Language
home » moda & varejo »

Marketing

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

O novo made in China

A Les Lunes, marca de moda sediada em Paris e São Francisco, aprovisiona as peças de vestuário numa fábrica no distrito de Qingpu, nos arredores de Xangai. Nessa fábrica, revela o portal Fast Company, é possível encontrar os filhos das costureiras a brincar em espaços criados para os receber e, na hora de almoço, os trabalhadores reúnem-se numa divisão ensolarada para comer e conversar. Muitos são amigos próximos, trabalhando na fábrica há décadas. Este parece um mundo distante da típica imagem da vida fabril na China.

«Ao contrário de outras partes da China, onde os trabalhadores migram de outras cidades para trabalhar em fábricas, todos os 50 funcionários são da aldeia onde a fábrica está localizada», explica Anna Lecat, fundadora e CEO da Les Lunes, ao portal.

Depois de mais de duas décadas a trabalhar com fábricas do país, Lecat quer mudar a perceção de que o “made in China” se traduz em trabalhadores mal tratados e produtos de má qualidade. Não está sozinha. Uma vaga de empresas de moda ocidentais que se concentram na produção ética – incluindo a Grana, Ellie Kai, Everlane e Caraa – está agora a apostar numa nova geração de fábricas chinesas que paga salários dignos aos trabalhadores, oferece condições de trabalho agradáveis e horários razoáveis e produz vestuário, calçado e acessórios de qualidade.

Nos últimos anos, os consumidores estão cada vez mais conscientes sobre questões de aprovisionamento. Mas, segundo Marshal Cohen, analista de retalho no grupo NPD, os clientes estão dispostos a pagar mais 10% a 15% por vestuário produzido de forma ética.

Como resultado, uma série de startups de moda optou por produzir os seus produtos nos EUA para oferecer aos clientes mais transparência. O movimento está alinhado com o esforço para trazer a produção de volta à casa (reshoring) – em parte devido a uma crescente frustração pela perda de empregos industriais para os trabalhadores estrangeiros. Ainda assim, como a economia de mercado mantém a maioria das fábricas no exterior, algumas empresas estão a argumentar que as fábricas chinesas não são tão más como se faz parecer e que o “made in China” não implica necessariamente baixa qualidade.

Condições de trabalho

Ao longo dos anos, Anna Lecat sempre teve facilidade em encontrar fábricas que combinem com os seus valores em Xangai. Lecat defende que a produção de alta qualidade está muitas vezes – embora não sempre – ligada a melhores condições de trabalho. Em Xangai, uma cidade próspera, é difícil encontrar trabalhadores de fábrica, por isso os empregadores precisam de competir por talento: isso significa oferecer melhores salários e benefícios. Por conseguinte, isso leva a um menor volume de negócios e, por consequência, os trabalhadores tendem a ter mais experiência nas suas tarefas. No caso da Les Lunes, isto significa que as costureiras são hábeis a costurar tecidos delicados e a lidar com rendas complexas.

As condições de trabalho nas fábricas chinesas estão em trajetória ascendente, de acordo com o investigador Keegan Elmer, da China Labour Bulletin, organização que apoia os movimentos de trabalhadores na China. Mas isso não quer dizer que sejam universalmente éticas. «Um dos problemas com a avaliação do estado da fábrica chinesa é que as coisas são muito irregulares», ressalva Elmer.

Os padrões do local de trabalho podem variar por província e região, por exemplo. Em 1980, Pequim designou as regiões de Shenzhen, Guangzhou, Hong Kong e Macau como zonas económicas especiais, oferecendo incentivos fiscais aos empresários chineses e ao investimento estrangeiro para a criação de unidades fabris. Empresas de todo o mundo reconheceram ali uma oportunidade para tirar partido de uma força de trabalho barata e muitas marcas americanas e europeias começaram a deslocalizar a sua produção para a China. Atualmente, a área representa apenas 5% da população do país, mas produz um quarto das exportações.

Para acompanhar este volume de produção, os proprietários das fábricas de Shenzhen dependem do fluxo constante de trabalhadores de regiões próximas em busca de oportunidades. A maioria trabalha durante curtos períodos e, depois, muda-se para as cidades em busca de empregos mais bem remunerados e menos servis – ou regressa a casa com mais de dinheiro no banco. Essa cultura de trabalhadores migrantes de curto prazo significa que os proprietários de fábricas tendem a tratar os funcionários como substituíveis, pelo que não se incomodam em investir em bons salários ou em locais de trabalho agradáveis. Com falta de formação ou experiência, não surpreende que os produtos que fazem tendam a ser de má qualidade.

