trabalho podem variar por província e região, por exemplo. Em 1980, Pequim designou as regiões de Shenzhen, Guangzhou, Hong Kong e Macau como zonas económicas especiais, oferecendo incentivos fiscais aos empresários chineses e ao investimento estrangeiro para a criação de unidades fabris. Empresas de todo o mundo reconheceram ali uma oportunidade para tirar partido de uma força de trabalho barata e muitas marcas americanas e europeias começaram a deslocalizar a sua produção para a China. Atualmente, a área representa apenas 5% da população do país, mas produz um quarto das exportações.

Para acompanhar este volume de produção, os proprietários das fábricas de Shenzhen dependem do fluxo constante de trabalhadores de regiões próximas em busca de oportunidades. A maioria trabalha durante curtos períodos e, depois, muda-se para as cidades em busca de empregos mais bem remunerados e menos servis – ou regressa a casa com mais de dinheiro no banco. Essa cultura de trabalhadores migrantes de curto prazo significa que os proprietários de fábricas tendem a tratar os funcionários como substituíveis, pelo que não se incomodam em investir em bons salários ou em locais de trabalho agradáveis. Com falta de formação ou experiência, não surpreende que os produtos que fazem tendam a ser de má qualidade.

Mas mesmo em Shenzhen, a cultura de fábrica de vestuário está a começar a mudar. Muitos locais de trabalho tornaram-se mais limpos, mais seguros e mais profissionais. O trabalho em si tende a ser menos árduo e os trabalhadores tendem a trabalhar menos horas. Depois de anos de greves – e de três décadas da política do filho único ter limitado a população ativa –, os trabalhadores migrantes viram o seu poder crescer ligeiramente, à medida que uma geração com mais formação ingressou na força de trabalho.

De acordo com Benjamin Cavender, diretor do China Market Research Group, as fábricas estão também a automatizar cada vez mais as suas linhas de produção, o que significa menos tarefas de trabalho intensivo para os trabalhadores.

As grandes marcas internacionais estão a pressionar as fábricas com as quais se associam a transformar os edifícios em espaços mais ecológicos, bem como a procurar garantir que os trabalhadores sejam tratados com justiça.

O governo chinês também procurou criar proteções para os trabalhadores, incluindo contratos escritos e compensação por despedimento. No entanto, refere Elmer, muitas fábricas não pagam aos trabalhadores todos os benefícios que lhes são legalmente devidos. «Há problemas universais mesmo em algumas das melhores fábricas», admite. «Na realidade, em muitos casos, estes seguros sociais são mal pagos ou nem chegam a ser pagos. Isso motiva greves e protestos regulares dos trabalhadores».

Não obstante, este progresso foi uma das principais razões que fez com que Liz Hostetter encontrasse uma confeção em Shenzhen quando lançou a marca de vestuário feminino Ellie Kai, há cinco anos. Hostetter estava a viver em Hong Kong desde 2008 e reconheceu a próspera indústria de confeção na cidade. Assim, fundou a Ellie Kai, que permite que as clientes escolham de uma seleção de peças e tecidos e, de seguida, os personalizem. Os produtos chegam à casa da cliente três semanas depois do pedido.

A deslocalização

Contudo, o movimento em direção a fábricas mais éticas na China não sinaliza uma tendência global. Cada vez mais, as empresas chinesas procuram mão-de-obra barata noutras regiões da Ásia e no resto do mundo, perpetuando os padrões que outrora governaram Shenzhen. Muitos empresários começaram a comprar fábricas no Vietname, Índia, Malásia ou Sri Lanka.

Na esperança de conter a maré de deslocalizações de fábricas para outras regiões da Ásia, o governo chinês passou a oferecer subsídios às empresas que apenas se mudassem para outras regiões dentro da China, onde os salários podem ser até 30% mais baratos.

Face à deslocalização, uma subdivisão de fábricas chinesas está a estabelecer uma cultura de produção premium, afirma Luke Grana, fundador da Grana, empresa de vestuário com sede em Hong Kong.

A Grana compra linho da centenária Baird McNutt, na Irlanda, lã merino do grupo Albini e popelina de uma empresa familiar em Avignon, na França. As matérias-primas são enviadas para um conjunto de fábricas em Huzhou e Guangdong, não muito longe de Hong Kong, onde fabricantes de vestuário sabem cortar e costurar esses materiais caros adequadamente. «São realmente especialistas e técnicos qualificados», garante Luke Grana.

