Language
home » moda & varejo »

Marketing

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

O novo made in China

A Les Lunes, marca de moda sediada em Paris e São Francisco, aprovisiona as peças de vestuário numa fábrica no distrito de Qingpu, nos arredores de Xangai. Nessa fábrica, revela o portal Fast Company, é possível encontrar os filhos das costureiras a brincar em espaços criados para os receber e, na hora de almoço, os trabalhadores reúnem-se numa divisão ensolarada para comer e conversar. Muitos são amigos próximos, trabalhando na fábrica há décadas. Este parece um mundo distante da típica imagem da vida fabril na China.

«Ao contrário de outras partes da China, onde os trabalhadores migram de outras cidades para trabalhar em fábricas, todos os 50 funcionários são da aldeia onde a fábrica está localizada», explica Anna Lecat, fundadora e CEO da Les Lunes, ao portal.

Depois de mais de duas décadas a trabalhar com fábricas do país, Lecat quer mudar a perceção de que o “made in China” se traduz em trabalhadores mal tratados e produtos de má qualidade. Não está sozinha. Uma vaga de empresas de moda ocidentais que se concentram na produção ética – incluindo a Grana, Ellie Kai, Everlane e Caraa – está agora a apostar numa nova geração de fábricas chinesas que paga salários dignos aos trabalhadores, oferece condições de trabalho agradáveis e horários razoáveis e produz vestuário, calçado e acessórios de qualidade.

Nos últimos anos, os consumidores estão cada vez mais conscientes sobre questões de aprovisionamento. Mas, segundo Marshal Cohen, analista de retalho no grupo NPD, os clientes estão dispostos a pagar mais 10% a 15% por vestuário produzido de forma ética.

Como resultado, uma série de startups de moda optou por produzir os seus produtos nos EUA para oferecer aos clientes mais transparência. O movimento está alinhado com o esforço para trazer a produção de volta à casa (reshoring) – em parte devido a uma crescente frustração pela perda de empregos industriais para os trabalhadores estrangeiros. Ainda assim, como a economia de mercado mantém a maioria das fábricas no exterior, algumas empresas estão a argumentar que as fábricas chinesas não são tão más como se faz parecer e que o “made in China” não implica necessariamente baixa qualidade.

Condições de trabalho

Ao longo dos anos, Anna Lecat sempre teve facilidade em encontrar fábricas que combinem com os seus valores em Xangai. Lecat defende que a produção de alta qualidade está muitas vezes – embora não sempre – ligada a melhores condições de trabalho. Em Xangai, uma cidade próspera, é difícil encontrar trabalhadores de fábrica, por isso os empregadores precisam de competir por talento: isso significa oferecer melhores salários e benefícios. Por conseguinte, isso leva a um menor volume de negócios e, por consequência, os trabalhadores tendem a ter mais experiência nas suas tarefas. No caso da Les Lunes, isto significa que as costureiras são hábeis a costurar tecidos delicados e a lidar com rendas complexas.

As condições de trabalho nas fábricas chinesas estão em trajetória ascendente, de acordo com o investigador Keegan Elmer, da China Labour Bulletin, organização que apoia os movimentos de trabalhadores na China. Mas isso não quer dizer que sejam universalmente éticas. «Um dos problemas com a avaliação do estado da fábrica chinesa é que as coisas são muito irregulares», ressalva Elmer.

Os padrões do local de trabalho podem variar por província e região, por exemplo. Em 1980, Pequim designou as regiões de Shenzhen, Guangzhou, Hong Kong e Macau como zonas económicas especiais, oferecendo incentivos fiscais aos empresários chineses e ao investimento estrangeiro para a criação de unidades fabris. Empresas de todo o mundo reconheceram ali uma oportunidade para tirar partido de uma força de trabalho barata e muitas marcas americanas e europeias começaram a deslocalizar a sua produção para a China. Atualmente, a área representa apenas 5% da população do país, mas produz um quarto das exportações.

Para acompanhar este volume de produção, os proprietários das fábricas de Shenzhen dependem do fluxo constante de trabalhadores de regiões próximas em busca de oportunidades. A maioria trabalha durante curtos períodos e, depois, muda-se para as cidades em busca de empregos mais bem remunerados e menos servis – ou regressa a casa com mais de dinheiro no banco. Essa cultura de trabalhadores migrantes de curto prazo significa que os proprietários de fábricas tendem a tratar os funcionários como substituíveis, pelo que não se incomodam em investir em bons salários ou em locais de trabalho agradáveis. Com falta de formação ou experiência, não surpreende que os produtos que fazem tendam a ser de má qualidade.