Mas mesmo em Shenzhen, a cultura de fábrica de vestuário está a começar a mudar. Muitos locais de trabalho tornaram-se mais limpos, mais seguros e mais profissionais. O trabalho em si tende a ser menos árduo e os trabalhadores tendem a trabalhar menos horas. Depois de anos de greves – e de três décadas da política do filho único ter limitado a população ativa –, os trabalhadores migrantes viram o seu poder crescer ligeiramente, à medida que uma geração com mais formação ingressou na força de trabalho.

De acordo com Benjamin Cavender, diretor do China Market Research Group, as fábricas estão também a automatizar cada vez mais as suas linhas de produção, o que significa menos tarefas de trabalho intensivo para os trabalhadores.

As grandes marcas internacionais estão a pressionar as fábricas com as quais se associam a transformar os edifícios em espaços mais ecológicos, bem como a procurar garantir que os trabalhadores sejam tratados com justiça.

O governo chinês também procurou criar proteções para os trabalhadores, incluindo contratos escritos e compensação por despedimento. No entanto, refere Elmer, muitas fábricas não pagam aos trabalhadores todos os benefícios que lhes são legalmente devidos. «Há problemas universais mesmo em algumas das melhores fábricas», admite. «Na realidade, em muitos casos, estes seguros sociais são mal pagos ou nem chegam a ser pagos. Isso motiva greves e protestos regulares dos trabalhadores».

Não obstante, este progresso foi uma das principais razões que fez com que Liz Hostetter encontrasse uma confeção em Shenzhen quando lançou a marca de vestuário feminino Ellie Kai, há cinco anos. Hostetter estava a viver em Hong Kong desde 2008 e reconheceu a próspera indústria de confeção na cidade. Assim, fundou a Ellie Kai, que permite que as clientes escolham de uma seleção de peças e tecidos e, de seguida, os personalizem. Os produtos chegam à casa da cliente três semanas depois do pedido.

A deslocalização

Contudo, o movimento em direção a fábricas mais éticas na China não sinaliza uma tendência global. Cada vez mais, as empresas chinesas procuram mão-de-obra barata noutras regiões da Ásia e no resto do mundo, perpetuando os padrões que outrora governaram Shenzhen. Muitos empresários começaram a comprar fábricas no Vietname, Índia, Malásia ou Sri Lanka.

Na esperança de conter a maré de deslocalizações de fábricas para outras regiões da Ásia, o governo chinês passou a oferecer subsídios às empresas que apenas se mudassem para outras regiões dentro da China, onde os salários podem ser até 30% mais baratos.

Face à deslocalização, uma subdivisão de fábricas chinesas está a estabelecer uma cultura de produção premium, afirma Luke Grana, fundador da Grana, empresa de vestuário com sede em Hong Kong.

A Grana compra linho da centenária Baird McNutt, na Irlanda, lã merino do grupo Albini e popelina de uma empresa familiar em Avignon, na França. As matérias-primas são enviadas para um conjunto de fábricas em Huzhou e Guangdong, não muito longe de Hong Kong, onde fabricantes de vestuário sabem cortar e costurar esses materiais caros adequadamente. «São realmente especialistas e técnicos qualificados», garante Luke Grana.

 

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

por Portugal Têxtil
https://www.portugaltextil.com/o-novo-made-in-china/

Data de publicação: 31/05/2017

Conteúdo relacionado


Marca de moda urbanwear se destaca por estampas exclusivas feitas na hora
Pioneira no comércio online de peças personalizadas, a Korova apostou em uma proposta que visa a exclusividade. Marca conta com o apoio da Global Química & Moda no fornecimento de equipamentos e suprimentos para produção do mix.  2017-12-08 - Tags: gqm global quimica e moda epson epson surecolor f2000 korova

Pantone anuncia a cor de 2018 – Ultra Violet
Um tom de roxo dramático, provocativo e pensativo, PANTONE 18-3838 Ultra Violet traz originalidade, engenhosidade e pensamentos visionários que apontam para o futuro. Complexo e contemplativo, Ultra Violet sugere os mistérios do cosmos, a intriga do que está por vir e as descobertas que estão além da nossa compreensão.  2017-12-07 - Tags: pantone 2018 pantone pantone color of the year 2018 pantone 18-3838 ultra violet ultra violet