 

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

por Portugal Têxtil
https://www.portugaltextil.com/o-novo-made-in-china/

Data de publicação: 31/05/2017

Conteúdo relacionado


FARM e Enjoei juntos dão novo significado a peças usadas e prolongam o ciclo da moda
A FARM e o Enjoei, maior marketplace de usados do Brasil com foco em moda feminina, estão juntos em uma parceria inédita para dar novo significado a peças usadas e, assim, manter o ciclo da moda em movimento. A principal iniciativa prevista pela parceria permite que clientes troquem suas peças FARM por créditos para serem usados na compra de novos itens.  2017-10-20 - Tags: farm enjoei ana luiza mclaren marcello bastos marketplace ciclo da moda

Varejo brasileiro deve crescer 1,4% em 2017
Em 2017, o volume de vendas do comércio varejista brasileiro deve crescer 1,4% em relação a 2016, segundo projeção da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). Em julho, a estimativa da entidade era de que o setor fecharia o ano com leve recuo de 0,4% ― a melhora de cenário se deve a uma queda da inflação, nos últimos meses, maior do que se esperava. Os dados se referem ao varejo restrito, que não considera automóveis e material de construção  2017-10-18 - Tags: varejo brasileiro associacao comercial de sp acsp ponto de vista ibge

Criativo é ser ousado
As marcas e a confecção brasileira precisam encontrar o caminho da diferenciação. Se não conseguimos produzir commodities no vestuário, onde os asiáticos são mais fortes porque fazem grandes volumes a preços baixos e com tecnologia de ponta, a saída é investir na inovação e claro, estar sempre atenta ao comportamento de mercado. Já tivemos no passado grandes marcas influenciadoras de moda, que desfrutavam de um público fiel e que ainda estão na memória dos consumidores.  2017-10-18 - Tags: editorial 107 itt press maria jose de carvalho publisher

Tufi Duek realiza a quarta edição do projeto Think Pink
A grife Tufi Duek inaugurou no dia 10 de outubro, na flagship store da Oscar Freire, sua tradicional exposição Think Pink, aonde convidou mulheres que estão passando pelo processo ou já se curaram do câncer de mama para serem retratadas pelo fotógrafo Leo Faria.  2017-10-16 - Tags: tufi duek think pink exposicao oscar freire leo faria unaccam

Plataforma de novos talentos realiza 1ª edição de evento itinerante
Buscando ir além, a plataforma Estilistas Brasileiros se desdobra em um coletivo de moda, com o objetivo de conectar pequenos empreendedores de moda autoral, consciente e slow fashion aos consumidores. Para estimular os negócios o Coletivo Estilistas Brasileiros contará com mais de 30 marcas de roupas, acessórios e cosméticos.  2017-10-05 - Tags: estilistas brasileiros coletivo estilistas brasileiros senac lapa faustolo cristina chiarastella espaço moni

No Minas Trend um outono-inverno de pura “mineiraria”
De 3 a 6 de outubro, com a participação de 212 expositores, a 10ª edição do Minas Trend que se realiza no Expominas, em Belo Horizonte, encerra as comemorações alusivas aos 10 anos de significado sucesso para os setores de vestuário, calçados/bolsas/bijuterias e acessórios.  2017-10-04 - Tags: minas trend outono inverno 2018 fiemg minas gerais mineiraria 10 anos

ABPS realiza segunda edição do CurveWear juntamente com o Farol da Moda
Entre os dias 25 e 29 de setembro a Associação Brasil Plus Size – ABPS - em parceria com as Escolas Técnicas da Fundação Paula Souza vão realizar a segunda edição do Simpósio Nacional de Negócios de Moda Plus Size – o CurveWear e o Farol da Moda.  2017-09-22 - Tags: curvewear 2017 plus size farol da moda abps alceu penna

Coca-Cola Jeans cria figurino exclusivo para grupo Quabales
No próximo sábado, dia 23 de setembro, um encontro diferente de qualquer outro já visto no Rock in Rio levará as batidas marcadas do projeto Quabales, desenvolvido por Marivaldo do Santos, um dos líderes do grupo STOMP, e apoiado por Ivete Sangalo, para se encontrar com a voz de trovão da musa Margareth Menezes.  2017-09-21 - Tags: quabales margareth menezes coca cola jeans stomp ivete sangalo

Britânnia é destaque no Première Vision Paris Autunm Winter 18-19
Pela nona vez consecutiva, a Britânnia Têxtil - uma das maiores e mais conceituadas tecelagens do setor de moda – esta presente no Première Vision Paris, que acontece entre os dias 19 e 21 de setembro na França, a tecelagem apresenta seu Book 18-19 para as principais marcas de moda do planeta.  2017-09-21 - Tags: britannia textil premiere vision paris autunm winter fashion paris

Belas Artes apresenta novos designers na capital inglesa durante o London Fashion Week
Cinco novos designers brasileiros formados pela graduação de Design de Moda do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo levaram suas criações para a Semana de Moda de Londres, mais especificamente, para a Blaiz – um showroom sediado em Londres que tem como foco apresentar o melhor da moda feminina e designers de acessórios da América Latina para a Europa e em uma plataforma global.  2017-09-18 - Tags: design de moda semana de moda de londres centro universitario belas artes de sao paulo south by southwest

