Language
home » moda & varejo »

Marketing

Tamanho do texto  A A A
Compartilhar

O novo made in China

A Les Lunes, marca de moda sediada em Paris e São Francisco, aprovisiona as peças de vestuário numa fábrica no distrito de Qingpu, nos arredores de Xangai. Nessa fábrica, revela o portal Fast Company, é possível encontrar os filhos das costureiras a brincar em espaços criados para os receber e, na hora de almoço, os trabalhadores reúnem-se numa divisão ensolarada para comer e conversar. Muitos são amigos próximos, trabalhando na fábrica há décadas. Este parece um mundo distante da típica imagem da vida fabril na China.

«Ao contrário de outras partes da China, onde os trabalhadores migram de outras cidades para trabalhar em fábricas, todos os 50 funcionários são da aldeia onde a fábrica está localizada», explica Anna Lecat, fundadora e CEO da Les Lunes, ao portal.

Depois de mais de duas décadas a trabalhar com fábricas do país, Lecat quer mudar a perceção de que o “made in China” se traduz em trabalhadores mal tratados e produtos de má qualidade. Não está sozinha. Uma vaga de empresas de moda ocidentais que se concentram na produção ética – incluindo a Grana, Ellie Kai, Everlane e Caraa – está agora a apostar numa nova geração de fábricas chinesas que paga salários dignos aos trabalhadores, oferece condições de trabalho agradáveis e horários razoáveis e produz vestuário, calçado e acessórios de qualidade.

Nos últimos anos, os consumidores estão cada vez mais conscientes sobre questões de aprovisionamento. Mas, segundo Marshal Cohen, analista de retalho no grupo NPD, os clientes estão dispostos a pagar mais 10% a 15% por vestuário produzido de forma ética.

Como resultado, uma série de startups de moda optou por produzir os seus produtos nos EUA para oferecer aos clientes mais transparência. O movimento está alinhado com o esforço para trazer a produção de volta à casa (reshoring) – em parte devido a uma crescente frustração pela perda de empregos industriais para os trabalhadores estrangeiros. Ainda assim, como a economia de mercado mantém a maioria das fábricas no exterior, algumas empresas estão a argumentar que as fábricas chinesas não são tão más como se faz parecer e que o “made in China” não implica necessariamente baixa qualidade.

Condições de trabalho

Ao longo dos anos, Anna Lecat sempre teve facilidade em encontrar fábricas que combinem com os seus valores em Xangai. Lecat defende que a produção de alta qualidade está muitas vezes – embora não sempre – ligada a melhores condições de trabalho. Em Xangai, uma cidade próspera, é difícil encontrar trabalhadores de fábrica, por isso os empregadores precisam de competir por talento: isso significa oferecer melhores salários e benefícios. Por conseguinte, isso leva a um menor volume de negócios e, por consequência, os trabalhadores tendem a ter mais experiência nas suas tarefas. No caso da Les Lunes, isto significa que as costureiras são hábeis a costurar tecidos delicados e a lidar com rendas complexas.

As condições de trabalho nas fábricas chinesas estão em trajetória ascendente, de acordo com o investigador Keegan Elmer, da China Labour Bulletin, organização que apoia os movimentos de trabalhadores na China. Mas isso não quer dizer que sejam universalmente éticas. «Um dos problemas com a avaliação do estado da fábrica chinesa é que as coisas são muito irregulares», ressalva Elmer.

Os padrões do local de trabalho podem variar por província e região, por exemplo. Em 1980, Pequim designou as regiões de Shenzhen, Guangzhou, Hong Kong e Macau como zonas económicas especiais, oferecendo incentivos fiscais aos empresários chineses e ao investimento estrangeiro para a criação de unidades fabris. Empresas de todo o mundo reconheceram ali uma oportunidade para tirar partido de uma força de trabalho barata e muitas marcas americanas e europeias começaram a deslocalizar a sua produção para a China. Atualmente, a área representa apenas 5% da população do país, mas produz um quarto das exportações.

Para acompanhar este volume de produção, os proprietários das fábricas de Shenzhen dependem do fluxo constante de trabalhadores de regiões próximas em busca de oportunidades. A maioria trabalha durante curtos períodos e, depois, muda-se para as cidades em busca de empregos mais bem remunerados e menos servis – ou regressa a casa com mais de dinheiro no banco. Essa cultura de trabalhadores migrantes de curto prazo significa que os proprietários de fábricas tendem a tratar os funcionários como substituíveis, pelo que não se incomodam em investir em bons salários ou em locais de trabalho agradáveis. Com falta de formação ou experiência, não surpreende que os produtos que fazem tendam a ser de má qualidade.