Egrey, Juliana Jabour e Adriana Barra se reúnem em evento com diversas ações
Entre os dias 8 e 9 de dezembro acontece na Unibes Cultural uma série de ações para levar a moda a todos. Entre eles o 9º desfile do concurso internacional de Moda Inclusiva realizado pela Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, a 2ª edição do MoDe realizado pela Abepem, a Inclusive que traz uma exposição e workshop inédito com o Instituto Irmãos Campana.  2017-12-06 - Tags: mode 2017 abepem moda inclusiva adriana barra juliana jabur mario queiroz isaac silva

Levi’s® lança documentário sobre o projeto de skateboarding em Manaus
Há pouco mais de 10 anos a Levi’s® Global deu início ao projeto DIY – Do It Yourself - de construção de skateparks ao redor do mundo. E a construção dessa pista especial em Manaus, local destinado para acolher essa iniciativa no Brasil, resultou no desenvolvimento de um documentário marcado para estrear dia 04/12, e que estará disponível nas redes sociais da marca a partir do dia 15/12.  2017-11-30 - Tags: levis brasil skateboarding do it yourself manaus levi's® skateboarding

Vitrine: desperte a curiosidade
A curiosidade aproximará seu cliente da vitrine. Essa frase resume o que acontece quando a criatividade é usada da maneira ideal e atrativa, resultando numa comunicação visual eficaz.  2017-11-29 - Tags: vitrine marketing varejo vendas visual merchandising

À La Garçonne inaugura loja no Iguatemi São Paulo
A À La Garçonne, marca de Fábio Souza e que tem Alexandre Herchcovitch no estilo, abriu as portas de sua segunda loja em São Paulo, no Shopping Iguatemi. O espaço recebe as peças da coleção 02-2017, apresentada no último desfile da marca no Theatro Municipal, além de modelos únicos, já que uma das características da ALG são suas peças exclusivas, em especial as pintadas à mão.  2017-11-27 - Tags: a la garçonne fabio souza alexandre herchcovitch shopping iguatemi

O algodão colorido da Paraíba desfila na primeira Semana de Moda Sustentável em São Paulo
A Natural Cotton Color tem participação intensa na Brasil Eco Fashion Week (BEFW), primeira semana de moda sustentável do Brasil que acontece de 21 a 24 de novembro, em São Paulo. A moda produzida em João Pessoa-PB com algodão colorido orgânico vai ocupar a passarela, o showroom, o Espaço LAB e ainda será representada por Francisca Vieira, CEO e estilista da marca, em mesa de conversa sobre "Moda e saberes tradicionais".  2017-11-21 - Tags: natural cotton color brasil eco fashion week befw francisca vieira fashion revolution brasil

O caminho da moda sustentável
O mercado consumidor mundial e brasileiro vêm sofrendo mudanças na maneira como consome. A consciência social e a procura por produtos éticos crescem nas plataformas digitais diariamente e parte da população está mais atenta na hora da compra, buscando marcas que não agridam o meio ambiente.  2017-11-14 - Tags: sustentabilidade universo sustentavel luan valloto nossa roupa que conta historia

Alunos da FGV apresentam tendências e soluções para a moda sustentável
Estudantes da disciplina Formação Integrada para a Sustentabilidade (FIS), da FGV EAESP, e o Moda Limpa criaram o Espaço Lab, uma área de 286 m2 onde os visitantes poderão conhecer iniciativas inspiradoras para o futuro da moda, além dos desafios e das perspectivas para o setor.  2017-11-14 - Tags: fgv fundacao getulio vargas unibes cultural brasil eco fashion week espaço lab sustentabilidade avaliacao do ciclo de vida

Maria Filó comemora 20 anos de trajetória
Foi por meio do trabalho rico em tricô, no Rio de Janeiro, que tudo começou. Desde 1997 a Maria Filó encanta mulheres com suas criações, servindo como fonte de inspiração em seu dia a dia. A essência que, há 20 anos, conquistou as mulheres cariocas, continua presente a cada coleção e é a protagonista nessas duas décadas de história. Realçar a beleza feminina e inspirar mulheres em todos os encontros da vida é o que move a Maria Filó.  2017-11-10 - Tags: maria filo mood cool artsy trico malharia vestuario 20 anos

A sustentabilidade no artesanato do Cerrado
Já parou para pensar se a matéria-prima ou os processos produtivos daquela camiseta, geraram algum impacto negativo? Quando pensamos em produtos sustentáveis, muitas vezes questionamos apenas se o produto é 'ecologicamente correto', mas, o tema abrange muito mais que isso.  2017-11-08 - Tags: abrapa sou de algodao cerrado bordana algodao sebrae processos produtivos