Cultura de feedback assertivo potencializa talentos dentro da empresa
Saber como conversar com os colaboradores nas mais diferentes situações pode mudar o rumo do desempenho do seu negócio e dos relacionamentos dentro de uma organização. Na busca pela melhoria e desenvolvimento coletivo ou individual, cada vez mais as empresas acabam capacitando os gestores para que um feedback assertivo esteja inserido dentro do ambiente de trabalho.  2017-09-06 - Tags: eliani folquening oficina das palavras brandili textil feedback assertivo

Instituto Alinha cria etiqueta para certificar procedência de roupas
Para levar melhor qualidade de vida aos costureiros, mostrar a realidade das oficinas de costura e certificar de que a cadeia têxtil não fez uso de mão de obra análoga ao escravo em sua produção, o Instituto Alinha lançou a etiqueta "Por Trás da Roupa".  2017-09-04 - Tags: instituto alinha flavia aranha por tras da roupa dari santos spfw

Rendart surge unindo paixão com responsabilidade social
Com mais de 30 anos atuando como repórter, Claudia Chapier pôde em diversas viagens conhecer lindos trabalhos sobre uma paixão de infância, que é a renda. Durante trabalhos pelo sertão e interior nordestino, a jornalista conheceu diversas rendeiras, verdadeiras artistas que não tinham condições de explorar isso profissionalmente.  2017-09-04 - Tags: rendart sao paulo rendas claudia chapier

Movimento Sou de Algodão anuncia parceria com Martha Medeiros
O Sou de Algodão, movimento de incentivo ao uso da fibra na indústria têxtil brasileira, acaba de fechar parceria com a estilista alagoana Martha Medeiros, reconhecida por suas confecções em renda. A parceria teve início com o apoio dos books da coleção Sertões – primeira da estilista em algodão – e irá sinalizar as peças com alto índice de algodão em sua composição como participantes do movimento.  2017-09-01 - Tags: sou de algodao abrapa alagoas martha medeiros sertoes

Grupo Malwee fecha parceria com a Associação Brasileira Plus Size
O Grupo Malwee é o mais novo parceiro da Associação Brasileira Plus Size (ABPS), entidade criada ano passado para discutir projetos de fomento de atividades científicas, mercadológicas e tecnológicas para esse nicho de mercado.  2017-09-01 - Tags: grupo malwee abps associacao brasileira plus size wee plus size

TexPrima e Centro-Br trazem Maria Kazakova ao Brasil
Como parte de uma série de programas de investimento à moda brasileira, a TexPrima lançará em parceria com o Centro-br (Centro Brasileiro de Estudos em Design do Vestuário), um novo espaço voltado para novos talentos do país. O start do projeto é a vinda de Maria Kazakova, estilista russa revelação do Prêmio LVMH Prize 2017  2017-09-01 - Tags: texprima maria kazakova spfw jahnkoy centro br

Malha denim Vicunha faz sucesso no desfile da LAB no SPFW
A malha denim Raíssa, da Vicunha Têxtil, foi a aposta do rapper Emicida e seu irmão Evandro Fióti ontem nas passarelas do SPFW, com a coleção batizada de AVUÁ. O artigo, que compôs diferentes peças como camisas, bodys e bermudas da LAB, possui stretch multidirecional que possibilita total conforto e amplitude de movimento aos shapes, reforçando a identidade streetwear da marca.  2017-08-31 - Tags: vicunha textil emicida evandro fioti spfwn44 lab malha denim

Concurso Moda Inclusiva divulga looks finalistas para pessoas com deficiência
A 9ª edição do Concurso Moda Inclusiva já selecionou as 20 melhores propostas de looks para pessoas com deficiência. Nesta edição, se inscreveram estudantes de cursos técnicos, universitários e profissionais das áreas de moda e saúde. O desfile de premiação está previsto para acontecer em dezembro, na capital paulista. Os três melhores colocados serão premiados.  2017-08-31 - Tags: concurso moda inclusiva moda inclusiva moda sao paulo confeccoes concurso

A latinidade do flamenco inspira o jeans exclusivo da 2DNM
Em seu segundo show da São Paulo Fashion Week, a 2DNM continua sua viagem em busca das raízes da latinidade. Desta vez, a grife de Flávia Rotondo e Alexandre Manetti faz um mix do jeans das ruas e a cultura flamenca, iniciada na Espanha e que contou com a contribuição de povos ciganos, árabes, mouros e judeus.  2017-08-30 - Tags: flamenco denim jeanswear spfwm44 2dnm rotondo karen fuke

Consumo sustentável e economia colaborativa
Idealizado a partir dos objetivos do publicitário e empresário Tadeu Almeida em gerar impacto positivo na sociedade e na natureza, o Repassa chegou ao mercado como uma nova tendência, baseado nos verdadeiros conceitos de sustentabilidade, projetos sociais e qualidade. E também para trazer a acessibilidade necessária ao produto, vendedor e comprador.  2017-08-29 - Tags: repassa sustentavel reciclagem economia colaborativa consumo sustentavel