Mas mesmo em Shenzhen, a cultura de fábrica de vestuário está a começar a mudar. Muitos locais de trabalho tornaram-se mais limpos, mais seguros e mais profissionais. O trabalho em si tende a ser menos árduo e os trabalhadores tendem a trabalhar menos horas. Depois de anos de greves – e de três décadas da política do filho único ter limitado a população ativa –, os trabalhadores migrantes viram o seu poder crescer ligeiramente, à medida que uma geração com mais formação ingressou na força de trabalho.

De acordo com Benjamin Cavender, diretor do China Market Research Group, as fábricas estão também a automatizar cada vez mais as suas linhas de produção, o que significa menos tarefas de trabalho intensivo para os trabalhadores.

As grandes marcas internacionais estão a pressionar as fábricas com as quais se associam a transformar os edifícios em espaços mais ecológicos, bem como a procurar garantir que os trabalhadores sejam tratados com justiça.

O governo chinês também procurou criar proteções para os trabalhadores, incluindo contratos escritos e compensação por despedimento. No entanto, refere Elmer, muitas fábricas não pagam aos trabalhadores todos os benefícios que lhes são legalmente devidos. «Há problemas universais mesmo em algumas das melhores fábricas», admite. «Na realidade, em muitos casos, estes seguros sociais são mal pagos ou nem chegam a ser pagos. Isso motiva greves e protestos regulares dos trabalhadores».

Não obstante, este progresso foi uma das principais razões que fez com que Liz Hostetter encontrasse uma confeção em Shenzhen quando lançou a marca de vestuário feminino Ellie Kai, há cinco anos. Hostetter estava a viver em Hong Kong desde 2008 e reconheceu a próspera indústria de confeção na cidade. Assim, fundou a Ellie Kai, que permite que as clientes escolham de uma seleção de peças e tecidos e, de seguida, os personalizem. Os produtos chegam à casa da cliente três semanas depois do pedido.

A deslocalização

Contudo, o movimento em direção a fábricas mais éticas na China não sinaliza uma tendência global. Cada vez mais, as empresas chinesas procuram mão-de-obra barata noutras regiões da Ásia e no resto do mundo, perpetuando os padrões que outrora governaram Shenzhen. Muitos empresários começaram a comprar fábricas no Vietname, Índia, Malásia ou Sri Lanka.

Na esperança de conter a maré de deslocalizações de fábricas para outras regiões da Ásia, o governo chinês passou a oferecer subsídios às empresas que apenas se mudassem para outras regiões dentro da China, onde os salários podem ser até 30% mais baratos.

Face à deslocalização, uma subdivisão de fábricas chinesas está a estabelecer uma cultura de produção premium, afirma Luke Grana, fundador da Grana, empresa de vestuário com sede em Hong Kong.

A Grana compra linho da centenária Baird McNutt, na Irlanda, lã merino do grupo Albini e popelina de uma empresa familiar em Avignon, na França. As matérias-primas são enviadas para um conjunto de fábricas em Huzhou e Guangdong, não muito longe de Hong Kong, onde fabricantes de vestuário sabem cortar e costurar esses materiais caros adequadamente. «São realmente especialistas e técnicos qualificados», garante Luke Grana.

 

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

por Portugal Têxtil
https://www.portugaltextil.com/o-novo-made-in-china/

Data de publicação: 31/05/2017

Conteúdo relacionado


Programa ABVTEX amplia governança com Projeto de Evolução
A ABVTEX (Associação Brasileira do Varejo Têxtil), entidade que representa as principais redes de varejo de moda do País, lançou ao mercado o Projeto Evolução do Programa ABVTEX, considerado o maior esforço setorial da moda no Brasil em prol da responsabilidade social, do compliance e da promoção do trabalho digno.  2018-09-25 - Tags: abvtex projeto de evolucao marciel costa calvin klein cia hering centauro gep gpa marisa pernambucanas renner reserva riachuelo

SENAI Brasil Fashion estreia canal no Youtube
A plataforma de educação e incentivo à moda brasileira SENAI Brasil Fashion lança, neste mês, um canal no Youtube com uma série de vídeos e coberturas para os amantes da moda. A programação contará com a participação dos estilistas Alexandre Herchcovitch, Lenny Niemeyer, Lino Villaventura e Ronaldo Fraga.  2018-09-25 - Tags: senai brasil fashion samba marketing senai alexandre herchcovitch lenny niemeyer lino villaventura senai cetiqt