Mas mesmo em Shenzhen, a cultura de fábrica de vestuário está a começar a mudar. Muitos locais de trabalho tornaram-se mais limpos, mais seguros e mais profissionais. O trabalho em si tende a ser menos árduo e os trabalhadores tendem a trabalhar menos horas. Depois de anos de greves – e de três décadas da política do filho único ter limitado a população ativa –, os trabalhadores migrantes viram o seu poder crescer ligeiramente, à medida que uma geração com mais formação ingressou na força de trabalho.

De acordo com Benjamin Cavender, diretor do China Market Research Group, as fábricas estão também a automatizar cada vez mais as suas linhas de produção, o que significa menos tarefas de trabalho intensivo para os trabalhadores.

As grandes marcas internacionais estão a pressionar as fábricas com as quais se associam a transformar os edifícios em espaços mais ecológicos, bem como a procurar garantir que os trabalhadores sejam tratados com justiça.

O governo chinês também procurou criar proteções para os trabalhadores, incluindo contratos escritos e compensação por despedimento. No entanto, refere Elmer, muitas fábricas não pagam aos trabalhadores todos os benefícios que lhes são legalmente devidos. «Há problemas universais mesmo em algumas das melhores fábricas», admite. «Na realidade, em muitos casos, estes seguros sociais são mal pagos ou nem chegam a ser pagos. Isso motiva greves e protestos regulares dos trabalhadores».

Não obstante, este progresso foi uma das principais razões que fez com que Liz Hostetter encontrasse uma confeção em Shenzhen quando lançou a marca de vestuário feminino Ellie Kai, há cinco anos. Hostetter estava a viver em Hong Kong desde 2008 e reconheceu a próspera indústria de confeção na cidade. Assim, fundou a Ellie Kai, que permite que as clientes escolham de uma seleção de peças e tecidos e, de seguida, os personalizem. Os produtos chegam à casa da cliente três semanas depois do pedido.

A deslocalização

Contudo, o movimento em direção a fábricas mais éticas na China não sinaliza uma tendência global. Cada vez mais, as empresas chinesas procuram mão-de-obra barata noutras regiões da Ásia e no resto do mundo, perpetuando os padrões que outrora governaram Shenzhen. Muitos empresários começaram a comprar fábricas no Vietname, Índia, Malásia ou Sri Lanka.

Na esperança de conter a maré de deslocalizações de fábricas para outras regiões da Ásia, o governo chinês passou a oferecer subsídios às empresas que apenas se mudassem para outras regiões dentro da China, onde os salários podem ser até 30% mais baratos.

Face à deslocalização, uma subdivisão de fábricas chinesas está a estabelecer uma cultura de produção premium, afirma Luke Grana, fundador da Grana, empresa de vestuário com sede em Hong Kong.

A Grana compra linho da centenária Baird McNutt, na Irlanda, lã merino do grupo Albini e popelina de uma empresa familiar em Avignon, na França. As matérias-primas são enviadas para um conjunto de fábricas em Huzhou e Guangdong, não muito longe de Hong Kong, onde fabricantes de vestuário sabem cortar e costurar esses materiais caros adequadamente. «São realmente especialistas e técnicos qualificados», garante Luke Grana.

 

O Portal Textília.net não autoriza a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo aqui publicado, sem prévia e expressa autorização. Infrações sujeitas a sanções.

por Portugal Têxtil
https://www.portugaltextil.com/o-novo-made-in-china/

Data de publicação: 31/05/2017

Conteúdo relacionado


Juros altos prejudicam duplamente a sociedade
A decisão do Copom de reduzir a Selic para 6,75%, menor taxa desde 1999, quando foi implantado o regime de metas da inflação, é positiva, mas mantém os juros brasileiros entre os mais elevados do mundo.  2018-02-16 - Tags: ponto de vista abit fernando pimentel

A alavanca do omnichannel
Em 2011 criamos, eu e mais dois sócios, uma loja virtual de modelo dailydeal e sonhamos ficar ricos em pouco tempo. Não ficamos, mas felizmente meu objetivo principal de entender o modelo de vendas em plataformas digitais foi cumprido integralmente.  2018-02-16 - Tags: ponto de vista omnichannel topperminds

Carnaval incrementa em 50% venda de insumos para estamparia
A maior festa popular brasileira também representa uma oportunidade de negócios para muitas empresas, especialmente do setor têxtil/confecção. Não só a venda de abadás, tecidos e acessórios para fantasias movimentou a indústria, mas também empresas ligadas ao B2B.  2018-02-16 - Tags: carnaval insumos estamparia gqm sudeste global quimica