Centro Universitário Belas Artes leva representantes acadêmicos na Brasil Eco Fashion Week
O primeiro grande evento de moda e consumo consciente do país, a Brasil Eco Fashion Week,que acontece em São Paulo entre os dias 21 e 24 de novembro, recebe em sua primeira edição as promissoras designers Thamires Smidi e Ana Luiza Zaia.  2017-10-26 - Tags: centro academico belas artes de sao paulo ana luiza zaia slow fashion belas artes ecofriendly hand made thamires smidi brasil eco fashion week

Moda infantil obteve crescimento superior ao setor
O maior evento com os lançamentos e tendências do setor de moda infantil da América Latina, a “FIT 0/16”, será realizado entre os dias 03 e 05 de novembro, das 10 às 19 horas, no Expo Center Norte.  2017-10-25 - Tags: iemi moda infantil varejo fit marcelo prado

FARM e Enjoei juntos dão novo significado a peças usadas e prolongam o ciclo da moda
A FARM e o Enjoei, maior marketplace de usados do Brasil com foco em moda feminina, estão juntos em uma parceria inédita para dar novo significado a peças usadas e, assim, manter o ciclo da moda em movimento. A principal iniciativa prevista pela parceria permite que clientes troquem suas peças FARM por créditos para serem usados na compra de novos itens.  2017-10-20 - Tags: farm enjoei ana luiza mclaren marcello bastos marketplace ciclo da moda

Varejo brasileiro deve crescer 1,4% em 2017
Em 2017, o volume de vendas do comércio varejista brasileiro deve crescer 1,4% em relação a 2016, segundo projeção da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). Em julho, a estimativa da entidade era de que o setor fecharia o ano com leve recuo de 0,4% ― a melhora de cenário se deve a uma queda da inflação, nos últimos meses, maior do que se esperava. Os dados se referem ao varejo restrito, que não considera automóveis e material de construção  2017-10-18 - Tags: varejo brasileiro associacao comercial de sp acsp ponto de vista ibge

Criativo é ser ousado
As marcas e a confecção brasileira precisam encontrar o caminho da diferenciação. Se não conseguimos produzir commodities no vestuário, onde os asiáticos são mais fortes porque fazem grandes volumes a preços baixos e com tecnologia de ponta, a saída é investir na inovação e claro, estar sempre atenta ao comportamento de mercado. Já tivemos no passado grandes marcas influenciadoras de moda, que desfrutavam de um público fiel e que ainda estão na memória dos consumidores.  2017-10-18 - Tags: editorial 107 itt press maria jose de carvalho publisher

Tufi Duek realiza a quarta edição do projeto Think Pink
A grife Tufi Duek inaugurou no dia 10 de outubro, na flagship store da Oscar Freire, sua tradicional exposição Think Pink, aonde convidou mulheres que estão passando pelo processo ou já se curaram do câncer de mama para serem retratadas pelo fotógrafo Leo Faria.  2017-10-16 - Tags: tufi duek think pink exposicao oscar freire leo faria unaccam

Plataforma de novos talentos realiza 1ª edição de evento itinerante
Buscando ir além, a plataforma Estilistas Brasileiros se desdobra em um coletivo de moda, com o objetivo de conectar pequenos empreendedores de moda autoral, consciente e slow fashion aos consumidores. Para estimular os negócios o Coletivo Estilistas Brasileiros contará com mais de 30 marcas de roupas, acessórios e cosméticos.  2017-10-05 - Tags: estilistas brasileiros coletivo estilistas brasileiros senac lapa faustolo cristina chiarastella espaço moni

No Minas Trend um outono-inverno de pura “mineiraria”
De 3 a 6 de outubro, com a participação de 212 expositores, a 10ª edição do Minas Trend que se realiza no Expominas, em Belo Horizonte, encerra as comemorações alusivas aos 10 anos de significado sucesso para os setores de vestuário, calçados/bolsas/bijuterias e acessórios.  2017-10-04 - Tags: minas trend outono inverno 2018 fiemg minas gerais mineiraria 10 anos

ABPS realiza segunda edição do CurveWear juntamente com o Farol da Moda
Entre os dias 25 e 29 de setembro a Associação Brasil Plus Size – ABPS - em parceria com as Escolas Técnicas da Fundação Paula Souza vão realizar a segunda edição do Simpósio Nacional de Negócios de Moda Plus Size – o CurveWear e o Farol da Moda.  2017-09-22 - Tags: curvewear 2017 plus size farol da moda abps alceu penna