Estudo da FAAP mostra falhas de atendimento das grandes marcas de moda no Instagram
Um novo estudo desenvolvido pelo Núcleo de Inovação em Mídia Digital (NiMD) da Faculdade Armando Alvares Penteado (FAAP) mostra que ainda existem empresas que ignoram o consumidor nas redes sociais. "Isso é um pecado mortal em tempos de comunicação instantânea", ressalta o professor Thiago Costa, coordenador do curso de pós-graduação em Comunicação e Marketing Digital da instituição e responsável pela pesquisa.  2018-09-21 - Tags: faap redes sociais nucleo de inovacao em midia digital nimd instagram comunicacao

Archroma apresenta inspirações de cores na Première Vision
Após anunciar recentemente a parceria com o Carlin Creative Trend de Paris, o mais antigo bureau de tendências do mundo, fundado em 1947, a Archroma, líder em cor e especialidades químicas, apresentará na Première Vision sua inovadora paleta de cores para a indústria têxtil.  2018-09-21 - Tags: carlin creative trend color atlas by archroma premiere vision archroma annflor sangan

Inverno 2019 traz menos preto e mais cores com brilho
“Robótica, ativismo e ludicidade; resgate de valores e digitalização dos desejos. Tudo isso foi mostrado nos desfiles internacionais como síntese dos anseios de uma sociedade cada vez mais influenciada pelas mídias digitais”, resume Julia Curan, consultora da WGSN Mindset, que apresentou as “Tendências do Inverno 2019 – Moda Feminina”, durante a Gotex Show 2018, realizada de 11 a 13 de setembro no Expo Center Norte, em São Paulo.  2018-09-14 - Tags: gotex show 2018 estudio adriana boulos wgsn pussy power wgsn mindset julia curan lgbt

Lunelli é a primeira no Brasil a utilizar viscose sustentável
A preocupação com o meio ambiente é constante em todos os processos realizados dentro das unidades do Grupo Lunelli. Por isso, a marca coloca em prática diversas ações que visam minimizar os efeitos da produção e, entre elas, está aderir a inovações como a utilização de materiais com menor impacto ambiental.  2018-09-12 - Tags: grupo lunelli ecovero lenzing qr code lunender viscose ecologica

Alfaiataria industrial é tendência e vira tema de pós-graduação
A alfaiataria mudou. Hoje não é mais tão artesanal como no passado. Passou a ser industrializada, dispondo de processos mais rápidos e menos caros para a confecção de ternos, blazer, calças com prega, por exemplo, com acabamento industrial. Atento a essa demanda, o SENAI CETIQT abriu inscrições para o curso de pós-graduação “Gestão e Planejamento em Modelagem: Alfaiataria Industrial”, que irá treinar profissionais para esse novo desafio do mercado.  2018-09-06 - Tags: alfaiataria senai cetiqt modelagem alfaiataria industrial melissa silva pos graduacao

Círculo S/A utiliza realidade aumentada em seus catálogos e rótulos de produtos
Para trazer mais informações sobre os produtos da marca, a Círculo S/A apostou na tecnologia de realidade aumentada em seus catálogos, revista e rótulos de novelos para os próximos lançamentos. Dessa forma, é possível visualizar uma peça confeccionada com o fio selecionado, e assim ter uma prévia mais real do estilo e caimento do fio, a partir de um vídeo em 360 graus. A ideia é também inspirar algumas criações com os fios comercializados.  2018-09-05 - Tags: circulo sa osni de oliveira junior realidade aumentada catalogos

Vencedora de concurso da Lectra cria uniforme profissional estiloso
O programa Lectra Fashion Network, que a Lectra realiza com as escolas de moda, foi apresentado com destaque, por meio do concurso Lectra Fashion Challenge, durante a participação da empresa na Febratex 2018, realizada em agosto, em Blumenau. Participaram alunos da Escola Belas Artes, Senai de São Paulo e o Senac Santo Amaro, que tinham como desafio criar o uniforme da equipe Lectra para a feira.  2018-09-04 - Tags: patricia costa lectra lectra fashion network lectra fashion challenge bianca rosa fernandes febratex 2018

Reserva lança plataforma de collabs com tiragem limitada
A Reserva acaba de criar uma célula criativa e todo mês fará parceria com uma marca icônica. Batizado de RSV+, o projeto teve seu pontapé inicial com a gigante do jeanswear americano Lee, e a novidade da vez é a união com a grife italiana Fila.  2018-09-03 - Tags: fila reserva collabs fx-100 low couro premium heritage

Vantagens de ter uma loja virtual em marketplaces
Se dentro de uma loja de shopping os consumidores passam os olhos rapidamente pelas prateleiras e já identificam as peças de sua marca preferida, imagine qual é a velocidade do pensamento daqueles que decidem comprar uma mercadoria pela internet e pesquisam no Google precisamente o nome do produto e o preço que estão dispostos a pagar.  2018-08-31 - Tags: ebit ecommerce google loja virtual robinson idalgo sistema gratis ponto de vista marketing