Epson lança hotsite para designers e empresários de moda
A tecnologia de impressão digital não para de evoluir, assim como a moda. De olho nas últimas tendências desses dois mercados, a Epson apresentou no dia 6 de fevereiro, durante o evento Digital Couture Project 2018 em Nova York, o novo hotsite “Epson Une a Tecnologia com a Moda”, criado para aproximar designers e empresários de moda da tecnologia de impressão digital têxtil.  2018-02-16 - Tags: hotsite epson une a tecnologia com a moda epson impressao digital digital couture project 2018 impressao digital textil

Archroma lança Atlas de Cores na Première Vision Paris
Quantas tonalidades pode ter a criatividade? Para responder esta pergunta, a empresa suíça Archroma, líder global em cores e produtos químicos especiais para indústria têxtil/moda, lançou no Salão Première Vision Paris o Color Atlas by Archroma® (Atlas de Cores), que traz nada menos que 4.320 tons e amostras, para dar forma à imaginação dos designers.  2018-02-15 - Tags: fashion trends archroma premiere vision mintmoda ss19 color atlas color atlas library

ONG Orientavida é a nova parceira do Movimento Sou de Algodão
A ONG Orientavida, organização que promove a inclusão social de mulheres em regime de detenção, anuncia parceria com o movimento Sou de Algodão, iniciativa da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (ABRAPA), que tem como objetivo incentivar o uso da fibra na indústria têxtil brasileira.  2018-02-14 - Tags: ong orientavida sou de algodao inclusão social abrapa cataguases

MilanoUnica, sustentabilidade e fashiontech para repensar o 'status quo'
A 26° edição da MilanoUnica, primavera/verão 2019-20, a mais importante feira europeia do setor têxtil que acontece duas vezes por ano, em Milão (fevereiro e julho), abriu o calendário da moda no dia 6 de fevereiro e vai até o dia 8.  2018-02-07 - Tags: milanounica save the planet verao 2019 verao 2020 fashiontech sustentabilidade

Sou de Algodão fecha cinco parcerias em janeiro e divulga balanço de 2017
O ano acabou de começar e o movimento Sou de Algodão, iniciativa da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (ABRAPA), que tem como objetivo incentivar o uso da fibra na indústria têxtil brasileira, já fechou cinco novas parcerias totalizando 16 marcas signatárias Cataguases, Incofios Fiação, Juliana Carrijo, Ong Orientavida e Marina Abdalla são as mais novas empresas que aderiram ao movimento.  2018-02-07 - Tags: abrapa sou de algodao abvtex cataguases incofios fiacao juliana carrijo ong orientavida marina abdalla

Projeto europeu aperfeiçoa ensino de moda com e-learning e acervo histórico
A UAL (Universidade de Artes de Londres) está desenvolvendo ferramenta de ensino on-line para designers de moda da União Europeia para atender o projeto de pesquisa Erasmus+KA2 ART-Cherie. A digitalização das coleções do Museu Têxtil de Prato, na Itália, que possui um dos maiores acervos têxteis da Europa, foi anunciada como primeira ação do projeto.  2018-02-05 - Tags: universidade de artes de londres erasmus ka2 art cherie jose teunissen ong gnosi anaptixiaki museu twxtil de prato

Valorização da experiência transforma consumidor em defensor da marca
A logística do atendimento nunca foi tão importante para as marcas como agora. Isso porque, com a tecnologia inserida no cotidiano das pessoas, a venda online e offline se completam e, com isso, novos desafios surgem para a era do varejo omnichannel – tendência que converge todos os canais de venda utilizados por uma empresa e faz com que a experiência do cliente seja o ponto-chave.  2018-02-05 - Tags: logística do atendimento varejo experiencia de consumo tendencias de varejo transformacao digital wilmar lima

Moda aliada às necessidades das pessoas é tema de debate online
Carolina Levien tem 23 anos e é cadeirante há três. Desde os quinze anos ela convive com uma condição chamada Polimiosite, que a faz perder a força nos músculos. Nascida em Pelotas, interior do Rio Grande do Sul, atualmente reside na Alemanha, para onde foi em busca de novos tratamentos e, de lá, Lina, como é conhecida, escreve sobre moda, beleza, inclusão e conta um pouco sobre a sua rotina.  2018-01-30 - Tags: debate aberto diversidade na rua moda alinhada as necessidades das pessoas moda inclusiva carolina levien