Precisamos defender a nossa indústria
Passados 20 anos do advento da globalização como panaceia para economia global e solução para prosperidade, o que vemos hoje é um grande ponto de interrogação sobre o futuro das relações comerciais no mundo. Enquanto as duas maiores potências do planeta, Estados Unidos e China, ameaçam mutuamente taxar suas importações, aqui no Hemisfério Sul, nos perguntamos: “Para onde vamos?”  2018-08-31 - Tags: maria jose ponto de vista industria textil manufatura industrial futuro textil editorial 111 itt press publisher

Vicunha declara seu primeiro apoio à Pinacoteca na exposição Mulheres Radicais
Pela primeira vez em seus cinquenta anos de atuação, a Vicunha apoia mostra na Pinacoteca de São Paulo. De 18 de agosto a 19 de novembro de 2018, a Pinacoteca apresenta a grande exposição coletiva Mulheres Radicais: arte latino-americana, 1960-1985.  2018-08-17 - Tags: mulheres radicais pinacoteca vicunha valeria piccoli lygia pape cecilia vicuna ana mendieta anna maria maiolino beatriz gonzalez e marta minujin

Denim City chega a São Paulo e inspira Santa Catarina a criar Escola da Malha
Você já ouviu falar da Denim City? Essa instituição holandesa mal desembarcou no Brasil e já está inspirando o mercado da moda catarinense. O Brasil é o primeiro país do mundo a receber uma unidade da instituição fora da Holanda.  2018-08-17 - Tags: denim city fundação house of denim jean school tecnoblu santa catarina moda e cultura amelia malheiros

Alexandre Herchcovitch desenvolve coleção com Sensil®, o nylon 6.6 premium da NILIT
O multifacetado e impecável estilista Alexandre Herchcovitch coloca mais uma vez seu talento à serviço da moda e assina nova coleção para À La Garçonne. Desta vez, o designer, considerado um dos maiores gênios da moda brasileira dos últimos tempos, se uniu à Sensil® e desenvolveu peças ousadas e singulares, como todas que tem seu DNA.  2018-08-14 - Tags: alexandre herchcovitch a la garçonne sensil nylon vicunha berlan nilit

Professores do SENAI CETIQT lançam livro sobre cadeia produtiva do vestuário
Os docentes Paulo Fulco e Antonia Mendes apresentam “Costurar e empreender: o universo da confecção”, livro que traça um panorama sobre o setor têxtil no país. O Brasil é um dos maiores produtores de roupas e manufaturas têxteis do mundo, com grande procura por mão de obra especializada no setor de confecções.  2018-08-10 - Tags: senai cetiqt editora senac costurar e empreender cadeia produtiva do vestuario paulo fulco antonia mendes

Galeries Lafayette lança movimento Go For Good
Há 120 anos a Galeries Lafayette é referência em moda e consumo enquanto expressão de uma cultura. E, atenta às transformações e inovações, sabe que a moda se tornou em uma das indústrias mais poluidoras do mundo. Nesse contexto, e a exemplo de empresas e governos, une-se a um movimento por formas mais respeitosas de produção, distribuição e consumo e promoverá, entre 29 de agosto e 10 de outubro, o projeto Go For Good.  2018-08-08 - Tags: galeries lafayette boulevard haussmann go for good stella mc cartney boulevard haussmann

Natural Cotton Color é tema de painel em Fórum de Sustentabilidade e Governança
Com o tema “estratégias que impactam negócios e norteiam o amanhã”, a empresária Francisca Vieira apresenta a Natural Cotton Color na 7ª edição do Fórum Sustentabilidade e Governança em 21 e 22 de agosto, em Curitiba. A CEO da marca de moda sustentável estará no painel “Tendências em Sustentabilidade e Governança: case corporativo” e mostrará a cadeia produtiva do algodão colorido orgânico da Paraíba para os participantes.  2018-08-03 - Tags: natural cotton color forum sustentabilidade e governanca organizacoes das nacoes unidas arranjo produtivo local algodao colorido da paraiba

Senai Cetiqt recebe reconhecimento internacional
O Senai Cetiqt recebeu, em São Paulo, o troféu The Winner 2018, da Revista International Business Magazine, considerado um dos reconhecimentos empresariais mais importantes por reunir líderes e empresas que contribuem para o crescimento de seu país nas mais variadas categorias. A revista é especializada no mercado publicitário e circula em mais de 40 países.  2018-07-17 - Tags: senai cetiqt trofeu the winner 2018 the winner 2018 revista international business magazine robson wanka