Corante extraído de sementes brasileiras garante sustentabilidade ao tingimento de tecidos
A sustentabilidade tem sido um fator chave na decisão de compra de muitos consumidores e diversos segmentos têm se adaptado a essa realidade. No mercado da moda não tem sido diferente. Hoje já é possível ter uma roupa tingida por um corante extraído da casca da castanha, por exemplo.  2018-01-29 - Tags: senai cetiqt instituto senai de inovacao em biossinteticos biodiversite castanha do brasil adriano passos

Invista fará viagem no tempo durante a Colombiatex 2018
Inovação, tecnologia, conforto e diversos outros atributos fazem da LYCRA® uma marca que revolucionou o mercado de tecido e consequentemente toda a moda mundial com seu fio de elastano. Parte dessa história será destaque na Colombiatex 2018, maior feira do setor têxtil da América Latina, que acontecerá entre 23 e 25 de janeiro em Medellín, na Colômbia.  2018-01-23 - Tags: lycra grupo invista fio lycra colombiatex 2018 america latina fibra t400

ABVTEX é a nova parceira do movimento Sou de Algodão
O movimento Sou de Algodão, ação que incentiva o uso do algodão brasileiro responsável na moda e preza pela preservação do meio ambiente, o respeito ao trabalhador e a sustentabilidade dos negócios, acaba de ganhar o engajamento da ABVTEX - Associação Brasileira do Varejo Têxtil, que representa as principais redes de varejo de moda do País.  2018-01-22 - Tags: abvtex abrapa iba algodao sustentavel sou de algodao sustentabilidade

M.POLLO abre e-commerce para alcançar todo o Brasil
A M.POLLO aposta no ambiente digital para ampliar presença no mercado e alavancar as vendas. A abertura do e-commerce faz parte do Planejamento Estratégico da marca, que prevê três lojas conceitos – a primeira abriu em outubro na capital de Goiás – e a adoção do sistema de franquias a partir de 2019.  2018-01-18 - Tags: m pollo ecommerce grupo mpl gabriel bontempo loja virtual marketing

Fórum contempla tendências de moda e novos hábitos de consumo
As primeiras palestras do Fórum Couromoda/São Paulo Prêt-à-Porter 2018 ressaltaram a importância da inovação para fomentar os negócios de moda na era digital. Tudo com foco no novo perfil de consumidor, que procura mais que serviços, produtos e segue em busca de experiências autênticas com as marcas.  2018-01-16 - Tags: tendere couromoda 2018 tendencias de moda habitos de consumo sao paulo pret a porter 2018

Lectra apresenta nova identidade de marca inspirada na era digital
A Lectra apresentou, em Paris, sua nova identidade visual que expressa a estratégia global da companhia de focar nos clientes e nos conceitos da indústria 4.0. Parceira em tecnologia para empresas que utilizam tecidos e couros, a Lectra reforça seu foco estratégico na era digital, voltado para os mercados de moda e confecção, automobilístico e móveis.  2018-01-12 - Tags: lectra identidade visual alexis noal empowering customers through industrial intelligence industria 4 0 celine choussy bedouet

Hudtelfa lança Coleção Premium com tecidos de alta densidade
A Hudtelfa, indústria têxtil paulista que atua no mercado há 84 anos nos segmentos de moda, calçados e tecidos de decoração, acaba de lançar a coleção “Premium” 2018.  2018-01-11 - Tags: hudtelfa juliano renaux premium 2018 tricolines gabardines sarjas confeccionistas

Roupa esportiva, sustentável e tecnológica será destaque na Semana de Moda de Berlin
Urban Outdoor é o nome da nova tendência global de moda, onde a realidade do asfalto encontra o romantismo da aventura. De Tóquio a Nova York, passando por Berlin, roupas feitas de tecidos e acessórios funcionais, despertam o interesse de uma legião de novos consumidores, amantes de moda, tecnologia e natureza.  2018-01-10 - Tags: semana de moda de berlin roupa esportiva urban outdoor greenshowroom ethical fashion show olaf schmidt messe frankfurt fashiontech fashion sustain

Retrospectiva: Ícones do DFB Festival analisam influências da moda autoral
Chegando à maioridade, no auge dos seus 18 anos, o DFB Festival (que adequou sua marca anterior Dragão Fashion Brasil aos novos tempos de hashtags) trouxe ao mercado alguns ícones da chamada moda autoral, nome dado às criações de estilistas e grifes que valorizam o trabalho artesanal, a identidade nacional e a criatividade como assinatura.  2017-12-15 - Tags: dfb festival moda autoral dragao fashion brasil 2018 claudio silveira itt press 107 almerinda maria lindebergue fernandes camila arrais melk z